Como o Amor pode reformatar as nossas vidas

0
331

Peter BregginQuase cinquenta anos atrás, conheci Ginger quando saía de um avião no aeroporto de Detroit e a vi esperando por mim. Ela pegou carona até ao meu hotel. Para se identificar, ela estava segurando meu segundo romance com uma foto grande minha nas costas do livro. Eu não sabia que ela já havia se apaixonado por mim através do livro e da foto.

Era 1972 e eu estava em Detroit, não como romancista, mas como psiquiatra e especialista médico em um dos julgamentos mais importantes da história da psiquiatria, o famoso caso Kaimowitz. Eu iria testemunhar contra experimentos de psicocirurgia em um hospital estadual de Michigan, e a decisão do painel de três juízes acabaria com a psicocirurgia e a lobotomia em instalações estaduais e federais em todo o país. No instante em que vi Ginger pela primeira vez, ela era apenas o que eu via, e havia desaparecido tudo entre mim e o julgamento. Com apenas vinte anos, ela era uma visão de intensa beleza e espírito, esbelta, com grandes olhos verdes e cabelos ruivos.

Eu me apaixonei por Ginger, passei cinco gloriosos dias com ela, imprensado pelo julgamento, e depois retornei para casa. Parecia que entendíamos os pensamentos e sentimentos um do outro, os valores e sonhos um do outro, como ninguém jamais havia feito em nossas vidas. Nós não apenas sentíamos o mesmo comprimento de onda espiritual e intelectual, mas ajudávamos a esclarecer e a promover os pensamentos, sentimentos e esperanças um do outro. Conversávamos e nos dávamos as mãos e nos sentíamos tão física e espiritualmente íntimos quanto duas pessoas poderiam ser capazes.

Eu estava tão apaixonado e tão cheio de esperança que decidi que havia apenas uma saída – nunca mais vê-la outra vez!

Foi assim que fiquei com medo de amar e ainda mais uma vez perder. Minha mente inconsciente estava gritando para mim: “Você acha que doeu quando você foi rejeitado antes? Essa mulher é tão maravilhosa que vai destruí-lo!

Se tivesse atendido ao meu coração oprimido, eu nunca teria visto Ginger novamente. Ginger era mais corajosa e arriscou tentar se comunicar comigo, mas eu estava tão confuso com o tumulto interno que não respondia.

Doze anos depois, apenas um piscar de olhos em uma história de amor, tudo isso mudou. Novamente nós nos encontramos, miraculosamente. Foi totalmente não planejado: eu estava em uma viagem promovida pela mídia, indo de onde eu morava, na área de Washington DC, para Los Angeles, aonde, sem eu saber, Ginger agora vivia. No meu quarto de hotel, recebi uma mensagem telefônica de uma amiga que explicou que conhecera alguém que eu havia conhecido anos atrás, uma mulher chamada Ginger, que ficaria feliz em me rever, se eu tivesse tempo.

“Minha Ginger?” Eu soltei em voz alta para mim mesmo; e imediatamente liguei para o número. Nos reunimos naquele dia e descobrimos que ambos nos havíamos divorciado recentemente. Também descobrimos que nossa confiança em nós mesmos havia crescido, nos dando mais segurança em nosso amor um pelo outro que estava instantaneamente sendo revivido.

Menos de duas horas depois de nossa primeira reunião após doze anos, pedi a Ginger que se casasse comigo; e sem hesitação, Ginger disse que sim. Estamos casados há trinta e quatro anos – quase três vezes desse infeliz hiato de doze anos. A vida, claro, continua a vir para nós e, por sua vez, nós continuamos a ganhar vida, enquanto amadurecemos em nossa capacidade de amar um ao outro, excedendo qualquer coisa que qualquer um de nós tenha ousado esperar. Sentimo-nos rodeados de amor em nossas vidas pessoais e no trabalho de reforma do mundo que juntos fazemos.

Vivenciando o amor

O que é essa coisa que chamamos de amor e que me apavorou tanto?

O amor limpa a lousa. Ele reformata nossas vidas. Ele nos dá um novo começo.

