Sobreviventes Psiquiátricos enquanto Terapeutas Falam de Suas Dificuldades

A investigação explora a forma como os sobreviventes psiquiátricos que se tornam terapeutas navegam na sua dupla identidade no sistema de saúde mental.

0
240

Em um artigo publicado no Journal of Humanistic Psychology, a psicóloga clínica Alexandra Adame entrevistou sobreviventes-terapeutas, sobreviventes da psiquiatria que trabalham como psicoterapeutas e conselheiros para compreender como as suas experiências moldaram as suas abordagens em relação à militância e à psicoterapia no sistema de saúde mental.

Os resultados sugerem que os participantes gerem a sua dupla identidade, encontrando formas de trabalho que honram as suas experiências como sobreviventes da psiquiatria e a sua formação como terapeutas, tudo isto enquanto interrogam as atitudes da nossa sociedade e a tolerância à loucura.

Young man silhouette balancing on slackline rope between two parallel worlds.

No seu cerne, o movimento dos sobreviventes da psiquiatria trata de lutar pelos direitos humanos no sistema de saúde mental liderado por aqueles que sofreram abusos e/ou opressão dentro dele. O movimento é caracterizado por uma postura radical de libertação da psiquiatria.

Muitas alternativas ao sistema de saúde mental geradas por este movimento incluem o apoio de pares como elemento central, tal como em projetos de ajuda mútua. Eles também geralmente evitam hierarquias e distinções na prestação de tratamento de saúde mental, vendo cada pessoa como sendo um expert na sua experiência.

Por esta razão, os terapeutas sobreviventes podem parecer estar em uma contradição. Para aprender mais sobre como entendem a sua dupla identidade no sistema de saúde mental, Adame fez uma investigação qualitativa aprofundada com terapeutas sobreviventes auto-identificados. Embora investigações anteriores tenham sido feitas sobre experiências de terapeutas sobreviventes, este estudo centrou-se nas lutas dos participantes para aprender a ser terapeutas eficazes e na forma como a identidade de sobreviventes informa os conhecimentos clínicos deles.

Os resultados deste estudo complicam as dicotomias nos discursos da militância, que perpetuam a mentalidade “nós contra eles” entre clínicos e pacientes, tanto no sistema de saúde mental como no movimento dos sobreviventes.

A investigação de Adame examina como os profissionais de saúde mental podem integrar a sua experiência de lutas e tratamentos de saúde mental no seu trabalho dentro e fora do sistema de saúde mental. Este estudo é também relevante para terapeutas interessados em promover uma abordagem humanista da sua prática clínica, enquanto eles avançam para uma mudança sistêmica.

Como parte deste projeto, Adame entrevistou cinco participantes que trabalham como profissionais de saúde mental que se auto-identificam como sobreviventes psiquiátricos. O estudo encontrou temas nas experiências dos sobreviventes-terapeutas, tais como inspirar-se no forte sentido de comunidade no movimento mais amplo, ligando-se intencionalmente aos seus clientes de uma forma não medicalizante, humanista e holística enquanto estão se envolvendo em modelos alternativos de cuidados. Este artigo centrou-se no caso de Matthew como um exemplo para proporcionar uma análise mais rica das conclusões do projeto.

Ao responder a perguntas sobre como a sua experiência no sistema de saúde mental os levou a envolverem-se no movimento dos sobreviventes, os participantes descreveram uma mudança. Enquanto inicialmente se sentiam isolados e prejudicados pelo sistema de saúde mental, os participantes construíram e integraram uma dupla identidade como sobreviventes-terapeutas, apesar de não terem modelos para fazer isso de forma eficaz. Por exemplo. Adame escreve:

“A experiência de não poder confiar em si próprio devido à abordagem desinteressada e patologizante dos médicos foi, nas palavras de Matthew, ‘extremamente prejudicial’. Para Matthew e outros na sua posição, eles foram levados a sentirem-se de outra forma quando o pessoal hospitalar e os médicos não quiseram ou não conseguiram relacionar-se com eles (ou pelo menos tentaram fazê-lo) de uma forma compassiva. Em vez disso, Matthew sentiu-se abandonado e ignorado numa época de crise, quando mais precisava de uma ligação humana genuína. A falta de compaixão humana e de empatia genuína no sistema de saúde mental… influenciou subsequentemente a forma como os sobreviventes psiquiátricos escolheram praticar quando mais tarde se tornaram eles próprios profissionais de saúde mental.”

Matthew, tal como outros terapeutas sobreviventes, desejava ser o terapeuta que gostaria de ter encontrado no sistema de saúde mental. Após a sua experiência, começou a trabalhar como terapeuta numa casa de tratamento alternativo. O seu desejo de se tornar terapeuta foi motivado pelo seu próprio interesse na cura bidirecional popular comum nas abordagens de apoio de pares.

