KIT DE SOBREVIVÊNCIA EM SAÚDE MENTAL E RETIRADA DAS DROGAS PSIQUIÁTRICAS: CAPÍTULO 4

CAPÍTULO 4: A RETIRADA DE MEDICAMENTOS PSIQUIÁTRICOS (´na íntegra)

0
551

KIT DE SOBREVIVÊNCIA EM SAÚDE MENTAL E RETIRADA DAS DROGAS PSIQUIÁTRICAS

 

CAPÍTULO 4

A RETIRADA DE MEDICAMENTOS PSIQUIÁTRICOS

Como foi observado acima, foram necessários quase 30 anos antes da profissão psiquiátrica e as autoridades admitirem que os benzodiazepínicos são altamente viciantes. A propaganda é altamente eficaz, e a razão pela qual demorou tanto tempo é que era um grande artigo de venda para a indústria farmacêutica que eles não criassem dependência química, ao contrário dos barbitúricos que eles substituíram, assim como se tornou um grande artigo de venda por volta de 1988 que as novas pílulas da depressão não fossem viciantes, ao contrário dos benzodiazepínicos aos quais elas substituíram.

As mentiras não mudam, pela simples razão de que a indústria farmacêutica não vende drogas ilegais, mas mente que não são drogas, que é a parte mais importante das suas atividades criminosas organizadas. [1] A indústria é tão boa em mentir que levou cerca de 50 anos até que as autoridades finalmente admitissem que as pílulas da depressão igualmente são viciantes. Mesmo após este atraso colossal, ela ainda não está pronta para chamar as coisas pelos nomes. A indústria farmacêutica se nega a fazer o uso de palavras como vício e dependência e fala sobre sintomas de abstinência.

O pior argumento que já ouvi – de vários professores de psiquiatria – é que os pacientes não são dependentes na medida em que não desejam doses mais altas. Se for verdade, esta seria uma boa notícia para os fumantes que, depois de fumarem um maço de cigarros todos os dias durante 40 anos, podem parar de um dia para outro, sem sintomas de abstinência.

Os pacientes não se importam com os jogos de palavras acadêmicos cuja única justificativa é permitir que as empresas farmacêuticas continuem a intoxicar populações inteiras com medicamentos que alteram a mente. Os pacientes sabem quando são dependentes (ver Capítulo 2); não precisam da aprovação de um psiquiatra para que a sua experiência esteja correta, e alguns dizem que a retirada de um comprimido de depressão foi pior do que a depressão deles. [2]

O progresso é muito lento. Em um programa da BBC em 2020, a organização de saúde mental Mind disse estar aconselhando as pessoas a que fossem para instituições de caridade de rua para ajudá-las a arrumar pílulas da depressão por causa da falta de alternativas disponíveis.

Infelizmente, sempre se presta homenagem às ideias erradas com as quais as pessoas se deixaram levar pela lavagem cerebral: “Embora não sejam viciantes, elas podem levar a problemas de dependência”, disse uma locução aos telespectadores. Já não ouvimos disparates suficientes?

Uma das coisas mais significativas que um médico pode fazer é ajudar algumas das centenas de milhões de pessoas a se livrarem das drogas das quais se tornaram dependentes. Pode ser muito difícil. Muitos psiquiatras me disseram que é muito mais fácil desabituar um viciado em heroína do que tirar um paciente de uma benzodiazepina ou de uma pílula da depressão.

Os maiores obstáculos à retirada são a ignorância, falsas crenças, medo, pressão de parentes e profissionais de saúde, e questões práticas como a falta de medicamentos em doses adequadamente pequenas.

Muitos poucos médicos sabem algo sobre a retirada e cometem erros horríveis. Se eles reduzem a dose, o fazem muito rapidamente porque a sabedoria predominante é que a retirada é apenas um problema para com as benzodiazepinas, ou porque seguem as poucas diretrizes existentes que recomendam uma redução muito rapidamente.

A situação no Reino Unido melhorou em 2019 (ver Capítulo 2), mas ainda não vi melhorias em outros países e aqui está um exemplo. Em novembro de 2019, o Conselho Nacional de Saúde da Dinamarca emitiu uma diretriz sobre os comprimidos da depressão para médicos de família, que foi incluída no Journal of the Danish Medical Association, garantindo que todos a vissem.

O remetente foi “Farmacoterapia Racional“, mas não foi racional. Como as diretrizes são perigosas, eu queria advertir as pessoas contra elas, mas sabia por experiência que não funciona reclamar com as autoridades, pois elas acham que são irrepreensíveis. Por isso, publiquei as minhas críticas em um jornal. [3] A Diretoria de Saúde teve a oportunidade de responder, mas se recusou – outro sinal da arrogância no topo de nossas instituições, pois é uma questão de saúde pública altamente importante.

Embora o grupo de autores da diretriz incluísse um psiquiatra e um farmacologista clínico, eles não pareciam saber como é uma curva de ligação das pílulas da depressão aos receptores. Como com outros medicamentos, é hiperbólica. É muito íngreme no início quando a dose é baixa, e depois se aplana e se torna quase horizontal na parte superior (veja figura). [4]

Isto é importante de se saber. A diretoria recomenda reduzir pela metade a dose a cada duas semanas, o que é muito arriscado. Nas dosagens habituais, a maioria dos receptores está ocupada porque estamos no topo da curva de ligação onde ela é plana. Uma vez que todos os pacientes estão em doses altas, eles podem permanecer na parte plana da curva de ligação após a primeira redução da dose e não apresentar nenhum sintoma de abstinência.

Portanto, pode ser correto reduzir a dose pela metade na primeira vez. Mas já na próxima vez, quando se passa de 50% da dose inicial para 25%, as coisas podem dar errado. Se os sintomas de abstinência também não ocorrerem desta vez, eles quase certamente virão quando você der o próximo passo e descer para 12,5%.

Relação hiperbólica entre a ocupação do receptor e a dose de citalopram em mg.

Também é muito rápido para muitos pacientes mudar a dose a cada duas semanas. A dependência física das pílulas pode ser tão pronunciada que leva meses ou anos para se retirar totalmente das pílulas.

A retirada rápida é perigosa. Como o observado anteriormente, um dos piores sintomas da retirada é a extrema agitação (acatisia), que predispõe ao suicídio, violência e homicídio.

Um processo de retirada deve respeitar a forma da curva de ligação e, portanto, tornar-se cada vez mais lento, quanto mais baixa for a dose. Estes princípios são conhecidos há décadas e foram explicados em um trabalho instrutivo na Lancet Psychiatry em 5 de março de 2019 por Horowitz e Taylor.4 Na medida em que meus colegas, que retiraram muitos pacientes, e eu tenho escrito repetidamente sobre os princípios nos jornais nacionais dinamarqueses e em outros lugares desde 2017, não havia desculpa alguma para que as pessoas que trabalhavam no Conselho Nacional de Saúde não soubessem sobre eles.

