Como o Público Compra um Conhecimento Falho da Investigação em Saúde Mental

Escrevendo na Harvard Review of Psychiatry, os investigadores argumentam que o público está a ser enganado para ver as questões de saúde mental como biológicas.

0
428

Apesar das críticas frequentes, o modelo de doença biomédico da psiquiatria e a sua forte confiança nos tratamentos com drogas psicotrópicas continuam a dominar o discurso público sobre saúde mental. Em um artigo publicado na Harvard Review of Psychiatry, os investigadores Estelle Dumas-Mallet e François Gonon descrevem como o modelo enganador das doenças cerebrais se torna exagerado e vendido ao público em geral.

Revendo uma vasta gama de estudos, eles mostram como as observações biomédicas são deturpadas, embelezadas e sujeitas a uma literatura plena de vieses, promovendo narrativas públicas que prejudicam os resultados dos pacientes e ofuscam abordagens psicoterapêuticas e sociais eficazes à saúde mental.

Numa comunicação por correio eletrônico com Mad in America, os autores explicaram que foram levados a escrever a matéria através de sinais de que a psiquiatria académica estava preparada para refletir sobre estas deturpações e mudar de rumo. François Gonon explicou:

“Existe, de fato, um duplo discurso da psiquiatria biológica e que afeta negativamente os cuidados prestados aos pacientes. Os meus colegas e eu trabalhámos durante dez anos para descrever as falsidades da psiquiatria biológica nos meios de comunicação social. No entanto, o principal acontecimento que nos levou a escrever o nosso artigo de perspectiva foi a publicação da carta de opinião de Gardner e Kleinman publicada em 31 de Outubro de 2019 no New England Journal of Medicine. Pela primeira vez numa revista médica de prestígio, o duplo discurso da psiquiatria foi reconhecido… No nosso artigo, revemos a literatura acadêmica, mostrando como e por que este duplo discurso é gerado. Também discutimos até que ponto ele afeta negativamente os cuidados prestados aos pacientes, especialmente a prevenção social dos transtornos mentais”.

Na primeira matéria que mencionaram (ver o resumo no MIA), um psiquiatra e um antropólogo médico proeminente, ambos da Universidade de Harvard, escreveram no New England Journal of Medicine:

“Ironicamente, embora estas limitações (dos “tratamentos biológicos”) sejam amplamente reconhecidas pelos especialistas na matéria, a mensagem dominante para o público e para o resto da medicina continua a ser que a solução para os problemas psicológicos envolve combinar o diagnóstico “certo” com a medicação “certa”. Consequentemente, os diagnósticos e os medicamentos psiquiátricos proliferam sob a bandeira da medicina científica, embora não exista uma compreensão biológica abrangente, quer das causas quer dos tratamentos das patologias psiquiátricas”. 

As limitações das abordagens predominantemente neurológicas e biológicas à saúde mental têm sido bem documentadas e discutidas em toda a literatura científica. No entanto, estas limitações não conseguiram, na sua maioria, alterar as mensagens públicas prevalecentes sobre os males psicológicos.”

A narrativa comum sugere que a resolução de problemas de saúde mental começa e termina com a correspondência de diagnósticos cientificamente validados com os correspondentes medicamentos psicotrópicos. Esta narrativa permanece inalterada, mesmo quando psiquiatras proeminentes começam a reconhecer publicamente que a compreensão neurobiológica dos transtornos psiquiátricos ainda não se traduziu em melhores cuidados para os pacientes. Do mesmo modo, os neurocientistas têm desafiado a viabilidade dos métodos prevalecentes no campo e têm argumentado que estamos dispostos a aprender tanto sobre a cognição humana, a partir de estudos comportamentais clássicos, como a partir da investigação neurocientífica.

Além disso, as mensagens públicas continuam a sobreavaliar o progresso da psiquiatria biológica. Os autores argumentam que este é um efeito de enviesamento de divulgação, onde apenas são publicados resultados estatisticamente significativos. Dada a constante dose de indignação que este problema causa aos que estão familiarizados com o problema, as lacunas nas mensagens são muitas vezes explicadas por meio da referência à fraude ou ao ato ilícito. Mas pode ser necessária uma explicação mais sistémica e multi-causal para provocar a mudança.

Dumas-Mallet e Gonon explicam como as mensagens enganosas são geradas através de um sistema que dá prioridade, nos processos de investigação e publicação, aos vários atores e interesses das instituições. Analisam os estudos acadêmicos e demonstram a prevalência de deturpações e vieses na literatura científica. As falsidades na literatura científica são promovidas como descobertas significativas, são divulgadas à imprensa e amplificadas pelos meios de comunicação social.

