Medicina Insana, Capítulo 9: Os Pais Preocupados (Parte 1)

0
341

 

 

 

[Nota do editor: Ao longo de vários meses, Mad in Brasil está publicando uma versão seriada do livro de Sami Timimi, Medicina Insana (o original disponível para compra aqui). Na Parte 1 deste capítulo, ele discute o Programa de Sensibilização Relacional (RAP) e como as relações familiares se solidificam através das “Guerras da Emoção”. Daqui a quinze dias, abordará ações específicas que as famílias podem tomar para melhorar as relações. Todos os capítulos estão aqui arquivados.]

As ideias delineadas no capítulo anterior podem ser estendidas para ajudar os pais que estão preocupados com o(s) seu(s) filho(s). Quando os pais estão preocupados com o seu filho, quer seja o seu comportamento ou estado emocional ou ambos, a intensidade emocional nessa relação aumenta, resultando em vários efeitos em cascata.

Os diagnósticos (tais como TDAH ou autismo) dão alívio temporário aos pais sitiados, mas convidam a todos a iniciar um processo alienante que encoraja todos a verem os seus filhos como infectados por uma doença que os leva a operar fora dos limites do que é considerado normal.

Mas os pais têm os seus próprios dilemas, dado o quanto a parentalidade tem estado sob escrutínio. Uma das coisas mais comuns que ouvimos ao trabalhar com pais em serviços de saúde mental de crianças e adolescentes é o quanto se sentem julgados por aqueles que os rodeiam quando os seus filhos atuam em público. É fácil ver como um diagnóstico pode proporcionar alívio temporário à medida que os pais mudam do sentimento de que são julgados como pais fracassados para um que pode agora ser visto como um pai heróico lutandor com uma criança problemática.

Penso que a nossa cultura de comparação e competição tornou difícil para os pais e os seus filhos sentirem-se seguros e competentes. A incapacidade de estar à altura de algo (seja para a criança, o pai, a criança sobre o seu pai, o pai sobre o seu filho) persegue as nossas vidas. É mais difícil do que nunca ser uma criança “normal” ou um pai “normal”.

Este capítulo não pode remediar o meio cultural e político; pode apenas fornecer algumas reflexões sobre o que pode melhorar em alguns aspectos da vida de algumas famílias. Também não estou apresentando um modelo de funcionamento “normal” da família, ou não estou a dar sermões a ninguém sobre os valores que devem ter. Como já discuti, os modelos de desenvolvimento infantil e as formas familiares variam em todo o mundo.

Este capítulo não deve ser utilizado para fazer juízos de valor sobre as numerosas famílias que vivem sob o stress da desigualdade, racismo, sexismo, e todas as outras formas de privação de direitos que nos podem afetar. O fato do seu pai ser condenado a uma longa pena de prisão por um delito relativamente insignificante, como acontece com tantos homens negros na ideologia do encarceramento em massa nos EUA, tem efeitos em cadeia para a família e os seus filhos que os podem seguir até à idade adulta. Estas questões requerem ação política, e não apenas as poucas dicas tépidas que esboço neste capítulo.

Na minha opinião, um sentimento de pertença e de sentir que se é amado apenas por ser, e não por fazer algo em particular, mais do que qualquer outra coisa, leva a que as crianças cresçam bem e estejam prontas para o tumulto e os desafios da idade adulta. Claro que poderia começar a desconstruir que significados e indicadores equivalem a “pertencer”, mas por agora deixem-me começar o capítulo com este pensamento: Nenhuma das ideias delineadas neste capítulo é tão importante como a do seu filho sabendo que você o ama e encontra alegria na sua existência, independentemente do que faça ou diga que o preocupa ou o enfurece.

O Programa de Sensibilização Relacional (RAP)

Eu, juntamente com alguns colegas, desenvolvi uma abordagem que utilizamos com pais muito preocupados, que é uma abordagem sem diagnóstico, e que utiliza principalmente um formato de grupo para o qual convidamos os pais, e os seus acompanhantes, que estão preocupados com o seu filho. Chamamos a esta abordagem o “Programa de Sensibilização Relacional” ou RAP. A abordagem RAP foi originalmente inspirada pelas ideias do psicólogo americano Howard Glasser, que desenvolveu a Abordagem do Coração Cultivado (Nurtured Heart Approach – NHA). O RAP introduz a NHA com filosofias sistêmicas e centradas na solução.