As drogas psiquiátricas são o Santo Graal para os psiquiatras, e são a única coisa que os separa dos psicólogos, além da sua qualificação como médicos. Portanto, seria de se esperar enormes recuos da guilda psiquiátrica e seus aliados quando se conta a verdade sobre estas drogas e se começa a educá-los sobre como se retirar delas com segurança.

Isto aconteceu comigo, em muitas ocasiões. Como observado no Capítulo 2, a minha palestra de abertura na reunião inaugural do Conselho de Psiquiatria Baseada em Evidências em 2014 foi imediatamente atacada pelo topo da psiquiatria britânica. O Conselho foi criado pelo cineasta e empresário Luke Montagu, que havia sofrido horrivelmente com os sintomas de abstinência por muitos anos depois de ter saído de suas drogas psiquiátricas, e ele queria chamar a atenção para os seus danos.

Mencionei o nome de Luke em 2015 em um artigo que fui convidado a escrever para o Daily Mail. [5] Saiu duas semanas depois de ter publicado o meu livro de psiquiatria onde estavam todas as provas.[6] O editor fez muitas mudanças no meu artigo e insistiu que eu acrescentasse esta declaração: “Como investigador da Colaboração Cochrane independente – um órgão internacional que avalia a pesquisa médica – meu papel é procurar com um olhar forense as evidências para tratamento”.

Minha pesquisa foi publicamente denegrida pelos líderes da Cochrane que fizeram o upload de uma declaração que ainda está de pé. [7] Eles alegaram que as minhas declarações sobre as drogas psiquiátricas e o seu uso por médicos no Reino Unido poderiam ser mal interpretadas como indicando que eu estava conduzindo o meu trabalho em nome da Cochrane. Eles também disseram que as minhas opiniões sobre os benefícios e danos das drogas psiquiátricas não eram as da organização.

A Cochrane tem três grupos de saúde mental que publicaram centenas de revisões sistemáticas de drogas psiquiátricas muito enganosas, onde os autores não prestaram atenção suficiente às falhas nos ensaios, mas que atuaram como porta-voz da indústria das drogas. [6]

A Cochrane tentou negar as minhas conclusões sobre as drogas psiquiátricas, mas a organização não pode ter nenhuma “opinião” sobre tais questões que tenham mais peso do que as de um pesquisador que as estudou em detalhes. Mas a tática funcionou, é claro. Cinco dias depois de terem baixado a sua declaração, BMJ publicou uma notícia, “Cochrane se distancia de visões controversas sobre drogas psiquiátricas”.[7]

Tanto na época como posteriormente, o apoio da Cochrane à guilda psiquiátrica e à indústria farmacêutica foi amplamente abusado pelas lideranças psiquiatras. David Nutt (veja mais sobre ele no Capítulo 2) disse durante uma palestra na Nova Zelândia em fevereiro de 2018 que eu havia sido expulso da Cochrane. Ele estava sete meses sendo prematuro. [7]

Luke escreveu sobre sua a própria “carreira” como paciente psiquiátrico no artigo do Daily Mail. [5] Os sintomas eram de tal natureza e severidade que a princípio me foi difícil acreditar nele. Eu nunca havia aprendido nada remotamente semelhante a isto durante os meus estudos médicos ou mais tarde. Mas rapidamente percebi que Luke não estava brincando e não tinha nenhuma condição psiquiátrica, mas que era uma pessoa adorável que havia caído involuntariamente na armadilha da drogadição psiquiátrica.

Luke, herdeiro do Earl de Sandwich, teve uma operação sinusal aos 19 anos de idade que o deixou com dores de cabeça e uma sensação de afastamento do mundo. Seu médico de família lhe disse que ele tinha um desequilíbrio químico em seu cérebro. O verdadeiro problema foi provavelmente uma reação à anestesia, mas foi prescrito a Luke várias pílulas da depressão que não o ajudaram.

Nenhum dos outros médicos e psiquiatras que Luke consultou o ouviu também quando ele disse que tudo havia começado com a cirurgia. Eles lhe ofereceram diagnósticos diferentes e todos lhe deram medicamentos; nove pílulas diferentes em quatro anos. Como acontece com tanta frequência, Luke relutantemente concluiu que havia algo de errado com ele. Ele tentou sair das drogas um par de vezes, mas sentiu-se tão horrível que voltou a tomá-las. Ele pensou, o que também é típico, que ele precisava da medicação, embora o que aconteceu foi que ele entrava em abstinência a cada vez.

Em 1995, ele recebeu Seroxat (paroxetina) e tomou por sete anos. Quando tentou sair dela, sentiu-se tonto, não conseguia dormir e tinha uma ansiedade extrema. Pensando que estava gravemente doente, viu um psiquiatra que lhe deu quatro novas drogas, incluindo um comprimido para dormir. Ele rapidamente se sentiu melhor, não percebendo que havia se tornado “tão dependente quanto um drogado da heroína”.

Ele funcionou bem por alguns anos, mas aos poucos foi ficando cada vez mais cansado e esquecido. Assim, em 2009, acreditando que fosse devido às drogas, ele se inscreveu em uma clínica para viciados. Seu psiquiatra o aconselhou a sair imediatamente do comprimido para dormir e em três dias ele foi atingido por um tsunami de sintomas horríveis – seu cérebro sentiu como se tivesse sido dilacerado em dois, havia um zumbido alto em seus ouvidos e ele não conseguia pensar.

Foi uma negligência médica horrível. A rápida retirada do uso de um comprimido para dormir em uso a longo prazo é um desastre. A desintoxicação foi o início de quase sete anos de inferno. Era como se partes de seu cérebro tivessem sido apagadas.

Três anos mais tarde, ele começou a se recuperar muito lentamente, mas ele ainda tinha uma sensação de alfinetes e agulhas queimando por todo o corpo, zumbido alto e uma sensação de intensa agitação.

Quando me encontrei pela última vez com Luke, em junho de 2019, ele ainda sofria de sintomas de abstinência, mas era capaz de trabalhar em tempo integral.

