Maior publicação sobre ‘Antipsicóticos Afilados’ acaba de ser lançada

Especialistas de topo produzem orientações para o afunilamento de antipsicóticos que podem reduzir o risco de abstinência e recaída.

0
93

Um novo artigo, publicado no Schizophrenia Bulletin, é o primeiro artigo científico a destacar uma perspectiva de descontinuação gradual dos medicamentos antipsicóticos que mostra ser promissora na redução dos sintomas negativos de abstinência e recaída. O autor principal, Mark Horowitz, da UCL Psychiatry, explicou o ímpeto da publicação:

“Surpreendentemente, não há diretrizes publicadas sobre como sair dos antipsicóticos. Pela minha própria experiência, sei o quão difícil pode ser desabituarmo-nos aos medicamentos psiquiátricos – por isso, propusemos escrever orientações sobre como retirar com segurança os antipsicóticos. Suspender os medicamentos é uma parte importante do trabalho de um psiquiatra, mas tem recebido relativamente pouca atenção.”

Flickr

A pesquisa mostra que mais de metade dos indivíduos que têm tomado antipsicóticos relataram experiências negativas, não se limitando ao suicídio, como o entorpecimento emocional, sedação, aumento de peso e dificuldades cognitivas. O uso de antipsicóticos a longo prazo tem sido associado a efeitos negativos no corpo, tais como perturbações do movimento, aumento da mortalidade, e impactos duradouros no cérebro, incluindo a atrofia cerebral.

Dados os efeitos adversos dos antipsicóticos, é imprescindível o desenvolvimento e a implementação de abordagens seguras para reduzir e colocar um fim ao uso de antipsicóticos. A investigação sugere que as pessoas diagnosticadas com perturbações psicóticas sejam gradualmente retiradas dos seus antipsicóticos, para que possam melhorar o seu funcionamento e os resultados do tratamento a longo prazo.

Considerando que o nosso cérebro se adapta ao uso a longo prazo de drogas como é o caso dos antipsicóticos, a descontinuação abrupta dos medicamentos antipsicóticos é susceptível de levar a recaídas e a sintomas de abstinência. Os sintomas de abstinência podem consistir em sintomas somáticos, como náuseas e sudorese, problemas motores e psicológicos, incluindo a própria psicose. Os sintomas somáticos normalmente começam em dias e duram algumas semanas. Em contraste, os sintomas motores podem se manifestar durante um período de semanas após a redução da dose e podem se prolongar por meses ou mesmo anos.

O Professor David Taylor, do King’s College London, que é um dos autores, explicou o seguinte:

“Os antipsicóticos são tão familiares aos prescritores que é tentador assumir serem simultaneamente eficazes e inofensivos. Ainda que sejam talvez o tratamento mais útil para doenças mentais graves como a esquizofrenia, a sua natureza tóxica torna-os impróprios para as condições menos graves. Os antipsicóticos induzem alterações duradouras nas células nervosas do cérebro, e precisam de ser retirados muito lentamente (e de uma forma adequada às particulares de cada usuário) para dar tempo ao cérebro para se restabelecer.”

Embora a distinção entre as recidivas associadas à abstinência e as que refletem um curso típico de um transtorno psicótico seja um desafio, os sintomas de abstinência associados à recidiva podem ser evidenciados no aumento das taxas de recidiva após a cessação antipsicótica.

A investigação também descobriu que os indivíduos a quem foram prescritos antipsicóticos durante períodos mais longos têm um risco acrescido de recaída, incluindo sintomas psicóticos, após uma interrupção da sua medicação – com o risco a duplicar após 1-2 anos de uso de antipsicóticos, triplicando após 2-5 anos, e aumentando 7 vezes após 8 anos de uso.

Os autores salientam que a recaída após uma interrupção da medicação ocorre com os medicamentos psicotrópicos, em geral:

“Este padrão de recidiva precoce, consistente com os efeitos relacionados com a descontinuação, não se restringe aos antipsicóticos, mas é também evidente no caso dos antidepressivos na ansiedade, bem como do lítio e outros estabilizadores do humor no transtorno afetivo-bipolar, também persistindo durante meses.”

