Terapia Medicamentosa ou Psicoterapia?

1
417

IMPORTANTE: As drogas psiquiátricas podem causar reações de abstinência, às vezes incluindo reações emocionais que ameaçam a vida e problemas físicos de abstinência. A retirada de drogas psiquiátricas deve ser feita com cuidado, sob supervisão clínica comprovada e acompanhada por uma boa psicoterapia para tratar dos problemas que levaram ao seu uso.

Tanto a psicoterapia quanto a terapia com drogas induzem mudanças no cérebro, mas enquanto a primeira tenta restaurar o cérebro ao normal, a última induz um estado alterado do cérebro ao qual os efeitos colaterais das drogas são adicionados.

Terapia medicamentosa ou psicoterapia?

Todos os tratamentos de transtornos mentais mudam algo no cérebro. O psiquiatra infantil Sami Timimi sugere, portanto, que todos os tratamentos, incluindo o tratamento com drogas, sejam definidos como “psicoterapia”.

Na linguagem comum, no entanto, nos referimos apenas aos tratamentos psicológicos como “psicoterapia”.

Os tratamentos psicológicos tentam normalizar um cérebro que não está funcionando normalmente (veja a linha na parte inferior da figura).

Sami Timimi

O que se poderia definir como “psicoterapia química” baseia-se no uso de “drogas psiquiátricas”, que modificam o cérebro, mas não o restauram ao seu “status quo”. Na verdade, elas criam um estado artificial que não é compatível com o estado inicial nem com o estado disfuncional anterior ao tratamento. É óbvio que o desenvolvimento de um “terceiro estado” de funcionamento cerebral é muito problemático, pois muitas vezes é um verdadeiro “beco sem saída” que não oferece uma saída para atingir o estado original de normalidade.

Em suma, as drogas psiquiátricas não cumprem essa função porque seus efeitos não são específicos e dão ao indivíduo uma sensação geral de alívio dos sintomas e desconforto.

Por outro lado, os efeitos da “psicoterapia psicológica” são diferentes, que, sem o componente iatrogênico, estimula reações cerebrais muito mais naturais e adequadas aos desafios da vida.

Simplificando, muitas pessoas com sofrimento emocional devido a eventos traumáticos desenvolvem um repertório de respostas inadequadas aos estímulos e desafios da vida, que podem ser mudados ou substituídos pelo aprendizado de mecanismos de gerenciamento específicos.

As condições contextuais e ambientais também devem ser alteradas, mas isso é freqüentemente esquecido.

Infelizmente, a “psicoterapia química” (drogas psicotrópicas), como já mencionamos, atua na direção oposta. Os psicotrópicos tendem a reduzir a elasticidade das funções cerebrais com uma possível redução do interesse pela vida em geral (apatia). Como consequência, pode ocorrer um afastamento das relações sociais, uma falta de empatia em sentido amplo e, no pior dos casos, até um verdadeiro “entorpecimento emocional”.

A empatia tem um valor fundamental: ela nos ajuda a reconhecer o sofrimento que potencialmente infligimos aos outros e, portanto, a modificar nosso comportamento e nossas reações. É importante ressaltar que a baixa empatia é um dos mecanismos pelos quais as drogas psiquiátricas podem causar suicídios, atos de violência e, no pior dos casos, homicídios.

Continuando com a caracterização dos efeitos negativos das drogas psiquiátricas, deve-se acrescentar que podem causar a perda de aspectos fundamentais relacionados à motivação, criatividade e amor.

Infelizmente, esses efeitos tóxicos são frequentemente interpretados como uma “melhora” (o paciente aparentemente fica menos perturbado ou menos incomodando os colegas, familiares e amigos), embora na realidade tais comportamentos sejam uma expressão de lesão cerebral.

O uso prolongado de psicofármacos, em particular, pode causar danos cerebrais permanentes, que podem impossibilitar o retorno ao normal e até mesmo ao estado original da doença (antes do tratamento), enquanto a psicoterapia e as mudanças ambientais poderiam ter um efeito positivo.

O eletrochoque também funciona da mesma maneira, potencialmente danificando áreas específicas do cérebro com danos permanentes, especialmente no que diz respeito às funções cognitivas relacionadas à memória.

Não é de admirar, portanto, que o aumento do uso de psicofármacos seja acompanhado de um aumento do número de pensões por invalidez em todos os países onde essa relação foi estudada e analisada.

Nessa perspectiva, devem ser enfatizados os riscos que o enorme crescimento do consumo de antidepressivos acarreta. Os antidepressivos, de fato, aumentam o risco de suicídio, não só em crianças e adolescentes, mas também em adultos.

Por outro lado, a psicoterapia é conhecida por reduzir o risco de suicídio. Esta é uma das muitas razões pelas quais os pacientes com depressão precisam ser tratados com “psicoterapia psicológica” e não “psicoterapia química”.

Bibliografia

  1. Breggin P. Como as drogas psiquiátricas  realmente funcionam. 11 de janeiro de 2017. https://madinbrasil.org/2017/02/como-as-drogas-psiquiatricas-realmente-funcionam/ .
  2. Gøtzsche PC. Psiquiatria mortal e negação organizada. Copenhagen: People’s Press; 2015
  3. Whitaker R. Anatomia de uma epidemia. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2017.
  4. Gøtzsche PC. Os antidepressivos aumentam o risco de suicídio e violência em todas as idades. 16 de novembro de 2016.  https://madinbrasil.org/2016/11/antidepressivos-aumentam-o-risco-de-suicidio-e-violencia-em-todas-as-idades/.
  5. Hawton K., Witt KG, Taylor Salisbury TL, et al. Intervenções psicossociais para lesões autoprovocadas em adultos. Cochrane Database Syst Rev 2016; 5: CD012189

…..

[Esta matéria foi originalmente publicada em Mad in Italy ]

1 COMENTÁRIO

  1. Sabe o que eu acho péssimo pra reputação do site é que quando eu vou a minha psiquiátra ela me recomenda psicoterapia e diz que essa é a melhor cois e tcc mas vocês não tem a ombridade nem a coragem de dizer que os medicamentos funcionam e que pessoas que não conseguiam sequer sair de casa e estavam na pior recuperar suas vidas. Os psiquiatras não estão dizendo que as drogas são mil maravilhas e são bem honestos quanto o risco mas a dúvida fica na honestidade de vocês.