Eu penso no RAP como uma “caixa de ferramentas” de ideias. Tem conceitos e exercícios que podem ser utilizados de uma forma flexível para se adaptarem a diferentes circunstâncias. Não são realmente concebidos para serem aplicados como se fossem as únicas “verdades” possíveis. As pessoas reais são mais criativas e diversificadas do que qualquer abordagem única pode permitir. Apenas aqueles que a vivem podem verdadeiramente compreender que desafios e oportunidades as suas vidas contêm. Nesta abordagem, cada pai/mãe/responsável/família/escola precisa de descobrir o que é prático, útil, e adaptável às suas circunstâncias singulares. São-lhes apresentados uma série de conceitos e quadros e depois decidem se e como algum destes pode ser aplicado às suas vidas.

O RAP não é um programa de formação parental, de gestão parental, ou de formação de pais. É mais um programa baseado em competências para ajudar bons pais com aquelas crianças mais “intensas”. Não envolve dizer às pessoas os detalhes do que devem ou não fazer. O RAP fornece conceitos e perguntas para ajudar os pais a resolverem por si próprios como desejam proceder e adaptar as ideias às suas circunstâncias específicas. Dito isto, temos tido alguns resultados inspiradores acumulados ao longo dos anos, em que os pais que procuram ajuda para os seus filhos descobriram algo de novo sobre a relação com a criança com quem estão preocupados, libertando-os para criar novas “danças” e para verem as suas vidas através de uma nova lente.

No RAP concentramo-nos menos em como controlar o comportamento, que está repleto de perigos para a relação pai-filho, e mais em como construir relações positivas na família. Funciona bem para todos os tipos de cuidadores de crianças, desde professores a pais adotivos. Refiro-me aos “pais” no resto do capítulo, de modo a não complicar as sentenças. Onde quer que a palavra “pais” apareça, pode-se substituir todos os outros potenciais prestadores de cuidados. “Ele” e “ela” são utilizados alternadamente, não para denotar o sexo específico da criança, mas por conveniência e em vez de escrever ela/ele em todas as ocasiões. Por razões de conveniência semelhantes, onde usei o singular (como em “pai” ou “filho”) que também poderia referir-se ao plural (como em “pais” ou “filhos”) e vice-versa.

Alguns pressupostos

Eis alguns pressupostos que ajudam a estabelecer alguma base para esta filosofia terapêutica no lado parental da relação:

  • Os pais são motivados por intenções positivas – os pais que procuram ajuda são “bons pais”; eles querem ver as coisas a melhorar para os seus filhos.
  • É difícil para os pais quando o comportamento do seu filho é difícil; eles sentem-se frequentemente julgados e sentem que todos parecem ter uma opinião sobre eles e o seu filho
  • Todos os bons pais passam a maior parte do seu tempo a sentir-se culpados sobre a forma como os pais – devia ter feito isto ou não, devia ter sido mais rigoroso ou mais suave, etc. Presumo, como todos os bons pais, que eles continuarão a sentir-se culpados, aconteça o que acontecer!
  • Os profissionais têm alguns conhecimentos acadêmicos que podem ser úteis, mas ninguém conhece melhor os seus filhos do que os pais e outros prestadores de cuidados envolvidos. A filosofia do RAP partilha ideias, formas de pensar e um quadro de estratégias, mas não fornece conselhos específicos sobre como pô-las em prática. Isto é algo que cada família precisa de descobrir por si própria, com base nos seus próprios conhecimentos e competências.

Qualquer relação, por definição, envolve pelo menos duas pessoas que estão a contribuir para o seu funcionamento. Mesmo que a contribuição de um dos pais na sua relação com o seu filho não seja tão influente como o lado da criança, sobre que lado da relação se pensa que os pais têm controle? Em quem se pode garantir que a mudança pode ser alcançada? Concentrar-se naquilo que você, como pai, pode mudar é mais susceptível de conduzir a uma mudança relacional do que tentar convencer o seu filho a mudar.

