Medicina Insana, Capítulo Um: O Modelo Médico da Saúde Mental Está Acabado

0
254

 

 

 

Nota do editor: Nos próximos meses, com a sua autorização, MadinBrasil publicará uma versão seriada do livro de Sami Timimi, Medicina Insana (Insane Medicine). Neste capítulo, ele fornece uma visão geral de como o modelo médico da saúde mental falhou. Todas as quartas-feiras, uma nova seção do livro será publicada, e todos os capítulos serão em breve disponibilizados em um único arquivo.

 

Dê uma olhada nas perguntas abaixo. Apenas para ver o que você pensa com base no que costuma ouvir em quaisquer fontes ou meios de comunicação que você segue:

  1. Em geral, qual dos seguintes fatores tem o maior impacto nos resultados do tratamento de problemas comuns de saúde mental?
  • A qualidade da relação entre o terapeuta e o paciente
  • Fatores externos à terapia, tais como as circunstâncias sociais da pessoa
  • Ter um tratamento específico para o diagnóstico dado, seja medicação ou psicoterapia
  • O número de sessões de tratamento assistidas
  1. Qual dos seguintes fatores (entre aqueles específicos do tratamento) tem o maior impacto nos resultados?
  • Ter um tratamento específico para o diagnóstico, seja medicação ou psicoterapia
  • Treinamento profissional do médico / terapeuta
  • Anos de experiência do médico / terapeuta
  • A qualidade da relação entre médico / terapeuta e paciente
  1. De acordo com a pesquisa, a seguinte percentagem de pessoas que entram nos centros comunitários de saúde mental nos EUA ou não estão a responder ao tratamento ou estão a deteriorar-se durante a prestação de cuidados:
  • 20-30%
  • 30-40%
  • 60-70%
  • 70-80%
  1. Os programas de educação pública que promovem a compreensão de que as doenças mentais são como as doenças físicas têm ajudado a diminuir o estigma:
  • Verdade
  • Falso
  1. Nas populações ocidentais, a relação entre o uso de tratamentos de saúde mental e pedidos de benefícios por invalidez como resultado de uma condição de saúde mental é que:
  • Maior uso de tratamentos de saúde mental está associado a taxas decrescentes de reivindicações de deficiência
  • Maior uso de tratamentos de saúde mental está associado ao aumento das taxas de reivindicações de deficiência
  • Não há correlação consistente entre os dois
  1. Em ensaios que compararam a eficácia de diferentes terapias, a terapia cognitiva comportamental (a forma de psicoterapia mais amplamente promovida e recomendada) foi considerada globalmente superior a outras psicoterapias para o tratamento da depressão:
  • Verdadeiro
  • Falso
  1. Os diagnósticos psiquiátricos são perturbações biológicas que foram estabelecidas através de investigação científica médica adequada:
  • Verdade
  • Falso
  1. O autismo não é uma condição médica estabelecida causada por anomalias no desenvolvimento do cérebro e do sistema nervoso:
  • Verdadeiro
  • Falso
  1. Há uma forma confiável de distinguir entre a depressão clínica e a tristeza comum:
  • Verdade
  • Falso
  1. De acordo com a investigação, publicada em 2015, de um projeto nacional do Reino Unido para melhorar os resultados do tratamento para as crianças e adolescentes que frequentam os Serviços de Saúde Mental da comunidade, a percentagem que mostrou “melhoria clínica” do tratamento foi:
  • 16-43%
  • 26-53%
  • 6-36%
  • 36-63%
  1. De acordo com um estudo de 2018 que reavaliou pacientes que tinham completado o tratamento num dos serviços nacionais de psicoterapia ambulatorial do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (UK NHS), a percentagem avaliada como “recuperada” foi:
  • 33%
  • 9%
  • 6%
  • 53%
  1. Num inquérito de 2019 feito com 1000 jovens no Reino Unido, a percentagem seguinte acreditava que eles tinham atualmente ou anteriormente um transtorno mental:
  • 38%
  • 68%
  • 58%
  • 48%
  1. De acordo com um artigo com resultados de investigação feita em 2019, comparando os resultados do tratamento de doenças psiquiátricas infantis comuns em estudos realizados entre Janeiro de 1960 e maio de 2017, os resultados obtidos ao longo das quase seis décadas de estudos:
  • Os resultados dos estudos dos anos 60 foram os mesmos em termos de taxas de melhoria até 2017
  • Mais pacientes melhoraram nos estudos posteriores em vez de nos anteriores
  • Menos pacientes melhoraram nos estudos posteriores em vez de nos anteriores
  1. Em termos de taxas de recuperação e níveis de funcionamento, de acordo com o Estudo Piloto Internacional da Esquizofrenia da Organização Mundial de Saúde, os melhores resultados foram os seguintes:
  • EUA
  • Índia
  • Dinamarca
  • França
  1. A depressão clínica é causada por um baixo nível químico da “serotonina” que os antidepressivos podem corrigir:
  • Verdadeiro
  • Falso
  1. A relação entre os medicamentos comercializados como “antipsicóticos” e o tamanho do cérebro é:
  • Um encolhimento do tecido cerebral está associado ao uso de uma dose mais elevada de antipsicóticos durante mais tempo
  • Aumento do tecido cerebral está associado ao uso de uma dose mais elevada de antipsicóticos durante mais tempo
  • A inversão da perda de tecido cerebral observada numa doença psicótica está associada ao uso de uma dose mais elevada de antipsicóticos durante mais tempo
  • Não há associação entre o tamanho do tecido cerebral e o uso de uma dose mais elevada de antipsicóticos durante mais tempo.
  1. Aqueles categorizados como tendo uma Doença Mental Grave a longo prazo, em média, vivem:
  • 5-10 anos menos do que a média da população
  • 15 anos mais do que a média da população
  • 15-25 anos a menos do que a média da população
  • 5-10 anos a mais do que a média da população
  • O mesmo que a média da população.
  1. A ciência psiquiátrica não ajudou a avançar a nossa compreensão científica do sofrimento psíquico e não conseguiu descobrir quaisquer anomalias baseadas no cérebro:
  • Verdade
  • Falso
  1. A psiquiatria clínica tem ajudado a melhorar os resultados do tratamento da angústia mental:
  • Verdade
  • Falso

