Irving Kirsch: O efeito Placebo e o que ele nos informa sobre a eficácia do antidepressivo

Entrevista exclusiva

0
134

James MooreEsta semana tive a honra de entrevistar o Dr. Irving Kirsch. O Dr. Kirsch é Diretor Associado do Programa em Estudos de Placebo e professor de medicina na Harvard Medical School e na Beth Israel Deaconess Medical Center. Ele também é Professor Emérito de Psicologia da Universidade de Plymouth e da Universidade de Hull no Reino Unido e da Universidade de Connecticut nos EUA. Ele publicou 10 livros e mais de 250 artigos de revistas científicas e capítulos de livros sobre efeitos placebo, medicação antidepressiva, hipnose e sugestão. Ele originou o conceito de expectativa de resposta. Suas meta-análises sobre a eficácia dos antidepressivos tiveram ampla cobertura na mídia internacional e influenciaram as diretrizes oficiais para o tratamento da depressão no Reino Unido. Seu livro de 2009, The Emperor’s New Drugs: Exploding the Antidepressant Myth, foi selecionado para o prestigiado prêmio Mind Book of the Year e foi o tema do famoso programa 60 Minutes na CBS e foi capa na Newsweek com uma matéria de 5 páginas.

Nesta entrevista com o Dr. Kirsch, é discutido o efeito placebo e a eficácia das drogas utilizadas para a depressão.

A seguir, um pequeno resumo do conteúdo da entrevista:

  • Como, como estudante de graduação, o Dr. Kirsch se interessou pela terapia comportamental, mas que duvidou da lógica por trás dessas abordagem;
  • Que isso despertou nele um interesse pelas crenças que as pessoas tinham e passou a pesquisar o efeito placebo;
  • Como, ao trabalhar na Universidade de Connecticut, sua pesquisa sobre o placebo o levou a se interessar na eficácia das drogas antidepressivas quando comparadas ao placebo;
  • Como seu trabalho o levou à conclusão surpreendente de que, se há medicamentos antidepressivos, o efeito placebo seria tão grande que haveria muito pouco espaço para um efeito significativo da droga propriamente dita;
  • Como isso alterou os pontos de vista do Dr. Kirsch sobre drogas antidepressivas, fazendo com que ele perguntasse se os riscos valiam o pequeno benefício para pacientes deprimidos;
  • Que a crença de uma pessoa pode afetar a sua resposta a um medicamento de forma positiva (placebo) ou de forma negativa (nocebo);
  • O Dr. Kirsch descobriu que existem muitas condições em que o placebo pode mostrar o seu efeito profundo, incluindo depressão, ansiedade, síndrome do intestino irritável, dor, doença de Parkinson e asma;
  • Que o placebo tende a ter um efeito maior em condições que possuem um grande componente psicológico, como em distúrbios funcionais;
  • Esse placebo pode ter um efeito, mesmo que o paciente saiba que eles estão tomando um comprimido inativo, e que parte dessa resposta está abaixo do condicionamento clássico;
  • Que o Dr. Kirsch está trabalhando em “placebo aberto” sendo capaz de prescrever placebo para pacientes sem que haja decepção;
  • Que o Dr. Kirsch estava acostumado a encaminhar pacientes deprimidos para tratamentos antidepressivos, mas que sua pesquisa o deixou descrente quando passou a observar a evidência de eficácia quando comparada ao placebo;
  • Como é que quando você dá a alguém um novo tratamento, isso muitas vezes irá contrariar os sentimentos de desesperança que caracterizam as experiências depressivas;
  • Que, ao analisar o tamanho desse efeito, deixou claro que a diferença entre a resposta ao placebo e a resposta antidepressiva era tão pequena que não era clinicamente significativa;
  • Que mesmo drogas com modos de ação muito diferentes resultaram em respostas praticamente idênticas em pacientes, por exemplo, Tianeptine, que é um SSRE (potenciador selectivo da recaptação de serotonina) e diminui os níveis de serotonina entre os neurônios, esse medicamento deveria piorar as pessoas deprimidas, mas mostrou a mesma eficácia que os antidepressivos ISRS;
  • Como, ao analisar os ensaios clínicos utilizados para demonstrar a eficácia do antidepressivo, ficou claro que a natureza óbvia dos efeitos adversos provocados por antidepressivos significava que os participantes do ensaio freqüentemente “quebrariam” o duplo cego, e que saberiam se estavam no grupo de drogas ativas ou no grupo placebo, isso naturalmente influenciando radicalmente os resultados do julgamento;
  • Que, em um pequeno número de estudos, utilizou-se um placebo ativo, que era uma substância que imitava os efeitos colaterais da droga ativa, sem ter nenhum efeito clínico;
  • Que nesses estudos ativos de placebo, se estava muito menos propenso a obter uma diferença significativa entre o fármaco e o placebo, quando comparado aos ensaios que usavam um placebo interno;
  • Que os ensaios realizados por fabricantes farmacêuticos são projetados para mostrar sua droga na melhor perspectiva possível e, portanto, não usam placebo ativo em seus estudos;
  • Que o Dr. Kirsch está convencido que, ao se realizar ensaios para medicamentos utilizados para a depressão, os pacientes devem ser solicitados no início do estudo se pensam estar no grupo ativo ou no grupo de placebo, e que esta questão ajudaria a garantir que os ensaios fossem confiáveis;
  • Como, ao usar os dados de ensaios não publicados, a diferença entre o efeito placebo e o efeito do medicamento foi ainda menor;
  • Como o Dr. Kirsch ficou satisfeito que outros pesquisadores tenham encontrado suas conclusões controversas, o que significava que eles estavam prestando atenção ao estudo, e que outros que replicaram a abordagem encontraram resultados semelhantes;
  • Que influenciar os médicos para que equilibrem melhor risco versus benefício levará tempo, e que precisamos compartilhar os dados e discutir as conclusões tanto quanto possível para permitir que as mudanças aconteçam;
  • Que as pessoas precisam de ajuda com a depressão e que existem muitas intervenções diferentes que são pelo menos tão eficazes quanto os antidepressivos, mas sem os riscos a estes associados;
  • Como não podemos inferir que a prescrição “fora do rótulo” seja eficaz, até que  estudos tenham sido realizados para um transtorno específico.

Links Relevantes:

Dr Irving Kirsch

The Emperor’s New Drugs: Exploding the Antidepressant Myth

The Emperor’s New Drugs: Exploding the Antidepressant Myth (video)

60 Minutes: Treating Depression: Is there a placebo effect? (video)

Antidepressants and the Placebo Effect

Initial Severity and Antidepressant Benefits: A Meta-Analysis of Data Submitted to the Food and Drug Administration

Artigo anteriorA LEI 13.438 É UM RISCO À SAÚDE DAS CRIANÇAS
Próximo artigoExperiências Alternativas ao Modelo Biomédico da Medicina Mental
James Moore
http://www.jfmoore.co.uk James Moore experimentou o sistema psiquiátrico e os remédios psiquiátricos na própria pele, após uma crise psicológica relacionada ao estresse. Acreditando estar fundamentalmente quebrado, passou muitos anos em drogas psiquiátricas, antes de despertar para a realidade de que a psiquiatria tem poucas respostas para dificuldades humanas. James produz e hospeda o primeiro podcast da comunidade do Mad, no qual ele entrevista especialistas e aqueles com experiência vivida, para desafiar alguns conceitos errôneos comuns sobre psiquiatria, drogas psiquiátricas e o modelo bio-médico.

Deixe uma resposta