Neuropolítica: Compreender a Política através da Neurociência é um assunto perigoso

0
163

Pesquisadores da Universidade de Lund na Suécia argumentam que com o desenvolvimento do campo da “neuropolítica”, estamos considerando o cérebro como a causa das questões políticas, em vez de olhar para a história e o contexto social.

A “neuropolítica” é um campo preocupado com a tentativa de explicar a tomada de decisões, políticas e outras questões relacionadas, concentrando-se na fisiologia neurocientífica específica de indivíduos e grupos.

Os autores do trabalho, Niklas Altermark e Linda Nyberg, afirmam que este novo paradigma de examinar a política através de estudos do cérebro toma certas coisas como garantidas. Entre estas suposições está a crença de que a mente é igual ao cérebro, que a glorificação da neurociência para compreender a política encobre os problemas metodológicos com este tipo de pesquisa, e que grande parte desta pesquisa não aborda as questões éticas associadas.

Eles se baseiam em parte nos argumentos do filósofo Michel Foucault sobre a relação entre conhecimento e poder – por exemplo, os muitos casos na história psiquiátrica onde argumentos biológicos e programas de pesquisa iniciados pelos chamados especialistas/profissionais foram usados para reforçar estereótipos negativos e práticas psiquiátricas opressivas.

“Seguindo Foucault, Butler e Rose, entre outros, a questão que procuramos levantar neste texto não é como as verdades da biologia devem nos incitar a repensar a política, mas como estas verdades são feitas e podem ser entendidas como políticas em si mesmas.
Contra a naturalização do cérebro biológico, exortamos os analistas políticos a considerar as funções ideológicas que a neuropolítica serve e como ela está embutida nas estruturas de poder omnipresentes. O aspecto mais significativo de como os cientistas políticos se voltam para a neurociência diz respeito a como este campo de pesquisa permite um repertório de novas problemáticas, onde os problemas percebidos de como os humanos se comportam estão enraizados na materialidade de seus cérebros. Isto é o que temos chamado “a patologização da política”.


Os autores analisam três artigos de ” estudos de caso” neuropolíticos e os examinam tomando como referência os problemas mencionados anteriormente – o que eles chamam de “presunções metateóricas” relacionadas à ontologia (como as coisas são, por exemplo, se o cérebro “produz” ou é idêntico à mente versus alguma explicação alternativa), epistemologia (como sabemos das coisas) e ética (como indivíduos e sociedades devem se comportar).

Eles esclarecem que não estão dizendo que a neuropolítica é inerentemente ruim como campo de estudo, mas que há problemas específicos com o seu funcionamento, que muitas vezes devem ser tratados.

Os três estudos de caso examinados pelos autores incluem 1) um estudo sobre como os indivíduos desenvolvem (ou não desenvolvem) as condições neurológicas necessárias para se tornarem participantes de sistemas políticos democráticos, 2) um estudo examinando por que as pessoas não conseguem combater as mudanças climáticas, e finalmente 3) um estudo sobre os efeitos do declínio cognitivo relacionado à idade, em relação à liderança política.

O primeiro estudo, publicado em 2007 por Ivelin Sardamov na revista democratização, examina a neurociência por trás da qual certos indivíduos e grupos estão predispostos a participar de regimes políticos democráticos em comparação com outros grupos. Significativamente, os autores observam que esta agenda coincide com a política externa dos EUA como o principal motor das tentativas de trazer a “democracia ocidental” para o mundo em geral.

O estudo de Sardamov centra-se nos seguintes tópicos:

  • “Por que a democracia leva tempo para se consolidar”.
  • “Que condições prévias devem estar criadas para que a democratização decole”?
  • “Em que medida há fatores culturais que podem dificultar os processos de democratização?”

Sardamov argumenta que o pensamento e a atividade “democrática” não estão conectados ao cérebro humano. Ao invés disso, requer o desenvolvimento neuroplástico ao longo de gerações. Como Altermark e Nyberg são rápidos em apontar, embora Sardamov advirta contra acusações de “inferioridade” de certos grupos culturais e indivíduos, é um desafio evitar “julgamento [s] etnocêntrico e provavelmente racista em relação ao subdesenvolvimento dos cérebros de pessoas não-ocidentais”.

Aqui podemos ver as dimensões éticas ou normativas em jogo no pano de fundo de tal estudo. A suposição é que a democratização do tipo ocidental, marcada por qualidades como “raciocínio imparcial” e “desapego e comedimento”, é inerentemente desejável. Quer os leitores concordem ou não com esta linha de pensamento, é evidente que os julgamentos éticos que estão sendo feitos por Sardamov são politicamente contestáveis.

Poderíamos nos perguntar sobre a composição neural daqueles que defendem a difusão da política externa americana e sua “democratização” a ela associada para os cantos mais distantes do mundo, o que, naturalmente, não é abordado.

O segundo estudo de caso, publicado por Marco Grasso em uma edição de 2013 da revista Environmental Politics, realiza uma análise neurocientífica das razões pelas quais as pessoas não agem em termos de redução das emissões de carbono. Os autores afirmam que o artigo de Grasso é mais ” reflexivo” do que o de Sardamov, mas ainda assim, eles o contestam.

Grasso afirma “que as evidências neurocientíficas sugerem que o cérebro humano está ligado para agir com base em raciocínios consequencialistas e não em princípios abstratos de justiça”.

