Quando substitui-se antipsicóticos, não há diferença entre a interrupção imediata e a gradual

O estudo de revisão compara os resultados da descontinuação progressiva de antipsicótico versus imediata, ao mudar de um fármaco para outro

1
410

bruizUma revisão sistemática de uma meta-análise que acabou de ser publicada na revista Schizophrenia Bulletin não encontra diferenças significativas nos eventos adversos entre descontinuação imediata e gradual de um antipsicótico ao mudar de um antipsicótico para outro. Este resultado contradiz pesquisas anteriores, que sugerem uma redução progressiva como sendo um método mais seguro.

Os pesquisadores escrevem: “as avaliações anteriores das estratégias de comutação antipsicótica recomendam a descontinuação gradual dos antipsicóticos como um método mais seguro em geral; porém, esse endosso é baseado em evidências empíricas, mas não em dados reais de ensaios clínicos “.

Estudo com antipsicóticos

A imediata descontinuação de antipsicóticos tem sido associada com numerosos riscos, incluindo síndromes de hipersensibilidade dopamínica, síndromes de rebote relacionadas com atividade colinérgica, histaminérgica e serotonérgica, e a emergência/exacerbação de sintomas. A descontinuação gradual também vem acompanhada com consequências negativas que incluem o aumento de riscos de efeitos colaterais, que podem ser aditivos ou sinérgicos, quando utilizados em uma abordagem cruzada. Embora esta revisão feita forneça uma visão sobre a descontinuação, os participantes não permaneceram fora dos antipsicóticos, portanto, fornece apenas uma janela curta demonstrando os efeitos da descontinuação. Um estudo anterior que relatou os resultados a longo prazo da descontinuação descobriu que dos 51% dos participantes que interrompiam todas as medicações antipsicóticas, 35,3% não apresentavam recaída e apresentaram redução nos sintomas. Além disso, a descontinuação bem-sucedida foi prevista quando há melhor integração social, uma maior qualidade de vida, mais anos de educação e um melhor prognóstico no ponto de partida.

Além disso, foi anunciado uma nova pesquisa (RADAR), pesquisa essa que está sendo feita utilizando o método randomizado: entre os que recebem tratamento antipsicótico de manutenção e os que participam do grupo de redução antipsicótica. Os principais resultados que motivam essa pesquisa RADAR são: o funcionamento social, juntamente com a recaída, os efeitos colaterais, a vida laboral, e custos. No momento da redação deste artigo, ainda não foram publicados nenhum dos resultados da pesquisa RADAR.

Os autores do estudo que estamos apresentando explicam que os clínicos são mais propensos a usar estratégias de mudanças abruptas, embora a interrupção gradual dos antipsicóticos seja recomendada como sendo um método mais seguro. A presente revisão sistemática e meta-análise analisaram 9 ensaios clínicos de controle randomizados (ECAs) que comparam a descontinuação antipsicótica imediata versus a gradual, em pacientes diagnosticados com esquizofrenia. Foram incluídos nove estudos, incluindo um total de 1416 pacientes (n = 714, descontinuação imediata, e n = 702, descontinuação gradual). A duração do estudo variou de 3 a 12 semanas. Os participantes do estudo estavam em risperidona, olanzapina ou haloperidol no início dos estudos, e foram transferidos para outro antipsicótico (risperidona, olanzapina, ziprasidona, aripiprazol, iloperidona ou clozapina) na conclusão dos estudos. O afunilamento foi completado em 1 (n = 3), 2 (n = 4), 3 (n = 2) e 4 (n = 1) semanas. Os estudos também variaram em suas estratégias para iniciar o novo antipsicótico, alguns usando iniciação imediata (n = 8) e outros usando abordagens graduais ou de espera e gradual. Os resultados da análise não mostram diferenças significativas entre os grupos imediatos e graduais; quando se compara o número de pacientes que descontinuaram, a psicopatologia, os sintomas extrapiramidais, e o número de pacientes que sofreram algum Evento Adverso (TEAEs, acatisia, ansiedade, diarreia, dor de cabeça, insônia, náusea e sonolência). No entanto, o grupo imediato tendeu a ter um resultado menos favorável na insônia.

Mais especificamente, ao mudar para a olanzapina, foram encontradas diferenças significativas na insônia a favor da descontinuação gradual. Quando os participantes foram transferidos para ziprasidona, houve diferenças significativas nos escores de sintomas extrapiramidais na Escala Simpson-Angus (SAS) em favor da descontinuação gradual. Por outro lado, houve diferenças significativas na sonolência em favor da descontinuação imediata. Por último, embora não estatisticamente significativo, os escores de sintomas extrapiramidais na Escala de Movimento Involuntário Anormal (AIMS) favoreceram a descontinuação gradual. No geral, embora houvesse uma tendência para melhores resultados com descontinuação gradual, as diferenças não foram fortemente significativas entre as duas estratégias.

Depois de examinar os nove ensaios clínicos randomizados incluídos neste estudo, não foi encontrada pelos pesquisadores diferença significativa entre as estratégias de descontinuação antipsicótica nos resultados clínicos. Os autores chamam a atenção para o fato de que os achados estão em desacordo com inúmeras revisões de pesquisas a respeito de estratégias de interromper o uso de tratamento com antipsicóticos recomendando a descontinuação gradual.

A evidência significativa e bem conhecida dos efeitos colaterais negativos que acompanham os medicamentos antipsicóticos, combinada com a falta de achados significativos nesta revisão, chama a atenção para a importância e os próximos resultados do estudo RADAR.

****

Takeuchi, H., Kantor, N., Uchida, H., Suzuki, T., & Remington, G. (2017). Immediate vs gradual discontinuation in antipsychotic switching: a systematic review and meta-analysis. Schizophrenia bulletin43(4), 862-871.  Clique aqui para ler o artigo na íntegra.

1 COMENTÁRIO

  1. Gelnägel – Ein Stil entzückt Design-Liebhaber!

    Gel Fingernägel sind fortwährend einwandfrei manikürt und personifizieren Schönheit.
    Allerdings was verbirgt sich eigentlich dahinter?
    Wer sich über die Disziplin “Nageldesign” kundig macht,
    ist prompt von der Flut an unterschiedlichen Fach-Vokabeln und Ausstattungen überrumpelt.
    Tattoos, Nieten, Bananenfeilen, UV-Lichtgeräte ,,usw.,
    sind in der Lage den Laien wirklich etwas zu irritieren. In Folge dessen informieren unsere Inhalte über Themen über die
    Nail Art. Deshalb dokumentieren unsere Autoren innerhalb unserer Seite unterstützende Beiträge wie „Gel Fingernägel – Die Vor- und Nachteile“ sowie weitere
    zweckmäßige Verweise. Im Übrigen offerieren wir ferner
    etliche Anleitende Beiträge wie Sie Naildesign selbst fertigen können. Bei uns finden Sie ganz
    bestimmt was Sie suchen. https://gtfothinspo.tumblr.com/post/147092750821/nageldesign-strategien

Deixe uma resposta