Here are a few assumptions that help set some baseline for this therapeutic philosophy on the child side of the relationship:

  • As crianças não nascem no mundo da mesma forma. As pesquisas mostram que as crianças, desde os seus primeiros momentos de vida, têm temperamentos, tendências e diferenças na forma como interagem com o mundo.
  • Algumas crianças mais tarde atraem rótulos psiquiátricos e psicológicos, mas estes rótulos pouco nos dizem sobre o que pode ser útil para qualquer criança específica.
  • m vez disso, podemos simplesmente reconhecer que com algumas crianças a intensidade com que interagem e experimentam o mundo e a sua gente é maior do que a maioria das outras crianças.
  • Estas crianças intensas tendem a produzir fortes reações emocionais por parte daqueles que as rodeiam, incluindo frustração, raiva e preocupação.
  • Isto significa que, enquanto para a maioria das crianças as abordagens mais comuns à parentalidade e à gestão de comportamentos complicados – um pouco de mais de atenção aqui e ali e recompensas aqui e ali – tendem a funcionar, para aquelas crianças que são um pouco mais intensas, podemos precisar de “melhorar o nosso jogo” e trabalhar para as envolver a um maior nível de intensidade emocional.
  • Pode-se pensar nestas crianças como procurando emoções (e não como “procurando atenção”). “Procura de atenção” é uma frase que sugere que as crianças estão pensando logicamente no que fazem; no entanto, na realidade, as crianças estão geralmente apenas a responder a como se sentem e procuram um envolvimento emocional em resposta a este sentimento.

Dança relacional familiar

Agora podemos olhar para alguns impulsionadores emocionais das relações pai/filho. Aqui estão mais alguns pressupostos:

  • As emoções são virais! Temos tendência para “apanhar” as emoções daqueles a quem estamos mais próximos (emocionalmente e geograficamente). Não fique surpreendido com a rapidez com que uma emoção pode irromper para outros membros da família. O riso gera o riso como a raiva gera a raiva.
  • A filosofia básica desta abordagem é a de se concentrar na construção de relações funcionais em vez de se concentrar no controle do comportamento. Deixar que as emoções que queremos mais se derramem e sejam apanhadas. Vamos construir a nossa tolerância e imunidade em relação às emoções que queremos menos.
  • O conceito de emoções “negativas” e “positivas” não é, estritamente falando, exacto. Temos apenas uma variedade de emoções que são formas de energia dirigida que nos colocam num modo de “ação” em vez de “pensar”.
  • Quando os pais lidam com crianças que têm comportamentos desafiadores, procuram frequentemente estratégias para tentar controlar esse comportamento difícil. Podem esperar que os profissionais lhes possam dizer que se fizerem A e depois B, o comportamento irá parar. Podem estar à procura de alcançar a ausência de comportamentos indesejados. A filosofia do RAP não lhe diz o que deve fazer para eliminar comportamentos indesejados – e por boas razões.
  • Um dos problemas em se focalizar no controle do comportamento é que as tentativas de controlar o comportamento podem levar a mais pressão e tensão na relação com a criança, o que pode acabar em um ciclo de feedback negativo, resultando em mais tentativas de controlar o comportamento causando mais tensão na relação, e assim por diante. Quanto mais uma pessoa jovem se sentir alienada ou “agarrada”, mais poderá tentar defender-se, mais raiva poderá sentir, e mais baixa se tornará a sua autoestima. Um laço negativo reforçado pode acumular-se ao longo do tempo.
  • Ao concentrar-se nas relações desde o início, pode-se construir uma base melhor para relações mais fortes que envolvem alguma apreciação mútua.
  • O RAP tenta ajudar a criar uma dança relacional nova e, espera-se, mais agradável.

As Guerras* das Emoções

[Nota do Editor: Em inglês, ‘guerras’ se escreve WARS. O autor irá utilizar cada uma das letras que compõem a palavra ‘WARS’ enquanto abreviatura de palavras cujo sentido irá explorar. Portanto, a expressão ‘guerra das emoções’ não deve ser entendida aqui em seu sentido literal.]