Em primeiro lugar, os autores descrevem as falsificações das observações científicas já presentes na literatura biomédica, centrando-se na psiquiatria. O embelezamento de dados, por vezes chamado “p-hacking”, envolve falsificação destinada a gerar resultados significativos através da eliminação de dados, alteração, término da coleta de dados, ou manipulação estatística. Tal embelezamento é incentivado para os investigadores em um contexto de cultura de competição acadêmica. Por exemplo, revistas proeminentes favorecem estudos positivos, e estas publicações são necessárias para assegurar financiamento futuro e subir na hierarquia da investigação acadêmica. Os autores explicam:

“A percentagem de artigos científicos que relatam resultados que confirmam as hipóteses dos investigadores aumentou de 70% em 1990 para 86% em 2007, com a psiquiatria e a psicologia a mostrar a maior taxa de resultados positivos de todas as disciplinas científicas em revisão”.

Outros problemas incluem descrições imprecisas ou vagas de métodos, o que é extremamente problemático. Estas descrições afetam de forma decisiva a capacidade dos outros para julgar a validade dos resultados ou para tentar replicar a descoberta. A deturpação é também comum em toda a literatura. Os autores apontam vários casos em que houve incoerências óbvias entre os resultados reais do estudo e as conclusões tiradas no final.

Por exemplo, “um estudo de imagem do cérebro publicado em 2017 relatou que algumas áreas subcorticais do cérebro são menores em doentes com TDAH”. A maior diferença entre pacientes e controles estava relacionada com o volume da amígdala, e era muito menor (diferença média = 1,5%) do que a variabilidade natural dentro de controles saudáveis (DP = 9,4%). Os autores concluíram que “os nossos resultados confirmam que os pacientes com TDAH têm realmente cérebros alterados, ou seja, que a TDAH é uma perturbação do cérebro”. (ver artigo publicado sobre este controverso estudo).

Há também questões relacionadas com a cobertura dos meios de comunicação social da investigação biomédica psiquiátrica. Quando existem distorções na literatura científica, elas são divulgadas acriticamente ao público por jornalistas pressionados pelo tempo. Os comunicados de imprensa são promovidos por instituições científicas para publicitar estes estudos, e as afirmações feitas nos comunicados são frequentemente copiadas por atacado para a cobertura dos meios de comunicação social. Os jornalistas cobrem preferencialmente os estudos iniciais e seguem de perto e consistentemente os comunicados de imprensa correspondentes, não relatando as limitações e incertezas dos resultados.

Num estudo comparativo de 663 estudos iniciais associando um fator de risco a uma patologia, uma média de um em cada dois estudos iniciais “foi ou contrariada ou fortemente atenuada pela meta-análise correspondente”. No entanto, o público raramente é informado de pesquisas que refutam os estudos iniciais, e as teorias reducionistas não são encontradas com provas contrárias existentes. Num outro exemplo, apenas 4 dos 50 jornais que cobrem uma história sobre a susceptibilidade genética à depressão também relataram uma meta-análise posterior que não confirmou os seus resultados.

Estas deturpações não são apenas imprecisas. Também afetam os cuidados ao paciente, aumentando a estigmatização que, por sua vez, afeta negativamente as perspectivas de cura e recuperação.

“De fato, a percentagem de estadunidenses que estão convencidos de que a esquizofrenia e a depressão são doenças genéticas do cérebro aumentou de 61% em 1996 para 71% em 2006”, escrevem os autores. “Embora os leigos que aderem a esta crença tendam a culpar menos os doentes pelos seus sintomas, eles os percebem como mais perigosos e são mais pessimistas quanto a uma possível recuperação”.

Os autores apontam também para estudos genéticos e epidemiológicos que confirmam a importância dos fatores ambientais na etiologia das perturbações mentais comuns. Porque os fatores de risco psicossociais são mais susceptíveis do que os seus equivalentes genéticos à remediação pela política social, isto deveria ser uma boa notícia. No entanto, na hierarquia dos fatores causais, as reportagens das medias enfatizam mais os fatores genéticos do que os psicológicos, deixando os fatores sociais de fora quase que inteiramente.

Estes fatores sociais estão consistentemente relacionados com a posição socioeconómica das pessoas afetadas. Em termos gerais, quanto maiores forem as desigualdades num território, maior será a prevalência de perturbações mentais nas populações mais desfavorecidas”. A relação entre a pobreza relativa e as perturbações mentais é elidida em favor de narrativas que descrevem as perturbações mentais como resultantes de uma disfunção intrínseca e não de uma desvantagem social sistêmica.

A literatura existente faz um argumento irrefutável de que uma compreensão psicossocial dos transtornos psíquicos é pelo menos tão importante quanto uma compreensão neurobiológica. Uma tal mudança na narrativa dominante tem o potencial de influenciar os tratamentos de saúde mental, bem como a educação em saúde mental do público, o que tem impacto na forma como os doentes de saúde mental são tratados por aqueles que os rodeiam.

****

Dumas-Mallet, E., & Gonon, F. (2020). Mensagens em Psiquiatria Biológica: Más representações, suas causas e potenciais consequências. Harvard Review of Psychiatry, https://doi.org/10.1097/HRP.0000000000000276 (Link)