Muitos são os usuários de serviços interessados em diminuir o uso de antipsicóticos com ajuda profissional

Novas pesquisas examinam as atitudes dos usuários de serviços sobre a redução e a interrupção de medicamentos antipsicóticos.

0
53

Em um novo artigo publicado na BMC Psychiatry, Nadia Crellin e seus colegas exploram como os usuários de serviços experimentam o uso antipsicótico a longo prazo. A presente pesquisa examinou entrevistas com 269 participantes que atualmente tomam medicamentos antipsicóticos. 33% estavam satisfeitos com o uso contínuo de antipsicóticos a longo prazo, 19% disseram que tomavam seus medicamentos com relutância, 24% aceitavam o uso de antipsicóticos a curto prazo, e 18% dos participantes relataram não gostar ativamente de seus medicamentos.

Os pesquisadores também descobriram que 31% dos participantes gostariam de parar a medicação antipsicótica com ajuda profissional, e 45% queriam reduzir suas doses de antipsicóticos. Os autores escrevem:

“Muitos pacientes diagnosticados com esquizofrenia ou transtornos relacionados aos serviços de saúde mental na comunidade estão descontentes com a ideia de tomar medicamentos de forma contínua ou por toda a vida e gostariam de tentar reduzir ou interromper a medicação em algum momento. O apoio profissional foi identificado como importante para atingir este objetivo. Orientação sobre como apoiar as pessoas a tomar decisões informadas sobre o tratamento antipsicótico de longo prazo e reduzir ou descontinuar se desejarem, aumentaria as opções disponíveis para os pacientes que estão tomando antipsicóticos de longo prazo”.

O uso de antipsicóticos a longo prazo tem sido examinado por vozes de dentro e fora das psicodisciplinas. O uso de antipsicóticos causa vários efeitos colaterais indesejáveis com evidências duvidosas de seus benefícios. Por exemplo, a pesquisa relacionou o uso de antipsicóticos com o aumento do risco de demência, atrofia cerebral em crianças, piora do funcionamento cognitivo e câncer de mama. A pesquisa também relacionou o uso de antipsicóticos com danos a várias partes do cérebro.

A maior pesquisa realizada para investigar a experiência dos usuários de serviços antipsicóticos viu que mais da metade dos participantes relatou apenas efeitos negativos do uso de antipsicóticos. A pesquisa descobriu que uma maior exposição aos antipsicóticos está associada a piores resultados a longo prazo, enquanto a interrupção do uso de antipsicóticos melhora o funcionamento cognitivo. A taxa de recuperação dos usuários de serviços que deixam de usar os antipsicóticos dentro de dois anos é seis vezes maior do que aqueles que os usam por mais tempo. Pesquisas também descobriram que estes medicamentos são comumente prescritos sem o consentimento informado, com muitas pessoas nunca sendo informadas sobre os prováveis efeitos negativos de seu uso.

Recentemente, organizações profissionais psi começaram a reconhecer a necessidade de interromper o uso de antipsicóticos a longo prazo, com mais de um autor publicando diretrizes sobre como afilar os antipsicóticos para evitar sintomas de abstinência com segurança. Pesquisas demonstraram que o afilamento é o método mais eficaz para descontinuar o uso de antipsicóticos. Com muitos psiquiatras que não estão dispostos a ajudar seus pacientes a deixar esses medicamentos, os usuários dos serviços têm encontrado apoio para interromper seu uso em fóruns na Internet.

A pesquisa atual investigou as atitudes dos usuários de serviços em relação aos medicamentos antipsicóticos. Os autores apoiaram-se em entrevistas presenciais nas quais fizeram perguntas estruturadas e abertas sobre seu uso de antipsicóticos. Os autores recrutaram participantes de serviços comunitários de saúde mental e práticas de cuidados primários em toda Londres entre abril de 2016 e agosto de 2017.