A ideia da “Guerra das Emoções” é ajudar os pais a compreender como a “dança relacional familiar” pode tornar-se problemática. Pode ser pensada como um referencial para dar sentido ao que se está a passar a um nível mais inconsciente.

“W” é para Erros [‘Wrongs’]: A primeira suposição em Emotion WARS é que estamos programados para notar mais o que está a correr mal do que o que está a correr bem. Evolutivamente, a nossa sobrevivência esteve relacionada com a nossa capacidade de procurar sinais de perigo no nosso ambiente e de responder a estes. Como este é um aspecto instintivo, significa que quanto mais estressado nos sentirmos, mais provável é que ativemos este instinto para tentar resolver qualquer problema percebido.

Preocupar-se com o que está a correr mal significa que, qualquer que seja a causa do aumento do estresse, ela se torna irrelevante em comparação com a experiência real do estresse. Assim, quer sejam finanças difíceis, problemas numa relação conjugal, o estresse da escola a soar regularmente, e assim por diante, uma vez que experimentamos um aumento do estresse, é mais provável que acabemos por nos concentrar no que está errado, inclusive com os nossos filhos. Com o tempo, torna-se como um radar interno que analisa o ambiente em busca de sinais do que vai correr mal a seguir, faltando muitas vezes aqueles pedaços que estão OK.

“A” é para Apego [‘Attachment’]: O próximo pressuposto básico é que as crianças nascem como criaturas “à procura de emoção”. Os apegos são criados através das nossas relações emocionais e o que procuramos é energia emocional daqueles a quem estamos apegados. No mundo infantil, não existem emoções boas ou más. Para a bebé e criança em crescimento existe um impulso instintivo para a procura de emoções, de modo que qualquer emoção (seja o amor, a preocupação, ou a raiva) que lhes chegue de um dos pais seja experimentada como sendo de alguma forma gratificante. Se pensarmos sobre isso, não conseguimos tirar a mente de alguém por quem estamos zangados, do mesmo modo que de alguém por quem estamos amando.

A energia emocional cria a ligação. A procura pela energia emocional é uma melhor forma de descrever o que as crianças fazem do que a procura pela atenção. Isto também significa que as crianças conhecerão os pais emocionalmente muito melhor do que os pais alguma vez conhecerão a criança emocionalmente. Um pai terá muitas coisas a considerar e a pensar. Uma criança apenas aprenderá instintivamente (não logicamente) o que lhe dá energia emocional por parte do pai.

“R” is for Relationships: Relationship dynamics are then built up through these emotional energy ties that family members have to each other and over time this develops into a dynamic—a relational dance, where the relationship follows a certain “rhythm” so that each person responds in a predictable way to the other.

“R” é para Relações [‘Relationships’]: A dinâmica da relação é então construída através destes laços energéticos emocionais que os membros da família têm uns com os outros e com o tempo esta desenvolve-se numa dança relacional dinâmica, onde a relação segue um certo “ritmo” para que cada pessoa responda de uma forma previsível à outra.

“S” é para Scripts [‘Scrips’]: Ao longo do tempo, cada um de nós desenvolve papéis dentro de qualquer grupo e estes papéis raramente são os que escolhemos conscientemente, mas antes emergem da coleção de danças relacionais “assentando” num certo padrão reconhecível que todos no grupo (muitas vezes inconscientemente) reconhecem. Por exemplo, é um fenômeno bem conhecido que, quando se tem um parceiro, um deles acaba por ser o que se preocupa em arrumar, outro pode estar preocupado em ordenar as contas ou preparar as crianças de manhã, e assim por diante. Muitos descobrem então que mesmo que queiram que os papéis mudem, não se sentem ” bem” quando o fazem.

Assim, por exemplo, se é você que está preocupado em manter a casa arrumada e anseia que o seu parceiro também o faça, quando o fazem, de alguma forma eles nunca parecem ser capazes de o fazer da forma correta e por isso você tem de o refazer de acordo com o que considera ser o padrão correto! Isto é um pouco como se cada membro da família tivesse um ” script” que segue e que identifica o seu papel, e se qualquer membro vier com um novo script que altere o seu papel habitual, isso afasta qualquer outro porque não parece “natural”.

