Questionando o pânico moral em torno da teleterapia: Uma Entrevista com Hannah Zeavin

0
253

Hannah Zeavin é uma das principais cientistas a investigar o impacto da comunicação e da tecnologia midiáticas nas nossas relações íntimas. O seu trabalho mais recente aborda a teleterapia e as comunicações digitais em saúde mental, que têm visto um grande crescimento durante toda a pandemia.

Zeavin é professora nos departamentos de Inglês e História da Universidade da Califórnia, Berkeley, e filiada ao Berkeley Center for Science, Technology, Medicine, and Society. Zeavin é também bolsista visitante no Centro para o Estudo das Diferenças Sociais da Universidade de Columbia. Doutorou-se no Departamento de Meios de Comunicação, Cultura e Comunicação da NYU em 2018.

O seu primeiro livro, The Distance Cure: A History of Teletherapy [A Distância Cura: Uma História da Teleterapia], será publicado pela MIT Press neste Verão. Zeavin trabalha como assistente editorial e é autora de numerosas publicações, incluindo o Journal of the American Psychoanalytic Association. É também co-fundadora do The Science, Technology, and Society Futures Initiative.

Nesta entrevista ela discute os seus próximos livros e todas as coisas midiatizadas de comunicação, teleterapia, e tecnologia. Zeavin aborda as relações humanas, incluindo a terapia, a partir das perspectivas da literatura e dos estudos midiáticos. Ela explora a história da psicanálise e de outras formas de terapia, obtendo novos conhecimentos sobre a nossa relação com a tecnologia e entre nós – sem o habitual teor moral dos psicólogos a respeito.

Também recorre à sua investigação para discutir como o cuidado pode assumir formas inesperadas através das tecnologias, permitindo uma intimidade à distância e uma mudança social que transcende a psicologia do indivíduo. Encerramos a entrevista abordando a feminização do trabalho de cuidados, a preocupação com os riscos de captura e controle, e mudanças na forma como entendemos os cuidados agora e no futuro.

A transcrição abaixo foi editada para maior precisão e clareza. Ouça aqui o áudio da entrevista.

Emaline Friedman: Hannah, a sua caminhada abrange a psicologia, a tecnologia, a mídia e a sociedade. Porque você não nos fala um pouco dos seus antecedentes e dos interesses que têm moldado a sua carreira até agora?

Hannah Zeavin: há muito que venho investindo na reflexão sobre a mídia e e a tecnologia que são responsáveis por levar à distância as nossas relações íntimas. Penso no trabalho psicológico que os meios de comunicação e a tecnologia fazem, bem como no seu uso tangível no nosso panorama dos cuidados de saúde e, claro, no nosso panorama dos cuidados de saúde mental.

Eu tive a sorte de ganhar um Ph.D em um incrível departamento pluralista, o Departamento de Comunicação, Cultura e Meios de Comunicação da NYU, o que permitiu-me pensar realmente nesses problemas de forma sintética como sendo um só problema com todos estes múltiplos componentes. Em paralelo, tenho estado envolvida com a psicanálise e a publicação. Até pouco tempo atrás, eu trabalhei como editora-gerente do Psychoanalytic Quarterly, e agora sou a editora-adjunta do JAPA (Journal of American Psychoanalytic Association). Fui também formada para trabalhar em um serviço de linha direta telefônica para atendimento da crise e tenho sido voluntário dentro e fora desse serviço aqui em Bay Area há cerca de seis anos, o que tem influenciado profundamente a forma como encaro este trabalho como crítica e como acadêmica.

Em todo o meu trabalho, eu estou interessada na investigação de casos especiais de comunicação e tecnologia midiática. No meu primeiro livro, a relação considerada é entre paciente e terapeuta e meios de comunicação. Queria olhar para um caso que é muito particular como se fosse um teste de laboratório para pensar mais profundamente sobre a relacionalidade humana meiiatizada  em outros contextos.

O meu próximo livro, intitulado Mother’s Little Helpers: Technology and the American Family [Os Pequenos Ajudantes da Mãe: A tecnologia e a Família Americana] pensa precisamente nisso – a tecnologia e a relação entre pais e filhos ao longo de mais de um século. Além disso, estou empenhada em questionar formas de relacionamento que possamos abordar como um bem moral, como são as noções de intimidade ou cuidado, ou mesmo empatia, para ver o que estas formas de relacionamento nos permitem ter, mas também o que elas podem esconder, carregar e instruir plenamente. A teleterapia é também um caso que eu utilizo para pensar através de questões de como estamos um com o outro e um para com o outro nestes modos de interação.

