Porque é que a Psiquiatria não implementa a tomada de decisão compartilhada?

A tomada de decisão partilhada nos cuidados de saúde tem crescido em popularidade, mas as crenças de há muito defendidas na psiquiatria criam barreiras à implementação.

0
692

Um novo estudo, publicado no Journal of Psychiatric and Mental Health Nursing, conclui que a tomada de decisões compartilhadas, uma prática popular em toda a medicina, não é rotineira em ambientes psicológicos e psiquiátricos. A tomada de decisões compartilhadas refere-se a um processo através do qual os pacientes recebem informação suficiente sobre o seu tratamento para ajudar a ditar e decidir o seu curso (Consentimento Informado). No entanto, apesar dos benefícios conhecidos da tomada de decisões compartilhadas, tais como uma maior autonomia, empoderamento e confiança entre o profissional e o paciente, as barreiras à aplicação em psiquiatria parecem intransponíveis.

“O conceito de tomada de decisão compartilhada propagou-se gradualmente para o campo dos cuidados psiquiátricos. Mas até à presente data, há pouco acordo sobre a transferência do conceito originalmente orientado para a medicina de tomada de decisão compartilhada para o campo da psiquiatria, especialmente quando se trata de uma decisão em ambientes psiquiátricos hospitalares”, explicam os investigadores, liderados por Caroline Gurtner da Universidade de Berna, na Suíça.

Public Domain

A relação de confiança entre profissional e paciente nos cuidados de saúde mental é parte integrante da recuperação e melhoria do sofrimento psicológico. O estudo procurou determinar se as práticas de tomada de decisões compartilhadas foram integradas na literatura de psicologia e psiquiatria depois do aumento da popularidade da tomada de decisão compartilhada no final dos anos 90. As autoras, Caroline Gurtner da Universidade de Berna, juntamente com os seus colegas holandeses e austríacos, descobriram que o conceito de tomada de decisão compartilhada não evoluiu na literatura devido a noções pré-existentes da capacidade de tomada de decisão dos pacientes psiquiátricos.

Utilizando uma metodologia de revisão integrativa, útil para definir conceitos complexos através da integração e revisão de trabalho empírico e teórico, os autores pesquisaram múltiplas bases de dados on-line, por exemplo, PubMed e PsycINFO, com termos MeSH específicos e palavras-chave relacionadas com a tomada de decisão compartilhada. Para além da pesquisa eletrônica, foram também contatados especialistas na matéria para assegurar uma análise abrangente.

Foi encontrado um total de 754 artigos. Porém, 698 foram excluídos da revisão devido ao seu enfoque nos aspectos cognitivos e ou biomédicos da tomada de decisão humana, em vez do processo de colaboração e do ato de tomada de decisão. Os restantes 56 artigos foram avaliados quanto à sua adequação. Apenas 14 preencheram os critérios de inclusão.

Dos 14 artigos, 10 eram estudos empíricos, o que significa que 5 eram qualitativos, 4 eram quantitativos, e 1 era métodos mistos. Além disso, 4 artigos que variavam de conceitual a teórico e metodológico foram incluídos na análise.

A análise revelou que não existe uma compreensão conceitual universal da tomada de decisão compartilhada na literatura psicológica e psiquiátrica. No entanto, surgiram temas-chave relativos a barreiras à implementação de tomada de decisão compartilhada.

Existem barreiras significativas à criação e implementação de práticas de tomada de decisões compartilhadas na esfera psiquiátrica. Em particular, o papel dos profissionais de saúde durante o processo de tomada de decisão compartilhada é parte integrante do seu sucesso – o que exige mudanças na socialização dos profissionais de saúde mental para começar a construir relações de confiança entre o paciente e o profissional de saúde. Isto deve ter em conta a crença na assistência psiquiátrica de que os pacientes não têm capacidade adequada para tomar decisões.

As conclusões do estudo devem ser interpretadas no contexto das suas limitações. Em particular, a bibliografia reunida no estudo foi apenas em inglês e alemão; esta limitação é significativa, uma vez que práticas semelhantes à tomada de decisão partilhada em cuidados de saúde mental são comuns no Sul Global.

É necessária mais investigação para examinar como os profissionais da saúde mental na Europa, Canadá, e EUA podem implementar a tomada de decisão compartilhada tanto em psiquiatria como em psicologia.

****

Gurtner, C., Schols, J. M., Lohrmann, C., Halfens, R., & Hahn, S. (2020). Conceptual understanding and applicability of shared decision-making in psychiatric care–An integrative review. Journal of Psychiatric and Mental Health Nursing(Link)

Artigo anteriorSobre o tema do ENEM, o SUS e porquê devemos derrotar o fascismo
Próximo artigoNovo Estudo: Não há genes para prever “Doença Mental”
Samantha Lilly traz a sua formação em filosofia, bioética e justiça social para o seu trabalho como suicidóloga crítica, com a crença de que a suicidologia, no seu melhor, é um trabalho de justiça social. Antes de iniciar um doutoramento em Saúde em Ciências Sociais na Universidade de Edimburgo, Sam recebeu uma bolsa Thomas J. Watson Fellowship. O seu projecto, "Understanding Suicidality Across Cultures", deu-lhe o privilégio de trabalhar ao lado de especialistas em ética, académicos e defensores dos direitos nos países da Benelux, Lituânia, Argentina, Aotearoa, e Indonésia. A investigação actual da Sam dedica-se a trazer metodologias feministas e descoloniais para a prevenção do suicídio.