Se estamos prontos para isso, o amor nos faz conhecer um conjunto de valores, aspirações e objetivos completamente novos e mais elevados. Pode ser como mudar magicamente de uma tela de TV velha e preta para uma com som e cor de alta definição. Ou pode se aproximar de nós como que um reconhecimento gradual de que estamos nos apaixonando por um velho amigo, mas o resultado é o mesmo – nossas vidas se tornam renovadas e melhores. De qualquer forma, o amor traz fontes brilhantes e irresistíveis de significado e alegria em nossas vidas.

Tudo isso é verdade não apenas ocorre no amor romântico, mas em relação a qualquer pessoa ou qualquer coisa que realmente amamos, desde membros da família e amigos especiais ou mentores a heróis que admiramos e amamos à distância. Nosso amor pode ser por um lugar ou lar, pela natureza, pelo nosso trabalho, pela arte ou música, por esportes, pelo país ou humanidade e por Deus. Quando amamos, nós mudamos. Por meio de nossa devoção a alguém ou por algo fora de nós mesmos, envolvemos a vida de uma maneira nova, mais vitalizada e significativa.

Seja quando encontramos alguém para amar ou quando encontramos um empreendimento criativo que amamos, quase que inevitavelmente passamos por um período de luta contra a pessoa que costumávamos ser antes de encontrarmos a coragem de amar. Muitas vezes, precisamos superar a nossa armadura habitual, as defesas psicológicas, a irritabilidade e a raiva espontâneas, o desejo urgente de se retirar, as dúvidas, os medos e a falta de fé no amor e nas outras pessoas, na vida ou em um poder superior.

Nessa luta para se livrar ou transcender nosso passado, o amor pode nos ajudar a centrar nossa mente e coração como sendo um. O amor cria uma completa falta de contradição ou oposição entre nossos pensamentos e sentimentos, e entre nossos desejos por nós mesmos e para o que e quem amamos. Quando nos permitimos experimentar o amor, talvez, pela primeira vez em nossas vidas estamos livres de ambivalência ou contradições internas.

Uma vez que tenhamos estabelecido um relacionamento de confiança e amor com uma pessoa ou com um empreendimento, podemos começar a resolver qualquer conflito crescente ou ameaçador, lembrando-nos de nossos sentimentos de amor e deixando-nos revivê-los. No momento em que nosso conflito com um ente querido parece impossível de de ser resolvido, e quando nos balançamos à beira da indignação ou do desespero, lembrar-nos de reviver nosso amor pode rapidamente nos fazer mudar de opinião.

Quando experimentamos o amor – quando a outra pessoa parece ser um tesouro e um presente bom demais para se merecer, quando a mera presença da outra pessoa nos traz alegria, quando simplesmente pensar no outro nos faz felizes – mergulhamos na pura realidade do amor. Nessa realidade, o amor pode resolver quase qualquer conflito. O trabalho, geralmente trabalho muito duro, é necessário para evitar que nossas inevitáveis falhas humanas minem ou destruam as novas e grandes oportunidades em um relacionamento amoroso ou em nosso amor por qualquer aspecto significativo da vida. Mas o esforço necessário para abrir caminho para o amor pode se tornar o esforço espiritual mais valioso de nossas vidas.

Abrindo caminho para o amor

O amor que sentimos nos faz nutrir a pessoa ou a atividade que amamos, colocando seus interesses ou necessidades em pé de igualdade com os nossos e às vezes à frente dos nossos. Como podemos permanecer atolados em maus sentimentos ou recriminações, como podemos nos reter e permanecer egocêntricos, quando o amor nos ordena a manter o bem-estar de outra pessoa pelo menos igual ao nosso?

O amor oblitera os limites e restrições familiares dentro dos quais nós e aqueles que nos rodeiam vivemos e imaginamos. Ao fazê-lo, produz turbulência em nossas vidas pessoais e, muitas vezes, na vida de outras pessoas. O amor pode derrubar instituições e filosofias e mudar o curso da humanidade. Essas mensagens estão no cerne da história de Romeu e Julieta, um conflito entre jovens imaturos e ainda intensamente amorosos e os preconceitos e restrições de suas famílias rivais. Seu amor e suas mortes trágicas inspiraram a união de suas famílias.

