Pesquisadores fornecem orientação para reduzir e parar as drogas psiquiátricas

Novas orientações de Mark Horowitz e David Taylor sobre como reduzir e descontinuar o uso de drogas psiquiátricas.

0
153

Em um novo artigo na European Neuropsychopharmacology, os pesquisadores Mark Horowitz e David Taylor fornecem orientações para a redução de medicamentos psiquiátricos, seja para a descontinuação total ou para a redução da dose. Eles sugerem um afilamento lento e individualizado para minimizar os efeitos da abstinência.

“O princípio geral ao reduzir ou parar os medicamentos psiquiátricos é o seguinte. Fazer uma pequena redução, monitorar os efeitos de retirada ou desestabilização do paciente, depois assegurar a estabilidade antes de fazer outras reduções. As reduções devem provavelmente ser feitas em incrementos cada vez menores devido à farmacologia dos medicamentos; a dose final antes da parada completa precisará ser muito pequena”.

Horowitz e Taylor escreveram anteriormente sobre esta abordagem para antidepressivos na Lancet Psychiatry e para antipsicóticos na JAMA Psychiatry (com Sir Robin Murray).

Uma pesquisa de 2018 descobriu que 84,6% das pessoas que tentaram descontinuar um antidepressivo experimentaram sintomas de abstinência, que duraram mais de um ano para 47% delas. A abstinência do antidepressivo pode incluir ansiedade, lacrimejamento, pavor, dormência, zapping cerebral (descrito como semelhante a “choques elétricos”), náusea, vômito, diarréia, tontura, fadiga, insônia, pesadelos, problemas sexuais, confusão e amnésia.

O uso a longo prazo de drogas psiquiátricas faz com que o corpo se adapte à presença dessas drogas; quando as drogas são removidas do sistema, as adaptações continuam a ocorrer. Isto causa a abstinência.

“Não há razão para se pensar que o cérebro ou o corpo podem voltar ao seu estado pré-droga em semanas após a adaptação ao longo de anos ou décadas de exposição a medicamentos”, escrevem Horowitz e Taylor. Eles acrescentam: “Relatos de pacientes sobre efeitos duradouros são freqüentemente descartados porque o medicamento está ‘fora do sistema’. Entretanto, são as adaptações à droga que persistem, fazendo com que o cérebro registre uma falta da entrada antecipada de drogas psiquiátricas, o que se manifesta como efeitos de abstinência”.

Algumas pessoas podem precisar de meses ou mesmo anos para diminuir lentamente a sua dose antes de eventualmente parar definitivamente a droga. Os pesquisadores escrevem:

“Os efeitos de abstinência (e recaída) podem ser minimizados por um período suficientemente longo de descontinuação, para que as adaptações subjacentes à droga sejam resolvidas”.

De acordo com os pesquisadores, com base em estudos dos efeitos da droga no cérebro, as drogas psiquiátricas impactam o cérebro com uma relação hiperbólica. Ou seja, em doses baixas, pequenos ajustes têm enormes impactos – mas em doses altas, mesmo grandes ajustes têm menos impacto.

“A relação entre a dose de uma droga psiquiátrica e seus efeitos é hiperbólica”, escrevem eles. “Isto é uma conseqüência da lei de ação de massa: quando há poucas moléculas de uma droga presentes no local de ação, cada molécula adicional tem um grande efeito incremental, mas quando concentrações mais altas estão presentes, cada molécula adicional tem cada vez menos efeito, à medida que os receptores tornam-se saturados”.

Isto significa que as reduções de dose não devem ser lineares (reduzidas na mesma quantidade cada vez, por exemplo, 40, 30, 20, 10, 0 mg). Em vez disso, uma estratégia é reduzir a dose atual em 10% a cada vez, especialmente assegurando que o último ajuste – para a descontinuação total – seja muito pequeno.

“Para a maioria das drogas psiquiátricas, isto significa que a dose final necessária antes da interrupção completa será muito pequena, muito menor do que as doses comumente usadas, e em muitos casos muito menor do que as formulações de comprimidos disponíveis”, escrevem eles.

Se as doses finais forem menores do que as disponíveis, então o que os pacientes devem fazer? Horowitz e Taylor sugerem que formulações líquidas e tiras afiladas podem preencher esse vazio. Muitas drogas psiquiátricas já estão disponíveis na forma líquida, o que permite doses muito pequenas. Entretanto, as tiras afiladas estão apenas começando a se tornar mais amplamente utilizadas.

****

Horowitz MA, & Taylor D. (2021). How to reduce and stop psychiatric medication. European Neuropsychopharmacology, 55, 4-7. https://doi.org/10.1016/j.euroneuro.2021.10.001 (Link)

Artigo anteriorA Ilusão Visual da Eficácia em Ensaios de Drogas Psiquiátricas
Próximo artigoEm Memória do Marcelo Dias
Peter Simons MIA-UMB News Team: Peter Simons tem formação em ciências humanas onde estudou inglês, filosofia e arte. Agora está em seu doutorado em Psicologia de Aconselhamento, sua pesquisa recente tem se concentrado em conflitos de interesse na literatura de pesquisa psicofarmacêutica, o uso de medicamentos antipsicóticos no tratamento da depressão, e as implicações filosóficas e sociopolíticas gerais da taxonomia psiquiátrica no diagnóstico e tratamento.