Carta de William James para sua filha deprimida

0
284

Se você descobrir que seu filho está sofrendo de depressão, que palavras sábias você pode compartilhar? Sabemos, é claro, o que a indústria farmacêutica gostaria que você dissesse: “Você está passando por uma doença mental e temos que levá-lo a um psiquiatra o mais rápido possível, para que possamos obter uma receita para um antidepressivo”.

A principal maneira pela qual essa indústria de milhões de dólares e seus psiquiatras aliados buscam motivar os pais é explicar que ‘a depressão não tratada está associada a um aumento do risco de suicídio’. Isso parece funcionar, porque os pais tendem a saltar dessa declaração para o pensamento de que o tratamento com os chamados antidepressivos elimina esse risco ou o reduz significativamente. Mas as evidências disponíveis sugerem exatamente o oposto: que o uso de antidepressivos não reduz o risco de suicídio e parece aumentá-lo, de acordo com alguns estudos. Ao mesmo tempo, esses medicamentos estão associados a vários efeitos colaterais preocupantes, e muitos acham que, uma vez que eles começam a usá-los, pará-los pode levar a reações horríveis de abstinência.

Muito antes de esses medicamentos se tornarem disponíveis, William James, indiscutivelmente o psicólogo americano mais brilhante de todos os tempos, foi forçado a resolver esse problema quando sua filha de 13 anos, Peg, começou a lutar com a melancolia. Isso foi em maio de 1900, enquanto James estava sofrendo de problemas cardíacos. Depois de não conseguir um atendimento satisfatório dos médicos nos Estados Unidos, ele e sua esposa foram à Europa para ver se ele poderia encontrar um médico mais útil. Peg ficou com amigos da família, Sr. e Sra. Clarke, e seus filhos. Ao receber várias cartas de Peg expressando as dificuldades pelas quais estava passando, James escreveu uma resposta longa e atenciosa, que apresento para a consideração de vocês.

A carta

Querida Peg,

Sua carta chegou ontem à noite e explicou suficientemente a causa do seu longo silêncio. Evidentemente, você voltou a estar em mau estado de espírito e insatisfeita com o seu ambiente; e julgo que você ficou ainda mais insatisfeita com o estado interno de tentar consumir sua própria fumaça, sorrir e suportar, de modo a cumprir as ordens autoritárias de sua mãe feitas depois de você nos haver assustado com seus clamores trágicos e inexplicáveis em suas cartas anteriores. Bem! Acredito que você está tentando fazer o que um homem faz em circunstâncias difíceis, mas a pessoa aprende apenas gradualmente a fazer a melhor coisa; e o melhor para você seria escrever pelo menos semanalmente, mesmo que seja um cartão postal, e dizer como as coisas estão indo. Se você estiver de mau humor, não há mal algum em comunicar esse fato e definir o caráter dele ou descrevê-lo exatamente como você gosta. O ruim é derramar o conteúdo dos nossos demônios sobre os outros e deixá-los com eles, por assim dizer, nas mãos deles, como se fosse para eles fazerem algo a respeito. Foi isso que você fez em sua outra carta que tanto nos assustou, porque seus gritos de angústia eram tão excessivos e inexplicáveis ​​diante de qualquer coisa que você nos tenha de fato dito, e que nós não sabemos, mas é como que de repente você havia ficado louca. Esse é o pior tipo de coisa que você pode fazer. O tipo de coisa do meio é o que você faz dessa vez – a saber, ficar em silêncio por um período de duas semanas e, quando você escrever, ainda escreva misteriosamente sobre suas mágoas, não suficientemente esclarecidas.

Agora, minha querida garotinha, você chegou a uma época em que a vida interior se desenvolve e quando algumas pessoas (e no geral as que têm mais destino) descobrem que nem tudo é um canteiro de rosas. Entre outras coisas, haverá ondas de tristeza terrível, que duram algumas vezes por dias; e insatisfação consigo mesma, irritação com os outros e raiva com as circunstâncias e a pedregosa insensibilidade etc., etc., que juntos formam uma melancolia. Agora, por mais doloroso que seja, isso nos é enviado para uma iluminação. Sempre passa, e aprendemos sobre a vida com ela, e devemos aprender muitas coisas boas se reagirmos corretamente.

