Como a Classe Socioeconômica Afeta a Terapia?

Pesquisadores descobrem que os clientes de baixo status socioeconômico frequentemente se sentem estranhos e alienados em psicoterapia, diminuindo a eficácia.

0
251

Quando se trata de prever o resultado de tratamentos psicológicos, a aliança terapêutica é uma das variáveis mais amplamente investigadas. Por exemplo, uma meta-análise recente de 295 estudos sobre a associação entre a aliança terapêutica e o resultado geral em psicoterapias para adultos revelou que a aliança estava positivamente relacionada ao resultado do tratamento em todas as formas de terapias, contextos culturais e características do cliente. No entanto, existem poucas pesquisas sobre como os fatores sociais e econômicos relacionais, como a classe, afetam a qualidade da relação terapêutica.

Um novo trabalho liderado por Martin Wolgast na Universidade de Lund, na Suécia, revela que pessoas de baixo status socioeconômico têm mais dificuldades para estabelecer uma aliança terapêutica. Pessoas de baixa condição socioeconômica e de minorias étnicas tipicamente experimentam um número maior de eventos adversos à vida, mais “estresses de vida”  (como o endividamento), e um sofrimento psicológico mais significativo. No entanto, a maioria das intervenções terapêuticas foi desenvolvida para abordar as questões e preocupações da classe média educada, e as queixas de sintomas são tratadas de forma diferente em clientes de diferentes status socioeconômicos.

Sem surpresa, então, Wolgast e seus colegas relatam que a “pesquisa disponível sugere que a psicoterapia não é ‘isenta de classe’, e que clientes da classe trabalhadora ou de posições socioeconômicas mais baixas podem estar sistematicamente em desvantagem nos contextos psicoterapêuticos”.

Enquanto as definições tradicionais de classe social delimitam as classes com base em aspectos como a relação dos indivíduos com os meios de produção e propriedade do capital, um marcador mais facilmente mensurável das relações de classe consiste em diferenças quantitativas no status socioeconômico. Os pesquisadores previram que o status socioeconômico estaria positivamente correlacionado à percepção do cliente sobre a qualidade da aliança terapêutica; em outras palavras, eles previram que os participantes com status socioeconômico mais elevado (SES) classificariam a aliança terapêutica como melhor do que os participantes com SES mais baixo.

Os resultados apoiam esta hipótese. Usando a modelagem da equação estrutural de 217 pesquisas dos entrevistados, os pesquisadores encontraram um padrão de afastamento dos clientes com SES inferior do contexto terapêutico.

Os pesquisadores explicam que tal distanciamento do contexto terapêutico “pode implicar tanto experiências nos clientes de não serem compreendidos e como inferiores em relação ao seu terapeuta, como também percepções entre os terapeutas de clientes da classe trabalhadora como sendo menos adequados e receptivos à psicoterapia”.

Estes resultados foram mais substanciais nos clientes que participam da terapia psicodinâmica versus terapia cognitiva comportamental, talvez devido aos diferentes papeis do psicoterapeuta dentro destas modalidades de tratamento.

Estas descobertas, os autores observam, também podem ser entendidas para sugerir “que existem preconceitos internalizados baseados na classe entre os terapeutas, refletindo o fato de que eles próprios pertencem à classe média e que o modelo terapêutico que praticam é baseado nas normas da classe média”.

Estes resultados sugerem uma profunda necessidade de mudança no treinamento psicoterapêutico, na pesquisa e no desenvolvimento de métodos.

****

Wolgast, M., Despotovski, D., Lachonious Olsson, J., and Wolgast, S. (2021). Socioeconomic Status and the Therapeutic Alliance: An Empirical Investigation Using Structural Equation Modeling. J Clinical Psychology, 1-16. (Link)