Os medicamentos psiquiátricos não melhoram a doença e nem reduzem a mortalidade

Nassir Ghaemi: "A maioria dos medicamentos psiquiátricos são puramente sintomáticos, sem nenhum efeito conhecido ou comprovado sobre a doença subjacente. Eles são como se fossem 50 tons de aspirina, usada para febre ou dor de cabeça, em vez de medicamentos que tratam as causas da febre ou da dor de cabeça".

0
490

De acordo com o psiquiatra Nassir Ghaemi, a maioria dos medicamentos psiquiátricos só são eficazes no tratamento dos sintomas a curto prazo – como tomar aspirina para a dor – e não melhoram o curso a longo prazo de uma doença ou impedem a hospitalização ou a mortalidade.

“A maioria dos medicamentos psiquiátricos não foram comprovados, em ensaios aleatórios, devidamente concebidos para melhorar o curso de quaisquer doenças que supostamente tratam”, escreve Ghaemi. “Especificamente, não foi demonstrado que eles impedem a hospitalização ou que prolongam a vida, como muitos clínicos acreditam”.

Ghaemi é um psiquiatra renomado baseado na Universidade Tufts e na Faculdade de Medicina de Harvard. Além de seu diploma médico, ele também tem pós-graduação em filosofia e saúde pública. Ele é especialista em pesquisa de depressão e transtornos bipolares e é autor de livros didáticos em vários aspectos da área. Seus notáveis livros didáticos incluem Um Guia Clínico de Estatística e Epidemiologia em Saúde Mental, um livro didático sobre Psicofarmacologia Clínica, e Transtornos do Humor: Um Guia Prático.

Em seu novo artigo na Acta Scandinavica Psychiatrica, Ghaemi escreve que tratamentos modificadores de doenças, como os encontrados no resto da medicina, estão preocupados em melhorar o curso da doença e prevenir a morte. Mas os medicamentos da psiquiatria são ineficazes para este fim – ou mesmo prejudiciais.

Seus exemplos são os dois pilares de tratamento da psiquiatria, os antidepressivos e os antipsicóticos. Por exemplo, ele observa que o tratamento antidepressivo aumenta as tentativas de suicídio, pelo menos em algumas populações – e não as diminui em nenhuma:

“É sabido que os antidepressivos não reduzem as taxas gerais de suicídio nos chamados transtornos depressivos maiores (TDM) e, de fato, aumentam a ideação e as tentativas suicidas em adultos mais jovens e crianças, com base em dados randomizados”, escreve ele.

Da mesma forma, ele observa que os antipsicóticos não melhoram o curso da doença e, em vez disso, têm efeitos neurotóxicos que reduzem o volume do cérebro:

“Na maioria dos estudos de antipsicóticos […] o curso da doença permanece crônico e se deteriora. Não se inverte com o tratamento antipsicótico de longo prazo. Fisiopatologicamente, os antipsicóticos, tanto os mais antigos quanto os mais novos, têm um efeito neurotóxico na redução do volume cerebral com o tratamento a longo prazo”.

Ghaemi escreve que a principal diferença entre a psiquiatria e o resto da medicina é que os medicamentos da psiquiatria são sintomáticos – tratando apenas os sintomas a curto prazo – enquanto que o resto da medicina envolve medicamentos modificadores da doença, que melhoram o curso da doença e reduzem resultados como hospitalização e morte.

“A maioria dos medicamentos psiquiátricos são puramente sintomáticos, sem nenhum efeito conhecido ou comprovado sobre a doença subjacente. Eles são como se fossem 50 tons de aspirina, usada para febre ou dor de cabeça, em vez de medicamentos que tratam as causas da febre ou dor de cabeça”, escreve Ghaemi.

Para comparação, ele observa que a pesquisa em psiquiatria se concentra na redução dos sintomas. Em contraste, em outros campos da medicina, a redução dos sintomas não é a preocupação – em vez disso, a hospitalização e a morte são mais importantes. Ele compara o desenvolvimento de medicamentos em doenças cardíacas com os da psiquiatria:

“Para novos medicamentos em doenças cardiovasculares, os pesquisadores não se preocupam em medir a dor torácica ou dispneia. Eles simplesmente medem o tempo até o infarto do miocárdio ou mortalidade […] Na psiquiatria, medimos sintomas de depressão e ansiedade e psicose como resultados primários […] estudos geralmente não medem nem mesmo o tempo até a hospitalização e a mortalidade não está nem mesmo no radar”.

