A Dinamarca é o único país europeu onde o uso de comprimidos para a depressão caiu

0
95

Entre 2010 e 2020, o consumo de comprimidos para a depressão aumentou em 37% em 24 países europeus. A Dinamarca foi o único país onde o consumo caiu (uma queda de 4%):

Para as crianças, a queda no uso de antidepressivos na Dinamarca foi muito maior, uma queda de 41% em apenas seis anos, entre 2010 e 2016. Na Noruega e na Suécia, o uso aumentou 40% e 82%, respectivamente, no mesmo período de tempo:

Um gráfico que mostra o número de crianças em comprimidos para depressão na Dinamarca, Suécia e Noruega. A Dinamarca mostra um declínio acentuado a partir de 2010. A Noruega e a Suécia mostram aumentos constantes.

Então, o que aconteceu na Dinamarca? Devido à preocupação com o risco de suicídio, o Conselho Nacional de Saúde dinamarquês lembrou aos médicos de família, no verão de 2011, que eles não deveriam prescrever de pílulas para depressão para crianças, o que era tarefa dos psiquiatras.

Ao mesmo tempo, comecei a advertir fortemente contra o risco de suicídio provocado pelas pílulas. Nos anos seguintes, repeti minhas advertências inúmeras vezes no rádio e na TV, e em artigos, livros e palestras. Começou com uma entrevista com o diretor geral da Lundbeck que, em 2011, alegou que os comprimidos para depressão protegem as crianças contra o suicídio. A entrevista aconteceu enquanto o parceiro americano de Lundbeck, Forest Laboratories, negociava indenizações a 54 famílias cujos filhos tinham cometido ou tentado suicídio sob a influência das pílulas para depressão de Lundbeck. Eu descrevi o comportamento irresponsável de Lundbeck em meu livro de psiquiatria de 2015.

A enorme queda no uso entre as crianças ocorreu contra todas as probabilidades. Embora as pílulas para depressão causem suicídio, de fato em todas as idades, os principais professores de psiquiatria na Dinamarca continuavam a propagar suas falsas alegações de que as pílulas para depressão protegem as crianças contra o suicídio, o que eles continuaram alegando também após 2016.

O Conselho Nacional de Saúde da Dinamarca emitiu vários avisos contra o uso de pílulas para depressão em crianças antes de 2011. Além disso, as advertências oficiais das autoridades têm muito pouco impacto sobre a prescrição. A redução média na prescrição é de 6%, e entrevistas com médicos sugerem consciência limitada, aceitação e, às vezes, crença nessas advertências. Este é exatamente o caso das pílulas para depressão e crianças. Os principais líderes de opinião entre os médicos geralmente não acreditam nas advertências; eles acreditam que os comprimidos para depressão protegem contra o suicídio, uma crença que eles propagam em todos os lugares, em artigos científicos, na mídia e em palestras. Esta crença equivocada é letal.

Estou, portanto, convencido de que é principalmente devido à minha tenacidade que o uso foi reduzido na Dinamarca. Digo isto para encorajar as pessoas a lutar por uma boa causa, que é que os comprimidos para depressão não devem ser usados por ninguém. Como expliquei em meu Livro Didático de Psiquiatria Crítica, que em breve será publicado em série no Mad in America, é indiscutível que as pílulas para depressão fazem muito mais mal do que bem. Como os médicos não podem lidar com eles, eles devem ser retirados do mercado.

[trad. e edição Fernando Freitas]