Existe assim uma força emocional poderosa e geralmente não reconhecida pelos outros membros, empurrando qualquer pessoa que “sai do script” de volta ao script que todos reconhecem – de volta à dança relacional familiar habitual. Se uma criança ocupa o papel de, digamos, “o desordeiro”, os membros da família irão muitas vezes assumir que esta criança está de alguma forma envolvida sempre que há problemas e que a criança se instalará nesse papel e o esperará dentro de si mesma.

As Guerras Emocionais utilizam assim o quadro em que desenvolvemos uma dança relacional familiar através do fluxo de energia emocional; onde quer que esta seja mais forte, então é isto que essa relação “aprenderá” – esta será a sua dança relacional. À medida que o estresse aumenta, então o que está a correr mal será mais notado. Com o tempo, um grupo de pessoas desenvolverá um conjunto de danças relacionais que se tornarão o ” script familiar ” ou a dança relacional familiar.

Quando há uma criança com um comportamento desafiador (para os seus pais), então, com o tempo, a dança relacional familiar pode ter-se estabelecido num padrão em que esse é o papel da criança no script familiar. Por mais que todos queiram e tentem mudar isso, de alguma forma (através do poder destes fluxos emocionais), apesar das melhores intenções de todos, continua a regressar a este script.

O dossier do seu filho

Imagine que você está escrevendo um dossier imaginário sobre como gostaria que o seu filho esteja dentro de 5 anos. Agora faça a si próprio estas perguntas e veja o que sai:

  • O que você gostaria de ver nessa pasta?
  • Que qualidades ou valores gostaria de imaginar que estão a atrair a sua energia emocional?
  • Que tipo de comportamentos você gostaria de os ver expondo?
  • Escalone esses comportamentos/qualidades/valores de 1 a 10 para o quanto os exibem agora, onde 1 nunca é e 10 é sempre. Qual desses comportamentos ou qualidades é que eles já têm ao máximo?
  • Como é que você viu isto?
  • Quando é que você os viu fazer isso?
  • Quanta energia emocional lhes deu quando fizeram este comportamento desejado mesmo que tenha sido por um período muito curto?
  • Como você pode reparar e dar energia emocional a quaisquer pequenos exemplos destes comportamentos/qualidades quando os vê?
  • Que mais poderia fazer para ajudar a aumentar uma dessas pontuações em 0,5?

O pai robô

Em muitos aspectos, o brinquedo favorito das crianças pode ser uma pessoa, como por exemplo um membro da sua família. Há algo de muito satisfatório numa pessoa que faz escolhas independentes e tem intenções autônomas e mesmo assim consegue “brincar” com elas e fazê-las reagir de uma forma que sabe que essa pessoa não quer, quer seja para as enrolar ou para as fazer ceder a uma exigência que você fez.

Imagine que, como pai, você é como um robô de brinquedo com muitos botões. Quando se aperta qualquer botão, o Robô (você, o pai) fica animado e começa a fazer coisas interessantes, à medida que se trabalha emocionalmente para cima. As crianças já há muito que descobriram os seus botões. Agora pergunte-se a si próprio:

  • O que é que eles fazem que lhe aperta os botões? O que é que fazem para lhe darem um impulso emocional?
  • Que comportamentos ou qualidades no seu filho, quando o vê, o “animam” dessa forma?
  • Serão estes botões que gostaria de deixar de funcionar – por outras palavras, botões que despertam emoções que prefere não ter – ou são botões que deseja continuar a ter – botões que despertam emoções que lhe agradam?
  • Se quiser que um botão pare de funcionar, o que pode acontecer se tentar parar de reagir quando esse botão é premido? Consegue lidar com as suas emoções quando elas se esforçam mais para que o botão volte a funcionar? Conseguirá gerir uma situação que envolve gerir riscos sem dar energia emocional?
  • Gostaria de reforçar os botões que fazem sobressair as emoções de que gosta? Gostaria de ter mais deste tipo de botões? Pode dar uma pontuação entre 1 e 10 pela frequência com que vê estes botões ” agradáveis ” (1 nunca, 10 a toda a hora)? O que poderia fazer para aumentar a sua pontuação em 0,5 em qualquer um destes botões ” agradáveis “?

….

[trad. e edição Fernando Freitas]