Resumo da Conferência sobre Retirada das Drogas Psiquiátricas e Efeitos Colaterais: IIPDW

Escrito por Birgit Valla. Tradução em inglês publicada originalmente por Mad in America em 17 de maio de 2022.

0
272

 

 

A conferência online Withdrawal From Psychiatric Drugs foi realizada na sexta-feira 6 e sábado 7 de maio. Tratando-se de um tema extremamente importante para nós no Mad in Norway e Mad Global, reservamos tempo para ajudar a transmitir a mensagem da conferência e fazer as seguintes perguntas: O que há de errado com as drogas psiquiátricas? E por que se deve evitar estar com elas a longo prazo?

Organizada pelo International Institute for Psychiatric Drugs Withdrawal (IIPDW), a conferência tem estado em fase de planejamento desde que os membros do Instituto se reuniram em Gotemburgo, no outono de 2019. Naquela época, a intenção era reunir-se em Reykjavik, em uma conferência internacional. Entretanto, devido à pandemia, não foi possível organizar uma conferência presencial. Mas a necessidade de nos encontrarmos pessoalmente é tão importante, que eu e várias pessoas de mentalidade semelhante nos encontramos naquele fim de semana para acompanhar a conferência juntos. Cinco palestrantes estavam no programa. O seguinte é um breve resumo dos pontos de cada orador:

O que há de errado com as drogas psicotrópicas – o mito de que existe uma cura química

Robert Whitaker  é um jornalista norteamericano da área da saúde que mergulhou em pesquisas no campo da psiquiatria, particularmente no campo das drogas psicotrópicas. O fundador de Mad in America, escreveu o livro Anatomia de uma Epidemia. Joanna Moncrieff é uma psiquiatra britânica que você deve consultar se quiser saber alguma coisa sobre drogas psicotrópicas. Ela é autora de vários livros, mais recentemente A Straight Talking Introduction to Psychiatric Drugs, que Mad in Norway revisou recentemente.

Tanto Whitaker quanto Moncrieff falaram na conferência sobre o que está errado com as drogas psicotrópicas e como o uso a longo prazo pode ter efeitos negativos graves. Ambos explicaram que não é verdade que as pessoas com problemas psicológicos tenham um desequilíbrio químico no cérebro que precisa ser corrigido com medicamentos. Ninguém jamais foi capaz de demonstrar um tal desequilíbrio em pessoas com problemas de saúde mental. Pelo contrário, o que acontece quando se toma estes medicamentos é que eles criam desequilíbrios em um cérebro que de outra forma funcionaria normalmente. Parar as drogas pode ser difícil porque o cérebro se adaptou às drogas, e os sintomas negativos de abstinência podem persistir mesmo depois de parar as drogas.

A longo prazo, uma pessoa que usa tais medicamentos corre o risco de ficar cronicamente doente e de ser enganada. De acordo com vários estudos que Whitaker mostrou, o uso de medicamentos a longo prazo produz resultados piores em várias áreas e resultados piores do que em pessoas que não os usam ao longo do tempo. Whitaker prossegue dizendo que não podemos contar com psiquiatras enquanto instituição. Seu principal produto são as drogas, e eles fazem muito para esconder o quanto esses produtos funcionam mal. É claro que existem psiquiatras individualmente que pensam diferente, mas geralmente não podemos confiar neles nesta área. Uma mudança deve vir de baixo para cima, das próprias pessoas que aprendem sobre as drogas e seus efeitos. Ela não virá de cima para baixo através dos médicos. Felizmente, muitos livros e artigos já foram escritos e estão prontamente disponíveis para a maioria das pessoas.

Moncrieff disse que isto é particularmente grave nos jovens cujos cérebros ainda estão se desenvolvendo, e que estas drogas causam muitos danos. Ela acredita que os profissionais de saúde precisam de treinamento nesta área para que os jovens obtenham outros tipos de ajuda. Mas é difícil encontrar um psiquiatra que saiba como fazer isso e que o apoie.

