Por que nós estamos fundando um Instituto para a Liberdade Científica

0
374

peter-gotzscheA liberdade científica, a honestidade e a integridade estão constantemente sob ataque, particularmente na área da saúde, que é dominada pela indústria farmacêutica e por outros interesses econômicos. Como tenho documentado em meus livros e em outros lugares, o resultado disso é que nossos medicamentos prescritos são a terceira principal causa de morte , depois de doenças cardíacas e câncer, e que o uso de drogas psiquiátricas faz mais mal do que bem. O jornalista científico Robert Whitaker mostrou que, em todos os países onde essa relação foi examinada, a quantidade de pessoas com pensão por invalidez devido a problemas de saúde mental aumentou ao mesmo tempo em que o uso de drogas psiquiátricas aumentou. O psiquiatra Peter Breggin mostrou que provavelmente todas as drogas psiquiátricas podem causar comprometimento cerebral de longa duração , o que pode explicar por que o uso dessas drogas torna difícil para as pessoas viverem uma vida normal.

Problemas com a confiabilidade da pesquisa não se limitam ao campo da saúde. Eles são abundantes em todos os lugares, e muitas vezes as pessoas que chegam a resultados indesejados estão sendo solicitadas a mudar os resultados de suas pesquisas por razões políticas, ou a não publicá-las para que as fontes de apoio financeiro à pesquisa não desapareçam.

A Cochrane Collaboration publica revisões sistemáticas dos benefícios e danos das intervenções de saúde. Eu co-fundei essa organização de base idealista há 25 anos. No entanto, ao atingir um certo tamanho, as organizações idealistas geralmente começam a operar de maneira diametralmente oposta à sua carta original. Eu acredito que isso também aconteceu para Cochrane. Fui eleito para o Conselho Diretor da Cochrane em janeiro de 2017 com o maior número de votos dos 11 candidatos, embora eu tenha sido o único que criticou a liderança da Cochrane em minha declaração eleitoral. Este foi um sinal de crescente insatisfação com a liderança entre seus membros.

Em retaliação por minha tentativa de mudar a Cochrane de volta às suas origens, fui expulso em 13 de setembro de 2018 da Colaboração Cochrane após um julgamento experimental conduzido pelo Cochrane Governing Board, que com toda a probabilidade foi ilegítimo.

Minha expulsão foi o resultado de uma luta pelo poder entre duas facções. Uma delas, liderado pelo CEO da Cochrane, Mark Wilson, que se opõe a debates científicos abertos sobre a qualidade e confiabilidade das revisões feitas pela Cochrane e enfatiza a ‘marca’ e o ‘negócio’ em vez de corrigir a ciência. A outra, liderado por mim, queria trazer Cochrane de volta aos seus valores centrais: livre debate científico; não haver conflitos de interesses financeiros para os autores das revisões Cochrane em relação às empresas cujos produtos eles avaliam; e abertura, transparência, democracia e cooperação. O caso foi amplamente abordado em revistas importantes, incluindo Science , Nature , BMJ e Lancet . (Para mais detalhes e uma linha do tempo de eventos, veja meu site Medicamentos Mortais.)

Apesar do grande apoio, perdi a luta pelo poder. Se é por isso que o serviço de saúde dinamarquês quer me demitir, então a Dinamarca apoia a nova linha de ‘uma só voz’ da Cochrane, a falta de debates científicos e as relações muito próximas à indústria farmacêutica, o que basicamente tornará a Cochrane supérflua.

Embora o escritório de advocacia contratado por Cochrane tenha me exonerado de todas as acusações que o conselho levantou contra mim, eu fui expulso, e meu empregador, o Rigshospitalet, acrescentou insulto à injúria ao anunciar que serei demitido, sem outra razãosenão que é isso que Mark Wilson quer. Sabemos disso porque meu advogado teve acesso à correspondência por e-mail por meio da Lei de Liberdade de Informação.

Infelizmente, o hospital quer agradá-lo. É escandaloso que uma pessoa em Londres interfira desta forma com assuntos internos em outro país e o emprego de uma pessoa que é assalariada do governo dinamarquês.

Os 31 diretores de centros na Espanha e na América Latina exigiram uma investigação independente do ‘processo’ da Cochrane contra mim, rejeitada pelo conselho porque tal investigação levaria ao seu anulamento. Reclamei à Charity Commission na Inglaterra sobre a grave falta administrativa cometida pelo CEO da Cochrane, Mark Wilson, e pelo Conselho Administrativo, na medida em que violaram todas as regras-chave para instituições da Charity e para a Cochrane.

Mais de 9000 assinaturas foram enviadas ao Ministro da Saúde dinamarquês com um pedido para anular minha demissão, com nomes proeminentes como o co-fundador da Cochrane, Sir Iain Chalmers, a editora-chefe do BMJ Fiona Godlee, a parlamentar Margrete Auken quem fez muito para disponibilizar dados aos pesquisadores, o psiquiatra David Healy, altamente respeitado como um dos maiores especialistas do mundo em drogas psiquiátricas, e o pesquisador de saúde mais citado do mundo, John Ioannidis, da Universidade de Stanford.

Acredito que minha iminente demissão é para silenciar uma voz importante no debate, assim como foi minha expulsão da Colaboração Cochrane. A liderança da Cochrane ficou muito aborrecida por eu ter publicado uma crítica bem fundamentada à revisão Cochrane das vacinas contra o HPV, e me disseram que é um mau comportamento criticar a ciência dos colegas quando você é membro do Conselho Administrativo ou Diretor da Cochrane. Obviamente, isso é censura científica.

Ao revisar os ensaios randomizados que recebemos da Agência Européia de Medicamentos (European Medicines Agency), mostramos que as vacinas contra o HPV podem causar sérios danos neurológicos, que as autoridades alegam que não existem. Estamos publicando isso, também em uma tese de doutorado, e apresentamos os resultados em nosso simpósio de 25 anos no Rigshospitalet em 12 de outubro.

Demitir-me envia o infeliz sinal de que, se os resultados de sua pesquisa são inconvenientes e causam turbulência pública, ou ameaçam os ganhos da indústria farmacêutica, com os quais estamos muito preocupados na Dinamarca, você será demitido. Surpreendentemente, muitos dos documentos que meu advogado obteve do Ministério por meio da Lei de Liberdade de Informação são artigos em que os agentes de saúde – por exemplo, psiquiatras, médicos com conflitos de interesses, Agências de Saúde e Medicamentos e editores de periódicos financiados pela indústria farmacêutica – tentam me descrever como indigno de confiança para a promoção de seus próprios interesses.

Ainda espero que a razão prevaleça e que eu não seja demitido, mas duvido. Os administradores preferem salvar o rosto em vez de admitir que estavam errados.

É sobre esse pano de fundo que Peter Breggin me sugeriu em novembro que deveríamos fundar um Instituto para a Liberdade Científica (Institute for Scientific Freedom) sob minha liderança em Copenhague. Vamos abrir este novo instituto em 9 de março de 2019, em conexão com uma reunião científica internacional. O anúncio da reunião pode ser encontrado aqui . Haverá excelentes oradores dos EUA, Europa e Austrália, incluindo Breggin e Whitaker. Ainda não decidimos como nos organizar, pois isso vai depender se eu for demitido ou não, mas temos grandes expectativas.

– – –

Nota dos Editores do Mad in Brasil:

Confira a Programação do Evento →

E a repercussão junto ao prestigiado periódico científico British Medical Journal →

Deixe uma resposta