Friedman: A teleterapia parece ser um casamento perfeito entre a teoria dos meios de comunicação social e a tradição psicanalítica freudiana. Como você  descreveria a sua contribuição para a história da psicoterapia?

Zeavin: O meu primeiro livro, The Distance Cure: A History of Teletherapy, é provavelmente o lugar formal desta contribuição. Tenho outros escritos que não estão reproduzidos no livro que se encontram em suas margens.

Neste caso, penso na relação entre terapeutas (definida em termos gerais) e pacientes e meios de comunicação social. Revejo a nossa ideia da tríade terapêutica para argumentar que estamos sempre trabalhando em alguma versão da tríade: pacientes, terapeutas e meios de comunicação e/ou tecnologia. Trata-se de uma revisão importante da noção de prática clínica e da sua premissa de que se trata apenas de pessoas que se encontram em uma sala e que, por esse motivo, isso poderia ser considerado um encontro puro ou não mediado.

Discordo e remodelo-a, ainda que ela esteja sempre presente – aquela tríade. Em segundo lugar, The Distance Cure faz algumas incursões adicionais ao examinar o terapeuta e o seu paciente trabalhando à distância um dos outro em termos globais. O livro relata a história da psicologia clínica através da sua forma oculta: a teleterapia.

Em vez de a teleterapia ser uma preocupação recente, há cerca de uma centena de anos que ela está prestes a fazer a sua grande estreia. Durante todo esse tempo, temos estado a antecipar-nos a isso, bem como a tanto prever um grande avanço quanto a condenar. Acontece que a teleterapia é tão antiga como a própria história da terapia.

No primeiro capítulo do livro, eu defendo que a psicanálise e a tele-análise são concomitantemente trazidas à ribalta por Sigmund Freud. Não porque ele estivesse a pensar metaforicamente nos meios de comunicação, no que ele era bastante famoso, mas na sua verdadeira utilização dos meios de comunicação disponíveisnpara tratar pacientes à distância, começando por ele próprio na sua chamada auto-análise, que eu argumento ser apenas uma tele-análise.

Por fim, o seu primeiro e único paciente infantil, o pequeno Hans, foi visto no consultório apenas uma vez, embora tenha sido tratado de outra forma por meio de cartas. O livro pega estas relações extraordinárias e vulneráveis entre terapeuta e paciente para explorar que formas de intimidade, conhecidas e ignoráveis, são possíveis nestas configurações.

Assim, com o propósito de me aprofundar um pouco, mais defendo que desde que Freud deixou de colocar as mãos nos seus pacientes como parte da hipnose, para dar vez à terapia da fala, alguma distância interveniente sempre esteve presente entre paciente e terapeuta, mesmo no consultório.

Em seguida, procedo à análise de como os pacientes e terapeutas conseguiram transpor essa distância para que a comunicação acontecesse efetivamente. É claro que a teleterapia e as relações aí contidas literalizam fisicamente essa separação, mesmo quando trabalham arduamente para a diminuir.

Ao longo da minha investigação para fazer uma história crítica da teleterapia, começando em 1890 e indo até ao nosso presente, descobri que a teleterapia quase sempre acompanha a crise, e que a crise quase sempre acompanha a teleterapia. As crises que analiso no livro incluem a Primeira Guerra Mundial, a Pandemia de Gripe Espanhola, a Segunda Guerra Mundial, a guerra de libertação na Argélia, uma epidemia suicida em São Francisco, e mesmo o nosso presente com o desenrolar dessa pandemia contemporânea. Embora estes casos sejam cada um bastante diferente um do outro, eu uni-os, afirmando que a distância não é o oposto da presença; enquanto que a ausência o é.

O livro inteiro concentra-se em se perguntar: Se a “tele-” não é uma ausência ou uma perda, o que ela é? O livro elabora várias formas do que eu chamo de “intimidade distanciada”. Esta é uma outra contribuição, assim espero, ao em vez de se assumir que o termo “tele-” é sempre uma forma de cuidados irremediavelmente menor, embora certamente que possa se. Investigo esta história real, com 130 anos de sua história.