Ele está determinado a tentar ajudar os outros a evitar a terrível armadilha do drogado. Depois de criar o Conselho, Luke fundou o Grupo Parlamentar Composto por todos os Partidos sobre Dependência a Drogas Prescritas (APPG), que fez lobby com sucesso junto ao governo britânico pelo reconhecimento da problemática. Ele recrutou a Associação Médica Britânica e o Colégio Real de Psiquiatras para apoiar a sua iniciativa. Isso levou a uma revisão pioneira da Saúde Pública da Inglaterra com várias recomendações-chave, incluindo uma linha nacional de ajuda 24 horas e serviços de apoio à retirada.[8] Estas recomendações não se concentram apenas nos tradicionais culpados, os opiáceos e os benzodiazepínicos, mas também nas pílulas da depressão. Em dezembro de 2019, a APPG e o Conselho publicaram em 112 páginas a “Orientação para terapeutas psicológicos: Possibilitando conversas com clientes que tomam ou se retiram de medicamentos psiquiátricos prescritos”.[9] Este guia é muito detalhado e útil, tanto em relação aos medicamentos que descreve quanto em termos da orientação concreta que oferece aos terapeutas.

Tornou-se cada vez mais difícil ignorar o enorme problema com os pacientes que dependem de comprimidos da depressão. Em 2016, fui cofundador do Instituto Internacional para Retirada de Drogas Psiquiátricas (iipdw.org), sediado na Suécia. Tivemos várias reuniões internacionais e estabelecemos uma rede de pessoas com ideias semelhantes em muitos países, e o interesse em finalmente fazer algo está se espalhando rapidamente.

Há mais de dez anos faço lobby sobre a saúde no Parlamento dinamarquês e os parlamentares sempre foram positivos quando expliquei por que são necessárias grandes mudanças na psiquiatria. Mas eles têm medo de ir contra os psiquiatras, que são rápidos em dizer-lhes que a psiquiatria está fora da área de especialidade deles. Portanto, nada de substancial aconteceu ainda.

Em dezembro de 2016, houve uma audiência no Parlamento sobre porque a retirada das drogas psiquiátricas é tão importante e como devemos fazê-lo, que também foi o título da minha palestra. Houve contribuições de um psicólogo e de um farmacêutico com experiência na retirada de medicamentos e de um parente de paciente. Não houve um único psiquiatra com experiência na retirada de medicamentos no programa. O único psiquiatra foi Bjørn Epdrup que explicou quando e porque são necessários neurolépticos – e esqueceu de nos dizer quando não são necessários – e ele disse que podia ver esquizofrenia em um exame cerebral. Isto não é possível. Estudos de escaneamento em psiquiatria são bastante impossíveis,6 mas Epdrup deixou a reunião antes que alguém pudesse confrontá-lo com a sua reivindicação. A única coisa que pode ser vista em um escaneamento cerebral é o encolhimento do cérebro que os neurolépticos têm causado! [6,10,11]

Em janeiro de 2017, fui convidado a dar uma palestra, em Sherbrooke, Canadá, em uma reunião sobre o sobrediagnóstico e os tratamentos excessivos na psiquiatria. A reunião foi credenciada e constou no portfólio da educação continuada dos médicos. Embora a maioria da audiência fosse de psiquiatras, 74 dos 84 participantes sentiram que a minha apresentação tinha respondido às suas necessidades. Eu não esperava isto, particularmente depois de uma discussão um tanto quanto tensa.

Eu pensei que uma mudança estivesse a caminho. Dois meses mais tarde, o psicólogo Allan Holmgren e um partido político organizaram uma conferência no Parlamento com o tema: “Uma psiquiatria sem drogas”.

Robert Whitaker falou sobre a epidemia das drogas psiquiátricas e o meu título também foi direto: “O mito sobre a psiquiatria biológica; o uso de drogas psiquiátricas faz muito mais mal do que bem”.

A MIND Dinamarca não quer ajudar os pacientes a se retirarem

Em junho de 2017, fiz um curso de um dia inteiro sobre a retirada de medicamentos psiquiátricos em Copenhague. Já o havia planejado há algum tempo, mas a minha iniciativa foi demais para a psiquiatria convencional que tentou sabotá-la.

O primeiro recuo que levei veio quando tentei conseguir um anúncio para o curso em Mind, a revista da mais importante organização para pacientes psiquiátricos da Dinamarca: “Como você deve se retirar dos medicamentos psiquiátricos e evitar os piores sintomas de abstinência? O curso é para todos, tanto pacientes, quanto parentes e profissionais de saúde. O curso consiste em palestras e discussões em pequenos grupos. Os palestrantes são o professor Peter C. Gøtzsche, a psiquiatra infantil e adolescente Lisbeth Kortegaard, a farmacêutica Birgit Toft, a psicóloga Olga Runciman e o farmacêutico Bertel Rüdinger”.

Em 6 de fevereiro, liguei para o jornalista da MIND, Henrik Harring Jørgensen, que também é responsável pela revista MIND, para perguntar se eles estariam interessados em contar aos seus membros sobre o nosso curso. Como isso não foi possível, perguntei se poderia colocar um anúncio na revista. Jørgensen ficou consideravelmente desconfortável e disse que, sendo um agente oficial, não deveria se envolver no debate sobre drogas psiquiátricas. Expliquei que ele não precisava, porque o que quer que se pensasse sobre as drogas psiquiátricas, era um fato que muitos pacientes queriam desistir, mas não conseguiam obter ajuda, e era exatamente por isso que queríamos oferecer o nosso curso, que era para todos, tanto pacientes quanto médicos.

Não consegui nenhum compromisso do Jørgensen para conseguir o meu anúncio na revista. Eu estava convencido de que ele não poderia tomar esta decisão sozinha, mas que precisava de uma luz verde vinda de mais alto, e que provavelmente eles não aceitariam o meu anúncio.

Eu sabia muito bem que o Presidente Nacional da MIND, Knud Kristensen, não gostava de mim, o que ele contou aos outros, e que ele gosta muito das drogas psiquiátricas, o que ele sempre elogiava na mídia quando eu as criticava. Quando dei uma palestra para a MIND em Copenhague, em maio de 2016, Kristensen viajou do outro extremo do país para presidir a reunião e para fazer perguntas críticas após o meu discurso. Suas perguntas foram pouco amigáveis e ele foi muito crítico em relação a mim enquanto pessoa. Mas os participantes o desafiaram repetidamente e disseram que o que eu lhes havia dito era verdade, por exemplo, sobre os sintomas de abstinência e como é difícil parar as drogas psiquiátricas, o que eles mesmos já haviam experimentado.

Eu enviei o meu anúncio para Jørgensen no dia seguinte a ter falado com ele ao telefone. Silêncio total. Liguei várias vezes e fui trocado para Jørgensen pela secretária que disse que ele estava em seu escritório, mas ele não atendeu o telefone quando fui eu que liguei. Enviei uma mensagem que ele deveria ligar, o que ele não fez.

