A Alternativa à Psiquiatria já foi Descoberta – Nós simplesmente Não a Estamos Usando

0
610

No debate acadêmico, a natureza dos transtornos de saúde mental é frequentemente descrita como um enigma, do tipo “a doença mental é muito complexa e não entendemos como ou por que ela ocorre”, “a depressão e a psicose são mistérios que ainda temos que descobrir – mistérios incompreensíveis”, “é tão estranho que algumas pessoas desenvolvam a psicopatologia e outras não”. A terminologia doença mental, transtorno de saúde mental e psicopatologia – que é definida como o estudo de comportamentos e experiências anormais – tudo indica que algum mecanismo psicológico está funcionando mal ao produzir sofrimento psíquico ou sintomas.

Entretanto, nunca conheci uma pessoa que sofra destes alegados tipos incompreensíveis de psicopatologia, onde os sintomas simplesmente ocorrem sem razão aparente, contexto ao seu redor, ou sem história significativa que os tenha levado até eles. Ouso dizer que a ‘patologia’ psicopatológica sempre faz sentido, e que sabemos o que é (quando olhamos de verdade o contexto atual do indivíduo e sua história de vida). A ‘patologia’ psicopatológica foi investigada e descoberta; ela simplesmente não aconteceu nas muitas tentativas fracassadas da psiquiatria em biologia, neurociência ou genética, mas na psicologia clínica e nas ciências afetivas ela já é conhecida.

Assim, enquanto o debate sobre diagnósticos psiquiátricos e medicamentos continua, somos alguns que há muito ultrapassamos a discussão e estamos ajudando os nossos clientes emocionalmente angustiados através de princípios de tratamento fundamentalmente diferentes. Alguns que há muito abandonaram a própria ideia de psiquiatria em seu sentido literal, significando tratamento médico da alma (psique = alma, iatria = tratamento médico).

Psicopatologia como um problema de regulação das emoções

O que nós ajudamos em nossos clientes é regular as suas dolorosas e difíceis emoções, pensamentos e traumas de forma adaptativa, para que não evoluam para os estados clínicos chamados episódios depressivos, transtornos de ansiedade prolongada, ataques de pânico, esgotamento por estresse, ou episódios psicóticos, etc. Está implícita a distinção entre dor e patologia, cuja ausência é o que leva a psiquiatria a patologizar o sofrimento humano normal e as reações à vida.

Previamente à terapia, os estilos de regulação emocional dos clientes são dominados por estratégias como evitar, supressão emocional, isolamento, preocupação e ruminação excessivas, pensar demais, autocrítica, álcool, drogas, comer desreguladamente, automutilação, rituais e comportamentos compulsivos. Diferentes diagnósticos envolvem diferentes estratégias de regulação emocional e diferentes temas emocionais, mas os mecanismos psicológicos subjacentes parecem ser transdiagnósticos. Ou seja, todos esses comportamentos funcionam para reduzir ( quer dizer, regular) algum sofrimento emocional e o caos excessivo do pensamento que é experimentado como incontrolável, avassalador, durável, incompreensível, errado e defeituoso.

Estes são comportamentos reguladores das emoções. Como tal, estas chamadas estratégias de regulação emocional desadaptativas são sempre soluções para um problema. Só se pode esperar que elas façam sentido no contexto psicológico em que são utilizadas. No entanto, a dependência excessiva destas estratégias corre o risco de se reverter a longo prazo, criando mais angústia ao causar novos problemas ou ao estender a angústia inicial a um estado clínico – porque a angústia inicial não foi efetivamente regulada (ou permitida?) em sua fonte no contexto dado.

Crenças metacognitivas e esquemas emocionais como a causa raiz da psicopatologia

Há um nível psicológico mais profundo de análise do que a dinâmica entre as estratégias de regulação das emoções e a psicopatologia. Desenvolvimentos recentes na psicologia clínica têm enfatizado que escolhemos nossas estratégias com base no que acreditamos em nossos pensamentos (chamados de crenças metacognitivas) e emoções (chamados de esquemas emocionais), tais como “meus pensamentos são incontroláveis, minhas emoções aumentam e me sobrecarregam”, Não posso entrar em contato com meus traumas sem estar dominado por dores emocionais e flashbacks, não posso controlar meus pensamentos intrusivos e devo agir sobre eles, minhas emoções são intoleráveis, incompreensíveis, perigosas, erradas, únicas para mim, durarão indefinidamente, e surgirão do nada”. Obviamente, estas crenças são moldadas pelo que passamos na vida.