O consequencialismo é uma filosofia moral que se refere à idéia de que os seres humanos julgam as ações por seus resultados, em vez da filosofia moral “deontológica” comumente contrastada, que pode ser resumida pela idéia de que as ações são boas ou más em si mesmas, em vez de se basear no que elas produzem.

Os autores escrevem:

“Na interpretação de Grasso, o cérebro humano não está devidamente organizado para responder ao problema da mudança climática, pois os responsáveis pela mudança e as pessoas que sofrem seus efeitos estão separados no espaço e no tempo. Portanto, se quisermos que as pessoas mudem seu comportamento para reduzir as emissões de carbono, devemos desviar o debate para argumentos consequencialistas sobre os danos, a fim de corresponder ao tipo de raciocínio ao qual nossa organização neuronal está predisposta a reagir”.

Para Grasso, isto é seguido pela afirmação de que a neurociência revela a nossa “natureza interior” como consequencialista em nossa moralidade, portanto, os esforços para combater a mudança climática devem apelar para este tipo de filosofia moral em vez de uma filosofia baseada no “dever” como na deontologia, ou na “virtude” de uma pessoa como na filosofia moral da “ética da virtude”.

O terceiro estudo de caso, publicado numa edição de 2014 de Politics and the Life Sciences por Mark Fisher e colegas, argumenta essencialmente que as seções do cérebro relacionadas à função executiva declinam à medida que os indivíduos envelhecem. A conclusão para Fisher e colegas é que os cientistas sociais devem educar o público sobre os perigos de “votar em um líder idoso”. Este documento se envolve em especulações sobre líderes específicos e suas decisões, como a decisão “súbita” do ex-primeiro ministro israelense/geral Ariel Sharon de deixar a Faixa de Gaza em 2002.

Passando à discussão da ontologia, epistemologia e ética, Altermark e Nyberg fazem várias observações.

Primeiro, em termos de ontologia, eles observam que, como mencionado anteriormente, o campo da neuropolítica toma como certa a posição filosófica de que a mente é igual ao cérebro. Embora esta seja uma visão difundida entre muitos da comunidade científica, não está, em última análise, comprovada. Além disso, muitos filósofos, figuras espirituais e até mesmo cientistas questionam se este é o caso – por exemplo, veja os argumentos filosóficos em torno do Pampsiquismo – a crença de que a consciência está na base da realidade ao invés de ser um mero “produto” do cérebro.

Em segundo lugar, os autores argumentam que existem duas dificuldades epistemológicas com a neuropolítica enquanto campo. Primeiro, os métodos neurocientíficos, como as técnicas de imagem neural, estão longe de ser perfeitos, como a pesquisa tem revelado. Além disso, os autores apontam para o fato de que:

“… “neurofalar” acrescenta confiabilidade e legitimidade aos relatos científicos populares. Isto é dizer que as afirmações neuropolíticas sobre o conhecimento extraem parte de sua força da impressão de que eles nos apresentam evidências científicas objetivas. Seguindo seu status de ciência natural de ponta, fica claro que o campo de pesquisa da neuropolítica é sustentado por uma hierarquia relativa aos tipos de conhecimento gerados pelas ciências naturais e sociais – uma hierarquia na qual os cientistas sociais são instados a incorporar os resultados da pesquisa neurocientífica e não o contrário”.

Finalmente, os autores observam que eticamente falando, a pesquisa neuropolítica freqüentemente “contém afirmações sobre o que é certo e errado; como as coisas devem ser….”. Eles argumentam que isto tem sido evidente ao longo dos trabalhos que examinaram, que consideram determinadas agendas e normas políticas como inerentemente boas e desejáveis, sem questionamentos éticos.

Infelizmente, como também afirmam, as abordagens biológicas da psiquiatria e da psicologia têm uma longa história de “má conduta” nesta área, por exemplo: “eugenia, frenologia, ou confinamento dos deficientes mentais”.

Altermark e Nyberg deixam claro que embora não haja nada de inerentemente errado no estudo da relação entre estruturas neurais e política, nos estudos do mundo real, muitos dos mesmos velhos problemas que têm assombrado a psiquiatria biológica desde o seu início ainda continuam levantando problemas.

Este é o relato cauteloso de seu artigo: que ao olhar a “neuropolítica” sem considerar questões de ontologia, epistemologia e ética, a história pode rapidamente acabar se repetindo em termos dos abusos do passado da psiquiatria, bem como do presente.

Da mesma forma, a neuropolítica tem o perigoso potencial de reforçar o mesmo velho modelo médico de individualismo, que afasta os holofotes dos determinantes sociais da saúde, tais como práticas exploratórias ligadas ao capitalismo neoliberal, discriminação racial entre os jovens e muitos outros problemas que contribuem para o sofrimento humano fora do cérebro individual. Como resultado, estudos de regiões localizadas do cérebro sem atenção suficiente aos fatores sociais, econômicos e históricos sempre falharão em compreender o quadro completo necessário para uma mudança e cura reais e sustentadas.

****

Altermark, N. & Nyberg, L. (2018). Neuro-problems: Knowing politics through the brain. Culture Unbound: Journal of Current Cultural Research10, 31-48. (Link)

[trad. e edição Fernando Freitas]