Sobrevivendo aos Antidepressivos: Uma Entrevista com Adele Framer

Amy Biancolli do Mad in America entrevista Adele Framer, fundadora do SurvivingAntidepressants.org, sobre a retirada de medicamentos psiquiátricos.

0
446

Adele Framer, também conhecida pelo tratamento online Altostrata, é a fundadora de SurvivingAntidepressants.org, um site de apoio de pares crítico e abrangente e que apresenta vários milhares de histórias de casos de retirada de medicamentos psiquiátricos. O site é uma grande referência de informação sobre o tema, destacando os métodos de retirada e recuperação segura de drogas e ressaltando a dignidade dos que se encontram nas dificuldades da abstinência.

Framer chegou à sua expertise através da sua experiência pessoal. Em 2004, após três anos com 10 mg de paroxetina, ela abandonou o medicamento com orientação médica e sofreu sintomas de abstinência que o seu médico considerava como recaída. Em seguida, visitou mais de 50 psiquiatras, tentando e não encontrando alguém com conhecimentos em abstinência de antidepressivos. As suas próprias pesquisas sobre o tema, incluindo leituras de revistas científicas e recomendações da FDA, levaram-na à criação do SurvivingAntidepressants.org, em 2011.

Os membros registrados no site atingem agora cerca de 14.000, com cerca de 56.000 visitantes por mês. O site apresenta 6.000 histórias de casos e contém mais de 60 tópicos que cobrem dicas sobre o afunilamento gradual de medicamentos específicos. Toda a informação do site é extraída de documentos científicos, consultores governamentais, e grande parte da informação tem sido partilhada através do Facebook e outras plataformas na web. O site recebeu menções em revistas científicas e em jornais de grande circulação, tais como Psychiatric Times e Psychology Today.

Framer, que cresceu em Nova Iorque, vive em São Francisco há mais de 40 anos. Está agora aposentada após uma carreira profissional de criação de programas de design para utilizadores de software.

A transcrição abaixo foi editada para maior extensão e clareza. Ouça aqui o áudio da entrevista completa.

Amy Biancolli: Adele Framer, muito obrigada por concordar em falar comigo hoje. Em primeiro lugar: um “porquê”. Porque é que o SurvivingAntidepressants.org  é tão importante? Por que é que foi necessário? Qual é o seu importante papel?

Adele Framer: Olá, Amy, obrigada por me receber, eu agradeço. Quando saí do Paxil em 2004, estava sob os cuidados do que pensava ser um departamento psiquiátrico de elite na Universidade da Califórnia, São Francisco. Em outubro, fiz a redução durante algumas semanas – que é a forma normal, habitual, de sair de medicamento psiquiátrico. E tive imediatamente uma grave síndrome de abstinência, que foi mal diagnosticada e não foi devidamente tratada. Depois disso, tive a síndrome da abstinência pós-aguda, que me levou 11 anos para me recuperar.

Nessa altura, eu era uma caçadora de informações. Encontrei muito rapidamente documentos sobre a síndrome de abstinência de antidepressivos e, em particular, a síndrome de abstinência da paroxetina [Paxil]. E isto foi em 2004, por isso não se tratava de um segredo. De fato, a FDA tinha colocado um aviso sobre a síndrome de abstinência em Paxil em 2001. Assim, esta informação estava disponível – e eu passei bastante tempo tentando persuadir os meus médicos de que era isso que eu estava a sofrer. Eu imprimia artigos para eles. Tentei muito sinceramente envolvê-los no que pensava serem discussões inteligentes sobre os meus sintomas, bem como sobre o que poderia ser feito.

Pedi a reintrodução da Paxil, que estava [a recomendação] em todos os documentos, e foi impressa pela FDA na informação inserida na embalagem Paxil. Portanto, isso também não era segredo. Mas recusaram-se a fazer isso, e insistiram que eu estava a ter uma recaída – apesar de todas estas provas. Por isso, fiquei sem qualquer assistência médica. Fui de médico em médico, pedindo-lhes ajuda, e todos me diziam que eu estava tendo uma recaída, apesar de ter estes sintomas estranhos. Passei sete meses com zapping cerebral, não conseguia dormir, tinha estes surtos avassaladores de ansiedade – algo que nunca tinha sentido antes na minha vida. Eu era intolerante ao calor. Tinha estes picos de temperatura – e muita desorientação.