Eu comecei a ficar nervoso porque a revista MIND só sai a cada dois meses e o prazo para o anúncio era 2 de março. Era a minha única oportunidade de fazer propaganda na revista.

Em 17 de fevereiro, escrevi para Jørgensen, observando que ele não atendeu o telefone quando eu liguei para ele. Disse-lhe que muitos dos membros da MIND me escreviam e perguntavam a quem deveriam ir para pedir ajuda com a retirada de medicamentos psiquiátricos. Também escrevi para o endereço de e-mail geral da associação, mas ainda assim não obtive resposta.

Em 22 de fevereiro, fui à sede da MIND para obter uma resposta. Encontrei-me com três pessoas de fora que estavam fazendo documentários sobre psiquiatria e que se juntaram a mim no prédio.

Ficou claro imediatamente que a MIND não queria anunciar o nosso curso. O diretor da MIND, Ole Riisgaard, tratou-me de forma incrivelmente rude e condescendente, como quando um mestre da escola repreendia um aluno malcriado nos anos 50. Aparentemente, Riisgaard também não conseguiu tomar uma decisão sobre o meu anúncio sem a aprovação de Kristensen; ele disse que daria um retorno “dentro de alguns dias”.

Todos nós concluímos que o diretor foi plenamente informado sobre o meu caso antes de saber que apareceríamos em nossa visita sem aviso prévio e que a MIND havia planejado impedir que o meu anúncio fosse colocado na sua revista. Quando lhe disse que esta era a minha impressão, a mesma que tive quando havia tentado conversar ao telefone duas semanas antes, Jørgensen tornou-se altamente agressivo e perguntou se eu havia gravado a conversa.

No dia seguinte, Riisgaard escreveu que eles trariam o meu anúncio, acrescentando: “Na continuação de seu comportamento muito ruim e totalmente inaceitável ontem, onde você apareceu sem acordo ou permissão, e com as câmeras ligadas filmando o pessoal da MIND, vários dos quais são mentalmente vulneráveis e empregados sob disposições especiais, a condição para trazer o anúncio é que você, antes do prazo final, me envie uma garantia escrita (assinada) de que nenhum dos funcionários da MIND participará de qualquer tipo de transmissão sem o consentimento por escrito de cada um deles”.

As câmeras não estavam ligadas, e nós três que estávamos na sala estávamos todos muito calmos. As únicas pessoas que demonstraram mau comportamento foram Riisgaard e Jørgensen, a quem gravamos com um microfone escondido porque era importante documentar o bullying e os outros abusos de poder.

Um dos cineastas escreveu a Riisgaard que seu pessoal já me seguia há algum tempo e, portanto, também à MIND, e que ele havia pedido permissão para filmar, o que um funcionário da MIND lhe havia concedido. Assim que isto foi rejeitado em outro andar, o trabalho do filme parou. A única pessoa que tinha sido filmada havia sido eu.

Escrevi à Riisgaard que a nossa percepção dos eventos era diferente. Tínhamos cumprido todas as regras, mas como Jørgensen nunca atendeu o telefone, não tínhamos outra opção senão visitar a sede da MIND para saber se a MIND traria o nosso anúncio. “Você explicou que a MIND é uma pequena associação e que você tem muito o que fazer, e foi por isso que eu não tinha ouvido nada”. Permita-me salientar que houve muito tempo quando liguei para Henrik para perguntar sobre um possível anúncio. E que ele teria levado apenas alguns segundos para responder bem quando lhe enviei o anúncio no dia seguinte.

Não é mais difícil do que isso. Teria sido natural para você, quando nos encontramos, dizer que eu, é claro, receberia o anúncio na revista MIND, porque é tão obviamente uma ajuda para os muitos membros da MIND que querem parar as drogas psiquiátricas, mas não conseguiram obter ajuda de seu médico, entre outras coisas porque muito poucos médicos sabem como fazê-lo. Outros médicos têm a concepção errônea de que se precisa tomar as suas drogas para o resto de sua vida, o que está cientificamente comprovado como sendo muito prejudicial. Ao invés disso, você disse que eu teria uma resposta dentro de alguns dias. Você acha que esta é uma boa maneira de tratar um cliente que lhe paga para conseguir um anúncio em sua revista que, além disto, é muito relevante para os seus membros”?

No dia anterior à nossa visita à MIND, Riisgaard recebeu um e-mail de uma filial local explicando que eles haviam discutido em uma reunião de diretoria uma correspondência que eu havia tido com Jørgensen sobre um anúncio para um curso de retirada. “Com base nisso, parece que alguma forma de censura está sendo aplicada. É nossa impressão que muitos de nossos membros estão interessados no trabalho de Peter Gøtzsche. Nós não entendemos esta atitude”.

Riisgaard respondeu à filial local, depois de nos termos encontrado com ele e de nos termos correspondido com ele: “Com relação às propagandas certamente temos censura (edição), por exemplo, não aceitamos propagandas da indústria farmacêutica. Mas a Gøtske [sic] não foi negada a oportunidade de fazer propaganda. Se ele dá outra impressão, é apenas para chamar a atenção”.

Riisgaard mentiu e continuou sendo arrogante. Escrevi à filial local que alguém no topo da MIND acredita que as drogas psiquiátricas só podem ser boas para as pessoas; que ninguém deve receber ajuda para parar; e que os psiquiatras estão no controle de tudo, o que eles não estão de forma alguma.

O Presidente Nacional da MIND, Knud Kristensen, tem muito poder e nutre os seus próprios interesses, não os de seus membros.

A corporação psiquiátrica não quer ajudar os pacientes a se retirarem

O segundo recuo que levei veio quando informei a Psiquiatria na Região da Capital, em janeiro de 2017, sobre o nosso curso. Escrevi que colaborei com psiquiatras, psicólogos e farmacêuticos qualificados em vários países e com muitos usuários com ampla experiência em retirada; que éramos 11 pessoas de 7 países que se reuniram em Gotemburgo em outubro de 2016 e decidiram criar o Instituto Internacional para Retirada de Drogas Psiquiátricas; que um de nós era um psiquiatra norueguês que havia acabado de abrir a primeira enfermaria livre de drogas na Noruega; que eu tinha um estudante de doutorado que estudou como retirar drogas psiquiátricas com segurança; e que faríamos o nosso melhor para atender às necessidades e aos interesses dos participantes.

Três dias depois, o professor psiquiatra Poul Videbech reclamou com a Autoridade de Segurança do Paciente: “Um Peter Gøtzsche, especialista em medicina interna, anunciou o curso abaixo para pacientes e outros. É claro que, na minha opinião, ele assume uma tremenda responsabilidade, na medida em que ele não tem conhecimento algum. Os médicos podem simplesmente fazer esse tipo de coisa sem ter os conhecimentos profissionais necessários? É também uma empresa privada que abusa do nome do Centro Cochrane”.

