Nova revisão destaca os perigos da terapia eletroconvulsiva

Os dados mostram que mais de um terço dos usuários experimentam perda permanente de memória

0
2035

Os defensores da terapia eletroconvulsiva (ECT) afirmam que é segura e eficaz e que os efeitos colaterais são de curta duração. No entanto, uma nova revisão, publicada na revista Evidence-Based Mental Health, relata a probabilidade de comprometimento cognitivo e perda de memória permanentes após a ECT. O autor é o Dr. Dusan Kolar, do Departamento de Psiquiatria da Queen’s University, em Kingston, Ontário, Canadá.

Dr. Kolar escreve que “a ECT é um dos tratamentos mais controversos da medicina, particularmente por causa do mecanismo de ação ainda desconhecido e da incerteza sobre os efeitos colaterais cognitivos”.

“Os efeitos colaterais cognitivos da ECT são às vezes subestimados e podem durar muito mais tempo após o término do tratamento do que o esperado. Esses prejuízos cognitivos associados à ECT podem causar dificuldades funcionais significativas e impedir que os pacientes retornem ao trabalho ”.

Photo Credit: Pixabay

A eletroconvulsoterapia (ECT) envolve a estimulação elétrica do cérebro com a intenção de induzir convulsões. É frequentemente prescrita para pacientes com transtornos do humor – como depressão e transtorno bipolar -, geralmente em casos graves, com risco de suicídio ou que não respondem a outros tratamentos, como medicação ou psicoterapia. No entanto, é um tratamento controverso por natureza, devido ao seu mecanismo incerto de ação, ao risco de efeitos colaterais graves e à falta de dados sobre os riscos da terapia de manutenção ou a de longo prazo.

Dr. Kolar sugere que a prática atual de avaliar o comprometimento cognitivo e a perda de memória é inadequada e não identifica efeitos colaterais perigosos em pacientes submetidos à ECT. Outros pesquisadores notaram que a avaliação original dos efeitos colaterais da ECT não identifica amnésia. Segundo os pesquisadores, as alegações de que a ECT não introduz perda de memória de longo prazo e comprometimento cognitivo são “baseadas em medidas extremamente grosseiras da função mental, como o Mini-Exame do Estado Mental (MEEM) e outras escalas de rastreamento de demência” e “medidas muito simples e breves” que apenas detectam mudanças em habilidades bem estabelecidas, não em perda de memória.

Pesquisadores, incluindo o Dr. Kolar, descobriram que os pacientes rotineiramente recebem um consentimento informado inadequado que não menciona o risco de comprometimento permanente. Por exemplo, os formulários de consentimento fornecidos pelo órgão de licenciamento, a Associação Americana de Psiquiatria (APA), afirmam que “a maioria dos pacientes relata que a memória é melhorada pela ECT”. Mas os pesquisadores dizem que a declaração “é contradita por todas as pesquisas feitas com os usuários de serviços”, bem como pelos muitos achados na literatura de pesquisa. Os pesquisadores identificaram que mais de um terço dos pacientes experimentam perda de memória permanente. Essa contradição pode explicar por que eles também descobriram que “Metade das pessoas que receberam a ECT disseram que não receberam uma explicação adequada do tratamento”.

Nos últimos anos, os médicos vem tentando atenuar a possibilidade de perda de memória e comprometimento cognitivo, modificando a técnica de ECT (por exemplo, estimulando apenas um lado do cérebro de cada vez). No entanto, esses achados indicam que o tratamento ainda apresenta risco considerável. Além disso, essas modificações tendem a tornar o tratamento muito menos eficaz, distorcendo ainda mais a relação risco / benefício.

Dr. Kolar reconhece a utilidade da ECT para certas populações, mas sugere que os riscos do tratamento têm sido minimizados. Ele escreve: “Não há dúvida de que a ECT é eficaz e salva vidas para uma população selecionada de pacientes. No entanto, um bom equilíbrio entre benefícios sustentados e possíveis riscos ou efeitos colaterais cognitivos graves nem sempre é alcançado ”.

Ele sugere que ferramentas melhores para avaliar a perda de memória e o comprometimento cognitivo precisam ser usadas durante todo o curso do tratamento, e que as práticas de consentimento informado precisam ser atualizadas para incluir o risco muito real de efeitos colaterais permanentes.

****

Kolar, D. (2017). Current status of electroconvulsive therapy for mood disorders: A clinical review. Evid Based Ment Health, 20(1), 12-14. doi: 10.1136/eb-2016-102498 (Abstract)

Artigo anteriorDebatendo Sobre Eltroconvulsoterapia (ECT)
Próximo artigoRespostas ao Placebo Ativo Explicam Resultados dos Antidepressivos?
Peter Simons
Peter Simons MIA-UMB News Team: Peter Simons tem formação em ciências humanas onde estudou inglês, filosofia e arte. Agora está em seu doutorado em Psicologia de Aconselhamento, sua pesquisa recente tem se concentrado em conflitos de interesse na literatura de pesquisa psicofarmacêutica, o uso de medicamentos antipsicóticos no tratamento da depressão, e as implicações filosóficas e sociopolíticas gerais da taxonomia psiquiátrica no diagnóstico e tratamento.

Deixe uma resposta