Ao mantermos tais crenças, naturalmente pretendemos escapar das aflições – por quase todos os meios, incluindo as estratégias mal adaptadas – do que resolvê-las em sua fonte. Ou seja, somos controlados por nossos pensamentos negativos e intrusivos para evitar vivenciar as nossas emoções, em vez de nos aproximarmos de nossos objetivos e vivermos de acordo com nossos valores. Sentimo-nos compelidos a fazer algo agudo, mas muitas vezes sem visão e de uma forma repetitiva, para suportar e se livrar da dor. Um estado de espírito absolutamente terrível para se estar dentro.

No entanto, as estratégias mal adaptadas correm o risco de nos desviar ainda mais de nossos verdadeiros valores e objetivos, potencialmente adicionando sofrimento existencial, e aí temos os episódios de depressão profunda, ataques de ansiedade e psicoses. Estratégias compreensíveis, mas desadaptadas em termos de regulação do sofrimento da vida. Além disso, fica difícil adormecer, manter o foco, aproveitar as coisas e geralmente estar no presente quando nossos pensamentos são experimentados como incontroláveis, já que a sua natureza é constantemente arrancar seu anfitrião emocional e atentamente do agora e jogá-lo em cenários futuros (preocupante; e se…?) e do passado (ruminação; se eu tivesse acabado de fazer isto ou aquilo em seu lugar! Por que isso aconteceu comigo? Qual é a razão do meu sofrimento? O que eu poderia ter feito de diferente?).

Assim, existe uma tríade de relação entre o que acreditamos sobre nossos pensamentos e emoções, como os regulamos e se desenvolvemos ou não a psicopatologia. O reverso das estratégias mal adaptadas é que elas impedem descobrir que os pensamentos e as emoções são, de fato, temporários, significativos, toleráveis, seguros, benignos e controláveis através de nossas próprias mentes, pois estão sujeitos a um controle atento e, portanto, não precisam nos oprimir.

Onde o tratamento com medicamentos psiquiátricos se encaixa neste modelo? Sendo agentes psicotrópicos, é difícil se ver as drogas como algo diferente de uma outra estratégia de controle emocional. É evidente que as drogas podem funcionar se elas puderem introduzir alguma sensação de controlabilidade e entorpecer a dor emocional que é experimentada como incompreensível e esmagadora. O problema é óbvio: ao mesmo tempo em que reduzem o sofrimento (ou ‘sintomas’) e melhoram o humor, as drogas correm o risco de confirmar e reforçar as crenças problemáticas subjacentes de incontrolabilidade, durabilidade e incompreensibilidade.

Dito de forma simples, é impossível vivenciar genuinamente que as emoções não precisam ser exacerbadas e esmagadas, mas que podem ser toleradas e controladas (que é o objetivo da psicoterapia), caso o episódio emocional seja medicamente interrompido ou entorpecido. Além disso, como as emoções são geralmente reações significativas aos contextos atuais ou eventos passados que se repetem na mente, o que a psicoterapia busca descobrir, as drogas emocionalmente anestesiantes podem até mesmo interromper o processo terapêutico – mesmo quando as drogas ‘melhoram o humor’. A redução dos sintomas não é necessariamente boa. Ela depende de como os sintomas são reduzidos.

Por outro lado, corremos o risco de reafirmar nossas crenças no contrário; que nossas emoções e pensamentos são incontroláveis, esmagadores, duráveis e não fazem sentido, uma vez que experimentamos esta necessidade de estratégias de controle emocional. É aí que surge o verdadeiro problema. Daí surge a espiral de autoperpetuação entre crenças, estratégias e sintomas que é a psicopatologia. É nesta espiral que a psicoterapia visa intervir.