A arrogância de Videbech não pode ser negligenciada. “Um Peter Gøtzsche” é uma frase que você usa sobre pessoas desconhecidas, e eu era muito conhecido, tanto por Videbech como pelo pessoal da Autoridade. A Autoridade não levou a sério a reclamação de Videbech. Levou quatro meses para me pedir uma opinião indicando em que medida o aconselhamento individual dos profissionais de saúde seria fornecido aos participantes do curso. Informei à Autoridade em 19 de maio que não havia nada na descrição do curso sobre como dar conselhos individuais.

Um processo de retirada leva tempo, e obviamente não pretendíamos começar a retirar os participantes durante o curso.

Também me perguntaram sobre quais qualificações ou experiências tive com a retirada individual de medicamentos neurolépticos. Respondi que isto não era relevante porque o objetivo do curso era que aprendêssemos uns com os outros, incluindo ouvir sobre as experiências atuais e passadas dos pacientes. Acrescentei que na sala haveria psiquiatras, assim como outros profissionais de saúde.

Finalmente, a Autoridade me pediu para declarar qual o papel do Centro Nórdico Cochrane na organização do curso, uma vez que eu havia utilizado esta afiliação em meu e-mail para a Região da Capital. Como não havia menção do Centro no anúncio do curso, não respondi a esta pergunta, que era irrelevante e estava além das tarefas de controle da Autoridade.

Em 1 de junho, a Autoridade me pediu as informações que eu já havia enviado a eles e que eles haviam ignorado. Quatro dias depois de termos realizado o nosso curso, a Autoridade anunciou que não pretendia tomar nenhuma medida.

Eu baixei vídeos das nossas palestras e outras informações em minha página na internet, deadlymedicines.dk. Também realizamos várias reuniões para o público e dei muitas palestras, em vários países. Sempre explicamos que a retirada precisava ser muito mais lenta do que as diretrizes oficiais recomendadas. Portanto, a Autoridade de Segurança do Paciente deveria ter se interessado pelas diretrizes, que não eram seguras, e não em nós!

Considerando os empurrões levados no caminha e em nossa crescente rede internacional, sentíamos que estávamos avançando. Em outubro de 2017, houve a estreia mundial em Copenhague no filme de Anahi Testa Pedersen, “Diagnosticando a Psiquiatria” (ver Capítulo 2). Ela me perguntou se eu tinha alguma sugestão para um título, então eu sugeri esse título porque o filme mostra que a psiquiatria é um paciente doente que infecta outros pacientes também. Eu poderia ter escolhido o mesmo título para este livro, mas eu não queria usar a palavra psiquiatria, mas sim o termo positivo, saúde mental.

Em novembro de 2017, o psiquiatra Jan Vestergaard tentou obter um simpósio de duas horas sobre as benzodiazepinas no programa para a reunião anual da Associação Psiquiátrica Dinamarquesa quatro meses depois. Embora a reunião tenha durado quatro dias, com sessões paralelas, a diretoria declarou que não havia espaço para o simpósio. Tratava-se de dependência e retirada, e eu estava programado para falar sobre retirada em geral, não limitada aos benzodiazepínicos.

Como o hotel da conferência é enorme, eu liguei para ver se havia quartos livres. Reservei um e realizei um simpósio de duas horas para os psiquiatras pela manhã, que repetimos à tarde. Dei-lhes a oportunidade de aprender algo sobre dependência e abstinência, mesmo que a diretoria tivesse pouco interesse no assunto.

Depois veio outro choque na estrada, que foi dado pelo professor de microbiologia clínica, Niels Høiby, eleito para um partido político conservador na Região da Capital. Eu me perguntava por que ele se sentia obrigado a interferir em nossa iniciativa altruísta (não cobramos taxa de entrada), pois as bactérias não têm muito a ver com a retirada de medicamentos psiquiátricos. Ele levantou uma suposta razão política e mencionou que eu havia escrito um livro sobre o uso de drogas psiquiátricas e realizado cursos para levar os pacientes a reduzir o uso de drogas psiquiátricas. Høiby perguntou se o Conselho Executivo do Hospital Nacional e a Região da Capital, possivelmente em colaboração com o Conselho de Saúde para psiquiatria, tinham informado os psiquiatras da Região, os psiquiatras na prática especializada e os clínicos gerais da região se eles se apoiavam ou se se distanciavam das atividades do diretor do Centro Cochrane a respeito do uso de drogas psiquiátricas.

A resposta é tão interessante quanto a pergunta tola e maligna de Høiby. A Psiquiatria na Região da Capital declarou ter informado todos os seus centros sobre as atividades que Høiby mencionou e foi crítico em relação à minha oferta e solicitou que fosse dada atenção aos pacientes que pudessem aceitar a oferta. Além disso, eles observaram que vários chefes de departamento e professores haviam expressado publicamente o seu desacordo comigo e as minhas atividades, por exemplo, no evento “A arte de descontinuar uma droga” organizado pela Região da Capital e em um debate público sobre drogas psiquiátricas organizado pela Psiquiatria na Região da Capital. “Em ambos os eventos, o próprio Peter Gøtzsche participou”.

Oh querido, oh querida, o homem “ele mesmo” apareceu em nossos preciosos eventos e até se atreveu a fazer perguntas! Então, é errado quando alguém faz isso e quando algumas eminências – que eu chamo de gorilas machos, pois é assim que eles se comportam [6] – discordam dele? Estas são perspectivas sombrias. Obviamente, é inaceitável para a instituição que eu tente atender às necessidades dos pacientes quando os psiquiatras não querem, mesmo que a instituição fale constantemente em colocar o paciente no centro das suas atividades.

Anunciei os simpósios no Journal of the Danish Medical Association e o meu aluno de doutorado Anders Sørensen também lecionou. Mais tarde, quando passeamos pelos corredores, soubemos que os jovens psiquiatras tinham ficado assustados em assistir porque seus chefes os veriam como hereges e poderiam retaliar. Este comportamento de intimidação também é visto como um orgulho de leões – se um leão deixa a alcateia e volta mais tarde, o leão é punido. Isso explica porque a maioria dos 60 participantes eram enfermeiras, assistentes sociais, pacientes e parentes. Apenas sete se identificaram como psiquiatras, mas provavelmente havia mais oito, pois estes omitiram seus antecedentes, apesar de terem sido solicitados a fazê- lo quando entraram na sala.

