Diretrizes belgas recomendam que “as categorias do DSM não estejam no planejamento da Assistência em Saúde Mental”

O Conselho Superior de Saúde da Bélgica documenta numerosos problemas com a base de evidências nos manuais usados para diagnosticar “doenças mentais” e alerta contra seu uso.

0
162

Um relatório do Conselho Superior de Saúde da Bélgica (CSS) aconselha o governo sobre os problemas que afetam o atual modelo de diagnóstico do tratamento em saúde mental e faz recomendação para o não uso de categorias do DSM e CID para tratamento individual.

“O CSS observa que as ferramentas mais usadas para diagnosticar problemas de saúde mental (o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM – ou a Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde – CID – apresentam vários problemas e recomenda que sejam usado com cautela e que as categorias do DSM não estejam no centro do planejamento do atendimento”.

Photo Credit: Wikipedia Commons

O grupo de trabalho que compôs esse relatório incluiu pessoas com ‘formação em psiquiatria, expertise de experiências vividas, psicologia, sociologia e filosofia’.

O CCS identifica várias falhas na lógica e nos métodos dos manuais usados para diagnosticar pessoas com problemas de saúde mental.

  • O DSM e o CID baseiam-se na ideia de transtornos distintos categoricamente diferentes do funcionamento ‘normal’, tornando-os ‘doenças’. No entanto, todas as pesquisas sugerem que há uma sobreposição significativa entre os diagnósticos, muitos dos quais compartilham os mesmos critérios de diagnóstico.
  • Além disso, a diferença entre alguém com um diagnóstico e alguém supostamente ‘saudável’ é uma questão de grau – todos têm esses pensamentos e comportamentos, mas são diagnosticados como transtornos tomando como base no impacto que causam na vida cotidiana.
  • O DSM e o CID reforçam a noção de transtornos (distúrbios) biomédicos, apesar de a falta de evidências de problemas de saúde mental serem neurobiológicos. De acordo com o relatório, o ” ‘pensamento único’ (onde a suposição é de que a causa está puramente no cérebro ou nos genes) não tem base científica ”.
  • O modelo biomédico é promovido como capaz de diminuir o estigma – mas os pesquisadores mostraram repetidamente que as explicações biomédicas para problemas de saúde mental aumentam consistentemente o estigma de leigos e até de profissionais de saúde médica e mental.
  • As categorias de diagnóstico são inúteis para os indivíduos, uma vez que “não fornecem uma imagem dos sintomas, necessidades de manejo e prognóstico porque não têm validade, confiabilidade e poder preditivo”. Por exemplo, uma pessoa com diagnóstico de depressão pode estar dormindo totalmente durante o dia, sem comer e sentindo-se suicida, mas ainda capaz de experimentar atividades agradáveis. Outra pessoa pode ter insônia, comer demais, não se sentir suicida, mas não sente prazer nas coisas de que gostava – o mesmo diagnóstico, com duas experiências completamente diferentes.
  • Devido a essas preocupações, o CCS recomenda que “é mais útil entender a combinação de fatores que causam e manter os sintomas do que identificar uma categoria”.

O CCS argumenta ainda que o DSM é tão fundamentalmente defeituoso que não pode ser corrigido sem uma mudança completa de paradigma na maneira como documenta a saúde mental.

“O instrumento apresenta uma série de problemas fundamentais em termos de epistemologia, validade e confiabilidade. Estimamos que a qualidade do instrumento em sua configuração e forma atual não possam ser substancialmente melhoradas. ”

O  CCS pede uma reversão completa na maneira como o tratamento de saúde mental é buscado, obtido e reembolsado. Eles recomendam que um diagnóstico de saúde mental não seja necessário para que uma pessoa receba ajuda.

Eles recomendam que os problemas de saúde mental sejam tratados da seguinte maneira: uma narrativa dos problemas da pessoa, contextualizada com informações sobre as experiências de vida da pessoa, fornece a base para uma conversa sobre como será o “continuum que vai da crise para a recuperação”. Individual. A relação terapêutica é considerada a parte mais vital do processo de tratamento.

“Recomendamos considerar os transtornos psiquiátricos como interativos. Eles testemunham a luta entre pessoa e contexto, e as dificuldades vivenciadas na vida. Por um lado, eles testemunham a individualidade do estado mental de uma pessoa. Por outro lado, eles refletem os desafios que um indivíduo enfrenta em seu ambiente diário (como relacionamentos, circunstâncias sociais e costumes culturais). Além disso, queixas e transtornos psicológicos geralmente refletem uma luta com as incertezas existenciais humanas típicas. Esses componentes formam um todo sistêmico entrelaçado.”

****

Superior Health Council. DSM (5): The use and status of diagnosis and classification of mental health problems. Brussels: SHC; 2019. Report 9360. (Link)

Deixe uma resposta