Finalmente, penso que rompo coma forma homogeneizadora com a qual pensamos a teleterapia. Eu estou interessada em muitas formas e utilizações dos meios de comunicação ao longo deste período temporal, e não apenas por terapeutas da clínica privada que usam zoom ou aplicativos para o iPhone. Em vez disso, tento restaurar a longa história da teleterapia para pensar mais holisticamente sobre ela.

Friedman: De certa forma, você naturaliza a teleterapia no seu trabalho, apresentando a distância como sempre tendo sido uma parte integrante da terapia. Presumo que você utilize estes argumentos para abordar o recente aumento do pânico em torno da terapia à distância.

Zeavin: Isso foi uma coisa produtiva que pude fazer ao longo do último ano, pois os clínicos e os pacientes têm estado preocupados com o fato de estarmos avançando na direção que anula a disponibilidade do cenário presencial (especialmente devido à atenção dada a aplicativos de cuidados de saúde mental).

Isto coloca a teleterapia e aquela forma muito apreciada de trabalhar em conjunto em desacordo entre si. Uma coisa que o livro tenta fazer delicadamente é mostrar que estes casos costumam andar juntos. Especialmente quando a distância está em todos os cantos, como no nosso momento atual, a teleterapia não está em contradição com a terapia presencial, porque não está havendo terapia presencial ou há muito pouco.

Essa é também uma forma de ultrapassar esse momento de pânico e de pensar mais claramente sobre o que pode estar acontecendo. Claro, penso que todos sabemos apenas pelo anedotário que o pânico pode dificultar a reflexão. Ao afastarmo-nos um pouco desse limite, podemos discutir esta questão de forma mais completa.

Friedman: Existem contradições específicas das mídias em terapia que devemos estar cientes?

Zeavin: Bem, o livro afirma que as tecnologias mediatizadoras sempre desempenharam um papel central e, por vezes, alarmante nestas relações íntimas. Considero formas mediáticas específicas de relacionamento que possibilitam tipos inesperados e novos (bons ou maus) de conexão de humano para humano.

Os cuidados vão parecer muito diferentes quando são oferecidos de forma contingente e anônima através do telefone, em São Francisco nos anos 60, do que parecem nas mãos de um analista e do seu paciente que vem trabalhando juntos cinco vezes por semana durante uma década ou mais. O livro pede-nos para nos situarmos realmente com cada um destes cenários, especialmente aqueles que possam ser considerados como cuidados para-terapêuticos ou os utilizados por ativistas. O livro pede-nos que resistamos a simplesmente considerá-los como sendo cuidados de emergência quando nada realmente acontece, ou a considerá-los apenas como coisas ruins.

Escrevi noutro local sobre os serviços de telefonia para atendimento de emergência para a crise e como eles chegam às contemporâneas linhas diretas telefônicas para emergência de suicídio e de polícia, onde coisas letais acontecem.

Também tento pensar no excesso de intimidade que pode ser encontrado na teleterapia, porque uma coisa que aparece muito na literatura sobre as formas de relacionamento por telefone é a perda: perda de intimidade, perda de empatia, perda de compreensão. Penso que é importante voltar a enquadrar essas críticas que situam a teleterapia como sendo menor, salientando que essas críticas podem ser exageradas. Mais uma vez, isso depende do meio e das pessoas envolvidas.

Por exemplo, tenho um colega que me disse que a teleterapia, que ele apenas praticou durante a pandemia, parece ser telepatia devido à utilização de fones de ouvido para evitar ruídos. De fato, há um pequeno ovo de Páscoa ao longo de todo o livro, que é que, uma e outra vez, a telepatia surge em conjunto com a teleterapia, ao longo da sua longa história, seja Freud estando extremamente preocupado com isso ou o meu colega aqui em Bay Area.

Friedman: Faz-me lembrar a facilitação em Zoom, onde inevitavelmente o facilitador deve perguntar, como numa sessão: Hannah, você está aqui conosco? Pode ouvir-nos? Há certamente uma espécie de mediunidade envolvida nisso.

Zeavin: Esse é um exemplo realmente excelente. Isto é também algo em que estou empenhada; pensando no que o meio exterior, eu o chama de os verdadeiros meios infraestruturais em nosso quotidiano, de uso habitual, e como eles interagem com o que eu chamo de meio interior.