Em outras ocasiões, psicólogos, assistentes sociais e enfermeiras que desejavam participar de minhas palestras ou cursos me contaram histórias semelhantes sobre receber avisos ameaçadores de seus superiores que, se eles aparecessem, não seriam bem recebidos em sua unidade. Isto é assustador e também um diagnóstico para uma especialidade doente. Conta a história de uma corporação que se comporta mais como uma seita religiosa do que como uma disciplina científica porque, na ciência, estamos sempre interessados em ouvir novos resultados de pesquisas e outros pontos de vista, o que nos torna a todos mais sábios.

Tivemos duas palestras em nosso programa: “Por que a maioria das pessoas que recebem medicamentos psiquiátricos deve ser retirada” e “Como isso deve ser feito na prática?”. Mencionamos no anúncio que vários psiquiatras haviam nos incitado a realizar um curso sobre a retirada de medicamentos psiquiátricos ao mesmo tempo que a sua reunião anual.

Os simpósios foram um sucesso. O psiquiatra mais experiente da sala disse mais tarde a um de seus colegas juniores que eu era ofuscado entre as lideranças psiquiatras. É por isso que eles não queriam que os seus médicos juniores me ouvissem. Pode tornar-se muito difícil para eles quando voltam e fazem perguntas. Eles também gostaram da palestra de Anders.

Em junho de 2018, realizamos um seminário de pesquisa à tarde em Copenhague. Como palestrantes convidados tivemos Laura Delano, uma sobrevivente psiquiátrica dos EUA, que apresentou protocolos de redução de risco com base em uma visão geral dos métodos que haviam produzido os melhores resultados na comunidade de leigos que se retiraram, e o farmacêutico Bertel Rüdinger, de Copenhague, também sobrevivente psiquiátrico.6 A psiquiatria roubou 14 e 10 anos, respectivamente, de suas vidas e fez com que ambas estivessem muito próximos do suicídio.

A Colaboração Cochrane não quer ajudar os pacientes a se retirarem

O maior bloqueio de estrada foi fornecido pela Colaboração Cochrane. Como observado, minhas críticas às drogas psiquiátricas foram a razão direta pela qual fui considerado pelo CEO da Cochrane, Mark Wilson, como em má situação, como dizem nos círculos de gangsters, na organização que cofundei em 1993. Escrevi o livro “A morte de um denunciante e o colapso moral da Cochrane” [7] sobre a história recente da Cochrane e a minha expulsão do seu Conselho de Administração, para o qual fui eleito com o maior número de votos de todos os 11 candidatos, e da Colaboração Cochrane. Wilson até me demitiu em outubro de 2018 do meu trabalho em Copenhague, que eu vinha realizando desde que criei o Centro Nórdico Cochrane em 1993. [7]

As ações da Cochrane contra mim foram amplamente condenadas e houve artigos em Science, Nature, Lancet e BMJ. [7] O psiquiatra infantil e adolescente Sami Timimi reviu o meu livro, [12] e aqui está um trecho:

Este livro narra como um mundo de cabeça para baixo é criado quando o marketing triunfa sobre a ciência; onde o verdadeiro alvo de uma campanha de anos de assédio é rotulado como o culpado … O relato convincente de Gøtzsche inclui citações e documentação de fontes escritas e orais, incluindo transcrições do que foi realmente dito em várias reuniões. O livro é um estudo detalhado de como as organizações se corrompem, a menos que elas tenham formulado cuidadosamente processos que a protejam contra a tomada de controle por forças antidemocráticas, uma vez que essa organização tenha sido bem sucedida e atingido um certo tamanho. Este é um livro que expõe como a Cochrane caiu nas garras de uma hierarquia mais preocupada com as finanças e o marketing do que com as razões pelas quais foi criada. A morte de sua integridade, significa que a instituição mais importante que restou na qual se podia confiar quando se tratava de ciência médica, desapareceu no mesmo buraco do coelho da comercialização que captura tanto a (chamada) ciência médica moderna. De fato, foi porque o professor Gøtzsche estava preparado para chamar a atenção para a diminuição dos padrões científicos na Cochrane que a hierarquia se sentiu compelida a planejar a sua morte.

Gøtzsche … criou muitas das ferramentas metodológicas utilizadas pela Cochrane e nunca se esquivou de deixar os dados falarem por si mesmos, por mais impopulares que sejam as descobertas com alguns médicos, pesquisadores e, em particular, com fabricantes de produtos farma- cêuticos e outros fabricantes de dispositivos médicos. Cochrane sob a influência de Gøtzsche, e outros como ele, ficou conhecida como uma fonte de revisões credíveis, confiáveis e independentes … ajudando os médicos a entender o que funcionava e até que ponto, mas igualmente importante o que não funcionava e que danos os tratamentos podem causar. São estas últimas questões que significam que Gøtzsche foi, e é, uma inspiração para aqueles entre nós que querem que a prática médica seja tão objetiva, livre de preconceitos e segura quanto o possível; mais uma ameaça para aqueles que colocam assuntos comerciais, mercan- tilização e imagem entre as suas principais preocupações.

O brilhantismo de Gøtzsche e a sua abordagem destemida lhe valeram muitos inimigos. Ele é um dos pesquisadores mais conhecidos da Dinamarca e é respeitado nos círculos de pesquisa em todo o mundo. Mas, durante anos ele documentou quantos produtos promovidos pela indústria farmacêutica e fabricantes de dispositivos médicos, podem causar mais danos do que benefícios; com uma análise detalhada de como a pesquisa dessas empresas engana, ofusca ou, às vezes, mente diretamente a fim de proteger e promover os seus produtos … Seu trabalho sobre medicamentos psiquiátricos mostrando como todos eles são pobres em proporcionar uma vida melhor para aqueles que os tomam, ao mesmo tempo em que causam enormes danos a milhões, lhe rendeu a ira da instituição psiquiátrica em geral, incluindo alguns grupos Cochrane … Em vez de felicitarem Gøtzsche por garantir a integridade da ciência produzida pela Cochrane, eles começaram um desafio a este buscador da verdade por estar “fora da mensagem”. ”

Este livro reconta cuidadosamente este período sombrio da ciência médica onde uma instituição outrora confiável realizou um dos julgamentos mais arbitrários já realizados no meio acadêmico. O CEO e seus colaboradores realizaram a sua tarefa de uma maneira que espelha como a indústria farmacêutica funciona. Seus funcionários são obrigados a proteger as vendas de drogas e, portanto, não podem criticar publica- mente a pesquisa da empresa. Há muitos exemplos no livro de como, uma vez alguém ter sido rotulado, as suas ações podem ser interpretadas como cumprimento desse rótulo. Por exemplo, após ser mantido à espera por horas fora de uma sala onde se discute uma reunião sobre a sua possível expulsão, o Professor Gøtzsche, compreensivelmente frustrado, decide bater à porta e entrar para perguntar se está tudo bem se ele voltar para o hotel em vez de continuar esperando. Ele é repreendido por entrar na reunião e segue-se uma breve altercação, antes que o professor Gøtzsche saia. Isso então se torna o único exemplo real de seu alegado “mau comportamento” e parte da “evidência” de por que ele deveria ser demitido.

