Intervenções Sociais para “Doenças Mentais Graves” Mostram Promessa Mas Enfrentam Resistência

Uma revisão das intervenções sociais baseadas na comunidade para "doenças mentais graves" examina sua eficácia e barreiras à implementação.

0
350

Um novo estudo publicado na revista World Psychiatry fornece uma revisão sistemática da literatura sobre intervenções sociais para indivíduos com doenças mentais graves desde 2016. Os resultados, compilados com síntese narrativa, concluíram que as intervenções sociais têm benefícios consideráveis, mas são indiscutivelmente as mais complexas de serem promulgadas e requerem comprometimento e investimento de múltiplos níveis das partes interessadas para uma implementação bem sucedida.

Os autores, liderados por Helen Killaspy, professora de psiquiatria de reabilitação no University College London, destacam a promessa de intervenções sociais, bem como as barreiras e inconsistências atuais na literatura emergente:

“Nosso objetivo foi identificar as intervenções sociais que são mais eficazes para aumentar a participação social e econômica das pessoas com doenças mentais graves, mas muitos dos estudos têm relatado intervenções que ocorrem em ambientes onde os participantes se encontram misturados com usuários de outros serviços. Se isto representa a participação social ela depende da definição do termo. Há evidências crescentes que sugerem que a solidão é um motor de maus resultados sociais e de saúde e, portanto, quaisquer oportunidades de apoiar a conexão social devem ser valorizadas”.

Pesquisas têm mostrado que as pessoas com doença mental grave estão em maior risco de pobreza, desemprego e moradia inadequada – todos fatores que impactam negativamente sua inclusão social e exacerbam os sintomas adversos da saúde mental. Estas condições sociais contribuem para que os indivíduos que vivem com doença mental grave sejam alguns dos mais marginalizados da sociedade.

Enquanto os indivíduos que vivem com doença mental grave têm sintomas desafiadores, um corpo crescente de literatura voltada para o consumidor valida a importância da recuperação pessoal de doenças mentais. O modelo de recuperação pessoal não é definido pela presença ou ausência de sintomas, mas sim por papeis sociais valorizados e relacionamentos exclusivos do indivíduo. Intervenções sociais são vitais para mudar o status quo, interromper a exclusão social dos indivíduos com doença mental grave e promover a recuperação pessoal.

Entretanto, as intervenções sociais são complexas e podem ser desafiadoras para a sua implementação. Mesmo a definição de intervenção social permanece vaga, já que alguns categorizam as intervenções familiares sob terapias psicológicas em uma seção e as intervenções psicossociais em outra. Além disso, apesar de serem referidas como “psicossociais”, estas intervenções raramente se concentram em possibilitar emprego, educação e atividades ocupacionais. Em vez disso, o termo tende a ser um “catch-all” para qualquer intervenção que não seja medicinal ou biomédica.  Os autores explicam:

“Devido à sua complexidade, mesmo quando apoiadas por boas evidências, as intervenções sociais são tipicamente mais difíceis de implementar na prática em comparação com as terapias farmacológicas (e até mesmo psicológicas) e requerem compromisso e apoio de múltiplas partes interessadas em todo o espectro de políticas e cuidados”.

Para compreender melhor os modelos de cuidados e intervenções para indivíduos com doença mental grave, os autores realizaram uma revisão sistemática de 75 estudos identificados que relataram a eficácia dos modelos de cuidados e intervenções baseados na comunidade com o objetivo mais amplo de apoiar a inclusão social. Os estudos abrangeram vários países, incluindo Canadá, Estados Unidos, Austrália, Índia, Irã, China, França e Reino Unido.

Os autores abordaram os dados através da síntese narrativa, que inclui a identificação de padrões de resultados através dos estudos, exploração de se os efeitos de uma intervenção variam de acordo com a população estudada, identificação de fatores que podem influenciar os resultados e desenvolvimento de uma estrutura teórica que sustente os efeitos específicos da intervenção.