Através disto tudo, estava muito, muito focada na tentativa de encontrar ajuda médica. Mas não conseguia encontrar ajuda médica. Falei com dezenas de psiquiatras. Ninguém podia ajudar. Ninguém fazia ideia do que se estava a passar comigo. E mais uma vez, eu dizia: “Há estes artigos”. Eu estava a falar-lhes sobre isso – e eles simplesmente descartavam isso por completo.

Biancolli: A senhora era mais conhecedora do que eles.

Framer: Naquele momento. E isso era muito estranho para mim – porque eu era completamente inexperiente nisto. O meu Paxil tinha-me sido receitado pelo meu internista, porque estava a ter o que eu pensava na época ser stress laboral, e isso era realmente um problema para mim. Foi durante um incidente com o meu trabalho. Nunca tinha pensado em mim como um doente psiquiátrico.

Encontrei um site chamado PaxilProgress [agora extinto], em 2005. E no início pensei: “Bem, não vou aceitar conselhos de pessoas na web – quer dizer, algum tipo de conselho na web de quem não sabemos quem é. Não é isso que eu quero fazer para a minha assistência em saúde mental”. Demorei algum tempo a perceber que esse era o único lugar onde eu iria obter algum, sabe, feedback inteligente. Assim, acabei por me juntar à PaxilProgress.org, e penso que fui membro do site durante cerca de cinco anos. Comecei o meu próprio site em 2011.

Biancolli: Em que momento é que se deu conta: “Espera lá. Talvez isto não seja uma recaída. Talvez isto seja uma abstinência”. E em que momento teve de tomar isto com as suas próprias mãos?

Framer: Percebi imediatamente que não era uma recaída. Os sintomas eram tão bizarros. Não há maneira de alguém poder dizer que o que ocorre é uma recaída quando se está a ter zapping cerebral, e essas descargas eléctricas bizarras por todo o corpo. É absurdo que se presuma que se trata de uma recaída. Os médicos não podem estar ouvindo o que os seus pacientes lhes estão a dizer.

Biancolli: Por que não estão eles ouvindo? E, para se retroceder um pouco, os “zaps cerebrais”: São aquelas coisas involuntárias, tipo convulsões, que assaltam a pessoa de repente, certo? Como descreveria um “zap cerebral” para alguém que nunca teve um?

Framer: As pessoas sentem-nos de formas diferentes, mas eu digo-lhe como os sentia. Eu sentia isso como um pequeno zap eléctrico, um pequeno bzzzzz-zzzz dentro do meu cérebro. E geralmente ocorria quando eu movia os meus olhos, mas não parecia estar associado a movê-los em uma ou noutra direção. Mas as pessoas sentem-nos de formas diferentes. Algumas pessoas sentem-nos na parte da frente da cabeça, e isso não tem nada a ver com o movimento dos olhos.

E depois há um fenómeno associado onde as pessoas vão sentir sensações elétricas nos seus corpos. Vão senti-las nos braços, ou nas costas, ou nas pernas, ou onde quer que seja. Portanto, a bioquímica do sistema elétrico do corpo está definitivamente envolvida.

Biancolli: Certo, e você fala muito sobre isso, que existe uma diferença entre a retirada aguda e a retirada a longo prazo. Pode abordar isso – e a diferença em termos fisiológicos? O que sabemos sobre o que se está a passar?

Framer: Antes de mais, todos os psicotrópicos – um psicotrópico prescrito, um psicotrópico que não é prescrito, drogas de rua – se tomar [um psicotrópico] regularmente, o seu sistema nervoso irá adaptar-se a ele. E para muitos medicamentos, esta adaptação toma a forma de desregulamentação de certos receptores. É diferente de droga para droga quais são os receptores envolvidos. Mas deve haver uma adaptação mais universal do sistema nervoso, porque as síndromes de abstinência de diferentes drogas têm muito em comum.

Os receptores “desregulamentaram” – isso significa que se adaptaram. Adaptaram-se a uma quantidade elevada de uma substância, por isso desligam as suas válvulas de admissão para reduzir, para compensar, para manter um nível relativamente homeostático dessa substância.

Assim, quando a droga é removida, as pequenas válvulas de admissão continuam desligadas – e a forma como o sistema nervoso funciona, a forma como o nosso corpo funciona, é que existe uma teia de mecanismos de feedback interligados. Um sistema diz ao outro sistema o que se passa, e depois o outro sistema faz uma adaptação, e depois um terceiro sistema faz uma adaptação – e todos eles se alimentam uns aos outros.