Ele acrescenta que alguns medicamentos para doenças cardíacas, como os anti-hipertensivos, não melhoram nenhum sintoma a curto prazo, mas melhoram com sucesso o curso geral da doença, ajudando as pessoas a viver mais tempo e a sofrer menos ataques cardíacos.

Isto, escreve ele, é porque estes medicamentos agem sobre os caminhos biológicos reais que causam a doença. Mas os remédios da psiquiatria não fazem isso:

“Biologicamente, os antipsicóticos são principalmente bloqueadores de dopamina e os antidepressivos padrão são principalmente agonistas monoaminérgicos. Após a sua introdução nos anos 60, surgiram teorias correspondentes sobre a hipótese de dopamina da esquizofrenia e a hipótese de monoamina [serotonina] para depressão. Meio século de pesquisas desmentiram estas hipóteses: a sobreatividade da dopamina e o esgotamento da monoamina não são partes da patogênese da esquizofrenia e da depressão, respectivamente”.

Ele acrescenta: “Assim, de uma perspectiva biológica, os antipsicóticos e antidepressivos não são medicamentos modificadores da doença”.

Isto seria aceitável se eles tivessem um efeito clínico – mesmo se o caminho biológico fosse desconhecido, se os medicamentos salvassem vidas ou impedissem o agravamento da doença, eles seriam bem sucedidos. Mas, escreve ele:

“Um consenso de especialistas em esquizofrenia revisou a literatura atual e concluiu que os antipsicóticos não pioram o curso da esquizofrenia, mas também não foram capazes de mostrar que esses agentes melhoram esse curso”.

E, para os antidepressivos, acrescenta, “a meta-análise da FDA não encontrou nenhum benefício com antidepressivos versus placebo após 6 meses de tratamento”.

Ghaemi continua discordando da pouca validade dos diagnósticos psiquiátricos, principalmente como eles são definidos no Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais (DSM; agora em sua quinta edição revisada.

“O processo de definição das definições do DSM-5 tem sido fortemente influenciado por fatores não científicos, e não tem se mostrado bem sucedido na pesquisa biológica e farmacológica”, escreve ele. “Entretanto, a APA está totalmente comprometida com a ideologia do DSM-5, e não está disposta a permitir mais abordagens científicas para o diagnóstico. O Instituto Nacional de Saúde Mental (NIMH) reconheceu este problema, e não usa mais os critérios do DSM para a pesquisa biológica”.

Segundo Ghaemi, uma exceção à regra das drogas ineficazes da psiquiatria é o lítio.

“Apenas o lítio tem comprovadamente melhorado o curso de qualquer doença psiquiátrica. Além disso, apenas o lítio foi comprovado para prevenir o suicídio completo em ensaios clínicos aleatórios em psiquiatria […] É a única droga em psiquiatria que comprovadamente modifica a doença”.

Assim, Ghaemi argumenta, “o desenvolvimento atual de drogas psiquiátricas falhou e não terá sucesso por razões estruturais”. No entanto, ele escreve que o lítio tem melhores evidências de melhorar o curso real da doença e prevenir o suicídio, e assim “deve ser usado com mais freqüência e consistência do que é prática atual”.

****

Ghaemi, S. N. (2022). Symptomatic versus disease-modifying effects of psychiatric drugs. Acta Psychiatric Scandinavica. Published online June 2, 2022. https://doi.org/10.1111/acps.13459 (Link)

[trad. e edição Fernando Freitas]

Artigo anteriorA Lei dos Homens
Próximo artigoMenos de um quarto dos que sofrem de depressão responde ao tratamento na vida real
Peter Simons MIA-UMB News Team: Peter Simons tem formação em ciências humanas onde estudou inglês, filosofia e arte. Agora está em seu doutorado em Psicologia de Aconselhamento, sua pesquisa recente tem se concentrado em conflitos de interesse na literatura de pesquisa psicofarmacêutica, o uso de medicamentos antipsicóticos no tratamento da depressão, e as implicações filosóficas e sociopolíticas gerais da taxonomia psiquiátrica no diagnóstico e tratamento.