‘Cochrane Review’ Solicita Mais Investigação sobre a Retirada de Antidepressivos

Os investigadores encontram uma falta de literatura atual sobre formas seguras e eficazes de gerir a retirada de antidepressivos e fazem sugestões para pesquisas futuras.

0
113

Uma nova revisão da Cochrane examina o atual conjunto de pesquisas sobre a cessação do uso de antidepressivos, encontrando uma grande carência nesta área. Os investigadores pedem uma investigação mais aprofundada sobre estratégias seguras e eficazes para acabar com a utilização de antidepressivos.

“Sabemos que o aumento do uso de antidepressivos a longo prazo é uma grande preocupação em todo o mundo”, diz a principal autora da revisão e investigadora com sede na Bélgica, Ellen Van Leeuwen.

“Como médica de família, vejo em primeiro plano as lutas que muitos pacientes têm com os antidepressivos. É uma preocupação crítica o fato de não sabermos o suficiente sobre como reduzir a utilização inadequada a longo prazo ou quais são as abordagens mais seguras e eficazes para ajudar as pessoas a fazer isto. Por exemplo, existem mais de 1.000 estudos sobre o início de antidepressivos, no entanto, encontramos apenas 33 ensaios controlados randomizados (RCTs) em todo o mundo que examinaram a sua interrupção. É evidente que esta área precisa de atenção urgente.”

Os antidepressivos são normalmente utilizados no tratamento da depressão e da ansiedade. As diretrizes atuais sugerem que as pessoas devem continuar usando antidepressivos durante pelo menos seis meses após terem começado a sentir-se melhor e durante pelo menos dois anos, caso tenham sofrido múltiplos episódios depressivos. Metade das pessoas a quem foram prescritos antidepressivos estão tomando antidepressivos há mais de dois anos.

Inquéritos realizados junto de pessoas que tomam antidepressivos mostram uma falta de provas que sustentem 30-50% dos consumidores a longo prazo ainda consumindo a droga. O uso a longo prazo pode causar mais danos do que benefícios, visto que o uso de antidepressivos pode causar efeitos secundários negativos, tais como perturbações do sono, aumento de peso, disfunção sexual, hemorragia gastrointestinal, entorpecimento emocional, entre outros problemas. Além disso, outras investigações salientaram que os antidepressivos são, em média, ineficazes e potencialmente nocivos.

No estudo atual, os investigadores da Cochrane analisaram os resultados de 33 RCT, o padrão ouro para a investigação baseada em evidências, que incluía 4.995 indivíduos que tinham sido prescritos antidepressivos durante 24 semanas ou mais. O uso de antidepressivos foi interrompido repentinamente em 13 dos estudos examinados. Em 18 dos estudos, o uso de antidepressivos foi afilado ao longo de algumas semanas, com a maioria dos períodos de afilamento a durar cerca de quatro semanas ou menos.

Os investigadores descobriram que a investigação disponível não fornece nenhuma prova conclusiva da abordagem mais segura e eficaz para parar o uso de antidepressivos. Embora a maioria dos estudos tenha resultado numa aparente recidiva de sintomas depressivos, houve uma falta de diferenciação entre os sintomas de recidiva e de abstinência.

A maioria dos estudos também incluiu participantes que tinha um histórico de repetição de episódios depressivos, o que turva ainda mais as águas em torno da questão de saber se os sintomas depressivos que se manifestavam após a paragem dos antidepressivos resultavam de recaída ou de abstinência.

Nenhum dos estudos utilizou abordagens lentas e mensuráveis para parar o uso de antidepressivos – o que é o recomendado como uma forma segura de afinar os ISRS e os antipsicóticos. Em vez disso, os estudos que incluíram um regime de afinação cônica utilizaram uma abordagem rápida, explicando por que razão a interrupção abrupta e afinação resultou em recidiva/retirada.

Além disso, os estudos atuais não oferecem um consenso claro sobre quanto tempo o uso de antidepressivos deve continuar depois de os sintomas do indivíduo terem diminuído. Os investigadores sublinham como as atuais diretrizes de prescrição não são fundamentadas em provas de investigação, suscitando preocupação, particularmente à luz dos efeitos secundários problemáticos atribuídos à utilização de antidepressivos.