Digamos que com antidepressivos, o sistema de serotonina está a enviar sinais para o resto do corpo que não representam realmente o verdadeiro nível da substância, porque os sensores são dessensibilizados. Portanto, o resto do seu corpo diz: “Mas que raios está se passando?”! E tudo fica um pouco descontrolado. Leva algum tempo para essa desregulamentação corrigir-se – e a minha teoria é que esse é o período de retirada aguda.

E depois os sensores voltam a funcionar, em certa medida. Para algumas pessoas, esta adaptação é extremamente lenta, e isso contribui para um período de retirada pós-aguda muito prolongado. Mas esse período de retirada aguda termina geralmente, [para] todos os psicotrópicos, num certo número de semanas. Uma a nove semanas, por exemplo.

Após a descontinuação, presume-se que a síndrome de abstinência dos antidepressivos dure apenas algumas semanas. Este tem sido o entendimento clássico dos médicos: Que os sintomas de abstinência são muito triviais e duram apenas algumas semanas – e depois acaba-se com eles. E depois qualquer coisa que persista após algumas semanas deve ser uma recaída. E isso significa qualquer coisa.

Biancolli: Não importa quão pouco usual, e quão estranho lhe pareça, e quão ultrajante.

Framer: Certo, mesmo que se trate de zapping cerebral, náuseas e insônias. Qualquer coisa que aconteça depois disso é considerada como uma recaída. Por isso, a minha convicção é que durante 30 -mais de 30 anos – talvez até mesmo voltando aos TCAs [tricíclicos], talvez 50 anos ou 60 anos – a psiquiatria vem confundido a retirada aguda com a completa abstinência. E têm desconsiderado a síndrome da abstinência pós-aguda.

Portanto, há este período de readaptação que dura algumas semanas, ou alguns meses, e depois as pessoas sentem-se um pouco diferentes. Quer dizer, ainda se sentem mal, e ainda podem ter sintomas bastante graves, mas isso muda. Torna-se um pouco mais previsível. E essa é a síndrome pós-aguda, e na minha opinião isso resulta da adaptação mais extensa do sistema nervoso no resto do corpo a essa droga ao longo do tempo – e leva realmente muito tempo para que todos esses sistemas corporais se endireitem de novo. Quer dizer, eles são postos em causa.

Biancolli: Você está falando do sistema nervoso autônomo, certo, e de como ele é diferente em qualquer pessoa.

Framer: Muitos dos sintomas parecem ser autônomos. E assim muitos dos sintomas têm muito em comum com a ‘disautonomia’ [disfunção dos sistemas que controlam as funções corporais involuntárias], que na neurologia pode surgir de circunstâncias desconhecidas e flutua muito, e vai e vem. A desregulação do sistema autônomo é um mistério em toda a medicina, mas pode ser observada em todas as retiradas de psicotrópicos.

Espero que isto faça sentido para as pessoas, porque não sou perito nesta área, e gostaria muito que um perito viesse e desse uma boa vista de olhos ao que se passa na retirada aguda versus retirada pós-aguda.

Biancolli: O seu website, SurvivingAntidepressants.org tem 6.000 histórias de casos. Tem mais de 60 tópicos específicos para afilamento. Para alguém que está passando por algo semelhante: O que pode ser feito? Como é que as pessoas podem se envolver? O que acontece quando alguém está à procura de ajuda em protocolos de retirada?

Framer: Pela nossa experiência, acreditamos que a gravidade da síndrome da abstinência está relacionada com a taxa de afilamento – e isto faz sentido. Se lermos a literatura, faz sentido que uma vez que o sistema nervoso se adapta a um psicotrópico, uma diminuição muito gradual desse psicotrópico permitirá melhor a adaptação sem causar uma tremenda perturbação a todo o sistema nervoso.

Assim, enfatizamos a importância do afilamento para evitar a síndrome da abstinência. E se alguém tem tomado – digamos – um antidepressivo como o Cymbalta durante alguns anos e quer sair do medicamento, antes de fazer alguma coisa, o que deve fazer é ler sobre o medicamento no drug.com para que compreenda o que a FDA publicou sobre esse medicamento. Devem compreender os efeitos secundários do fármaco, e depois deve considerar a hipótese de afilar o medicamento.

