FDA aprova o uso da eletricidade no cérebro das crianças durante toda a noite

0
393

Frente à nossa impotência para resistir a este último ataque aos direitos humanos feito às nossas crianças, totalmente vulneráveis e dependentes, promovido pela FDA, a psiquiatria, NAMI ( National Alliance on Mental Illness) e o big business, eu tive aquela terrível tipo de reação emocional de não saber se é para chorar ou para buscar um buraco na parede aonde se meter. É uma combinação de raiva e de pesar pelo ultraje enquanto pai, avô e terapeuta da infância e da adolescência já aposentado há um bom tempo.

A FDA acaba de aprovar a venda de um dispositivo elétrico chamado Monarch e TNS, fabricado pela empresa NeuroSigma de Los Angeles, para ser usado nos cérebros de crianças diagnosticadas com o chamado TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade).

O dispositivo Monarch eTNS tem o tamanho do seu celular, com um fio ligado a um eletrodo que fica preso na testa de uma criança de 7 a 12 anos, acima de suas sobrancelhas, durante toda a noite enquanto a eletricidade é liberada no nervo craniano do trigêmeo da criança e também ao seu vulnerável córtex pré-frontal – “ que envia sinais terapêuticos para as partes do cérebro que se acredita estarem envolvidas no TDAH ”, de acordo com o comunicado da FDA.

“Sinais terapêuticos”? É mesmo?

As “partes do cérebro que se acredita estarem envolvidas no TDAH”? É mesmo?

Meu deus, o distópico 1984 de Orwell ou o Admirável Mundo Novo de Huxley está agora aqui. Faça você mesmo a sua escolha.

Eu digo: FDA, você deve provar essas afirmações ultrajantes de pseudociência sobre exatamente como essa corrente elétrica aplicada diretamente afeta cientificamente os cérebros das crianças.

Quando eu comuniquei essa notícia para o meu amigo Dr. Peter Breggin, ele disse que eu precisava estar em seu programa da Rádio Pública (Public Radio Network) para ajudar a soar o alarme sobre esse pesadelo aprovado pela FDA e “falar sobre todas as atrocidades que cometemos com os nossos filhos.” O conteúdo dessa entrevista com o meu amigo Peter, em uma hora intensa, você encontra aqui.

Quando terminamos, Peter afirmou que, por causa dos efeitos colaterais relatados pela FDA, como dor de cabeça, fadiga, ranger dos dentes, sonolência, aumento do apetite e insônia, causados ​​pela imposição deste novo ataque elétrico psiquiátrico ao córtex pré-frontal do cérebro das crianças, “Eu concluí que, sob a cobertura da psiquiatria, nós estaremos infligindo em nosso filhos ‘mini-lobotomias’ de proporções epidêmicas”.

Contra a ECT e os medicamentos prejudiciais usados pela psiquiatria, ninguém lutou mais por décadas do que Peter. Por favor, veja os vastos recursos disponíveis em seu site breggin.com.

Desde o início dos anos 80, fui terapeuta trabalhando com crianças e adolescentes de 3 a 18 anos. Eu nunca diagnostiquei uma criança ou adolescente com o chamado TDAH, ou com o rótulo que muitas vezes vem em seguida, o chamado transtorno bipolar, no grande sistema de saúde mental do setor público, onde trabalhei por 28 anos – ou mesmo depois. (Veja meu artigo, “Will Psychiatry’s Harmful Treatment of Our Children Bring About Its Eventual Demise?”).

Eu nunca encaminhei nenhuma dessas crianças ou adolescentes para medicação psiquiátrica de qualquer tipo. (Veja ” “Why Parents Give Amphetamines and Other Risky Psychiatric Drugs to the Children They Love”).

Assim, quando os pais assustados vêm até a mim dizendo que os professores sobrecarregados estão exigindo que seu filho seja visto por um médico e avaliado para TDAH, e então que sejam colocados em estimulantes baseados em anfetaminas como Ritalina e Adderal, eu vou à escola com os pais para convencer os professores e o diretor de que os recursos psicossociais, como a terapia familiar e individual, poderiam ajudar a aliviar o comportamento inquieto e muito ativo da criança que estava perturbando o professor no ambiente caótico de sala de aula, muitas vezes superlotado e superestimulante. Eu também gostaria de obter apoio dos pais de grupos progressistas, não grupos de pais do NAMI – que não são confiáveis e promovem o modelo de doença psiquiátrica.