Através da síntese narrativa, os autores descobriram a importância de fatores específicos que influenciaram os resultados em todos os estudos que eram importantes a serem considerados. Um resultado único foi o uso de uma terminologia inconsistente utilizada para descrever as intervenções. Esta preocupação foi reconhecida anteriormente, e uma taxonomia comum foi proposta. Entretanto, os resultados desta revisão mostram que os pesquisadores ainda não estão seguindo estas sugestões.

Apesar das dificuldades com uma terminologia consistente, os autores identificaram boas evidências para o modelo Housing First, que é uma abordagem de assistência aos sem-teto que prioriza o fornecimento de moradia permanente para indivíduos com doença mental grave que freqüentemente têm histórico de uso de substâncias co-ocorrentes, para que os indivíduos possam perseguir objetivos pessoais e melhorar a sua qualidade de vida.

Houve também boas evidências para o modelo de Colocação e Apoio Individual, que se concentra no emprego de indivíduos com salário mínimo. A educação apoiada e as intervenções sociais realizadas em nível de grupo ou de cliente individual incluíram a participação da comunidade e intervenções familiares, bem como intervenções lideradas por pares e intervenções de habilidades sociais.

Embora os autores destaquem a importância de se operacionalizar definições e estudos, eles também reconhecem a contraprodutividade em “operacionalizar demais” o trabalho e perder a criatividade necessária para atender às preocupações dos que vivem com doença mental grave. Os autores escrevem:

“Constatamos que as intervenções visando apoiar a participação comunitária das pessoas com doença mental grave demonstraram um alto grau de inovação, com resultados iniciais promissores. Esta é claramente uma área de interesse crescente”. Entretanto, a pesquisa sobre quais tipos de intervenções são mais eficazes e como enfrentar os desafios de implementação está em um estágio incipiente de desenvolvimento. Por conseguinte, um dos principais pontos fortes dessas intervenções é a sua diversidade e criatividade, portanto, pode ser contraproducente  ser ‘super-operacional’ “.

Para concluir, os autores destacam os benefícios das intervenções sociais e reconhecem a complexidade da sua implementação no campo da saúde mental, particularmente porque elas exigem comprometimento e investimento de múltiplos níveis das partes interessadas para uma implementação bem sucedida. Eles fornecem orientação para o trabalho futuro, inclusive seguindo uma definição clara do que constitui uma intervenção social através de uma taxonomia padronizada.

Além disso, os autores discutem a importância de se priorizar as intervenções sociais em comparação com as intervenções farmacológicas e psicológicas. Dada a não aderência relatada a medicamentos psicotrópicos entre pessoas com salário mínimo, que é de 49%, e a aceitação de intervenções psicológicas é relatada como sendo inferior a 20% em alguns casos, os autores insistem que um maior envolvimento do consumidor durante o desenvolvimento de intervenções pode ajudar na aceitabilidade e participação.

****

Killaspy, H., Harvey, C., Brasier, C., Brophy, L., Ennals, P., Fletcher, J., & Hamilton, B. (2022). Community‐based social interventions for people with severe mental illness: A systematic review and narrative synthesis of recent evidence. World Psychiatry21(1), 96–123. https://doi.org/10.1002/wps.20940 (Link)

Artigo anteriorA Psicologia Humanista apoia o Status Quo Capitalista?
Próximo artigoNo atendimento de emergência Apoio dos pares em planejamento de segurança em caso de suicídio
Madison Natarajan é psicoterapeuta de nível de mestrado e atual estudante de doutorado na Universidade de Massachusetts em Boston. Como pesquisadora, seu foco é o impacto do trauma religioso no desenvolvimento sexual feminino, avaliando especificamente a subcultura do movimento evangélico da pureza. Madison tem um histórico familiar que foi entrelaçado com atendimento psiquiátrico, variando de membros da família institucionalizados a praticantes de psiquiatria, nos EUA e na Índia. Madison procura desafiar a atual estrutura de atendimento psiquiátrico no Ocidente e disseminar informações honestas e fortalecedoras para a comunidade em geral.