Após a sua expulsão da Cochrane, através de uma maioria de votos de apenas 6 contra 5, com uma abstenção, outros 4 membros da diretoria saíram em protesto. Cientistas médicos líderes de todo o mundo expressaram a sua solidariedade com Gøtzsche e indignação com o que a Cochrane havia feito. Eles elogiaram universalmente Gøtzsche como um incansável advogado da excelência da pesquisa, um crítico destemido da má conduta científica, e um poderoso oponente da corrupção da pesquisa pelos interesses da indústria, e crítico das ações insuportáveis da Cochrane. A história contará isto como a morte da Cochrane e não a do denunciante.

Foi uma consequência direta do colapso moral da Cochrane que Anders e eu fracassamos quando tentamos obter a aprovação de um protocolo para uma revisão da Cochrane sobre a retirada da pílula da depressão.[13] O grupo de depressão Cochrane nos enviou em uma missão de dois anos que era impossível de cumprir, elevando as suas exigências ao longo do caminho a níveis absurdos com muitas exigências irrelevantes, incluindo exigências de inserção de mensagens de marketing sobre as maravilhas que as pílulas da depressão podem realizar, de acordo com o dogma da Cochrane. A Cochrane não tem interesse em uma revisão sobre a retirada segura das pílulas da depressão, mas fez o máximo para defender a guilda psiquiátrica, as suas muitas crenças falsas, e a indústria farmacêutica, esquecendo que a missão da Cochrane é ajudar os pacientes, e sendo por isso que a fundamos em 1993, e a razão pela qual a chamamos de uma colaboração.

Em 2016, entrei em contato com a psiquiatra Rachel Churchill, a editora coordenadora do grupo de depressão Cochrane, que demonstrou grande interesse em meu propósito para fazer uma revisão. Contratei Anders, um psicólogo recém formado, mas quando submetemos um protocolo para a revisão, este não foi bem-vindo. Levou nove meses até que obtivéssemos qualquer feedback. Respondemos aos comentários e enviamos duas versões revisadas, mas as exigências sobre o nosso protocolo apenas aumentaram e os atrasos editoriais foram tão pronunciados que concluímos que os editores deliberadamente obstruíam o processo para nos desgastar esperando que fosse nós mesmos a retirar a revisão, enquanto o grupo não seria visto como sendo inútil.

Em um determinado momento, Churchill anexou um documento de 30 páginas com 86 pontos de itens para os quais nada menos do que quatro editores e três revisores de pares haviam contribuído, com comentários individuais, nomeados. O documento continha 12.044 palavras, incluindo as nossas respostas a comentários anteriores, o que foi sete vezes maior do que o nosso protocolo original de 2017. Anders me escreveu que a nossa revisão era bastante simples, pois queríamos apenas ajudar as pessoas que desejavam sair de suas drogas, mas não tínhamos permissão para fazê-lo: “Que tipo de mundo é este?”.

Quando Churchill nos enviou a oitava e última revisão feita pelos pares, o convite dela para abordar o feedback tinha subitamente sido metamorfo- seado em uma rejeição total. As revisões da Cochrane sobre drogas são sobre como colocar as pessoas nas drogas, não sobre sair delas, e a 8ª revisão pelos pares é uma das piores que eu já vi. É tão longa quanto um artigo de pesquisa, 1830 palavras, e forneceu as Roupas Novas do Imperador que o grupo precisava para se livrar de nós. Em contraste com as outras sete revisões, o carrasco era anônimo. Nós pedimos a identidade do revisor, mas isto não foi concedido.

Apelamos da rejeição de Churchill, respondemos aos comentários e submetemos a versão final do nosso protocolo. Todas as 8 revisões, os nossos comentários e o nosso protocolo final nós os baixamos, como parte do artigo que publicamos sobre o caso. [13] Isto permite aos observadores independentes concluir por eles mesmos se é a Cochrane ou nós os culpados pelo fato de que os pacientes não receberem a revisão da Cochrane no momento da retirada merecida por eles.

Foram necessárias muito poucas mudanças no protocolo. O 8º revisor havia negado uma longa série de fatos científicos e havia usado várias falácias do espantalho acusando-nos de coisas que nunca havíamos reivindicado.

Fomos acusados de “pintar um quadro” sobre como evitar o uso das pílulas da depressão, o que não representava o consenso científico, uma observação totalmente irrelevante e enganosa para uma revisão sobre a retirada desses medicamentos. O revisor queria que “começássemos com uma declaração sobre por que os antidepressivos são considerados pela comunidade científica como benéficos … no tratamento de uma ampla gama de problemas de saúde mental altamente incapacitantes e debilitantes” e nos acusou de não sermos científicos porque não havíamos mencionado os efeitos benéficos. Respondemos que a nossa revisão não era um anúncio para os medicamentos e que não era relevante discutir os seus efeitos em uma revisão sobre como parar de usá-los. Além disso, uma revisão da Cochrane não deveria ser um relatório de consenso.

Também os editores da Cochrane nos pediram para escrever sobre os benefícios e mencionar que “alguns antidepressivos podem ser mais eficazes que outros”, com referência a uma meta-análise da rede de 2018 em Lancet por Andrea Cipriani e colegas.14 Entretanto, embora haja um estatístico da Cochrane entre os seus autores, Julian Higgins, editor do Cochrane Handbook of Systematic Reviews of Interventions que descreve mais de 636 páginas como fazer com as revisões da Cochrane, [15] a revisão tem sérios erros. Demonstrei isto no artigo, “Recompensando as empresas que mais enganaram nos ensaios antidepressivos”,16 e uma reanálise feita por meus colegas do Centro Nórdico Cochrane mostrou que os dados dos resultados relatados em Lancet diferiram dos relatórios de estudos clínicos em 12 dos 19 ensaios que eles examinaram. [17]

Um editor da Cochrane nos pediu para descrever como as pílulas da depressão funcionam e quais são as diferenças entre elas, e um revisor queria que explicássemos quando era apropriado e inadequado usar as pílulas da depressão. Entretanto, não estávamos escrevendo um livro didático em farmacologia clínica, estávamos apenas tentando ajudar os pacientes a se livrarem de seus medicamentos.