Nas vidas dos grandes reformadores e revolucionários que eu admiro, de George Washington a Lincoln, de Frederick Douglass a Harriet Tubman, e de Gandhi a Martin Luther King Jr., o amor venceu qualquer ódio ou desejo de vingança que esses heróis possam ter abrigado para aqueles a quem eles confrontaram ou lutaram. Em seu esforço para criar um mundo melhor, cada um deles se recusou a ser motivado por raiva, ódio ou vingança contra aqueles a quem se opunham em nome da liberdade. Cada um deles trouxe uma atitude de perdão e amor aos seus esforços, mesmo quando eles persistiram em arriscar suas vidas lutando pela liberdade. Muitos atribuíram sua determinação de substituir o ódio com amor pelos ensinamentos das Bíblias hebraica e cristã.

Originalmente, meu próprio trabalho de reforma foi motivado por um emaranhado de idealismo, empatia de ressentimento egocêntrico e raiva pelas injustiças da vida. O ressentimento e a raiva me esgotaram e às vezes me levaram a más escolhas, especialmente em dar voz ou agir sob a frustração e o ultraje que eu sentia. Eu finalmente percebi que eu só poderia sustentar e guiar uma vida inteira de trabalho de reforma, voltando-me cada vez mais para a empatia e o amor como minha motivação e como meu ideal para influenciar outras pessoas.

Tornando-se uma fonte de amor

Do amor romântico ao trabalho de reforma idealista, o amor tem muitas expressões, mas sua fonte é sempre a mesma. O amor brilha a partir de nossos recursos internos mais profundos, nosso núcleo humano, nossa essência, nossa identidade, nosso eu, espírito ou alma. É como se estivéssemos dotados de uma lâmpada interna com um transformador que pudéssemos virar e desligar – ou desligar completamente, arruinando nossas próprias vidas e as vidas que tocamos. Nós somos essa fonte de luz; a chave liga / desliga está sempre em nossas mãos.

Nós somos, no nosso melhor, uma fonte de amor. Em nossos piores momentos, geramos ódio. Mas podemos estar ainda mais perdidos quando nos esgotamos e nos tornamos indiferentes e apáticos. Nesse estado sombrio de inércia espiritual, geramos pouco ou nada de valor. Como buracos negros no universo, podemos implacavelmente atrair todos ao nosso redor para o nosso abismo.

No entanto, mesmo em nossos dias mais sombrios, há boas razões para ter esperança. O grau de sofrimento que sentimos, incluindo a nossa ‘depressão’ e ressentimento, reflete a intensidade do nosso desejo de uma vida melhor para nós e para os outros. Se não desejássemos e vislumbrássemos algo melhor para nós mesmos e para o mundo, algo muito melhor, não sofreríamos tão profundamente quanto sofremos com os fracassos, decepções e conflitos em nossas vidas.

Nisto, o que há de melhor da religião e da ciência está unido – os seres humanos prosperam quando sentem e agem sobre o amor. Charles Darwin, que muitas vezes é falsamente descrito como materialista e proponente do determinismo, descreveu como nós, seres humanos transcendemos as limitações da evolução biológica e dos instintos sociais. Darwin concluiu que a evolução biológica por si só não poderia ter criado nossa compreensão do amor e a nossa realização monumental na criação da Regra de Ouro – fazer aos outros como gostaríamos que os outros fizessem a nós. Essas conquistas exigiram Razão e uma compreensão espiritual do Amor.

Há amor romântico, que pode ocorrer à primeira vista ou com crescente familiaridade. Há amor pelas crianças, que pode florescer na gravidez e atingir o pico quando uma nova mãe leva o bebê ao peito. Há amor à natureza, amor à música ou à arte, amor ao nosso trabalho ou à criatividade, ou amor à vida. Há amor a Deus, ao Criador ou a qualquer força ou valor que identificamos como “Maior que Eu”.

Nossos animais de estimação podem se tornar nossos melhores lembretes sobre a pureza do amor incondicional, sem as ambivalências e condições que os humanos impõem a ele. Nossos cães expressam especialmente alegria pura à vista de nós e a pura alegria é provavelmente a expressão final do amor. Às vezes tenho definido o amor como uma consciência alegre. O amor como uma consciência alegre talvez não seja em nenhum outro lugar expresso com mais fervor e beleza do que em formas de arte como drama, poesia, hinos e cânticos espirituais. A arte como uma expressão de amor talvez seja insuperável, exceto, talvez, pela alegre cacofonia de latidos e uivos com os quais nossos três cães cumprimentaram a minha esposa Ginger hoje em seu retorno para casa depois de apenas duas horas de ausência.