Para serem incluídos na presente pesquisa, os participantes tiveram que ter um diagnóstico de transtorno de espectro esquizofrênico (esquizofrenia, transtorno esquizoafetivo, transtorno ilusório ou outro transtorno psicótico), pelo menos dois episódios psicóticos anteriores, ou 1 episódio que durou mais de um ano, ser atualmente prescrito medicação antipsicótica e estar estável durante os últimos três meses (não necessitando de cuidados intensivos ou hospitalares). Além disso, as pessoas que foram legalmente obrigadas a tomar antipsicóticos foram excluídas desta pesquisa.

A maioria dos participantes foi diagnosticada com esquizofrenia (70%), com um adicional de 18% tendo um diagnóstico de transtorno esquizoafetivo. 36% dos participantes tinham estado em contato com os serviços de saúde mental por mais de 20 anos. A duração média do uso de antipsicóticos foi de 16,5 anos.

Um terço dos participantes estava satisfeito com seus medicamentos e não tinha planos ou desejo de interromper seu uso. 19% dos participantes aceitaram que permaneceriam nessas drogas a longo prazo, mas o faziam com relutância. 18% disseram que não estavam satisfeitos com a ingestão de antipsicóticos a longo prazo. 24% aceitaram o uso atual de antipsicóticos, mas não se viam tomando esses medicamentos indefinidamente.

Quando perguntados sobre a possibilidade de interromper o uso de antipsicóticos com ajuda profissional, um terço dos participantes disse que definitivamente gostaria de tentar. Um outro 21% expressou interesse, mas relatou sérias preocupações sobre as conseqüências. Outros 21% queriam interromper o uso em algum momento no futuro, mas não no presente. 25% dos participantes relataram que não queriam interromper o uso de antipsicóticos.

Quando perguntados sobre a possibilidade de reduzir os medicamentos antipsicóticos com ajuda profissional, 45% dos participantes disseram que gostariam definitivamente de diminuir seu uso, com 13% dizendo que estariam dispostos a tentar. 14% dos participantes estavam abertos a reduzir sua medicação no futuro, mas não no presente. 21% relataram que não queriam reduzir seu uso de medicamentos antipsicóticos.

Dos participantes que não queriam interromper seu uso de antipsicóticos, 70% deram o motivo de medo de recaída. Outras razões comuns dadas para continuar a usar esses medicamentos foram: manutenção da estabilidade, produção de melhorias gerais, redução de sintomas positivos como alucinações, o efeito calmante que produzem e a redução da agitação e dos pensamentos suicidas. 24% relatam que tomam medicamentos antipsicóticos principalmente porque um médico lhes disse que o fizessem.

Dos participantes que queriam interromper ou reduzir seu uso de antipsicóticos, 74% deram a razão de estarem preocupados com os efeitos adversos e o impacto real/potencial sobre sua saúde física. Os efeitos adversos mais comuns que os participantes queriam evitar eram: efeitos sedativos, ganho de peso, tremores/interferências/estipulações, capacidade cognitiva/emocional e funcionamento sexual.

Os autores reconhecem várias limitações ao estudo atual. Em primeiro lugar, as respostas provavelmente não são generalizáveis para a população maior. Segundo, as pessoas que aceitaram participar da pesquisa provavelmente são mais aderentes e aceitam tratamento do que outras. Terceiro, a amostra consistiu de pessoas com longas histórias de uso de serviços de saúde mental, o que provavelmente as inclina para uma maior aceitação do uso de medicamentos.

****

Crellin, N. E., Priebe, S., Morant, N., Lewis, G., Freemantle, N., Johnson, S., Horne, R., Pinfold, V., Kent, L., Smith, R., Darton, K., Cooper, R. E., Long, M., Thompson, J., Gruenwald, L., Freudenthal, R., Stansfeld, J. L., & Moncrieff, J. (2022). An analysis of views about supported reduction or discontinuation of antipsychotic treatment among people with schizophrenia and other psychotic disorders. BMC Psychiatry22(1). https://doi.org/10.1186/s12888-022-03822-5 (Link)

[trad. e edição Fernando Freitas]