Por que é que os médicos não conseguem dizer aos doentes que talvez nunca consigam abandonar os seus antidepressivos?

Começar a tomar antidepressivos é um "risco de dependência para o resto da vida".

0
317

Publicado no The Mail, domingo passado, 24 de janeiro. A matéria é escrita por Miranda Levy.

 

Dois fatos com relação aos antidepressivos são destacados:

Que os experts em saúde mental [as evidências] vem advertindo que os pacientes correm o risco de “ficarem presos pelo resto de suas vidas” à medicação.

Que as evidências mostram que os médicos têm fracassado em ajudar os pacientes a lidar com os sintomas de abstinência.

“Em 2019 as autoridades britânicas de saúde emitiram orientações aos médicos de clínica geral sobre os perigos, mas um estudo de mais de 67.000 doentes que publicaram em fóruns dedicados aos meios de comunicação social revelou que muitos continuam a sofrer sem o devido apoio médico.

“As preocupações surgem no meio de uma procura crescente por antidepressivos durante a pandemia de Covid-19, com seis milhões de prescrições emitidas só entre junho e setembro do ano passado – o número mais alto de que há registro.

Os números oficiais mostram que quase um quinto da população do Reino Unido está neste momento tomando os comprimidos, o qual funciona através do aumento da quantidade de substâncias químicas reguladoras do humor no cérebro. Para muitos, eles são como salva-vidas.”

A matéria trabalha com os dados de uma pesquisa conduzida por John Read, psicólogo clínico da Universidade de East London, e pelo pesquisador psicólogo Dr. Ed White. Essa pesquisa foi realizada no ano passado, seguindo dezenas de milhares de postagens de pacientes em grupos de Facebook destinados a trocar informações de como lidar com a abstinência. Um dado que deve chamar a nossa atenção: os membros desses grupos cresceram quase que 1/3, desde o início da pandemia, com aproximadamente 1.000 se juntando a cada mês.

Na foto: Dr. Peter Gordon, 53, que diz que nunca teria começado a tomar antidepressivos se soubesse das consequências destruidoras de vidas

A jornalista Miranda Levy apresenta relatos de experiências de usuários de antidepressivo. Como é o caso do Dr. Peter Gordon, 53 anos de idade, que diz que nunca haveria começado a tomar antidepressivos se soubesse das consequências desastrosas para o resto da sua vida. Não é por acaso. Como é dito na matéria do The Mail, evidências científicas vem mostrando que mesmo após um uso de antidepressivos por um curto período, cerca de 40% dos usuários podem sobrem de abstinência quando tentam parar de tomar.

“Os problemas, que também incluem fadiga, náuseas e tonturas, podem ser tão debilitantes que muitos pacientes acabam por levar anos a desmamar gradualmente os medicamentos potentes.”

“Cerca de 80% disseram ter “recebido pouca ou nenhuma orientação” do seu médico sobre como reduzir a sua dose de antidepressivos, e foram forçados a ir à Internet para encontrar ajuda.”

Vale a pena apresentar em mais detalhes o caso de Kate Jones mostrado na matéria jornalística. A Sra. Kate Jones, 41 anos, desde 2019 está lutando para ficar livre dos antidepressivos. Mãe de um filho com oito anos de idade, trabalhando no comércio online, foi-lhe prescrito uma dose diária de Venlafaxina, após uma ruptura traumática em 2016. A sua depressão foi embora, mas seis meses depois ela começou a ter sintomas mais preocupantes, sentindo-se exausta e apática.

“Não estava triste, nem feliz – era como ser um zumbi. Passei de alguém que gostava de sair a correr durante horas para alguém que não tinha energia ou motivação para fazer algo.”

‘Eu voltava a consultar os médicos e falava-lhes dos meus sintomas, mas eles apenas aumentavam a minha dose de antidepressivos”.

Após três anos, sentindo-se progressivamente pior, Kate decidiu que já era suficiente.

“Tinha-me convencido de que eram os comprimidos que me estavam a fazer sentir horrível, e o médico de família concordou que eu podia começar a reduzir a minha dose”, acrescenta ela. Quase imediatamente comecei a sentir dores na barriga e um constante tilintar no meu ouvido, como o zumbido”.

Ela começou a ter alucinações, convencida de que conseguia ouvir um coro a cantar enquanto estava sozinha na cama à noite.

Compreensivelmente preocupada, foi ao seu médico de clínica geral, que pediu análises ao sangue para ver se os problemas hormonais ou deficiências podiam ser culpados – mas os resultados eram normais.

“Duas semanas depois, voltei com todos os sintomas escritos e disse-lhes que suspeitava fortemente que a retirada dos comprimidos tinha algo a ver com isso”, diz Kate. “Ela tirou-me a lista da mão e disse-me que não tinha tempo para discutir mais a questão”.

Aparentemente sem outras opções, Kate recorreu a um grupo de apoio no Facebook, onde os membros oferecem conselhos baseados nas suas próprias experiências de retirada dos antidepressivos.

Atualmente, ela está fazendo uso de uma faca para raspar pequenas partes das suas pílulas diárias. Gradualmente as coisas têm melhorado, embora a dor de estômago e o zumbido persistentes continuem a ser um problema.

“O mais importante é que saí de um nevoeiro de cinco anos”, diz ela. Agora raramente estou deprimida – apesar de ser uma mãe solteira a viver numa quitinete no primeiro andar sem jardim numa pandemia. Na verdade, sinto-me como uma pessoa diferente”.

A experiência de Kate está longe de ser incomum, diz o Dr. Mark Horowitz, um neurocientista do University College London.

“Já vi doentes tão tontos que não são capazes de ficar de pé, mal conseguem dormir e sofrem ataques de pânico”, diz ele. Pior, o seu médico diz-lhes que é a depressão deles que regressa, em vez de algo causado pelo medicamento.

“Podem acabar aprisionados para toda a vida por comprimidos. Alguns são levados ao suicídio pelos sintomas de abstinência, não pela sua doença original’.

O Dr Horowitz diz que os profissionais de saúde mental “sabem há algum tempo” que os doentes, em desespero, se estão voltando para grupos de apoio dos meios de comunicação social em busca de ajuda. Ele acrescenta:

“Eles dão conselhos uns aos outros para esmagar comprimidos e pesar porções minúsculas utilizando balanças.

Outros podem abrir cápsulas, misturando o medicamento dentro de água, e depois beber uma quantidade minúscula. Pode funcionar para algumas pessoas, mas é fácil de errar a dose e desencadear problemas piores. Os doentes não estão recebendo apoio médico adequado”.

Confira a matéria do The Sun na íntegra, clicando aqui →

[trad. e edição Fernando Freitas]