Continue a ler para começar a encontrar as respostas às perguntas acima.

O modelo médico da saúde mental está esgotado

Os principais serviços de saúde mental são um desastre. O problema não é o subfinanciamento ou a escala do desafio da saúde mental na sociedade. Não são as redes sociais, o estigma, a falta de educação, a falta de formação, a falta de médicos, ou a falta de terapeutas.

O problema que deve ser enfrentado antes de haver qualquer hipótese real de melhorar a prestação de cuidados de saúde mental é a ideologia dominante. São os conceitos de saúde mental, bem-estar mental, doença mental e transtorno mental que permeiam os nossos debates públicos. É a forma como viemos a falar e pensar sobre a saúde mental. São as narrativas a que o público é exposto, dia após dia, popularizando uma ideia iletrada e cientificamente iletrada de que sabemos que tipo de “coisa” é um transtorno mental, que é generalizado, e que necessita de diagnóstico, para que tratamentos eficazes possam ser fornecidos. É a expansão e comercialização sem fim dos chamados diagnósticos psiquiátricos, para que funcionem como marcas lucrativas em vez de categorias legítimas que ajudam a construir o conhecimento e a melhorar a prática clínica. É a ideologia que orienta os quadros de referência que organizam os serviços de saúde mental e as formações profissionais que aqueles que neles trabalham recebem.

A adaptação a estas ideologias dominantes e aos sistemas criados a partir delas não irá ajudar. Para limpar esta confusão abominável, temos primeiro de nos livrar das nossas formações, serviços, e cultura da pseudociência que nos proporcionou os resultados diabólicos que temos, onde os serviços são melhores para criar pacientes para o longo prazo, sendo lentamente envenenados com neurotoxinas erroneamente rotuladas como “medicação”, do que para aliviar o sofrimento compreensível.