Cymbalta tem os seus característicos problemas de retirada. Parece ser bastante difícil de se sair. No meu website temos um tópico sobre a afilação da Cymbalta, e lá é explicado como se pode afilar abrindo uma cápsula e contando as contas para excluir. Esta é a única forma de poder afilar. Uma farmácia de manipulação poderia pegar nas contas e colocá-las em cápsulas menores à sua disposição, mas caso contrário, terá de trabalhar com essas cápsulas.

O que queremos que as pessoas façam é começar com uma redução gradual, em vez de fazer aqueles grandes decréscimos que os seus médicos recomendam – porque isso gera a síndrome da abstinência.

Biancolli: Há alguns minutos atrás você disse que não era um perito. Mas você é um especialista – acontece que você é um especialista dos leigos. É uma das pessoas mais conhecedoras do mundo sobre este tema, e criou este website que tem sido uma dádiva de Deus para muitas pessoas. No passado, referiu-se à sua própria experiência com a retirada como um “inferno psiquiátrico” – e muitas pessoas que passam por ele procuram este tipo de apoio de pares que você está descrevendo. A questão é: Porque é que os psiquiatras não sabem mais, e não ouvem mais os pacientes? Porque é que têm de ser pessoas leigas como você que estão a lidar com isto?

Framer: Esta é uma pergunta que, tanto quanto me lembro, os pacientes se têm perguntado uns aos outros. “Porque é que o meu médico não compreende isto?” Sabe, está na literatura! Há centenas de artigos sobre a retirada de antidepressivos. A maioria dos clínicos, a maioria dos médicos – e certamente não o seu médico de família – não leem esses artigos. Ainda assim, em todas as formas de orientação há uma linha em algum lugar que diz: “O afilamento deve ser gradual”. A questão é que o “gradual” nunca é definido, por isso as pessoas encontram-se um pouco no escuro sobre isto.

A única razão pela qual sou especialista é porque é como haver a idade das trevas lá fora no campo, no que diz respeito a afilamento e retirada. Gostaria de dizer, muito humildemente, que a única razão pela qual sou uma perita é porque não há praticamente nenhuma competição – e os médicos realmente deveriam estar fazendo isto. Os médicos é que deviam ser os que sabem disto, e não eu!

Isso é bastante horrível para as pessoas se darem conta. Todas as pessoas que tomam um medicamento psiquiátrico durante qualquer período de tempo correm o risco de sofrer de síndrome de abstinência.

Biancolli: Toda a pessoa que entra tem de ter cuidado em sair. Basicamente é isso. É esse o ponto principal.

Adele Framer: Sim. Qualquer pessoa que entre na droga deve saber que pode passar um mau bocado. E [segundo] um artigo recente de [James] Davies e [John] Read, e também a demais literatura sobre a síndrome da abstinência, parece realmente que a incidência da síndrome da abstinência é superior a 40 por cento. Ora, isso não é um problema menor.

Esta é a verdade sobre a síndrome da abstinência: é como uma probabilidade de 50-50 de se ter um problema. Porque é uma probabilidade de 50-50, verá também pessoas na web a dizer: “Não tive qualquer problema em deixar o meu medicamento. Deixei de fumar”. Mas se estiveres na metade azarada, você vai ter muito azar.

Mas para voltar à sua pergunta sobre a razão pela qual os médicos não sabem: Seria excelente se alguém pudesse convocar um simpósio e perguntar-lhes por que razão não sabem.

Biancolli: Estou perguntando-me: Será reflexo deste exemplo de ironia mais vasta que a medicina nem sempre é uma questão de ciência?

Adele Framer: Estou contente por você ter mencionado isso, Amy. Os antidepressivos são realmente o medicamento modelo para a psiquiatria. Porque quando a nova geração de antidepressivos foi introduzida – os ISRS, os ISNR e os que surgiram desde então – tiveram menos efeitos adversos iniciais em comparação com os TCAs e os MAOIs, que eram as ferramentas com que os psiquiatras trabalhavam antes disso. E eram ferramentas realmente péssimas, e os psiquiatras sabiam disso. Como resultado, havia relativamente poucas pessoas a tomar os TCAs e os MAOIs. Mas os ISRS tornaram possível o uso de antidepressivos de mercado em grande escala.

As empresas farmacêuticas moldaram realmente uma cultura em torno disto. O trabalho incansável e os milhões de dólares que a indústria farmacêutica investiu na popularização de antidepressivos durante 20 anos deu frutos tremendos na medida em que moldou verdadeiramente a cultura do tratamento psiquiátrico. Há uma enorme mitologia sobre antidepressivos – e um dos [mitos] é que eles são extremamente seguros e têm muitos poucos efeitos adversos. Portanto, a expectativa é de que um efeito adverso é extremamente raro.

