Saúde Mental em Trieste está sob Ameaças

0
1468

Em uma carta redigida por Roberto Mezzina (ex-diretor do Departamento de Saúde Mental de Triestre), é feita uma denúncia das ameaças que pairam sobre os serviços de saúde mental de Trieste e um pedido de apoio de todos os que defendem o legado de Franco Basaglia e não querem retrocessos. O próprio conteúdo da carta esclarece o que está ocorrendo.

A SAÚDE MENTAL DESAPARECENDO PERMANENTEMENTE DO RADAR

Roberto Mezzina

Devido à pandemia de Covid 19, a já dramática situação de falta de recursos em serviços de saúde mental piorou ainda mais em toda a Itália. Centros de Saúde Mental inacessíveis, contração e até suspensão das visitas domiciliares, redução do trabalho voluntário e cooperativas sociais.

No entanto, foi graças ao acesso fácil e rápido aos Centros de Saúde Mental, sem listas de espera, que não só os serviços de Trieste, mas também os de toda a Região de Friuli Venezia Giulia, consolidaram um reconhecimento nacional e internacional.

A OMS indicou novamente, nestes dias, o modelo Trieste (que agora se tornou regional) como um exemplo global de rede integrada de serviços comunitários. Este reconhecimento aparecerá em um importante documento da OMS, a ser publicado em breve. As respostas às pessoas “em tempo real”, com uma abordagem que é não apenas psiquiátrica no sentido estrito, mas alargada para responder às necessidades da vida em todos os seus aspectos, respeitando e promovendo os direitos humanos, têm sido os pilares do modelo de Trieste.

Em muitas outras regiões italianas, por outro lado, as estruturas residenciais estão se espalhando, muitas vezes parecendo instituições fechadas tradicionais, muitas vezes privadas, e absorvendo a maior parte dos recursos; as pessoas estão amarradas em enfermarias de hospitais miseráveis; não há visitas domiciliares; drogas psicotrópicas são usadas quase como a intervenção exclusiva (e muitas vezes mal); as necessidades diárias das pessoas pesam sobre as famílias. É esta a situação demonstrada há alguns anos pela Comissão Parlamentar, que em vez disso recompensou os nossos serviços. No entanto, apesar das múltiplas premiações, o atual governo regional desde o início não escondeu o desejo de colocar a mão nos Serviços de Saúde Mental, e o alcance dos objetivos de melhoria estabelecidos pelo Plano Regional de Saúde Mental em 2018 tornou-se imediatamente difícil. A escuta dos pedidos dos cidadãos e associações também foi substancialmente interrompida. Houve redução do quadro de pessoal de todas as categorias profissionais. O desejo de reduzir e fundir os Centros Comunitários de Saúde Mental tornou-se claro, tomando uma direção contrária ao que deveria ser o objetivo final de um Serviço Comunitário de Saúde Mental, bloqueando assim o processo empreendido há anos, incluindo o funcionamento dos serviços por 24 horas, com possibilidade de acolhimento de pessoas em crise num ambiente não alienante. Tudo isso tem sido questionado para voltar ao modelo das antigas enfermarias de hospitais. Isso será alcançado com as medidas administrativas que romperão a continuidade da linha de gestão.

Depois das numerosas aposentadorias, a gestão das instalações, mesmo dos Departamentos, passou a ser confiada a quadros “em exercício”; ou por curtos períodos, com funções de chefia muitas vezes confiadas “para substituir” vários serviços. Ao mesmo tempo, os concursos para as direções dos Centros de Saúde Mental foram suspensas e serão reduzidos. Nestes dias, os concursos para lugares de chefia em Trieste e Pordenone foram reiniciados e saíram classificações bastante bizarras: todos aqueles que foram formados pela escola de Basaglia foram penalizados ou excluídos, apesar de anos de compromisso com serviços muito melhores e excelentes currículos, em benefício de candidatos, muitas vezes desconhecidos, que vêm de fora da região. Nunca pensamos que mesmo nesta região o sistema de despojos chegaria a cargos executivos, nos quais competências e orientação de valores de saúde pública deveriam ser elementos fundamentais.

Estamos confiando nossos serviços a psiquiatras completamente alheios a experiências consolidadas de vanguarda, e que, em vez disso, vêm de situações retrógradas, de enfermarias psiquiátricas que são frequentemente fechadas e que ainda usam contenção física. Por outras palavras, os nossos serviços serão geridos por que oferecem modelos antiquados de ambulatório ou de internação, em vez de programas de tratamento e reintegração que atendem às necessidades das pessoas com transtornos mentais. Essas escolhas autodestrutivas são prejudiciais não só ao sistema atual, mas aos cidadãos em geral, e abrem caminho ao desmantelamento dos melhores serviços criados pela reforma psiquiátrica, resultando no empobrecimento e ineficiência do serviço público que corre o risco de se tornar progressivamente privatizado em toda a Itália.

Os cidadãos devem se envolver e recomeçar a partir de uma forte aliança de usuários, famílias, profissionais, serviços, reunindo as experiências de ontem e hoje antes que as rupturas sejam irreparáveis ​​e o imenso patrimônio acumulado em 50 anos de experiência esteja disperso. A liberdade é terapêutica, tem sido dito e argumentado: é um direito, o maior, para os seres humanos, aquele que Franco Basaglia devolveu a todos os italianos, fechando os manicômios e mudando a lei. Por isso, não deixemos os serviços sozinhos, e evitemos que os serviços de saúde mental da região desapareçam definitivamente do radar, com graves prejuízos para todos.

Mauro Asquini, Renzo Bonn, Angelo Cassin, Peppe Dell’Acqua, Roberto Mezzina, Franco Perazza, Franco Rotelli

(Ex Diretores dos Departamentos de Saúde Mental de Trieste, Gorizia, Udine, Alto Friuli e Pordenone)

e

  • Grazia Cogliati, psiquiatra
  • Giovanna Del Giudice, presidente COPPERSAM “Conferenza Basaglia”
  • John Jenkins, International Mental Health Collaborating Network
  • Mario Novello, psiquiatra
  • Sashi Sashidharan, psiquiatra
  • Benedetto Saraceno, ex-diretor do departamento de Saúde Mental e Abuso de Substâncias do OMS

…..

Assine a petição, clicando aqui ⇒