Aqueles que se retiraram das drogas psiquiátricas são os especialistas mais avançados

Laura Delano  é uma “sobrevivente” norteamericana da psiquiatria. Ela disse que acreditava muito fortemente no modelo médico com seus diagnósticos e medicamentos quando entrou na psiquiatria na adolescência. Após vários anos de tratamento e hospitalizações, sem melhorar, mas apenas piorar, ela começou a perder a esperança. Ela havia sido rotulada como resistente ao tratamento. Então ela encontrou o livro de Robert Whitaker e começou a lê-lo Foi o início de anos de retirada das drogas e de trabalho em si mesma para conseguir uma vida melhor.

Laura falou claramente sobre sintomas de abstinência esmagadores, tanto físicos quanto mentais. Ela foi explícita em seu discurso que os principais especialistas em abstinência são aqueles que já passaram por isso. Mais tarde, ela criou o site Inner Compass  e  The Withdrawal Project, que dãi uma descrição detalhada do processo e ajuda sobre como reduzir os sintomas de abstinência. Muitas vezes há pouca ajuda de profissionais e, portanto, o apoio de colegas e fazer parte de um grupo de apoio de colegas é essencial.

As lições mais importantes que Laura extraiu do seu processo de retirada foram:

  • Saber porque você está fazendo isso – o que você quer alcançar.
  • Ajustes rápidos levam a mais problemas.
  • Os sintomas de abstinência são sinais de mudança e de cura do corpo.
  • Lembre-se da dor que pode vir ao longo dos anos que a psiquiatria tirou de você.
  • As respostas estão dentro de você mesmo.

Experiência prática

Carina Håkansson é uma psicoterapeuta sueca que compartilhou sua experiência de trabalho com famílias na Suécia, onde diagnósticos e medicamentos não foram usados como ponto de partida. Carina é inspirada por Tom Andersen e Jaakko Seikkula e trabalha através de reuniões de rede e Diálogo Aberto. O problema mais comum que ela encontra na clínica quando as pessoas querem retirar as drogas é que os médicos não concordam com isso. Eles acreditam que as pessoas têm que assumir a responsabilidade por isso, e que as crianças também têm um conhecimento muito limitado sobre o afunilamento da dose e como fazer isso. Mas muitos precisam de apoio, porque naturalmente ficam preocupados quando têm sintomas de abstinência. Os pais também são informados de que as crianças precisam de medicamentos para se recuperarem. Carina diz que é muito importante que todos os profissionais de saúde tenham conhecimento sobre isso, já que não podemos deixar isso para as equipes. Dar informações precisas é importante.

Magnus Hald é psiquiatra norueguês e ex-supervisor no serviço sem drogas em Tromsø. Lá eles trabalham com redes, e não em processos lineares como grande parte da psiquiatria é organizada. Magnus diz que o problema é que as pessoas pensam que as drogas funcionam, e que elas as prescrevem porque pensam que é certo. Eles pensam que as pessoas pioram porque deixam de tomar as drogas, e que a “doença” volta depois. Elas não entendem como o uso a longo prazo afeta negativamente o cérebro e o problema dos sintomas de abstinência. Mais uma vez, o conhecimento na área é muito importante.

Conversas em podcast com Robert Whitaker, Carina Håkansson e Magnus Hald podem ser ouvidas aqui com Birgit Inviterer.

A esperança para a IIPDW e Mad na Noruega é que mais pessoas aprendam sobre drogas psicotrópicas e seus efeitos, para que as pessoas com dificuldades de saúde mental estejam melhor preparadas para fazer boas escolhas para si mesmas, e que os profissionais de saúde possam apoiar as pessoas que querem se cuidar sem medicação.

***

Nota do Editor: Este texto foi originalment publicado no Mad in Norway, de autoria da Birgit Valla. Birgit  é uma psicóloga norueguesa. Ela é a diretora e a principal criadora de um serviço comunitário de saúde mental chamado Stangehjelpa, um serviço desenvolvido com base no feedback das pessoas que pedem ajuda. Ela é a iniciadora e editora-chefe do Mad na Noruega. Se você fizer uma busca na nossa página do Mad in Brasil, você encontrará várias matérias, em português, com o Robert Whitaker, Joanna Moncrieff, Laura Delano, Carina Håkansson e o Magnus Hald.

[trad. e edição Fernando Freitas]