“Matthew destaca um ponto-chave de coincidência entre o movimento de sobrevivência e o que os psicólogos humanistas têm escrito há anos – o papel central das relações humanas no processo de cura, e, mais amplamente, para o bem-estar geral na vida”, escreve Adamew. “Na veia de conceptualizações alternativas, Matthew continuou a desafiar a dicotomia socialmente construída entre doença mental e saúde/normalidade, que é uma crítica comum do movimento, mas que se tornou mais complicada quando se tem este ponto de vista sendo terapeuta.”

À medida que Matthew se tornou mais consciente de como a sua história psiquiátrica influenciou a sua prática clínica, viu-se a se identificar em demasiado com os clientes, o que, pensou ele, poderia suprimir a expressão de algumas das experiências dos seus clientes. Aprendeu a controlar-se ao responder aos seus clientes, refletindo sobre o significado e importância clínica da ressonância com as suas experiências.

Apesar da impossibilidade de plena mutualidade na relação terapêutica, Adame postula que os terapeutas sobreviventes podem usar os seus conhecimentos experimentais únicos para se ligarem às lutas dos seus clientes.

Independentemente de quão radicais são enquanto terapeutas, as experiências dos participantes refletem de alguma forma uma luta por fazerem de algum modo “parte da máquina” do sistema de saúde mental. A resposta de Matthew foi envolver-se na militância, participando em cenários alternativos de tratamento, tendo a sua própria prática de grupo fundamentada em valores do movimento dos sobreviventes e trabalhando para uma mudança social mais ampla.

Da sua perspetiva, é importante para o movimento dos sobreviventes evitar transformar todos os profissionais de saúde mental em antagonistas, o que poderia impedir um diálogo mais genuíno com os profissionais de saúde mental.

“Matthew falou em incluir e criar espaço para toda a gama de experiências humanas em nossa sociedade. Algumas pessoas querem ajuda e procuram-na sob a forma de terapia, e clínicos como Matthew estão lá para a fornecer. Mas o ponto a que Matthew chega é que há pessoas que não procuram ajuda, e que há outras que a sociedade determinou que ‘precisam’ de tratamento, que estão doentes e incapazes de fazer outra escolha por si próprias. É uma questão de como nós, como sociedade, abraçamos experiências diferentes, e por vezes perturbadoras, de seres humanos semelhantes.”

Foi perguntado aos participantes o que pensavam que os profissionais de saúde mental poderiam aprender com o movimento dos sobreviventes. Todos eles concordaram em abolir o tratamento psiquiátrico forçado e a grande importância do consentimento informado dos pacientes quando tomam medicamentos psiquiátricos. Além disso, os participantes identificaram a necessidade de opções de tratamento mais amplas para as pessoas em crise, para além da psiquiatria convencional, de modo a diminuir a dependência das pessoas do sistema.

Adame menciona algumas alternativas aos serviços psiquiátricos tradicionais, incluindo o Projeto Icarus, composto por aqueles rotulados com doença bipolar que procuram redefinir radicalmente a loucura. Ela também menciona comunidades alternativas para pessoas que procuram asilo em crises agudas, como a Soteria House ou a Family Care Foundation, um modelo alternativo de cuidados residenciais na Suécia. Outros grupos destacados incluem Open Dialogue, Hearing Voices Network, e MindFreedom.

No entanto, apesar das tensões entre sobreviventes e terapeutas, os participantes também viram espaço para o diálogo e a melhoria do sistema de saúde mental. Isto contrasta com as atitudes de alguns no movimento dos sobreviventes de que o sistema é irreconciliavelmente falho.

Ao apoiar os sobreviventes que trabalham no campo da saúde mental (por exemplo, os investigadores sobreviventes), sugere a criação de um espaço de encontro confidencial e de apoio em conferências anuais de organizações profissionais de psicologia, tais como a Sociedade de Psicologia Humanista, para que as pessoas se empenhem no diálogo entre os diferentes lados do sistema de saúde mental.

****

Adame, A. L. (2014). “There needs to be a Place in Society for Madness”: The psychiatric survivor movement and new directions in mental health care. Journal of Humanistic Psychology, 54(4), 456–475. https://doi.org/10.1177/0022167813510207 (Link)

Artigo anteriorA Perspectiva Neurodesenvolvimentista como Construtora de Identidades Baseadas no Biológico
Próximo artigoEPISÓDIO # 6
Javier Rizo é um estagiário formado no programa de doutorado em Psicologia Clínica da UMass Boston. Sua área atual de pesquisa é a pesquisa em psicoterapia qualitativa, com um interesse primordial em promover uma estrutura baseada nos direitos humanos na psiquiatria através da educação e treinamento de clínicos e pesquisadores em saúde mental. Javier está empenhado em construir uma psiquiatria de justiça social, trabalhando para incorporar perspectivas humanistas, interdisciplinares e críticas sobre saúde mental, com particular interesse no papel dos curandeiros e modelos de fatores comuns da psicoterapia.