É ainda pior do que isto. As nossas ideologias dominantes são diariamente gotejadas na nossa consciência, transformando-nos em doentes potenciais, alienando-nos das emoções comuns e compreensíveis, convencendo-nos de que temos transtornos mentais que precisam de especialistas, e aterrorizando-nos de que as nossas experiências (ou as experiências daqueles que amamos) são defeitos de um problema profundamente obscuro que espreita nas nossas mentes destroçadas e disfuncionais.

De que outra forma se explica uma pesquisa recente feita com uma amostra de mil jovens que revelou que 68% acreditavam que tinham ou haviam tido em algum momento um transtorno mental? Esqueça o falso [fake] 1 em 4 amplamente anunciado, isto está a aproximar-se do ponto em que apenas 1 entre 4 não terá experimentado um transtorno mental quando for um jovem adulto. Criámos, com as nossas ideologias astrológicas de saúde mental, um vasto mar de pessoas que acreditam estar quebradas, que veem a sua intensidade emocional como perigosa e como um corpo estranho a precisar de ser removido cirurgicamente, em vez de uma experiência humana a precisar de compreensões mais comuns.

Os serviços de saúde mental tornaram-se os porta-vozes de uma indústria de descontextualização e individualização da dor, do medo, da tristeza e da raiva, transformando tantas pessoas em encarnação das caricaturas com as quais as rotulamos. A indústria da saúde mental cria e solidifica os transtornos mentais que afirma aliviar. Está horrivelmente doente. Sente falta da resiliência natural das pessoas face a todo o tipo de adversidades (acreditando que a resiliência é algo que se pode ensinar em vez de inata e à espera de ser descoberta) e, em vez disso, esculpe abismos abertos de vulnerabilidade ao mesmo tempo que com condescendente paternalismo e simpatia.

As terapias que utilizamos (talvez com exceção de alguns aspectos da teoria psicanalítica e sistêmica) são apenas versões sistematizadas da “psicologia popular” ocidental; variantes com algumas regras e mudanças da linguagem para ser criada uma aura de perícia, profissionalismo e ciência. Como é desafiar o seu “pensamento disfuncional” para enfrentar os seus medos; como é criar um espaço de consideração positiva incondicional para acalmar as suas emoções (tal como através da “atenção plena” – “mindfulness”); assim como é focalizar os aspectos positivos até identificar traumas; tudo isto são, quando colocado em termos mais simples do quotidiano, coisas que reconheceríamos como do senso comum no cotidiano das culturas ocidentais.

De longe o pior modelo é a ideia de que os nossos transtornos mentais estão enraizados nos nossos genes e expressos em invasões alienígenas do nosso cérebro pela nossa biologia. Esta é apenas uma versão grosseira dos estados de possessão que criticamos em outras culturas pela sua estúpida superstição; a diferença é que nesta versão iluminada ocidental algo invisível irrompe da sua biologia e assume o seu corpo e mente. A nossa teoria modernista do vudu é indiscutivelmente mais sinistra, pois pelo menos a ideia de que um espírito externo toma conta da sua mente e do seu corpo cria espaço potencial para recuperação de um eu autónomo.

Mas este problema não vai durar. O atual “diagnóstico dominante seguido de um modelo de tratamento específico” que utilizamos está em seu fim.  Quer demore 5, 10, ou 50 anos, não há salvação para esses modelos. Desafios e alternativas estão a surgir de todas as direções, e embora ainda haja muito dinheiro a ser ganho com a comercialização de “rótulos” de diagnóstico e, portanto, poderosos interesses  envolvidos, a enganação não pode durar para sempre.

Da mesma forma que as economias neoliberais escrevem o seu próprio epitáfio através das contradições criadas pela desigualdade que geram, também a psiquiatria e os segredos sujos da indústria da saúde mental estão a ser expostos e o disparate pseudocientífico dos que governam o império está a tornar-se visível. Sem testes, sem marcadores biológicos, com resultados horríveis, com drogas que causam a morte precoce, com mais pessoas ficando incapacitadas após acessarem tratamentos de saúde mental, com uma cultura confusa quanto ao que é um transtorno mental e o que é a saúde mental. Tais evidências não podem dar sustentação às suas instituições para sempre, se não forem reconstruídas. E não serão.