Os investigadores fazem várias sugestões para a investigação futura de diretrizes de descontinuação segura. Encorajam os clínicos a monitorar formalmente a forma como os seus clientes estão respondendo ao afunilamento e eventualmente à descontinuação, para melhor determinar se os sintomas são de retirada ou de recaída, bem como saber quando abrandar o processo de afunilamento se os sintomas surgirem.

Além disso, recomendam que os investigadores delimitem mais precisamente entre uma abstinência e os sintomas de recaída. Sugerem também que sejam investigadas abordagens lentas de afunilamento para minimizar o mais possível os potenciais sintomas de abstinência.

Apelam para haver investigação que examine os benefícios e danos da interrupção dos medicamentos antidepressivos, reconhecendo a falta de investimento da indústria farmacêutica e dos investigadores no movimento de ‘desprescrição’. É necessária uma investigação que investigue a ‘desprescrição’, incluindo o compartilhamento de decisões entre cliente e clínico, taxas efetivas de descontinuação, sintomas de abstinência, outras adversidades e qualidade de vida em geral, de modo a fornecer uma imagem clara de como navegar na paragem de medicamentos de uma forma que seja simultaneamente segura e bem sucedida.

Outros aspectos fundamentais a se abordar incluem uma população de doentes mais amplamente representada, incluindo os que experimentam formas mais suaves de depressão e outros diagnósticos psiquiátricos. Como a maioria dos antidepressivos são prescritos por médicos da clínica geral, deve ser realizada investigação em ambientes de cuidados primários, e que os médicos de clínica geral falem com os seus clientes sobre a continuação e uma interrupção da medicação.

Além disso, haver uma compreensão mais profunda de como os médicos da clínica geral e outros clínicos percebem a descontinuação permitiria uma maior consciência da complexidade dos fatores contribuintes que ajudam e que dificultam a interrupção da medicação.

A exploração de intervenções terapêuticas que poderiam ajudar na descontinuação, como a terapia cognitiva-comportamental (CBT) ou a terapia cognitiva baseada na atenção (MBCT), para além de intervenções como o apoio remoto, a psicoeducação, etc., poderia permitir um quadro mais claro de como os médicos podem apoiar melhor os clientes que estão passando pelo processo de interrupção da medicação.

O investigador e psiquiatra Mark Horowitz, da UCL, enfatiza a importância de uma investigação mais aprofundada sobre abordagens seguras para se parar os medicamentos psiquiátricos:

“Para mim, esta é uma questão tão crítica, tanto do ponto de vista pessoal como profissional. Sou uma das centenas de milhares de pessoas que tiveram ou estão tendo batalhas longas, difíceis e angustiantes, devido à gravidade dos efeitos de abstinência. No entanto, em vez de poder encontrar ou aceder a qualquer prova, ou orientação clínica de alta qualidade nesta situação, só consegui encontrar informações úteis em sites de apoio de pares onde pessoas que passaram pela retirada dos próprios antidepressivos foram forçadas a tornar-se especialistas leigos. Desde então, o Colégio Real de Psiquiatras (Royal College of Psychiatrists) deu um grande passo em frente ao dar orientações sobre a cessação de antidepressivos, em 2020. No entanto, ainda há falta de investigação, portanto, de provas nesta área sobre o que funciona para diferentes pessoas. Quero que outras pessoas tenham a base de provas para sair sem o mesmo problema que eu tive.”

Olhando para o futuro, Van Leeuwen escreve:

“Olhando para o futuro, aguardamos os resultados dos estudos em curso que estão analisando a interrupção dos antidepressivos, tais como o ensaio REDUCE no Reino Unido, que está testando ‘online’ e apoio psicológico telefônico aos pacientes que se retiram dos antidepressivos a longo prazo, onde isto é apropriado. Sabemos que estudos futuros serão críticos para responder à necessidade urgente de mais e melhores provas, dada a tendência preocupante de utilização de antidepressivos a longo prazo aqui em Inglaterra e em todo o mundo.”

****

Van Leeuwen E., van Driel M.L., Horowitz M.A., Kendrick T., Donald M., De Sutter A.I.M., Robertson L., Christiaens T. (2021). Approaches for discontinuation versus continuation of long-term antidepressant use for depressive and anxiety disorders in adults. Cochrane Database of Systematic Reviews, 4. Art. No.: CD013495. DOI: 10.1002/14651858.CD013495.pub2. (Link)

[trad. Fernando Freitas]