A questão, o problema do tratamento na psiquiatria, é que um efeito adverso parece muitas vezes um sintoma psiquiátrico. Por exemplo, se alguém começa a tomar Prozac, e depois descobre que não consegue dormir – o que é muito comum, na realidade – o seu não conseguir dormir é considerado como um sintoma de depressão. Não me pergunte por que razão esta lógica faz sentido, porque não lhe posso dizer porquê. É apenas a forma como eles pensam. Assim, não conseguir dormir é considerado como sendo um sintoma de depressão, o que significa que possivelmente a dose de Prozac pode ser aumentada, ou uma benzodiazepina adicionada, ou algum outro tipo de droga para dormir [prescrita] – o que traz outros problemas de dependência, porque essas drogas são tecnicamente viciantes e, tal como os antidepressivos, incorrerão em dependência passado algum tempo.

Biancolli: Portanto, é um efeito dominó que leva a cocktails, que acarretam os seus próprios problemas.

Adele Framer: Bem, sim, essa tem sido uma tradição há 20 anos. Assim, ser capaz de prescrever esses cocktails – misturar e combinar, inventar algo que é realmente saboroso e esmaga todos os sintomas – é considerado como fazendo parte da arte da psiquiatria. E os médicos querem realmente agarrar-se a isso.

Amy Biancolli: Agora, você usou a palavra “mitologia”, que me saltou à vista, porque essa era uma das minhas perguntas – sobre os vários mitos que você aborda. E o que me impressiona é que você está falando da cultura e, na verdade, de uma narrativa maior que a cultura mais ampla também aceita. Quando se olha para SurvivingAntidepressants.org e se lê as histórias das pessoas, elas estão a contar uma narrativa muito diferente. E pergunto-me se você pode falar um pouco sobre o poder de se partilhar histórias na tentativa de mudar a narrativa. Acha que pode mudar a conversa?

Framer: Quando as pessoas leem as histórias de outras pessoas, apercebem-se de que não são as únicas pessoas que estão a passar por esse problema. Existem 6.000 histórias de casos relativamente completos [em SurvivingAntidepresants.org]. Percebe-se que é tudo uma mesma história. É uma única história. E cada pessoa que a experimenta fica tão surpreendida que isso lhes acontece – as pessoas passam por um período de absoluta incredulidade. Percebem que têm confiado nos seus médicos supondo que possuem uma certa quantidade de conhecimento, e os seus médicos não têm realmente esse conhecimento.

E sabe, isto é de partir o coração. Passei por isto, e senti que o mundo tinha caído por debaixo dos meus pés. Não há nenhuma rede de suporte médico. Portanto, o fenômeno sociológico existe, e ainda não foi filtrado pela medicina. A medicina tem as suas próprias formas de recolher informação, e na psiquiatria, por alguma razão, eles continuam a perguntar uns aos outros qual é a verdade, em vez de perguntarem aos seus pacientes. A voz do paciente não é de todo muito bem reconhecida na psiquiatria.

O que eu gostaria de ver é que os pacientes falassem mais diretamente com os seus médicos – e fossem mais assertivos em manter os pés no chão sobre os efeitos adversos dos medicamentos psiquiátricos que tão prontamente eles lhes prescrevem, e as questões que têm a ver com o afilamento dos medicamentos. Qualquer pessoa que receba uma prescrição de medicamentos psiquiátricos deveria perguntar ao seu médico: “Quando e como é que vou poder deixar de tomar este medicamento? E se o médico disser: “Oh, não se preocupe, chegaremos a isso quando chegarmos a esse momento”, o paciente tem de perguntar novamente. E para falar com um médico, o importante é que mantenha um tom equilibrado, e seja insistente, e seja razoável. Não levante a sua voz. Não se zangue. Não chore. Não mostre nenhuma emoção – porque se mostrar emoção, o médico vai pensar que está mentalmente desequilibrado.