Os fundamentos das nossas ideologias estão construídos sobre a ideia de que existe algo como um “diagnóstico psiquiátrico”. Para além das demências (onde também existem questões problemáticas, mas não as irei abordar neste livro), tecnicamente não existe tal coisa como um diagnóstico psiquiátrico. Ele existe no nosso discurso diário como um fato de cultura, moldando a forma como imaginamos o que é o funcionamento e a experiência “normal”, “vulgar” ou “compreensível”. Não existe da mesma forma que, digamos, uma perna partida ou uma pneumonia que existem como fatos da natureza.

Na medida em que você lê, você irá entender por que estou afirmando isso como um fato, em vez de uma opinião. Esse erro básico terrível tem tido consequências enormes, determinando nossas noções dicotomizadas de saudável e doentio, normal e anormal, esperado e desordenado.

Não há mais discussão ou debate a ser tido. Qualquer que seja a métrica que se utilize, pode-se ver que a ideologia fracassou. Mais do que fracassada – torna as coisas ainda piores. É tempo de seguir em frente e começar a imaginar o paradigma da saúde mental pós-médico/técnico.

Temos rótulos, não diagnósticos

Os diagnósticos psiquiátricos não são diagnósticos; são rótulos. Funcionam como rótulos de produtos como qualquer outro produto nos nossos mercados de exploração de consumidores com fins lucrativos. Apelam aos clientes com a promessa de que se comprar (literal e metaforicamente) e se identificar com esta ou aquela marca, os seus problemas de vida farão sentido e serão melhorados de alguma forma.

Como a maioria dos consumíveis de mercado, são objetos de fantasia e desejo; eles devem ter um prazo de validade limitado. Para que os mercados continuem a crescer é necessário convencer os seus clientes de que precisam dos seus produtos, e que irão continuar a precisar deles, esperançosamente com as atualizações regulares, para se manterem felizes. Os mercados desenvolvem-se então em torno de rótulos psiquiátricos; alguns rótulos criam enormes mercados no valor de milhares de milhões, desde produtos farmacêuticos, a serviços de “especialistas”, a terapias particulares, a institutos de investigação, a cursos, a formações, a livros, a diferentes materiais de autoajuda, e muito mais. Faça com que a sua marca cubra uma área de interesse público comum e o dinheiro e o costume fluirão.

Nesta cultura McDonaldizada há alguma satisfação imediata, mas a maioria tem a suspeita correta de que a utilização destes produtos para satisfazer é problemática a longo prazo.

Alguns rótulos psiquiátricos são mais rentáveis e mais difíceis de serem popularizados (tais como transtornos de personalidade e esquizofrenia), mas onde o mercado pode atingir as classes profissionais em número suficiente para permitir que o rótulo crie raízes, então também pode, em certa medida, influenciar o discurso público. Contudo, os rótulos que visam o humor, o stress e as inseguranças sobre si próprias nos adultos têm um enorme potencial. Da mesma forma, os rótulos que visam o comportamento e o desenvolvimento das crianças também têm um enorme potencial (a menos que estejam associados à culpa dos prestadores de cuidados).

Assim, rótulos fortes como Transtorno Bipolar, Depressão, Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade e Autismo, demonstram a sua popularidade pela sua rápida expansão na ausência de QUALQUER descoberta cientificamente tangível.

São as lacunas sociais e culturais de significado, a negação da ubiquidade da luta humana, a fantasia de Hollywood “se pode ter tudo aquilo com que se sonha”, numa economia orientada para o desempenho e, portanto, em um sistema de valores, que insuflam vida e dão vigor a estas ideologias de saúde mental, de resto fracassadas. Elas aproveitam as nossas experiências humanas universais de angústia e sofrimento, desde o mundano ao catastrófico, e sobrecarregam-nas com o nosso desejo de prazer e a ausência do sofrimento.

Sim, não é preciso sofrer nunca. O mundo das nossas emoções, intenções, pensamentos e crenças são apenas neurotransmissores que podem ser alterados, emoções desreguladas que podem ser reguladas, pensamentos disfuncionais que podem ser corrigidos. Os comportamentos são as manifestações destes processos internos e por isso são passíveis de manipulação por parte de especialistas. O sofrimento mental e os “desvios” comportamentais podem ser curados e eliminados. Os múltiplos significados que podem ser ligados a experiências humanas mais intensas e perturbadoras podem ser reduzidos a categorias simples para as quais existem remédios “especiais” contra o óleo de cobra. Como é que isso não poderia atrair?