Da margem] (Por exemplo, você aprende o quão boa é sua casa, seu país e seus irmãos, e você pode aprender a ser mais atencioso com outras pessoas que, agora você aprende, podem ter suas fraquezas internas e sofrimentos também.)

Muitas pessoas sentem um prazer doentio em abraçá-lo; e alguns sentimentais podem até se orgulhar disso, como mostrando um bom tipo de sensibilidade dolorosa. Essas pessoas habitam regularmente a luxúria da angústia. Essa é a pior reação possível. Geralmente é um tipo de doença, quando a fortalecemos, decorrente do organismo ter gerado algum veneno no sangue; e não devemos nos submeter a ela uma hora a mais do que podemos evitar, mas aproveitar todas as chances de assistir a algo alegre ou cômico ou de participar de algo ativo que nos desvie desse medíocre sentimento interior. Como eu disse, quando passa sabemos mais do que sabíamos antes. E devemos tentar fazê-lo durar o mais curto tempo possível. O pior de tudo é que, enquanto estamos nele, não queremos sair disso. Nós odiamos isso e, no entanto, preferimos permanecer nele – isso faz parte da doença. Se nos encontrarmos desse modo, devemos nos obrigar a fazer algo diferente, encontrar pessoas, falar alegremente, nos dedicar a algum trabalho duro, nos tornar doce, etc .; e essa boa maneira de reagir é o que faz de nós um personagem valioso. A doença faz você pensar em si mesmo o tempo todo; e a saída é manter-se o mais ocupado possível, pensando nas coisas e nas outras pessoas – não importa qual seja o problema conosco.

Não tenho dúvida de que você está indo tão bem quanto sabe, minha queridinha Peg; mas temos que aprender tudo, e também não tenho dúvidas de que você saberá lidar melhor com tudo isso se voltar a experimentar, e logo desaparecerá, simplesmente deixando-a com mais experiência. O melhor para você agora, suponho, seria entrar o mais amigável possível no interesse das crianças Clarke. Se você gosta deles, ou agir como se gostasse deles, não precisa se preocupar se eles gostam de você ou não. Eles provavelmente irão, rápido o suficiente; e se não o fizerem, será o funeral deles, não o seu. Mas essa é uma ótima palestra, então vou parar. O melhor de tudo é que tudo isso é verdade….

Neste ponto da carta, James muda de assunto, explicando como está o tratamento para o problema cardíaco, o que ele tem feito para lidar com as coisas em casa, mesmo estando a milhares de quilômetros de distância, e expressando frustração com o frio, clima sem sol. Ele então conclui:

Sua mãe está dormindo e, sem dúvida, acrescentará uma palavra a isso quando acordar. Mantenha um coração alegre – “o tempo e a hora atravessam os dias mais difíceis” – e acredite em mim sempre como sendo o seu mais amoroso.

W.J.

Interpretação

A carta começa como resposta a uma carta que Peg escreveu aos pais depois de um longo silêncio. Aparentemente, ela foi levada a ficar em silêncio por causa de sua mãe, pedindo que, quando estivesse com um mau humor, tentasse “consumir sua própria fumaça”, sorrir e suportar.

Para aqueles que não estão familiarizados com a frase, significa aceitar agravos em silêncio e reagir com um esforço extra de trabalho duro, para que aqueles a seu redor não fiquem aborrecidos com a fumaça, a poeira e a fuligem de suas queixas. Claramente, James não estava satisfeito com essa abordagem. Assim, ele explica a Peg que a melhor coisa a fazer é se comunicar com os pais pelo menos semanalmente falando sobre como ela está, incluindo que compartilhe com eles se estiver de mau humor e descrevendo exatamente como ela gostaria que fosse.

As próximas palavras de James parecem contraditórias. Ele diz a Peg que a pior coisa para ela fazer é despejar os conteúdosde seu mau humor nos outros. E então ele escreve que, porque ela se refere à sua tristeza em sua carta mais recente de uma maneira muito misteriosa, ele deseja que ela seja mais aberta sobre isso.

