Tecnologias Digitais Podem Aumentar a Coerção na Psiquiatria

Especialistas advertem que as tecnologias digitais podem aumentar a coerção em ambientes psiquiátricos.

0
135

Um artigo recente, publicado em Psychiatric Services in Advance, explora o uso das tecnologias digitais e como elas podem ser mal utilizadas e empregadas coercivamente em psiquiatria. O autor destaca as medidas que podem ser tomadas para reduzir a coerção e o uso indevido das tecnologias digitais em ambientes psiquiátricos.

O autor, o psiquiatra Nathaniel Morris, da Universidade da Califórnia de São Francisco, escreve:

  “A coerção é apenas um resultado possível entre muitos, incluindo perda de privacidade, sofrimento para doentes e famílias, transmissão de informação estigmatizante, e exacerbação das disparidades raciais e socioeconômicas, relacionadas com o uso da tecnologia digital e má utilização em psiquiatria. Ao mesmo tempo, estas tecnologias trazem novas oportunidades de reconsiderar e estudar práticas coercivas para apoiar o bem-estar e o respeito pelos pacientes em ambientes psiquiátricos”.

Embora a utilização de tecnologias digitais na psiquiatria já estivesse em ascensão antes da pandemia, a sua utilização aumentou dramaticamente em toda a pandemia da COVID-19. Embora tais tecnologias, incluindo mas não se limitando à telepsiquiatria e aos aplicativos móveis relacionados com a saúde mental, tenham sido benéficas na medida em que aumentaram o acesso dos clientes aos cuidados de saúde mental e à informação, trazem consigo uma série de preocupações quanto à forma como podem infringir os direitos dos clientes e ser empregadas em tácticas coercivas.

Dado que os clientes psiquiátricos já correm um risco elevado de ser coagidos, temos de nos debruçar sobre a forma como as tecnologias digitais podem ser utilizadas para aumentar ainda mais o problema.

Morris começa por abordar potenciais preocupações associadas às sinalizações nas fichas médicas eletrônicas (EMR) que podem registar um elevado risco de suicídio ou violência. A digitalização dos registos dos clientes permite aos profissionais de saúde mental ter acesso fácil à informação dos clientes e adquirir conhecimento de potenciais riscos ou preocupações, permitindo-lhes abordar e prestar assistência adequada àqueles que possam ter um histórico de ideações ou tentativas suicidas. Estas sinalizações sobre histórias de violência podem também permitir aos clínicos tomar as precauções de segurança necessárias.

No entanto, embora benéfico de alguma forma, a marcação dos registos dos clientes poderia ser utilizada para servir de coerção. Morris destaca, por exemplo, como a atenção para o risco de suicídio ou violência dos clientes pode levar a um tratamento tendencioso, em que o médico pode concentrar-se apenas na saúde mental do cliente, ao mesmo tempo que ignora potencialmente uma compreensão médica mais ampla do cliente – o que poderia resultar na ausência de problemas médicos.

Uma maior atenção aos problemas de saúde mental pode também levar os clínicos a prosseguir intervenções coercivas, tais como hospitalização psiquiátrica involuntária, que podem não ser necessárias ou úteis para o cliente. Além disso, as sinalizações EMR podem ser utilizadas para negar aos clientes o acesso a tratamento ou pressionar os clientes para que façam um tratamento que não seja congruente com as suas próprias preferências.

Por exemplo, na Administração de Saúde dos Veteranos, os clientes sinalizados com histórias de violência podem ser obrigados a seguir certas condições de tratamento, como a necessidade de uma escolta policial ou de ser rastreados por um detector de metais antes de entrarem nas instalações. Os críticos das sinalizações EMR também notaram que a maioria dos comportamentos com sinalizações são verbais, com alguns sugerindo que as sinalizações são uma forma de punir indivíduos que expressam preocupações ou queixas sobre o seu tratamento.

Morris também chama a atenção para a utilização de câmeras de vigilância em unidades psiquiátricas. Embora a utilização de câmeras de vigilância em unidades psiquiátricas seja frequentemente justificada como estando ao serviço da segurança dos clientes, as investigações não apoiam esta afirmação e, de fato, sugerem que a vigilância pode contribuir para danos psicológicos. Outras preocupações associadas à videovigilância incluem: “privacidade, consentimento, dignidade, proteção de dados, e potencial exacerbação dos sintomas psiquiátricos”.

Para além das preocupações sobre privacidade e dignidade dos clientes, a videovigilância em ambientes psiquiátricos pode ser usada coercivamente. Os médicos podem utilizar comportamentos de clientes que ocorreram em câmaras, quando o cliente presumia não estar presente mais ninguém, contra eles em audiências de compromisso civil que podem potencialmente manter os clientes institucionalizados. Na mesma linha, os clientes podem ser monitorizados dissimuladamente sem o seu conhecimento, o que levanta preocupações de privacidade para além de potencialmente causar rupturas na confiança dos clientes.