Embora eu tenha reduzido a uma caricatura o discurso e a prática moderna da saúde mental, é isto que tem sido, na verdade, o que tem estado no processo de tentar ganhar forma no século passado; um sistema técnico, científico, de categorização, baseado em causas (isto é, diagnóstico) que fornece uma explicação para o sofrimento mental ou comportamento aberrante da pessoa e, portanto, uma base racional para um tratamento que tem uma especificidade que remedeia a anomalia particular que se descobriu através da aplicação do tratamento correto para um diagnóstico.

Não há dúvida que muitas das pessoas que trabalham nos serviços e que contribuíram ao longo dos anos para desenvolver os conceitos, a investigação, e as práticas que gerou, têm um desejo genuíno, profundo e sincero de melhorar a vida das pessoas. Mas como diz o famoso ditado, “O caminho para o inferno está pavimentado com boas intenções“.

Os “líderes de opinião” cujo trabalho de vida foi tentar realizar isto não podem enfrentar a realidade do monstro que ajudaram a criar. O seu Frankenstein, nascido de um desejo de ajudar, mas que agora semeia a destruição por todo o mundo onde quer ele apareça (e é um “ele” mesmo enquanto sujeito ativo) é difícil de encarar. Por isso, não o fazemos. Já não é desculpável evitar olhar para o caos que isto causou, mas pior ainda é continuar a defender uma tal força destrutiva, argumentando que ela deveria ser ainda mais expandida.

Quando se trata de imaginar como é uma vida boa, só temos ideologia. Embora as ideologias nos possam libertar, também nos podem escravizar. Neste livro, explicarei como as nossas atuais ideologias dominantes em matéria de saúde mental nos escravizaram nos sistemas em que trabalhamos, desde os profissionais que prestam os serviços até aos pacientes que se encontram no extremo receptor. Isto não é porque as pessoas que trabalham com os pacientes tinham ou têm más intenções ou desejam fazer outra coisa que não seja ajudar, mas porque os pressupostos ideológicos que organizam as nossas respostas aos dilemas, lutas e confusões das pessoas, longe de permitir o florescimento da diversidade humana, hipnotizam os indivíduos para verem a sua vida mental através de um prisma de suspeita, desconfiança e alienação.

Alheios às evidências

Há dois títulos principais que ilustram o meu argumento de que os nossos sistemas atuais falharam e falharam de forma espetacular. O primeiro é a falta de progresso na ciência/conhecimento e o segundo é a falta de progresso nos resultados da prática clínica. Neste livro, exploro as evidências empíricas para mostrar como e por que falhamos, tanto na ciência como na prática clínica, para demonstrar que os sistemas atuais ou têm uma base científica sólida ou uma utilidade clínica eficaz.

Mostrarei, contrastando com outras áreas da medicina, como um sistema de diagnóstico, que por definição se destina a ser baseado em uma explicação da apresentação do paciente, falhou na psiquiatria. Embora subsistam controvérsias profundas e importantes em toda a medicina relacionadas com a nossa glorificação da técnica e o impulso para a medicalização através de disciplinas, a psiquiatria e a saúde mental têm um caso único a responder.

Outros ramos da medicina fizeram progressos, e continuam a fazer progressos, na compreensão dos mecanismos fisiológicos que contribuem para os sintomas do paciente, e por isso existe uma série de testes e procedimentos médicos que podem ser realizados para obter uma visão de como estes processos fisiológicos se estão a manifestar potencialmente em qualquer corpo.  Estes são instrumentos empíricos que fornecem algum tipo de medição ou insight sobre acontecimentos biológicos que são independentes da opinião subjetiva do médico.

É claro que tais investigações requerem interpretação e que o médico ponha em jogo o seu raciocínio subjetivo, mas os próprios testes proporcionam uma descoberta factual do mundo objetivo lá fora. Os médicos numa variedade de ramos da medicina podem encomendar raios-X, diferentes tipos de exames, fazer análises de sangue à procura de uma variedade de marcadores, examinar biópsias, cultura de expectoração, testar urina para várias substâncias, e assim por diante.

