A Epidemia das Drogas Psiquiátricas Chega à População dos nossos Oceanos

Matéria publicada no The Guardian mostra que até mesmo a população que vive em nossos oceanos é hoje vítima da epidemia das drogas psiquiátricas.

0
101

Matéria publicada no The Guardian, na edição de 29 de abril de 2022.  Com o título “Peixe drogado: coquetel de medicamentos está ‘contaminando a cadeia alimentar oceânica’ “, tomamos conhecimento que até mesmo a população que vive em nossos oceanos não escapa do que temos chamado de “epidemia das drogas”, em particular as “drogas psiquiátricas”. A matéria mostra que há uma queda abrupta do peixe-boi [bonefish] no sul da Flórida, a população havendo caído mais de 50% em quatro décadas. O fenômeno não ocorre apenas em Flórida (Estados Unidos).

Estudos científicos vem revelando a razão para esse desastre ecológico: os produtos farmacêuticos.

Dos 93 peixe-boi investigados por uma equipe de pesquisadores, “todos deram positivo para pelo menos um farmacêutico, incluindo medicamentos para o coração, opióides, antifúngicos e antidepressivos, de acordo com os resultados do estudo, publicados em fevereiro.”

“Em 56% dos peixes, os pesquisadores detectaram quantidades farmacêuticas em níveis ‘acima dos quais se espera efeitos negativos’, de acordo com o estudo. Um peixe ósseo analisado em Key West deu positivo em 17 produtos farmacêuticos – oito deles antidepressivos que estavam até 300 vezes acima do nível terapêutico humano. A exposição farmacêutica no sul da Flórida ao peixe ósseo foi ‘generalizada e preocupante’, concluiu o estudo.”

“[…] As consequências específicas da contaminação farmacêutica para a saúde da vida marinha ainda não são totalmente compreendidas, mas há evidências de múltiplos efeitos negativos.”

” ‘Pode provocar várias consequências, principalmente no comportamento dos peixes, mas também pode afetar sua capacidade de reprodução e seu sistema endócrino’, diz Elena Fabbri, professora do departamento de ciências biológicas, geológicas e ambientais da Universidade de Bolonha, na Itália.”

“[…]Em 2013, cientistas da Universidade de Umeå, na Suécia – que se associaram à FIU no estudo sobre os peixe-boi – descobriram que os peixes selvagens passavam a ter menos medo e mais antissociais quando expostos a medicamentos anti-ansiedade, o que poderia afetar a alimentação e a reprodução. Um estudo realizado em 2016 pela mesma Universidade descobriu que o salmão exposto a este medicamento nadava mais rápido e tinha um comportamento mais arriscado. A exposição dos lagostins aos antidepressivos tem sido associada à alteração do comportamento, aumentando sua ousadia e o tempo que eles passavam procurando alimentos, tornando-os potencialmente mais vulneráveis aos predadores.”

Confira a matéria em sua íntegra →

A recent study of bonefish in Florida found pharmaceutical contaminants in their blood and other tissues. Populations of the game fish have more than halved since the 1980s. One angler told a researcher: ‘I haven’t seen a bonefish in five years, and it’s freaking me out.’ Photograph: Jose Azel/Getty/Aurora Open