Como Devemos Realmente Chamar as Drogas Psiquiátricas

0
221

Peter BregginHá um termo científico muito singular que descreve mais adequadamente as drogas psiquiátricas. Não muito tempo atrás, eu usei-o em tribunal em várias ocasiões durante o meu testemunho para explicar por que as drogas psiquiátricas podem ter efeitos tão desastrosos sobre o cérebro, a mente e o comportamento.

Por outro lado, o meu emprego do termo deixava os peritos irritados e passaram a declarar que, de fato, “se se pesquisar a literatura científica, somente o Dr. Breggin é quem usa essa palavra para descrever drogas psiquiátricas”. Na verdade, há uma longa tradição de usar a temível palavra que foi amplamente eliminada da literatura psiquiátrica oficial, mas que continua a ser viva na pesquisa e às vezes fulgura na literatura clínica.

A palavra temível, que exorto todos a começar a usar regularmente, é neurotoxina. A palavra ‘neurotoxina’ desengonça meus colegas, porque é um verdadeiro descritor para cada substância química psiquiátrica e porque abre a porta para uma análise honesta de como esses venenos afetam o cérebro humano e a vida mental.

O que é uma neurotoxina?

Uma toxina é “qualquer substância venenosa para um organismo”. Uma neurotoxina é “uma substância que altera a estrutura ou a função do sistema nervoso“. Uma definição alternativa similar para neurotoxinas é “uma substância venenosa que atua sobre o sistema nervoso e perturba a função normal das células nervosas.” Medicamente, uma neurotoxina é “qualquer toxina que atua especificamente no tecido nervoso “. [1]

Não existe uma maneira racional de argumentar contra a colocação de substâncias químicas psiquiátricas na categoria de neurotoxinas. Todas as substâncias psiquiátricas alteram “a estrutura ou funções do sistema nervoso” e perturbam “a função normal das células nervosas”. Todas elas agem “especificamente no tecido nervoso”.

Como as empresas farmacêuticas procuram criar neurotoxinas psiquiátricas

As empresas farmacêuticas adaptam seus futuros produtos para perturbar e alterar as funções cerebrais de animais normais antes de começar a testá-los em seres humanos. Quando uma droga psiquiátrica potencial não consegue alterar, interromper ou prejudicar a função normal no cérebro de mamíferos, as empresas farmacêuticas descartam isso como inútil para um tratamento psiquiátrico.

O Prozac, por exemplo, resultou de uma busca intensa por um produto químico que perturbasse o funcionamento normal da neurotransmissão de serotonina no cérebro animal e humano. Da mesma forma, não é uma coincidência que todas as drogas “antipsicóticas” perturbem a neurotransmissão de dopamina no cérebro animal e humano.

O objetivo bioquímico de todas as drogas psiquiátricas é a ruptura da neurotransmissão normal no cérebro. Os primeiros grandes pesquisadores psiquiátricos, Delay e Deniker, conheceram isso e discutiram abertamente os efeitos neurotóxicos das drogas que iniciaram a revolução na psiquiatria na década de 1950, incluindo Torazina (clorpromazina) e Haldol (haloperidol).

A Negação de Neurotoxicidade

O problema para a psiquiatria moderna é que o uso desta palavra horrível, a neurotoxina, menospreza a suposição ingênua ou fraudulenta de que as drogas psiquiátricas são relativamente seguras e que elas são mais boas que os danos causados. Aceitando que todas as drogas psiquiátricas são neurotoxinas torna ridículo todas as alegações sobre drogas psiquiátricas “corrigindo desequilíbrios bioquímicos”, “neurotransmissores potenciais” ou “tratamento de doenças”. Ao tomar uma neurotoxina em doses suficientes para alterar de maneira observável a vida mental e o comportamento humano, há pouca ou nenhuma chance de que os benefícios excedam os riscos, mesmo no curto prazo, e há uma certeza que de algum modo há dano persistente após meses e anos de exposição.