Isto não significa que o resto da medicina não esteja em si sem problemas profundos. Muitos diagnósticos utilizados na prática médica diária não são apoiados por provas empíricas; há muitos problemas em torno da gestão de condições crónicas, problemas de sobre e subtratamento para certas populações e subtratamento para outras, dilemas sobre fronteiras, conflitos de interesse que levaram a muitas intervenções duvidosas com fracas provas sobre resultados a longo prazo e segurança geral, juntamente com pouca formação para médicos sobre como retirar medicamentos ou racionalizá-los.

No entanto, existe pelo menos uma base de diagnóstico no resto da medicina que permite compreender as causas proximais, estudar uma doença, e avaliar a especificidade de tratamentos particulares.

A ciência psiquiátrica tem esperado, e gastou a maior parte dos seus fundos de investigação na ideia, que o que estamos a classificar como diagnósticos psiquiátricos são os produtos de funcionamento anormal do cérebro. Isto tem se assentado predominantemente em dois tipos de investigação que tentam estabelecer um quadro causal semelhante ao resto da medicina, apontando para processos corporais. O primeiro tipo de investigação é de genética e o segundo é de vários tipos de estudos de imagem cerebral.

Tais esforços criam uma imagem da ciência e ajudam a popularizar a crença de que o que fazemos na prática do diagnóstico psiquiátrico tem uma base sólida na ciência. O absoluto e total fracasso destas linhas de investigação em produzir qualquer coisa útil para a ciência da psiquiatria será ainda discutido com exemplos neste livro.

Os sinais de tal fracasso são a ausência de descobertas genéticas moleculares concretas que possam explicar fatores hereditários para qualquer condição psiquiátrica (apesar de amostras de dezenas de milhares de pacientes) e que não dispomos de tecnologia de varredura [scanning] cerebral que identifique anomalias ou diferenças específicas associadas a qualquer condição psiquiátrica em particular (para além das demências, cuja evidência pode ser vista com certos tipos de tecnologia de imagem do cérebro).

De fato, é a única área da prática médica em que não temos nenhum teste fisiológico ou outro teste disponível, independentemente da opinião do médico. A prática da psiquiatria e da saúde mental é, portanto, inteiramente subjetiva. Baseia-se no juízo clínico e nada mais. Isto significa que, ao contrário do resto da medicina, não só existem debates sobre os limites de uma condição, mas que, além disso, na psiquiatria, os parâmetros para definir uma condição também requerem uma interpretação subjetiva.

Os fenómenos psiquiátricos não podem ser medidos por meio de provas verificáveis que sejam independentes da interpretação dos profissionais. Os rins não têm ambições, sonhos, dúvidas, e crenças em torno da natureza do sofrimento. Mas não se pode escapar a estas realidades subjetivas na tentativa de delinear se existe ou não uma condição psiquiátrica. Não há nenhuma parte da prática psiquiátrica que utilize testes para fornecer provas empíricas sobre uma quantidade que seja independente da opinião do praticante.

Os fenómenos que utilizamos para classificar os sintomas em psiquiatria são tão subjetivos como os limites que fazemos para eles. Humor, comportamento impulsivo, timidez, comportamento obsessivo; podem estes ser sintomas “médicos”? Pode o humor baixo persistente ser uma parte normal da experiência humana? De fato, para muitas culturas, o crescimento pessoal e a perspicácia não podem acontecer sem sofrimento. Poderá, portanto, o baixo humor, em alguns contextos, ser visto como desejável, em vez de patológico a qualquer nível de severidade?

A prática da saúde mental só pode ser construída socialmente. O pressuposto de que os fenómenos que o praticante encontra são o resultado de uma disfunção cerebral é tão científico como os médicos gregos que assumiram que os fenómenos que enfrentavam se deviam a desequilíbrios dos quatro humores corporais – sangue, bílis amarela, bílis negra, e catarro.