Além disso, quando os pais vêm até mim e dizem que o psiquiatra infantil a quem acabaram de levar seu filho para ver para uma avaliação do TDAH, que depois de cinco minutos abriu a gaveta da mesa e depois e macabramente tirou um modelo de plástico do cérebro de uma criança e disse: “Aqui é onde há um problema de TDAH com seu cérebro que a medicação que eu vou te dar hoje vai consertar”, eu contesto veementemente. Quando ouvi recentemente essa terrível história de um dos pais, pedi novamente que iniciassem a terapia familiar e infantil e que comparecessem aos grupos de apoio dos pais para ajudar a evitar que a medicação baseada na anfetamina fosse prescrita para o filho.

Os chamados “efeitos colaterais” prejudiciais das drogas estimulantes à base de anfetaminas que Peter Breggin documentou tão completamente são realmente os efeitos reais das drogas.

Mas o mesmo acontece com os chamados efeitos colaterais relatados no novo dispositivo de tratamento doméstico do cérebro elétrico da Monarch. Mais uma vez, esses efeitos reais inaceitáveis ​​são “sonolência, aumento do apetite, dificuldade em dormir, ranger dos dentes, dor de cabeça e fadiga ”.

A FDA também surpreendentemente declarou sobre o dispositivo Monarch eTNS: “Nenhum evento adverso grave foi associado ao uso do dispositivo.” O que eles querem dizer com “eventos adversos sérios” se os terríveis efeitos das correntes elétricas enviadas ao cérebro, listados acima, não são o suficientemente sérios? Para os apologistas psiquiátricos da FDA, a falta de um “evento adverso grave” significa que nenhuma das crianças no experimento de pesquisa Orwelliano entrou em convulsões, ficou cega ou morreu devido à eletricidade que atingiu seus cérebros vulneráveis ​​em desenvolvimento durante toda a noite? (Ver  “Should Children Have Consent Rights For Psychosurgery, ECT and Sterilization?”)

E obter isso – nos estudos de pesquisa onde apenas 30 crianças rotuladas e estigmatizadas receberam o tratamento elétrico em casa em vez do outro grupo que recebeu placebo; o FDA nem sequer reluta quando relata que a resposta terapêutica “pode levar até 4 semanas para se tornar evidente. ”

Assim, todas as noites durante um mês, os pais são instruídos e devem enviar eletricidade para o cérebro da criança em casa enquanto a criança dorme, e os pais esperam os supostos resultados enquanto o filho sofre os efeitos reais (não os chamados efeitos “colaterais” ) da eletricidade nociva. Receber essa corrente elétrica é descrito pelas crianças como sendo uma experiência desagradável, ao sentirem como tendo uma constante “sensação de formigamento” em suas testas, de acordo com o comunicado de imprensa da FDA.

Tudo isso está acontecendo contra o pano de fundo dos diagnósticos de TDAH, que cresceu em até 30% em oito anos, devido ao impulso de drogas baseadas em anfetaminas pelas empresas farmacêuticas e à cumplicidade da psiquiatria e de incontáveis ​​pediatras, além do ataque político do NAMI que tem pressionado para garantir que todas as crianças sejam avaliadas quanto aos distúrbios cerebrais biogenéticos psiquiátricos, o que a NAMI tão absolutamente acredita existir.

Uma em cada cinco crianças tem o diagnóstico de TDAH nos EUA agora. São seis milhões de crianças pequenas!

O Centro de Controle de Doenças emitiu um alerta nacional quando descobriu que mais de 10.000 crianças com menos de três anos de idade tinham sido diagnosticadas com TDAH e estavam sendo prescritas para uso off-label de drogas à base de anfetamina, como Ritalin e Adderal.

Inicialmente, fiquei surpreso com o fato de a grande indústria farmacêutica não haver bloqueado o desenvolvimento e a aprovação da FDA para o dispositivo elétrico doméstico da Monarch, que pensei que iria cortar o monopólio do mercado de TDAH das empresas, mas Peter Breggin disse que esse dispositivo elétrico está voltado para a própria indústria farmacêutica, para 20% das crianças que não respondem às drogas anfetamínicas. (No entanto, como ele apontou, “Não há evidências de que nenhuma das crianças seja ajudada pelas drogas”.)

Finalmente, a FDA relata inacreditavelmente que “o mecanismo exato do TNS ainda não é conhecido”. No entanto, eles ainda o aprovaram para venda e afirmam escandalosamente que ele envia “sinais terapêuticos” para as partes do cérebro associadas ao TDAH.

É uma séria tragédia ao fazer que esse dispositivo perigoso tenha sido aprovado para venda para uso pelo seu psiquiatra infantil local, pelo médico de clínica geral ou pelo pediatra.

Por favor, protestem contra o uso deste novo dispositivo em nossos filhos de qualquer maneira que esteja disponível para você.

Deixe uma resposta