A noção de “linha vermelha digital” de Chris Gilliard é útil aqui, revelando como o acesso à tecnologia é profundamente desigual neste país e para além dele. As chamadas caem e os Zooms congelam. Uma das coisas em que comecei a trabalhar e que reparo é como isso faz com que os indivíduos se sintam de forma diferente. Isto é uma coisa específica do meio e do indivíduo – como reagimos à queda da chamada em terapia. Sabe, não apenas no sentido de “consegue ouvir-me agora?” do anúncio da operadora AT&T, mas em alguma parte profunda do nosso interior.

Friedman: Você mencionou anteriormente que realmente se preocupou em colocar entre parênteses o que é ” bom ou mau”, “a favor ou contra”, e o livro a gente o lê como uma abordagem equilibrada da evolução da terapia à distância. No entanto, muitos praticantes provavelmente estão a enfrentar a sua descrição do aplicativo Talkspace, onde você descreve como o imediatismo que os consumidores esperam dos aplicativos nas redes sociais substitui muitas das facetas da aliança terapêutica tradicional.

Zeavin: Eu também me refiro a isso. A minha descrição é o que está lá. Penso ter deixado bem claro no livro que estou muito preocupada. Preocupação é demasiado suave! Uma palavra sobre o deslize em que chamamos o paciente de “usuário” ou talvez pior, de um “consumidor”, ainda que, claro, a terapia sob o capital seja consumida. E isso é provavelmente o início e o fim do conjunto de problemas. Há muito sobre a ampliação dos cuidados de saúde mental e a Uberização da profissão de saúde mental que é profundamente perturbadora.

Estamos num momento de perda massiva de empregos, e muitas desses aplicativos são comercializados, não a indivíduos, embora o Talkspace o seja, mas aos patrões. Esses aplicativos stão “desorganizando” os cuidados de saúde mental, mas essas plataformas também estão constantemente colapsando o bem-estar e a produtividade econômica na forma como estão enfrentando a crise.

Estamos vendo isto a toda a hora na pandemia. Quando os CEOs ou CFOs falam sobre estes aplicativos, muitas vezes a lógica é: “nós nos EUA perdemos milhares de milhões de dólares anualmente com a depressão, e se tivéssemos um aplicativo para ela, isso seria bom, não é verdade?”

Esse enquadramento é endémico no Vale do Silício, mas não apenas aqui: “se tivéssemos uma aplicativo para a depressão ou se pudéssemos interrompê-la, então poderíamos consertá-la”. A “indústria” da saúde mental é o que aqueles que estão no Vale do Silício denominam como estando em condições para a disrupção deste “espaço”. Este é o tipo de palavras que ouço com muita frequência.

Outro problema é o que se espera dos trabalhadores que prestam cuidados, fornecendo trabalho terapêutico nessas plataformas. Os jornalistas Kashmir Hill  do New York Times e Molly Fischer da New York Magazine fizeram mais recentemente investigações bastante profundas sobre a experiência clínica. E também temos de nos preocupar com isso. Neste livro e na minha vida preocupo-me em primeiro lugar com os pacientes, mas também preocupo-me com o trabalho do terapeuta.

Um elevado nível de cuidados a um preço mais baixo é o que é oferecido ao paciente, mesmo que seja embalado de forma diferente. Mas é isso que subentende estes aplicativos, e é isso o que a disrupção pode ser. Há infinitas evidências anedóticas de que, quer seja a preferencia de gênero do terapeuta ou a sua aptidão cultural, quer seja uma promessa de cuidados por solicitação ou uma promessa de disponibilidade, estas coisas geralmente não se concretizam, e acabam prejudicando a todos.

Se alguém está no momento em que precisa de cuidados (especialmente neste país) e os procura, e depois não é entregue ou é mal entregue, isso é um problema real. Há relativamente pouca supervisão. Como empregados ou como estudantes, pode ser-nos dito para usarmos um aplicativo para alcançar o bem-estar, seja ele qual for, e para nos preocuparmos com o nosso próprio bem-estar. Esta é uma defesa infeliz das noções políticas de autocuidado, transformado num hashtag, e essa linguagem em si sai da terapia propositadamente. Se a intervenção for bem-estar ou cuidado ou companheirismo ou treino [coaching], se pode fazer algo bom ou mau, mas não é terapia, e não está a ser regulada enquanto tal.

