A psicoterapia pode evitar a recidiva quando os antidepressivos são descontinuados

"Programas psicológicos curtos e simples podem evitar que as pessoas recaiam quando param seus antidepressivos".

1
238
Quando é seguro interromper os medicamentos antidepressivos? Se os medicamentos evitarem recaídas, então pará-los poderia levar a um retorno das experiências (como ansiedade ou depressão) que fizeram a pessoa procurá-los em primeiro lugar. Mas um novo estudo – publicado na revista de primeira linha JAMA Psychiatry – descobriu que a psicoterapia é tão boa na prevenção de recaídas quanto a continuação dos antidepressivos.

Um comunicado de imprensa sobre o estudo resume seus resultados: “Programas psicológicos curtos e simples podem evitar que as pessoas recaiam quando param seus antidepressivos”.

O estudo foi conduzido por Josefien Breedvelt e Claudi Bockting na Universidade de Amsterdã.

Os pesquisadores encontraram quatro estudos pré-existentes que comparavam a psicoterapia (e a afilação/descontinuação do antidepressivo) com o uso contínuo de antidepressivos. Os estudos incluíram 714 participantes no total e acompanharam pacientes durante 15 meses após a interrupção do uso de antidepressivos. As terapias fornecidas foram a terapia cognitiva ou a terapia cognitiva baseada na ‘mindfulness’.

“Esta meta-análise dos dados individuais dos participantes sugere que a realização de uma intervenção psicológica enquanto um paciente é submetido a um tratamento de redução de antidepressivos pode ser uma alternativa ao uso de antidepressivos a longo prazo no tratamento da depressão recorrente”, os pesquisadores escrevem no artigo da JAMA Psychiatry.

No comunicado à imprensa, Breedvelt escreve que “Descobrimos que independentemente dos riscos clínicos, tais como um alto número de episódios anteriores ou sintomas residuais, os pacientes podem considerar a interrupção dos antidepressivos desde que possam receber uma psicoterapia simples”.

De acordo com Breedvelt e Bockting, as orientações para a prática clínica instam os clínicos a continuar a terapia antidepressiva a longo prazo, mesmo em pessoas que não atendem mais aos critérios de depressão ou ansiedade, enquanto “tratamento de manutenção”. Entretanto, elas observam que os antidepressivos têm muitos efeitos adversos que podem piorar com o uso a longo prazo, como ganho de peso e disfunção sexual, e as pessoas podem não querer continuar a tomá-los a longo prazo.

Ao contrário dessas diretrizes, o estudo deles descobriu que a interrupção do tratamento antidepressivo é possível sem causar mais recaídas se uma simples psicoterapia for fornecida durante a interrupção.

No comunicado à imprensa, Bockting escreve:
“Embora as diretrizes clínicas recomendem atualmente o uso de antidepressivos de longo prazo em pacientes de alto risco, é hora de discutir alternativas”.

De acordo com os pesquisadores, não havia um grupo particular de pessoas para quem isto funcionava melhor ou pior do que qualquer outro (mesmo aqueles que tinham experimentado anteriormente numerosos episódios recorrentes de depressão ou ansiedade), o que significa que isto poderia ser tentado com qualquer pessoa.

Breedvelt e Bockting concluem que a psicoterapia – juntamente com a descontinuação da medicação – é uma alternativa viável ao tratamento antidepressivo contínuo, uma vez que a pessoa tenha experimentado melhora.

****

Breedvelt, J. J. F., Warren, F. C., Segal, Z., Kuyken, W., & Bockting, C. L. (2021). Continuation of antidepressants vs. sequential psychological interventions to prevent relapse in depression: An individual participant data meta-analysis. JAMA Psychiatry. Published online May 19, 2021. doi:10.1001/jamapsychiatry.2021.0823 (Link)

1 COMENTÁRIO