Ao chamar neurotoxinas de drogas psiquiátricas, deixamos claro que elas não são inerentemente terapêuticas e que seus efeitos provavelmente resultam de prejudicar a função cerebral. Com base no que sabemos sobre neurotoxinas em geral, desde o gás nervoso até os fármacos antipsicóticos, chamá-los de neurotoxinas deve, pelo menos, nos levar a ser cautelosos com as possíveis catástrofes tóxicas e os quase inevitáveis efeitos irreversíveis de longo prazo.

Como neurotóxicas são as drogas psiquiátricas?

Uma breve análise de qualquer informação que vem na bula aprovada pela FDA para qualquer droga psiquiátrica confirmará que ela produz uma ampla gama de impactos neurotóxicos sérios. Os benefícios alegados das drogas são difíceis de provar cientificamente, e eles são marginais na melhor das hipóteses; mas seus efeitos neurotóxicos são indiscutíveis e muitas vezes letais.

A informação completa da prescrição aprovada pela FDA para todos os antidepressivos contém o seguinte aviso, neste caso a versão Lexapro de 2017:

“Todos os pacientes que estão sendo tratados com antidepressivos para qualquer indicação devem ser monitorados adequadamente e observados de perto com respeito à piora clínica, o suicídio e às mudanças incomuns no comportamento, especialmente durante os primeiros meses de processo de terapia medicamentosa, ou em momentos de alterações de dose, quer aumentando ou diminuindo.

Os seguintes sintomas, ansiedade, agitação, ataques de pânico, insônia, irritabilidade, hostilidade, agressividade, impulsividade, acatisia (inquietação psicomotora), hipomania e mania, foram relatados em pacientes adultos e pediátricos tratados com antidepressivos para transtorno depressivo maior quanto para outras indicações, tanto psiquiátricas como não psiquiátricas.” P. 6

Ao nos lembrar que mesmo os pacientes “não psiquiátricos” podem ser afetados com esses efeitos potencialmente trágicos, a FDA deixa claro que a droga, e não o transtorno mental do paciente, é a causa dessas reações. Somente uma potente neurotoxina poderia ter um impacto tão devastador no cérebro, na mente e no comportamento.

A descrição dos efeitos antidepressivos acompanha notavelmente uma discussão geral sobre “Manifestações comportamentais de neurotoxicidade em manifestações psiquiátricas de neurotinoxinas” [2]:

“A neurotoxicidade é a ruptura do sistema nervoso resultante da exposição a toxinas ambientais. As manifestações típicas incluem mudanças na função cognitiva e no desenvolvimento de distúrbios da memória neurodegenerativa, mudanças na função neurológica e distúrbios humor / psiquiatriátricos … Mudanças de humor que muitas vezes são vistas em graus variáveis em neurotoxicidade incluem aumento da ansiedade, depressão, irritabilidade, impulsividade e psicose.” P. 202

Como qualquer potente neurotoxina, os antidepressivos podem causar crises neurotóxicas extremas. A maioria dos antidepressivos causa uma síndrome de serotonina que perturba o cérebro que muitos pacientes não tratados morrerão. A informação completa da prescrição aprovada pela FDA para Lexapro descreve esta crise neurotóxica, juntamente com seus efeitos tóxicos mais gerais:

“Os sintomas da síndrome da serotonina podem incluir mudanças no estado mental (por exemplo, agitação, alucinações, delírio e coma), instabilidade autonômica (por exemplo, taquicardia, pressão arterial lábil, tonturas, diaforese, rubor, hipertermia), sintomas neuromusculares (por exemplo, tremor, rigidez, mioclonia, hiperreflexia, incoordenação) e / ou sintomas gastrointestinais (por exemplo, náuseas, vômitos, diarreia). Os pacientes devem ser monitorados para o surgimento da síndrome da serotonina”. P.7

Todas as drogas psiquiátricas têm sua própria litania de efeitos neurotóxicos sérios e todos apresentam suas próprias manifestações de neurotoxicidade extrema, como síndrome de serotonina, síndrome neuroléptica maligna, encefalopatia de lítio, depressão do SNC induzida por benzodiazepina ou neurotoxicidade estimulante.