Friedman: Certamente que não é. A expectativa imediata corta os dois lados, porque quando se despojam as condições de trabalho razoáveis ou favoráveis dos trabalhadores da saúde mental, a qualidade dos cuidados também sofre. Se se pudesse retirar do seu livro uma mensagem aos profissionais de saúde mental, qual seria?

Zeavin: Para além desta ideia de pensar através da tríade como estando sempre presente, uma mensagem aos clínicos e trabalhadores da saúde mental é que existem crises de longa data que temos que enfrentar nos cuidados de saúde mental. Não é apenas porque estamos aqui em uma pandemia, ou porque estamos no último momento da fase do capitalismo avançada, ou por causa de aplicativos de cuidados de saúde mental.

A mudança de emergência para Zoom há um ano atrás e os aplicativos que estão sob a categoria de mindfulness no Google não são a soma total da história da teleterapia. Quero que sejamos capazes de pensar mais profundamente sobre como nos podemos relacionar à distância sem nos sentirmos resignados com um futuro de iniciativas de bem-estar empresarial. Há toda uma história radical e cuidadosa da teleterapia, começando pelo próprio Freud, que pode realmente apontar o caminho.

Friedman: Lembro-me do que surge no seu livro sobre a intimidade em massa e as formas difundidas de prestação de cuidados de saúde mental, bem como os desafios que as linhas telefónicas de emergência para suicídios e outras linhas de emergência para crises colocam à terapia tradicional. Existem facetas do seu trabalho que giram em direção a um futuro em que os cuidados com a psique são mais uma espécie de iniciativa aberta, talvez mesmo não-comercial?

Zeavin: Claro, isto seria utópico. Por outro lado, sempre existiu, por isso tenho de esperar que venha a existir. O livro termina com uma referência ao Shockwave Rider, um romance de ficção científica distópico de John Brunner. O livro tem um enredo complicado, mas o cenário é de total controle por parte do governo. Nos limites desse controle também existem pequenas formas de resistência. Em alguns aspectos, é um belo livro foucaultiano.

A forma fictícia de cuidados descrita no livro chama-se o aparelho auditivo, um coletivo de operadores de serviços telefônicos contactado em (999) 999-9999. Funciona muito como as linhas telefônicas de emergência em situações de crise com as quais eu trabalhei, e pode ser por isso que isso tenha entrado dentro de mim. No livro, os ouvintes gritarão na linha telefônica, ou terão um episódio mais longo em que falarão sem parar. Algumas pessoas que telefonam também utilizam a linha direta para uma função de testemunha, pois a distopia é tão extrema neste livro. Por isso, imagina-se que a teleassistência esteja funcionando, mesmo no mais amargo dos extremos.

Mesmo nas sociedades mais distópicas, compreendemos que haverá alguma forma de tele-ajuda. Uma grande diferença entre as linhas diretas do mundo real e este aparelho auditivo é que os operadores de aparelhos auditivos não respondem aos seus interlocutores e terminam cada chamada apenas com citações.

Esse fecho ficou mesmo comigo porque, nesse espaço no limite (queira chamar-lhe o culminar de 500 anos da crise da supremacia branca), vamos tomar estas várias formas únicas de comunicação no meio da crise e do sofrimento e continuar a precisar delas.

Não é a isto que eu chamaria uma aventura mais aberta, num sentido feliz. Estou tentando sugerir que mesmo quando imaginamos os piores resultados possíveis para o nosso mundo, e muitos argumentam que os estamos a viver, também podemos imaginar como os iremos navegar psiquicamente, juntos. O que me entusiasma no meu livro é que a teleterapia, até à COVID-19, era quase sempre um serviço gratuito ou a uma tarifa baixa.

Isso também significa que temos de pensar em como menos cuidados podem ser impingidos às comunidades que já são vulneráveis através de um suposto “processo de democratização” do acesso. O acesso é uma destas palavras que precisamos de complexificar e não apenas de tomar à letra.

