Considerações para pesquisa com comunidades marginalizadas durante o COVID-19

A pandemia do COVID-19 coloca desafios à pesquisa com comunidades marginalizadas e aumenta as disparidades na saúde.

0
439

Um novo artigo, publicado na revista AIDS and Behavior, identifica desafios para pesquisas com comunidades marginalizadas durante a pandemia e o bloqueio devido ao COVID-19. Os pesquisadores, liderados por Jae Sevelius, do Centro de Excelência em Saúde Transgênero da Universidade da Califórnia, também propõem estratégias para apoiar pesquisas e participantes marginalizados. O artigo insta as instituições e os financiadores a fornecer um apoio robusto a esses pesquisadores e participantes da pesquisa. Eles escrevem:

“O recente surto de COVID-19 causou muitos problemas na vida das pessoas em todo o mundo e tem levado ao aumento de pesquisas focadas no tratamento das iniquidades em saúde. A pandemia e o fechamento de muitos sistemas, incluindo clínicas comunitárias, estratégias e serviços de de apoio, estão exacerbando ainda mais a experiência de marginalização de muitas comunidades.”

Tem sido negado às comunidades marginalizadas a participação plena nas principais atividades sociais, econômicas e culturais. No momento da pandemia atual, as desigualdades preexistentes são exacerbadas e a pesquisa sobre como lidar com as iniquidades em saúde tem sido igualmente afetada negativamente. Em particular, as pesquisas em comunidades de transgêneros e de diversidade de gêneros, bem como pesquisas sobre o HIV, enfrentam mais desafios do que nunca.

O artigo destaca três desafios centrais para a realização de pesquisas com comunidades marginalizadas durante a pandemia: desafios tecnológicos, desafios econômicos e comprometimento da segurança.

“Estamos vendo isso acontecer em nossa capacidade reduzida de manter conexão com os participantes das pesquisas e manter a continuidade de nossos esforços de pesquisa”, acrescentaram os autores.

Primeiro, muitas pessoas de comunidades marginalizadas não têm acesso a tecnologia ou habilidades tecnológicas para participar de pesquisas sob o bloqueio. Com as atuais políticas de saúde pública e diretrizes de distanciamento social, a maioria das atividades de pesquisa é forçada a ser conduzida on-line. No entanto, a pesquisa sugeriu que a pesquisa on-line e as abordagens de eSaúde são menos acessíveis para populações marginalizadas, como jovens LGBT, pessoas sem-teto e pessoas de cor. Os pesquisadores explicam:

“Eles podem ter o serviço telefônico ou o acesso à Internet interrompidos repetidamente devido à incapacidade de pagar as contas. Mesmo entre aqueles que podem ter acesso à Internet e a um smartphone ou computador, devido à marginalização educacional, muitas em nossas comunidades não possuem as habilidades tecnológicas necessárias para navegar em estudos on-line, assinar documentos eletrônicos ou ler e responder a pesquisas autoadministradas.”

A falta de acesso à pesquisa pode levar a desafios econômicos devido à perda de recursos financeiros. Mesmo que eles possam participar do estudo, o processo de reembolso por meio de sistemas on-line como PayPal tem sérias barreiras institucionais. Além disso, de acordo com o artigo, a maioria das pessoas de comunidades marginalizadas pode não ser elegível para programas como benefícios de desemprego, de modo que a interrupção de seus serviços de apoio habituais também está causando um impacto financeiro substancial.

Por fim, muitas pessoas de comunidades marginalizadas estão vivendo em condições em que não conseguem seguir as diretrizes de saúde e segurança pública do COVID-19. Por exemplo, os membros da comunidade que moram em abrigos ou se envolvem em trabalho sexual de sobrevivência estão expostos a um maior risco para sua saúde física e mental. A saúde física pode ser prejudicada pelo compartilhamento de espaços e, de outra forma, pode haver consequências para a saúde mental devido ao isolamento e à falta de serviços disponíveis durante o bloqueio.

Em resposta a esses desafios, os autores do artigo também propuseram várias maneiras de minimizar o impacto do COVID-19 em pesquisas com comunidades marginalizadas. Por exemplo, eles pediram colaboração com agências comunitárias na prestação de serviços de emergência e na adaptação de intervenções em telessaúde.

Para enfrentar as barreiras ao uso da tecnologia, eles sugerem a realização de intervenções de capacitação e o ajustamento do método para coletar dados de pesquisas on-line feitas por ligações telefônicas, o que provavelmente será mais acessível. Eles também recomendam o uso de mapeamento para identificar comunidades vulneráveis e os recursos disponíveis. As iniciativas de desenvolvimento de instrumentos e de suporte em saúde mental também são essenciais neste momento específico para as comunidades marginalizadas.

No final do artigo, os autores pediram um apoio sólido de suas instituições e seus financiadores para apoiar os participantes e pesquisadores da pesquisa. Eles concluem:

“Existem barreiras novas e intensificadas para a manutenção da continuidade da pesquisa com populações marginalizadas devido à pandemia global do COVID-19. É fundamental que as equipes de pesquisa não apenas sejam criativas sobre maneiras de alcançar, envolver e reembolsar nossos participantes durante esta crise, mas também encontrem maneiras de se reunir com as comunidades para criar, identificar e disseminar recursos para os mais necessitados. ”

****

Sevelius, J. M., Gutierrez-Mock, L., Zamudio-Haas, S., McCree, B., Ngo, A., Jackson, A., … & Stein, E. (2020). Research with Marginalized Communities: Challenges to Continuity During the COVID-19 Pandemic. AIDS and Behavior, 1. (Link)