As empresas farmacêuticas lutam poderosamente para manipular seus ensaios clínicos para demonstrar até mesmo ‘efeitos terapêuticos’ marginais para seus medicamentos. No entanto, apesar dos seus melhores esforços para montar seus ensaios e manipular seus resultados, em todos os ensaios clínicos os efeitos neurotóxicos são esmagadoramente mais óbvios e consistentes do que quaisquer efeitos benéficos supostos. Os produtos químicos psiquiátricos são neurotoxinas conhecidas com alegados benefícios terapêuticos.

Da mesma forma, ao falar sobre os efeitos nocivos dos produtos químicos psiquiátricos, é hora de se abandonar termos eufemísticos como efeitos colaterais, efeitos adversos ou eventos adversos. Precisamos falar de efeitos neurotóxicos.

E o que devemos chamar de ‘efeitos benéficos’ ou ‘efeitos terapêuticos’? Eles poderiam ser chamados de ‘efeitos neurotóxicos procurados’. Estes incluem uma miríade de sinais de neurotoxicidade, como euforia leve ou, muito mais comumente, sedação, dormência emocional, apatia, despersonalização ou indiferença para si e para outros.

Visão geral

Todas as drogas psicoativas – isto é, todas as drogas que afetam o cérebro e a mente – têm efeitos neurotóxicos de diferentes intensidades. Todas conseguem o seu efeito procurado prejudicando funções superiores do cérebro, muitas vezes embotando ou entorpecendo a capacidade de sentir. As neurotoxinas psiquiátricas são especialmente prejudiciais porque as empresas farmacêuticas desenvolvem-nas para atingir os principais sistemas de neurotransmissores, como a serotonina e a dopamina, às vezes bloqueando suas funções e às vezes tornando-as hiperativas e, em todos os casos, tornando-as severamente anormais.

Se as pessoas estão tomando neurotoxinas de rua, como LSD ou metanfetamina, ou neurotoxinas sociais como maconha e álcool, ou neurotoxinas prescritas, como substâncias químicas psiquiátricas, todas as neurotoxinas prejudicam a capacidade do indivíduo de perceber ou compreender o grau de disfunção mental e emocional que as drogas estão lhes infligindo (ver “medicação fascinante“). É por isso que muitas pessoas continuam a tomar produtos químicos nocivos, incluindo neurotoxinas psiquiátricas, mesmo que a qualidade de suas vidas se torne cada vez mais prejudicada. Eles perdem contato com o estado real de seu funcionamento emocional e mental. Os amigos aflitos e os membros da família frequentemente tentam dizer a essas vítimas de neurotoxicidade que estão piorando, muitas vezes sem sucesso.

Princípios de Neurotoxicidade

Com base na experiência clínica e na informação publicada em meus livros e artigos, aqui está uma formulação de alguns princípios fundamentais da neurotoxicidade. Cada princípio aplica-se a todas as neurotoxinas psiquiátricas, incluindo os chamados antipsicóticos; estabilizadores de humor; antidepressivos; tranquilizantes, drogas anti-ansiedade e medicamentos para dormir; e drogas ADHD:

