Sou psicóloga – e acredito que nos foram contadas mentiras devastadoras sobre a saúde mental

Publicado em The Guardian, o testemunho de Sanah Ahsan sobre a sua experIência enquanto psicóloga clínica no NHS e o quanto é devastador o modelo de doença para abordar o sofrimento psíquico.

0
129

Publicado em The Guardian, em 6 de setembro de 2022.

“Estamos vivendo, dizem-nos, meio a uma “crise de saúde mental“. Os serviços de saúde mental não conseguem lidar com a explosão da demanda durante os últimos dois anos: 1,6 milhões de pessoas estão em listas de espera, enquanto outros 8 milhões precisam de ajuda, mas não conseguem sequer entrar nessas listas. Até mesmo crianças estão aparecendo na A&E em desespero, querendo morrer.

“Mas há outra maneira de ver esta crise – uma maneira que não a coloca firmemente no domínio do sistema médico. Será que não faz sentido que tantos de nós estejamos sofrendo? Claro que faz: estamos vivendo em um mundo traumatizante e incerto. O clima está em colapso, estamos tentando nos manter no controle do aumento do custo de vida, ainda carregado de luto, contágio e isolamento, enquanto as revelações sobre a polícia assassinando mulheres e revistando crianças destroem nossa fé naqueles que deveriam nos proteger.

“Como psicóloga clínica que trabalha nos serviços do NHS há uma década, tenho visto em primeira mão como estamos falhando com as pessoas ao localizar seus problemas dentro delas como algum tipo de transtorno mental ou questão psicológica, e assim despolitizando seu sofrimento. Será que seis sessões de TCC, projetadas para visar estilos de pensamento “inúteis”, serão realmente eficazes para alguém que não sabe como vai alimentar sua família por mais uma semana? Os antidepressivos não vão erradicar o implacável trauma racial que um homem negro está vivendo em um local de trabalho hostil, e a rotulação de pessoas que estão sofrendo violência sexual com algum nome de transtorno psiquiátrico (em um mundo onde duas mulheres por semana são assassinadas em sua própria casa) não faz nada para mantê-las seguras. Não é surpreendente que a mindifulness não esteja ajudando as crianças que estão vivendo a pobreza, a pressão dos colegas e as condições escolares competitivas, onde o bullying e os danos causados pela mídia social são frequentes.

“Se uma planta estivesse murchando, não a diagnosticaríamos com “síndrome de planta-murcha” – mudaríamos suas condições. No entanto, quando os humanos estão sofrendo sob condições de vida insustentáveis, nos é dito que algo está errado conosco e que se espera que continuemos a insistir. Continuar trabalhando e produzindo, sem reconhecer nossa dor.

“Nos esforços para desestigmatizar o sofrimento mental, “doença mental” é enquadrada como uma “doença como qualquer outra” – enraizada em uma química cerebral supostamente defeituosa. Na realidade, pesquisas recentes concluíram que a depressão não é causada por um desequilíbrio químico do cérebro. Ironicamente, sugerir que temos um cérebro danificado para a vida aumenta o estigma e a fragilidade. O que é mais devastador sobre este mito é que o problema e a solução estão posicionados na pessoa, nos desviando dos ambientes que causam nossa angústia.

“A psicoterapia individual é muito boa para muitas pessoas e os antidepressivos podem ajudar algumas pessoas a lidar com isso. Mas preocupa-me que um entendimento puramente medicalizado e individualizado da saúde mental coloque gessos sobre grandes feridas abertas, sem abordar a fonte da violência. Eles nos encorajam a nos adaptarmos aos sistemas, protegendo assim o status quo. É aqui que falhamos mais com as pessoas marginalizadas: as expressões compreensíveis das pessoas negras de dor ao viverem em uma sociedade estruturalmente racista são muitas vezes medicalizadas, rotuladas como perigosas e enfrentadas com violência sob o pretexto de “cuidado”. Os negros são mais propensos a serem degolados, sequestrados, reprimidos e super-medicados do que qualquer outra pessoa em nossos serviços de saúde mental de hoje.

“O Reino Unido poderia aprender muito com a psicologia da libertação. Criada nos anos 80 pelo ativista e psicólogo salvadorenho Ignacio Martín Baró, argumenta que não podemos isolar “problemas de saúde mental” de nossas estruturas sociais mais amplas. O sofrimento surge dentro das experiências e histórias de opressão das pessoas. A psicologia da libertação vê as pessoas não como pacientes, mas como atores sociais potenciais no projeto de liberdade, valorizando sua própria descendência, criatividade e experiência, em vez de serem forçadas a uma idéia branca, eurocêntrica e individualista de terapia. Ela desafia diretamente as causas sociais, culturais e políticas da angústia através da ação social coletiva.

“Esta estrutura faz todo o sentido quando ouvimos que a pandemia no Reino Unido afetou mais a saúde mental das pessoas pobres. Será que isso significa que homens brancos ricos e privilegiados não sofrem? É claro que sim. Ainda estamos aprendendo sobre as formas complicadas que estas questões estruturais afetam nossa vida cotidiana. Por exemplo, como as pressões do individualismo e do capitalismo podem levar ao isolamento e ao abuso de substâncias, ou como a violência colonial contra famílias de imigrantes acontece dentro de casas e em corpos.”

Leia a matéria na íntegra →

Doesn’t it make sense that so many of us are suffering? We are living in a traumatised world.’ Photograph: A Room With Views/Alamy

 

 

 

 

 

[trad. e edição Fernando Freitas]