Não tenho muita certeza de que distinção James estava tentando fazer aqui. Meu palpite é que ele estava tentando esclarecer o significado da carta anterior de sua esposa, o que levou Peg a interromper a comunicação por muito tempo.

James, no final, opta pot incentivar Peg a expressar o que ela está passando no modo como desejar. Gosto disso, principalmente se o que ela expressa é para ser recebido com empatia e amor. Observe que James assina sua carta com as palavras: “… acredite em mim sempre o seu W.J mais amoroso”. Acho que isso soa exatamente no tom certo.

Em outras partes da carta, James começa a considerar a experiência de Peg útil para produzir “uma iluminação”, se “reagirmos corretamente”. O caminho errado, segundo James, é adquirir o hábito de aceitar a aflição sem fazer nada construtivo sobre isso. O caminho certo é “aproveitar todas as chances de assistir a qualquer coisa alegre ou cômica ou participar de qualquer coisa ativa que nos desvie do nosso estado de sentimento interior mesquinho e insignificante”.

É interessante que James sugira que, quando agimos de maneira errada, “geralmente é uma espécie de doença, quando a fortalecemos, decorrente do organismo ter gerado algum veneno no sangue”. Dois anos depois, em seu livro clássico The Varieties of Religious Experience, ele se refere a esse tipo de teoria biológica como “simplória” e “conversa médica superficial”. Para explicar sua posição, ele escreveu que muitos indivíduos chamados de “saudáveis mentalmente” acreditam que aqueles que se preocupam têm uma ‘mente mórbida’ e ‘doente”, mas pode muito bem ser verdade que ‘o significado do mundo chegue ao nosso lar quando o colocamos mais no coração”. Como James, vejo que enquadrar essas experiências desafiadoras como um tipo de doença é falsificar a realidade. É muito mais útil ver essas experiências como ferramentas úteis que, se bem administradas, podem potencialmente nos fornecer alguma iluminação.

Também concordo que existe uma maneira certa e uma maneira errada de lidar construtivamente com nossos sentimentos de aflição, mas talvez sejamos diferentes em alguns aspectos específicos do que deva ser visto como errado. James afirmou na carta que devemos tentar fazer com que nossos sentimentos tristes durem o mais breve possível e não uma hora a mais do que podemos evitar.

Acredito que, em vez de lutar contra esses sentimentos deprimidos, devemos nos dar um tempo para estarcom eles, como faríamos se um velho amigo viesse nos visitar. Podemos passar esse tempo observando, de maneira não julgadora, as emoções que flutuam através de nós de maneira semelhante a um cientista observando um bando de pássaros voando no céu distante. Quando se trata de luto, não precisamos definir um prazo artificial para o qual “deveríamos” terminar o processo.

No entanto, assim como quando um amigo nos visita, depois de um tempo reconhecemos que é melhor seguir para outras atividades valiosas, exatamente como James recomenda. Porém mais tarde, porém, podemos voltar a nos deixar levar algum tempo para ficar com nossos sentimentos tristes mais uma vez, indo e voltando assim até que as partes mais difíceis dessas experiências tenham passado. Para mim, reservar um tempo para ficar com meus sentimentos como esse e também reservar um tempo para responder como sugere James, funciona muito bem. Da mesma forma, se pudermos ensinar nossos filhos a aceitar e lidar com esses fluxos e refluxos, é provável que beneficie a nós e a eles.

Não estou sugerindo que James discordaria de mim sobre esse assunto. Ele escreveu sua carta para Peg quando ele não estava se sentindo bem e, em um ou dois dias, com mais tempo para refletir, sem dúvida teria acrescentado muito mais nuances a esse tópico, algumas das quais poderiam estar de acordo com as minhas próprias visões.

Embora a carta não deva ser vista como um relato completo da posição de James sobre o que dizer a uma criança em circunstâncias semelhantes, ofereço-a porque fornece algumas ideias relevantes para os pais do século XXI que devem ser consideradas ao decidir qual a melhor forma de responder aos dilemas de seus filhos.

Deixe uma resposta