  1. A gravidade e a frequência do dano neurotóxico a longo prazo tendem a aumentar com doses mais altas e exposição mais prolongada.
  2. Reações neurotoxicas agudas podem ocorrer a qualquer momento e podem assumir formas características para a classe química da neurotoxina, como síndrome neuroléptica maligna, síndrome de serotonina, psicose de anfetaminas, encefalopatia de lítio e coma sedativo. Todas as crises neurotóxicas agudas devem ser suspeitas de causar danos duradouros, a menos que seja comprovada de outra forma. A evidência indica que todos podem causar danos permanentes ao cérebro e à mente.
  3. Os neurônios, entre todas as células do cérebro e do corpo, são particularmente sensíveis ou vulneráveis a toxinas ambientais, como drogas psiquiátricas, monóxido de carbono e chumbo.
  4. Os neurônios, em comparação com outras células do cérebro e do corpo, têm pouca força regenerativa ou de recuperação, e eles demoram mais para se recuperar de uma lesão.
  5. Os neurônios, mais do que qualquer outra célula do corpo, existem em relacionamentos infinitamente complexos e sutis uns com os outros, de modo que mesmo deficiências sutis de um conjunto de neurônios ou um sistema de neurotransmissores devem afetar negativamente os outros. (Os relacionamentos entre os neurônios são provavelmente mais complexos do que quaisquer outras relações no universo. Eles devem ser tão complexos para gerar e / ou expressar todas as qualidades notáveis da vida humana, incluindo o pensamento, o sentimento, a fala e a criatividade).
  6. A lesão e a morte de neurônios afetam negativamente aqueles que os rodeiam e podem levar à sua disfunção e morte.
  7. Neurogênese (o crescimento de novos neurônios) ocorre, mas não é um indicador de que a neurotoxina psiquiátrica está melhorando a função cerebral. Pelo contrário, a neurogênese geralmente é uma resposta e um marcador de lesão, como é o acidente vascular cerebral, lesão cerebral traumática, ECT ou o assalto tóxico. Além disso, os neurônios moribundos são facilmente confundidos em sua aparência com neurônios recém-gerados.
  8. Como o cérebro é um órgão tão integrado e porque a neurotoxicidade raramente, se alguma vez afeta apenas uma área discreta do cérebro, a neurotoxicidade terá efeitos negativos generalizados sobre variadas funções mentais, como a regulação e cognição emocional, e em funções físicas, como sensação e controle e coordenação do motor. A neurotoxicidade raramente produz efeitos discretos, como uma paralisia semelhante a um traço, limitada a um lado do corpo ou cegueira em um olho. Em vez disso, prejudicará a função geral do cérebro, da mente e da conduta do indivíduo, muitas vezes em formas pouco perceptivas, como um ligeiro achatamento emocional ou falta de engajamento com os outros e com a vida. Devido à variação individual e às circunstâncias complexas que geralmente envolvem a administração de neurotoxinas psiquiátricas, a resposta neurotóxica de pessoa para pessoa é altamente variável, mas sempre reflete a inflição de danos ao cérebro, mente e comportamento.

Mais uma vez, esta variedade ou espectro de efeitos neurotóxicos é sugerido na informação completa da prescrição aprovada pela FDA para todas as drogas psiquiátricas. Além disso, o verdadeiro grau de periculosidade da neurotoxina psiquiátrica sempre supera amplamente o que é encontrado na Informação Completa de Prescrição. Os efeitos neurotóxicos descritos nas Informações Completas de Prescrição são o resultado de negociações vigorosas de empresas farmacêuticas com uma FDA que também é aquiescente e ineficaz.

É hora de limpar a bagunça enganosa das palavras na psiquiatria. Precisamos rejeitar o conceito de medicação psiquiátrica e substituí-lo por neurotoxina psiquiátrica. Podemos parar de falar sobre efeitos colaterais ou efeitos adversos e abordar diretamente os efeitos neurotóxicos. Os efeitos terapêuticos ou benéficos devem ser substituídos por efeitos neurotóxicos procurados, incluindo a euforia, o embotamento emocional, a apatia e a indiferença ao próprio sofrimento. O impacto desta conversa direta será revigorante e esclarecedor para todos os que desejam conhecer, falar e escrever a verdade sobre o que a psiquiatria e as empresas farmacêuticas estão realmente empurrando para a sociedade – uma epidemia de neurotoxicidade.

Notas de pé de página:

  1. Stedman’s Medical Dictionary, 27th Edition (2000), Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins.
  2. Mason, L., Mathews, M., and Jan, Dong. (2013, June). Neuropsychiatric Symptom Assessment in Toxic Exposure, pp. 201-208, in Rusyniak, D. & Dobbs., M. (Eds.) Psychiatric Clinics of North America, 36 (2), 201-307. Philadelphia: Elsevier.

 

Deixe uma resposta