Há um problema mais profundo

Os resultados, a nível populacional, do tratamento nos serviços de saúde mental nas sociedades ocidentais são perturbadores. Para onde quer que olhemos, há um quadro angustiante de piores resultados que parecem estar associados a serviços de saúde mental mais desenvolvidos e/ou a sistemas de economia de mercado mais desenvolvidos.

Vou delinear, a partir de várias fontes, como têm vindo a aumentar os números para aqueles que são considerados deficientes devido a um problema de saúde mental. Também analisarei os números que temos para o que acontece nos serviços de saúde mental na vida real em termos de resultados, e algumas das provas que temos para as classes de medicamentos que utilizamos. Ao contrário de outros ramos da medicina, onde a investigação e o conhecimento crescente conduzem frequentemente a melhores resultados para os pacientes, a investigação de resultados em saúde mental não tem mostrado tal melhoria. Na verdade, algumas investigações sugerem que os resultados foram de fato melhores após o tratamento no passado do que são hoje. Tal como o fracasso de qualquer avanço científico, a dependência de um paradigma médico/técnico para moldar os serviços de saúde mental também tem sido um profundo fracasso.

O meu conhecimento da literatura científica e clínica de resultados, juntamente com a minha experiência, ao longo de muitos anos, como consultor de crianças e adolescentes psiquiatras, despertou a minha consciência para um problema mais profundo. A nossa linguagem tem-nos aprisionado num medo e alienação da riqueza e intensidade das nossas vidas emocionais. A nossa forma de falar da saúde mental como se fosse uma “coisa” que sabemos, ou pelo menos que os médicos sabem, encoraja as pessoas a acreditar que as nossas experiências emocionais, especialmente quando se tornam intensas, são sinais de uma anormalidade, de algo que corre mal, de sintomas, de fraqueza, de algum tipo de desregulamentação, disfunção e desordem.

Chegamos a acreditar que tais experiências são perigosas e desprovidas de significado, que devem ser eliminadas, expulsas, ignoradas, distraídas, encaradas até ao limite, mas particularmente que são algo que precisa de ser “tratado”; que estão para além do normal. Estamos tão longe da cotidianidade do sofrimento, da infelicidade e da luta que criámos uma cultura de moralidade divertida onde há um problema se não nos estamos a divertir, se não somos felizes numa espécie de versão superficial da felicidade de Hollywood.

E pensamos que todos os outros menos nós o são. Que só nós estamos a sofrer desta forma horrível que não pode ser admitida. Mesmo a instrução cultural para se falar sobre os seus sentimentos tem uma superficialidade mecanicista – fale sobre eles, mas não os mostre.

A rotulagem das nossas experiências com rótulos de pseudo-diagnósticos enraíza este medo e a alienação das nossas experiências emocionais. Extrai a possibilidade de significado e cria uma relação antagônica em relação a aspectos do eu. As nossas campanhas de educação para a saúde mental têm agravado esta situação.

Longe de normalizar a diversidade das nossas experiências emocionais e ajudar a criar uma consciência da variedade de reações a todas as coisas que acontecem na nossa vida sendo comuns e/ou compreensíveis, mesmo nesses estados mais extremos, fizemos com que mais pessoas suspeitassem que as suas experiências são um sinal de que há algo de profundamente errado com elas. Que precisam de profissionais de saúde para compreenderem o que está errado e para fornecerem a intervenção certa. Será que os médicos modernos são melhores curandeiros do que os sacerdotes?

Os conceitos que utilizamos minaram a nossa resiliência natural, sensibilizaram-nos para uma ideia da nossa vulnerabilidade, e encorajaram-nos a transferir a nossa capacidade para agir aos profissionais que utilizam um sistema como se este tivesse validade científica e fosse clinicamente útil. Parece-me indiscutível que criámos todo um sistema e uma linguagem que é proficiente na criação de pacientes a mais longo prazo, em vez de ajudar as pessoas a fazer sentido criativo da angústia. Esta é uma catástrofe que deve ser combatida e invertida.

***

A comunidade Mad recebe blogs de um grupo diversificado de escritores. Estes posts são concebidos para servir de fórum público para uma discussão-psiquiatria e seus tratamentos. As opiniões expressas são as próprias dos escritores.

[trad. Fernando Freitas]