Existe uma falta de informação e orientação no que diz respeito ao processo de redução gradual dos antipsicóticos, o que contribui para a hesitação dos psiquiatras em ajudar os clientes a descontinuar a sua medicação. O afilamento gradual parece ser uma forma eficaz de reduzir a recidiva após a cessação, visto que as alterações neurológicas feitas pelos antipsicóticos se têm mostrado persistentes durante anos após o fim do uso de antipsicóticos. Presentemente, as diretrizes sugerem que a afilação a doses mínimas é eficaz, mas não indicam especificamente como fazer uma afilação.

O coautor Sir Robin Murray, do King’s College London acrescentou:

“Alguns psiquiatras estão relutantes em discutir a redução de antipsicóticos com os seus pacientes. Infelizmente, a consequência é que os pacientes param subitamente a medicação por si próprios, com o resultado de que há uma recaída. Muito melhor será que os psiquiatras se tornem especialistas em quando e como aconselhar os seus pacientes a reduzirem lentamente o seu antipsicótico.”

Os autores oferecem diretrizes sobre como deixar de tomar antipsicóticos em segurança, o que também se alinha com uma investigação recente que publicaram sobre como interromper o uso de antidepressivos em segurança.

Eles identificam os seguintes princípios quando se afunila: “fazê-lo cautelosamente por pequenas quantidades, e assegurar uma estabilidade dos pacientes (com sugestões de intervalos de três até seis meses entre as reduções de dose, ou pequenas reduções feitas a cada mês) antes de fazer mais outras. É necessário haver versões líquidas do fármaco ou formulações em doses pequenas, para ajudar os pacientes a fazer a redução e evitar o esmagamento dos comprimidos como é feito hoje em dia.

Outros peritos de renome na matéria sublinham a importância destas recomendações. Joanna Moncrieff, da psiquiatria da UCL, que está na liderança do ensaio RADAR, o primeiro estudo em Inglaterra para analisar o efeito de reduzir lentamente os antipsicóticos em pessoas com um diagnóstico de esquizofrenia, disse:

 “Muitas pessoas querem desesperadamente tentar parar os seus antipsicóticos, e por boas razões, mas os psiquiatras estão muitas vezes relutantes em ajudá-los. Este artigo irá melhorar a confiança dos psiquiatras em ajudar as pessoas a reduzir e parar os antipsicóticos, o que dará às pessoas mais escolha sobre o seu tratamento.”

O Professor John Read, da Universidade de East London, Presidente do International Institute for Psychiatric Drug Withdrawal, declarou:

“Este documento é um avanço histórico que proporcionará uma orientação há muito esperada por milhares de pessoas que estão atravessando, há décadas, este difícil processo com pouco apoio ou informação. Os psiquiatras envolvidos são verdadeiros pioneiros na caminhada para uma abordagem mais baseada na evidência dos medicamentos psiquiátricos.”

Os autores concluem enfatizando a necessidade de mais investigação e de diretrizes formais para o emprego de antipsicóticos afilados. Uma implementação de tais diretrizes poderia ser transformadora para as pessoas a quem são prescritos antipsicóticos, tal como salientado por aqueles com experiência de vida:

Sandra Jayacodi, que faz parte do painel consultivo de experiência vivida e membro do processo RADAR, disse:

“Os efeitos secundários dos medicamentos antipsicóticos são extremamente desagradáveis, e reduziram a qualidade da minha vida, e as hipóteses são de que a minha esperança de vida também tenha sido reduzida. Por vezes, parece uma sentença de prisão perpétua. Se me fosse dada uma escolha com o apoio e orientação adequados, eu teria deixado de os tomar. Sim, é, portanto, uma questão de tempo, os psiquiatras receberão orientações para ajudar as pessoas a reduzir ou a parar os seus medicamentos antipsicóticos. Saber que existe uma tal orientação também dará às pessoas a confiança para iniciar uma conversa com o seu psiquiatra sobre a redução ou interrupção dos medicamentos antipsicóticos.”

****

Horowitz, M. A., Jauhar, S., Natesan, S., Murray, R. M., & Taylor, D. (2021). A method for tapering antipsychotic treatment that may minimize the risk of relapse. Schizophrenia Bulletin. doi:10.1093/schbul/sbab017 (Link)