A solução psicológica para a psicopatologia

Na psicologia clínica, podemos “diagnosticar” com base em quais crenças metacognitivas e esquemas emocionais, e as estratégias de regulação emocional associadas, estão em jogo, em vez de se basear em quais sintomas a condição se manifesta. Dependendo das estratégias e do conteúdo dos pensamentos e emoções, a condição se manifestará de formas muito diferentes, mas os mecanismos subjacentes para visar são praticamente os mesmos. Pensamentos suicidas, sentimentos inúteis e inadequados e ruminação excessiva, isolamento e evitação são chamados de depressão; pensamentos catastróficos, preocupações difíceis de controlar e atenção inflexível a ameaças e perigos são chamados de transtornos de ansiedade; pensamentos intrusivos, obsessões, rituais, sentimentos ansiosos e comportamentos compulsivos são chamados de TOC; flashbacks e pensamentos recorrentes sobre traumas, visões negativas de si mesmo e do mundo, e a evasão excessiva é chamada de TEPT; e vários pensamentos paranóicos intrusivos levarão naturalmente a episódios psicóticos – desde que os pensamentos sejam seguidos e alimentados com nossa atenção, que é o que a psicoterapia visa aprender a não fazer.

Enquanto a psiquiatria (e, infelizmente, alguns ramos da psicologia) insiste em categorizar tais expressões como distintas doenças com diferentes tratamentos, a psicologia moderna adota uma abordagem transdiagnóstica da psicopatologia, focalizando os mecanismos subjacentes e o tratamento causal em vez do tratamento sintomático. Os sintomas psicológicos variam e se agrupam em diferentes síndromes, mas os mecanismos envolvidos nos problemas subjacentes de que os sintomas são sintomas (que não é uma doença, mas algum contexto psicológico) que parecem se sobrepor significativamente, o que prejudica a validade dos muitos e sempre crescentes diagnósticos psiquiátricos diferentes.

As categorias alternativas, psicológicas, incluem a “psicopatologia” como problemas de pensamento exagerado, problemas de evasão, problemas de regulação emocional, crises inerentes ao ser humano, objetivos não alcançados ou frustrados ou necessidades psicológicas, traumas que assumiram o controle e uma vida incongruente com os próprios valores e objetivos.

Com estes “diagnósticos” seguem-se uma lógica de tratamento fundamentalmente diferente da redução dos sintomas e a medicação. Ao contrário, o objetivo é quebrar o ciclo vicioso, intervindo no nível de crença, principalmente trazendo experiências que desafiam e refutam as crenças. Na terapia, identificamos e desafiamos as crenças problemáticas usando várias técnicas metacognitivas, exercícios experimentais, meditação, treinamento da atenção, validação, conectando a angústia à história de vida e aos objetivos, valores ou necessidades ativados no contexto atual, e deixando vir à tona as emoções dolorosas em um espaço seguro, permitindo vivenciar e navegar pelo sofrimento psíquico sem sufocá-lo ou ficar subjugado a ele. Isto é o que os psicólogos são treinados a fazer, de modo que a experiência realmente desminta as crenças problemáticas em vez de confirmá-las para o indivíduo.

Quando a psicoterapia funciona, é porque ela altera com sucesso as crenças problemáticas em crenças adaptativas, como por exemplo: Meus pensamentos são controláveis, eu controlo se devo seguir meus pensamentos negativos ou deixá-los estar, os pensamentos surgem espontaneamente, mas eu escolho o que fazer com eles; posso entrar em contato com minhas emoções dolorosas e traumas sem que eles aumentem ou me oprimam, eu controlo se devo dar atenção às minhas emoções e pensamentos, e se eu escolher não fazê-lo, eles são temporários por natureza e desaparecem rapidamente; não estou errado ou defeituoso, minhas emoções dolorosas muitas vezes indicam que algo está errado, o que eu devo ouvir, entender e potencialmente agir”.

Quando esta realidade psicológica aparece, a luta contra nossos pensamentos, emoções e mentes pode parar. A aceitação, a resolução de problemas, o controle flexível da atenção, a orientação para o objetivo, a orientação para o valor, o foco externo e, em geral, a escuta de nossas emoções se tornam a nova agenda – tudo isso envolve realmente sentir o que há para ser sentido. Idealmente, a medicação a longo prazo também se torna desnecessária. Como tal, a solução psiquiátrica e a solução psicológica para a psicopatologia são fundamentalmente incompatíveis entre si. Além disso, corre-se o risco de ficar com a mão em um fogão quente sem poder senti-lo – até que a droga seja retirada.