Desenvolver Alternativas para o DSM é a demanda dos Psicoterapeutas

Um novo artigo sugere que os trabalhadores em saúde mental em geral e os psicoterapeutas estão insatisfeitos com os atuais sistemas de diagnóstico e descrevem algumas potenciais alternativas

0
340

Um novo artigo, publicado no Journal of Humanistic Psychology, destaca achados recentes que sugerem insatisfação dos psicoterapeutas com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, quinta edição (DSM-5). O artigo enfatiza a oportunidade de se desenvolver uma alternativa ao DSM-5, que o autor, psicólogo Jonathan Raskin, argumenta, deve incluir os seguintes cinco elementos:

  1. Colocar fatores psicossociais em pé de igualdade com fatores biológicos;
  2. Categorizar problemas, não pessoas;
  3. Ser cientificamente fundamentado;
  4. Ser desenvolvido de forma colaborativa;
  5. Ser utilizável em orientações, profissões e bases eleitorais .

“O fato de psicólogos e conselheiros estarem interessados ​​em alternativas sugere uma relação desconfortável entre psicoterapeutas e o modelo médico de diagnóstico do DSM que eles usam regularmente”, escreve Raskin, um terapeuta e professor de psicologia na SUNY New Paltz.

Desde a transição para sua quinta edição em 2013, o DSM  tem sido alvo de intensa crítica. Críticos têm desafiado a confiabilidade e a validade do manual, apontando os múltiplos conflitos de interesse envolvidos em seu desenvolvimento e têm pedido um boicote ao texto. Apesar dessas críticas, os terapeutas e assistentes sociais ainda permanecem amplamente dependentes do manual de acesso para o reembolso dos serviços prestados.

“Tanto os psicólogos quanto os conselheiros tiveram preocupações sobre o DSM-5, apesar de mais de 90% deles dizerem que planejam usá-lo, o que não é surpreendente, dada a sua centralidade em ajudar os profissionais a serem pagos”, escreve Raskin. “No entanto, quando perguntados, psicólogos e conselheiros expressaram apoio ao desenvolvimento de alternativas ao DSM.”

Os entrevistados levantaram preocupações sobre a falta de validade e confiabilidade no manual e destacaram a incongruência entre as classificações medicalizadas oferecidas pelo DSM-5 e a complexidade mais variada do sofrimento humano testemunhado na prática.

“Ao ver o sofrimento humano como uma função de cérebros danificados o DSM frequentemente negligencia a interação complexa e mutuamente determinante dos fatores psicológicos, socioculturais, contextuais e biológicos”, explica Raskin. “Embora o DSM não ignore completamente os fatores psicossociais, ele normalmente os trata como variáveis ​​externas que influenciam, mas são distintas, da suposta principal causa do sofrimento emocional: uma disfunção no indivíduo”.

Classificação Internacional de Diagnósticos , décima edição (CID-10) foi citada como alternativa ao DSM-5. No entanto, os críticos argumentam que a mudança não resolveria os problemas centrais do DSM-5.

“Mudar do DSM para o CID não é uma grande mudança, porque ambos os manuais são conceitualmente semelhantes, há até o compartilhamento dos mesmos códigos de diagnóstico. Ambos atribuem o sofrimento ao transtorno categórico que as pessoas têm e, ao fazê-lo, encobrem fatores psicossociais ”.

Outra alternativa ao DSM é a iniciativa Research Domain Criteria (RDoC). O objetivo do RDoC é “estabelecer raízes de categorias diagnósticas em etiologia biológica”. No entanto, Raskin argumenta que essa abordagem pode ser “equivocada porque pode não ser possível diagnosticar e explicar todas as formas de sofrimento humano em termos de processos biológicos subjacentes; crenças, cultura e espiritualidade podem ser fatores iguais ou mais importantes ”.

“Isso não é o mesmo que dizer que a biologia é irrelevante”, escreve Raskin. “Tudo o que as pessoas fazem está biologicamente baseado. Dito isto, a biologia é nem sempre um determinante unidirecional da emoção e do comportamento. Fatores psicológicos, sociais e contextuais influenciam a biologia tanto quanto a biologia os influencia ”.

Em seu artigo, Raskin descreve os elementos que um manual alternativo deve incluir. Ele argumenta que tal alternativa deve colocar os fatores psicossociais em pé de igualdade com os fatores biológicos, categorizar os problemas, não as pessoas, ser fundamentada cientificamente, desenvolvida de forma colaborativa e utilizável em todas as orientações, profissões e grupos constituintes. Ele faz as seguintes recomendações:

  1. Gerar um sistema que não esteja vinculado a nenhuma orientação teórica específica que não seja aquela que vê todas as formas de aconselhamento e psicoterapia como meio de usar uma combinação de conversação, envolvimento relacional e intervenção comportamental para ajudar os clientes a lidar com suas preocupações.
  2. Construir um sistema que envolva todos os grupos e profissões relevantes no processo de sua criação; isso significa não apenas envolver representantes das várias profissões de ajuda, mas também garantir um lugar à mesa para os usuários dos serviços e seguradoras que cobrem os serviços.
  3. Incluir uma maneira prática de os médicos codificarem as preocupações que as pessoas trazem para o consultório e fornecer evidências de que podemos efetivamente ajudar as pessoas com essas preocupações, e assim permitir que as seguradoras vejam que o está sendo oferecido está empiricamente apoiado e seus interesses financeiros respondidos.

Embora uma alternativa ao sistema atual demande muito esforço, artigos como o de Raskin estão levando a conversa adiante. Ele conclui:

“A mudança para desenvolver alternativas de diagnóstico é, reconhecidamente, uma tarefa desencorajadora. Se é para ocorrer um dia, devemos começar em algum lugar. Encorajo ainda se aprofundar a consideração dos elementos necessários para um esforço bem-sucedido”.

****

Raskin, J. D. (2018). What Might an Alternative to the DSM Suitable for Psychotherapists Look Like? Journal of Humanistic Psychology, 0022167818761919. (Link)

Deixe uma resposta