Além disso, embora a videoconferência em ambientes psiquiátricos tenha sido benéfica, especialmente durante a pandemia COVID-19 – aumentando o acesso aos cuidados, permitindo aos clientes conectarem-se com os seus entes queridos, e facilitando os procedimentos legais – preocupações transversais acompanham esta tecnologia. Morris sugere que a má qualidade de som e vídeo poderia potencialmente impactar a capacidade do cliente de estar totalmente presente e compreender as audiências de compromisso civil, sendo que os clientes normalmente já têm dificuldade em compreender por que permanecem no hospital após tais audiências, com ou sem o uso da videoconferência.

Additionally, clients in forensic settings struggling with mental health and/or substance addiction issues might not feel comfortable sharing personal or sensitive information in a videoconference with strangers or may not feel as if they have the same ability to access and confide in their legal counsel.

Embora a videoconferência possa permitir que familiares e amigos visitem os seus entes queridos em ambientes psiquiátricos, Morris também levanta preocupações de que tal acesso possa levar os entes queridos a escolher a tele-visitação em vez de visitas presenciais. A tele-visitação pode não permitir o mesmo sentido de conexão que as visitas presenciais, em que os entes queridos são mais claramente capazes de ver o impacto da hospitalização involuntária naqueles de quem cuidam, o que lhes permite defender melhor os seus amigos ou familiares institucionalizados.

Finalmente, os instrumentos de avaliação de risco, que permitem aos clínicos avaliar a probabilidade de coisas como suicídio ou violência, são discutidos como potencialmente problemáticos e coercivos. Embora já tenham sido utilizados instrumentos de avaliação de risco em ambientes psiquiátricos antes da utilização de tecnologias digitais, as tecnologias digitais estão a transformar estes instrumentos.

Foram utilizados algoritmos de avaliação de risco para avaliar o suicídio, a violência e outros eventos negativos. Embora previsões precisas de tais resultados adversos possam ser úteis, a realidade é que estes instrumentos são imperfeitos e não tão precisos como podem parecer.

As empresas de comunicação social, como o Facebook, também desenvolveram algoritmos de avaliação de risco de suicídio para detectar a existência de mensagens nas redes sociais – o que levanta preocupações éticas significativas e questões sobre a validade de tais algoritmos. A falta de precisão destes algoritmos tem implicações na vida real para aqueles que são hospitalizados involuntariamente, potencialmente por falsos motivos

Estes algoritmos não só podem ser inexatos, como também podem contribuir para desigualdades sistémicas de indivíduos pertencentes a grupos raciais, de gênero, socioeconômicos e outros grupos marginalizados, tais como as crianças, que tendem a estar particularmente em risco de coerção em ambientes psiquiátricos.

Morris escreve:

“Num exemplo recente, os investigadores encontraram preconceitos raciais num algoritmo amplamente utilizado para estratificar os riscos de saúde dos pacientes e visando pacientes de alto risco para a prestação de cuidados adicionais. Uma vez que frequentemente se gasta menos dinheiro em pacientes Negros do que em pacientes Brancos com necessidades semelhantes, e o algoritmo estratificou o risco com base nos custos e não na doença, o algoritmo perpetuou menos atenção às necessidades de saúde dos pacientes Negros”.

Além disso, os instrumentos de avaliação de risco também deixam espaço aberto para interpretação. Se os clínicos não estiverem devidamente formados ou não souberem interpretar ou utilizar certos instrumentos de avaliação de risco, isto também poderá contribuir para a coerção de clientes psiquiátricos.

Morris identifica as medidas que podem ser tomadas para reduzir o abuso das tecnologias digitais em ambientes psiquiátricos, tais como a divulgação das tecnologias que estão a ser utilizadas no tratamento aos clientes. Sugere também que seja dada aos clientes a oportunidade de ” autoexclusão ” de certas tecnologias quando apropriado, dando o exemplo de permitir aos clientes escolher o ‘presencial’ em vez da observação em vídeo quando disponível.

Os clientes também devem ter a possibilidade de alterar ou apagar informações digitais, como solicitar a remoção de sinalizadores EMR ou apagar registos de videovigilância. No entanto, Morris sugere que embora tais pedidos provavelmente não sejam, e em alguns casos não devam ser concedidos, ter procedimentos formais disponíveis poderia permitir uma discussão aberta entre clientes e clínicos sobre o propósito das sinalizações e outras medidas de vigilância.

Morris também defende mais orientações, formação e apoio aos clínicos para saberem como utilizar e empregar adequadamente as tecnologias digitais e para que estejam conscientes dos riscos potenciais relacionados com a coerção, para que estes possam ser evitados a todo o custo.

Morris conclui pressionando por uma abordagem equilibrada da utilização de tecnologias digitais em ambientes psiquiátricos, que esteja consciente dos potenciais benefícios e possibilidades dessas tecnologias, além se de estar consciente e evitar o uso indevido e abuso dessas tecnologias.

****

Morris, N. P. (2021). Digital technologies and coercion in psychiatry. Psychiatric Services in Advance, 1-9. (Link)