Na minha vida profissional como psiquiatra, como amigo e membro da família, e em relação a mim mesmo também, descobri que, mesmo quando sofremos das mais terríveis reações emocionais, podemos começar a nos recuperar lembrando quem somos ou como podemos nos tornar uma fonte de amor.

Quase tudo o que chamamos de sofrimento emocional ou ‘distúrbios psiquiátricos’, independentemente de quão severos eles sejam, envolvem uma falha em dar e em receber amor. A experiência me ensina que é impossível ser amoroso e louco no mesmo momento. É igualmente impossível ser grato e deprimido ao mesmo tempo.

O sofrimento que aparentemente esmaga o espírito humano geralmente ocorre em reação a um profundo trauma, negligência ou perda. Quando entendemos o que esses indivíduos suportaram, muitas vezes começando na infância, seu sofrimento em retrospecto parece inevitável. Mas essa inevitabilidade não precisa determinar o futuro. Digo isso sobre mim mesmo e sobre todos que conheço em minha vida e trabalho: não importa o quanto nos sentimos sobrecarregados e desesperados, a recuperação e o crescimento dependem de nos tornarmos abertos a amar e ser amados, e milagres aparentes ocorrem quando os indivíduos mudam suas vidas em reconhecimento destas verdades.

Algo maior que nós mesmos?

Desde o ensino médio, eu era um orgulhoso agnóstico. Muitos anos depois, quando eu estava em atividade profissional há pelo menos uma década, um cliente me perguntou se eu sabia alguma coisa sobre Deus. Ainda sendo agnóstico na época, tudo o que pude fazer foi gracejar a respeito de Deus: “Eu sei que eu não sou Deus”. Meu cliente sorriu calorosamente e disse: “Peter, esse é um bom começo”.

A renovação da minha vida espiritual se intensificou quando encontrei Ginger novamente e desta vez encontrei a coragem de agir de acordo com meu amor por ela. Desde então, Ginger e eu sentimos que amar e ser amado inspira-nos continuamente com a crença em algo maior que nós mesmos. O amor pode tirar as pessoas de sua preocupação com os corpos e a existência material rumo a um alegre plano espiritual. Quer acreditemos na evolução ou em Deus como a fonte suprema de nossa natureza humana, quando amamos nos sentimos mais felizes em contato conosco e com o melhor que a vida pode oferecer.

O amor é o engajamento alegre da nossa alma com a vida e o amor em sua essência é inteiramente bom. O amor pode sentir-se como extático ou eufórico, excitante ou como aventureiro. Pode sentir-se alegre e feliz. Pode sentir-se seguro e protegido – como voltar para casa depois várias vezes ter sido tentado, ou encontrar simplesmente o sentido da vida.

Embora muitas vezes pareçamos confusos sobre isso, o amor em si não nos faz sentir miseráveis e desamparados. O amor não requer inevitavelmente sofrimento e sacrifício, perda e rejeição. Toda a dor e sofrimento associados ao amor tem a ver com a sua inibição, perversão e perda, e com todo o conflito que inevitavelmente desperta em nossas mentes conflituosas. O amor em si torna todas as coisas suportáveis e todas as esperanças possíveis.

Podemos triunfar sobre nosso legado de emoções negativas para nos tornarmos livres para amar. Uma chave é a nossa vontade e a determinação de nunca desistir do amor, apesar das ameaças e das perdas catastróficas. Quando em contato com nós próprios como fonte de amor, podemos manter a racionalidade e a força moral para administrar nossas vidas através dos maiores desafios.

Tendo vivido mais de oito décadas nesta Terra e tendo atravessado pelo desespero na maior parte de suas manifestações, tenho isto a recomendar: Atreva-se a reconhecer o amor. Atreva-se a dar e receber amor. Em seguida, faça o trabalho necessário para construir relacionamentos amorosos e uma vida baseada no respeito mútuo, na razão e no comportamento ético sadio. Deixe seus propósitos e sua vida serem infundidos pelo amor.

Deixe uma resposta