No meu livro, estes casos históricos falam de comunidades que o fazem por si próprias, onde os cuidados são articulados especificamente em relação às pessoas reais e às suas necessidades reais. Quer sejam esses casos históricos ou o renovado interesse na longa tradição de ajuda mútua durante a pandemia, ou aplicativos que estão sendo feitos por pessoas como Rashaad Newsome, que está trabalhando em um aplicativo para responder diretamente à raiva e à depressão que as comunidades negras enfrentam na sequência de assassinatos policiais e agressão racial, penso que há exemplos singulares de como podemos estar juntos que não dependem desta noção de “pureza” de estar em pessoa, embora isso também seja ótimo.

Friedman: Ao contrário da noção de pureza na díade psicanalítica como o mais alto padrão de intimidade e cuidado, pode-se complicar isso ao olhar para os cuidados como um processo de ajuda mútua que vem de baixo para cima. Contudo, há também uma história da psicanálise que está profundamente ligada à ascensão do capitalismo de consumo. Estou pensando em como os psicanalistas têm sido frequentemente comentadores culturais astutos, mas que as suas teorias têm tido impactos profundos na propaganda, como no trabalho do sobrinho de Freud, Edward Bernays. O que é que a psicanálise tem hoje para oferecer ao grande panorama dos meios digitais?

Zeavin: Penso que ainda se tem de oferecer o que tem sempre sido oferecido, que é uma forma de navegar pelos efeitos cíclicos, tanto imaginários como reais, do que nos é posto em nós. Os meios digitais são agora parte profunda disso e já o são há bastante tempo. Há um trabalho incrível sobre os efeitos psíquicos dos novos meios de comunicação e meios digitais. Jacob Johansson, Alexandra Lemme, Aaron Balick, e Patricia Clough discutiram questões semelhantes sobre os meios digitais inconscientes e contemporâneos. Especialmente o livro recente, The User Unconscious, de Clough. Estes pensadores estão trabalhando de formas realmente diferentes.

Mas penso que estou interpretando mal a sua pergunta, que tem menos a ver com um diagnóstico da paisagem e do que ele nos está fazendo e mais com o fato de se tornar parte dele. Continuarei a insistir que é porque eles não precisam de ajuda.

Friedman: Tendo eu reparado que em todo o seu trabalho aparecem vários estudos de feministas, queria perguntar-lhe se existem diferenças de gênero que deseja que os nossos ouvintes conheçam em todo este panorama tecnológico que temos vindo a discutir aqui? Sei que no seu próximo livro você está analisando a tecnologia nas famílias americanas.

Zeavin: A teoria feminista, a história das mídias feministas, e as histórias feministas da tecnologia estão profundamente no centro da minha forma de pensar, e os estudos de ciência e tecnologia feministas estão profundamente no centro da forma como fui formada. Penso que pode parecer que isso está fora do âmbito dos cuidados de saúde mental, mas para mim não está.

O meu próximo livro chama-se Mother’s Little Helpers (Ajudantes da Mãe): Tecnologia na Família Americana. Esse livro está centrado nas ideias de ausência e presença materna e a medicalização à medida que se inter-relacionam com o uso real das tecnologias nas famílias…ou não. Também lido com a recusa dos meios de comunicação e a recusa de tecnologia no livro.

Em termos de cuidados de saúde mental, penso que podemos dizer que parte desta história é a feminização do trabalho terapêutico e a masculinização do trabalho tecnológico e de escritório. Tudo isto é duplamente crucial para a história da teleterapia.

O livro conta uma história, que não é apenas uma cronologia, do aumento da viragem para aquilo a que alguns chamam ” desexpertise” ou ” descompetência”, embora eu me oponha a isso, do encontro terapêutico ao longo de toda a história do século XX. O livro não se ocupa apenas da psicanálise. A feminização do trabalho terapêutico significa também que as mulheres se tornaram cada vez mais terapeutas e psicanalistas, o que também faz parte da história da Uberização da terapia.

Além da teleterapia, mas dentro dela, os cuidados podem funcionar como uma cobertura para a captura e controle. Esse material tem um impacto sobre todos nós, por muito desigual que seja. O gênero é uma questão muito importante, mas também o são coisas como raça, classe, capacidade e sanidade. Podemos perguntar como a mudança social através da nova tecnologia interage com a psique, o corpo e o indivíduo, mas tudo isto está fundamentado em questões do que está acontecendo sistemicamente, para além do indivíduo, na nossa sociedade.

 

[trad. e edição Fernando Freitas]