Por isso é importante ser assertivo de uma forma muito determinada, mas ao mesmo tempo ser firme e educado. Mesmo assim, não os deixe escapar a estas perguntas difíceis. Se começar a tomar um antidepressivo, e depois descobrir que não consegue dormir, ou que está mais nervoso do que quando começou, ou está a vomitar todo o tempo – quaisquer que sejam os seus efeitos secundários, se isso passou a ocorrer depois de ter começado a tomar o antidepressivo, é provavelmente devido à droga. E não deixe que lhe digam que é outra coisa. Eles têm de abordar o problema de o medicamento ter um efeito adverso. Se não conseguirem resolver o problema, então não se pode confiar nos conselhos deles sobre o medicamento.

A propósito, toda a cultura da medicina está prestes a mudar devido a isso. A participação dos doentes está aumentado como um movimento importante em toda a medicina.

Biancolli: Algo que acabou de dizer me chamou a atenção. Você estava basicamente aconselhando os pacientes, sim, a falarem, a defenderem-se, a responsabilizarem os seus médicos, sem que deixem de ter um pouco de cuidado. Porque se ficarem um pouco emocionados demais, os médicos enquadram-nos em termos do seu modelo psiquiátrico. E dirão: “Isto é ainda mais uma prova de diagnóstico ABC”. Será que tudo isto fala da questão maior do estigma, e que mesmo os médicos encontram-se sob o capricho dos estigmas que rodeiam todas estas questões? Será que é por aí mesmo?

Framer: Na minha opinião, onde o estigma sobre a chamada doença mental se irradia de forma mais intensa é na profissão médica. Os médicos são bem-intencionados, muitos deles são pessoas muito simpáticas, mas a sua cultura é tal que muitos deles consideram os pacientes como “menos que” e um paciente com um diagnóstico psiquiátrico é ainda mais “menos que”. Em nenhum lugar isto é mais verdadeiro do que na psiquiatria – e isso é realmente uma grande vergonha para a profissão. Uma vez que se tenha um diagnóstico psiquiátrico, mesmo que tenha sido incorretamente aplicado, se um médico vir isso na sua ficha médica, muito do que disser é passível de ser descontado. O próprio remédio desqualifica as pessoas com esse tipo de diagnósticos. E trata-se de medicina.

Anteriormente, estava a falar de como a mitologia tem sido incorporada na forma como todos pensam sobre transtornos psiquiátricos, ou saúde mental, ou o que quer que seja o que queiram chamar. E é verdade que esses pressupostos foram incorporados em programas de saúde pública e financiados por milhares de milhões de dólares em fundos governamentais. Isto é uma espécie de absurdo, mas todos os anos, lemos sobre o enorme número de pessoas que sofrem de doenças mentais – e isto porque a maquinaria da saúde pública está a justificar o seu financiamento. Porque quer fornecer serviços a cada vez mais pessoas, e esses serviços são frequentemente drogas. É isso mesmo. Essa é a forma mais barata e rápida de fornecer o chamado tratamento.

Está quase tornando-se uma espécie de distinção de classe, que um grande número de pessoas tenha estes rótulos psiquiátricos, ou que sejam candidatas a estes rótulos psiquiátricos. Há algum tipo de estratificação em curso. E isso é um problema de estigma que está embutido em toda a cultura da saúde mental.

Biancolli: Uma última questão: O que lhe dá esperança?

Adele Framer: Recentemente, houve alguns desenvolvimentos no Reino Unido que foram liderados pelo movimento dos pacientes e que ganharam alguma influência no governo britânico, algum reconhecimento na psiquiatria britânica, [que] pode influenciar as diretrizes nacionais e também as diretrizes europeias para o tratamento da depressão.

E hoje em dia, há tantas pessoas que têm consumido e abandonado medicamentos psiquiátricos que há na realidade uma população de médicos que experimentaram em si próprios a síndrome da abstinência – e [eles] têm-na. Eles percebem que é um problema. Alguns deles tornaram-se muito ativos, e alguns deles estão a publicar. Mark Horowitz está publicando, e David Taylor também. Isso representa um avanço nas publicações em periódicos científicos. Depois os estudiosos começam a discutir os artigos nas revistas, e se os estudiosos começam a discutir os artigos nas revistas, então, eventualmente, a filtragem vai até ao seu prescritor local. Mas isso leva muito tempo e, como disse, os prescritores não leem os periódicos científicos, e podem nem sequer prestar atenção às discussões acadêmicas.

Portanto, penso que os pacientes precisam de apresentar [esta informação] a eles.

Biancolli: Obrigado, Adele Framer, por tudo isto. O seu website, mais uma vez, é SurvivingAntidepressants.org.

[trad. e edição Fernando Freitas]