Escrevemos em nosso protocolo que, “Alguns pacientes se referem à hipótese desacreditada de que um desequilíbrio químico em seu cérebro é a causa de seu transtorno psíquico e, portanto, também a razão para não se atreverem a parar”. O 8º revisor, que acreditava claramente no absurdo do desequilíbrio químico, opinou que descartamos muitas décadas de evidências de mudanças neuroquímicas observadas na depressão e nos acusou de termos sugerido, sem nenhuma evidência, que os prescritores perpetuam inverdades para justificar a prescrição de medicamentos.

Eles certamente o fazem, mas Cochrane usou a tática familiar de culpar os pacientes pelos erros e mentiras dos psiquiatras. Respondendo à mesma frase, a editora coordenadora Sarah Hetrick nos pediu para escrever: “As pessoas que tomam antidepressivos podem acreditar que isto é necessário porque acreditam que as dificuldades, que estão passando são devidas a um desequilíbrio químico no cérebro”. Os pacientes não inventaram esta mentira; os psiquiatras sim! [6]

O 8º revisor nos pediu para explicar o conceito de tratamento contínuo da pílula profilática para depressão, “uma estratégia clínica bem aceita”, mas isto estava fora do escopo de nossa revisão. Além disso, como observado no Capítulo 2, todos os ensaios realizados comparando a terapia de manutenção com a retirada do medicamento são defeituosos devido aos efeitos da interrupção abrupta no último grupo.

Fomos erroneamente acusados de ter confundido o reaparecimento da doença com os sintomas de abstinência, e o revisor até mesmo argumentou que a maioria das pessoas que havia tomado comprimidos da depressão por períodos prolongados poderia parar em segurança sem problemas, o que é flagrantemente falso.

O revisor queria que removêssemos esta frase: “a condição dos pacientes é melhor descrita como dependência às drogas” referindo-se aos critérios de dependência às drogas do DSM-IV. Respondemos que, de acordo com esses critérios, ninguém que fuma 20 cigarros todos os dias é dependente de fumar cigarros.

O nível de negação, ofuscação e confusão foi realmente alto no processo de dois anos. Fomos solicitados por um revisor a dar referências sobre as taxas de dependência, mas já o tínhamos feito de tal forma que um editor nos pediu que encurtássemos o texto.

Nossa antiga suspeita de que a Cochrane não estava interessada em ajudar os pacientes a saírem de suas drogas psiquiátricas tinha se tornado agora uma certeza. Mas não desistimos e apresentamos três recursos, um para Churchill, outro para Chris Eccleston, editor sênior da Rede Cochrane de Saúde Mental e Neurociência e professor de psicologia médica, e finalmente, para a editora chefe da Cochrane, Karla Soares-Weiser, que é psiquiatra.

Enfatizamos que a Colaboração Cochrane não deve criar obstáculos cada vez maiores ao longo do caminho daqueles que se voluntariam a fazer o trabalho de ajudar os pacientes que sofrem, mas sim que deve estar disponível e ajudar. Anteriormente, tínhamos escrito aos editores que eles “estão transformando algo, que é muito simples, em algo muito complicado. A nossa revisão tem um objetivo muito simples: ajudar os pacientes a saírem das drogas que eles querem”. Um editor nos escreveu que o nosso principal resultado da “cessação completa do uso de drogas antidepressivas” deveria ser mais claramente definido, pois pode não ser uma cessação para toda a vida. Talvez não, mas nenhum estudo em psiquiatria jamais acompanhou todos os pacientes até que todos eles estejam mortos.

O nosso primeiro recurso não foi tratado por Churchill, mas pela editora coordenadora do grupo Cochrane Airways, Rebecca Fortescue. Segundo ela, “um leitor pode ficar com algumas dúvidas sobre a posição dos autores da revisão a respeito dos danos e benefícios relativos das drogas psiquiátricas, o que não reflete totalmente o consenso internacional atual e que poderia causar alarme entre os usuários da revisão que confiam na imparcialidade da Cochrane”. Respondemos com um eufemismo britânico: “Estamos um pouco surpresos com este comentário”. A Cochrane não trata de consenso, mas de como obter a ciência correta, e está muito longe de ser imparcial.[6,7] Além disso, avaliar os danos e os benefícios das drogas psiquiátricas estava fora do escopo da nossa revisão. Não tínhamos escrito sobre esta questão em nosso protocolo ou oferecido qualquer “postura”.

Apesar de termos apontado isso repetidamente, Fortescue, os outros editores da Cochrane e os revisores não entenderam que “Tipos de participantes” eram pessoas que tomavam pílulas e que queriam sair delas. Como os sintomas de abstinência são semelhantes para qualquer tipo de paciente, doença ou medicamento, esta abordagem ampla é a correta, o que já expliquei em 2000 no BMJ no artigo: “Por que precisamos de uma perspectiva ampla sobre a meta-análise: ela pode ser de importância crucial para os pacientes”. [18] Fortescue pediu uma descrição mais clara da população, da intervenção e dos comparadores; por exemplo, se incluiríamos ensaios em profilaxia da enxaqueca, dor crônica ou incontinência urinária, e outro editor pediu detalhes sobre quais idades, sexos, ambientes, diagnósticos de depressão e tipos de pílulas da depressão incluiríamos, como se estivéssemos planejando fazer um ensaio aleatório. Socorro! Estas exigências eram totalmente absurdas e amadoras. Incluímos tudo!

Embora tenhamos explicado ao Eccleston que havia muito pouco o que nos separasse do grupo de Distúrbios Mentais Comuns Cochrane após a nossa última revisão, que Fortescue não tinha visto; ele – embora sendo psicólogo – juntou-se às fileiras da Cochrane e rejeitou sumariamente o nosso recurso com apenas 56 palavras: “Lamento muito que este artigo não tenha sido bem sucedido porque concordo com a importância da pergunta. Espero sinceramente que ambos retomem o que está feito e o completem em um outro envio. Precisamos estimular uma discussão sobre este importante tópico e ele se tornou mais importante com o tempo e cada vez mais”.

A editora chefe da Cochrane, Karla Soares-Weiser, rejeitou o nosso apelo em 72 palavras: “Tive a oportunidade de analisar cuidadosamente o protocolo, os comentários editoriais e de revisão feita pelos pares, juntamente com as suas respostas e as trocas de e-mails entre a sua equipe e os editores do Grupo de Revisão. Os comentários obtidos do processo aberto da revisão pelos pares indicaram consistentemente haver uma falta de clareza em relação aos métodos de revisão propostos e, apesar de mais de uma oportunidade para abordar este assunto, o protocolo não mostrou evidências suficientes de que isto tenha progredido”.

Nós nos perguntamos como pode ser um “processo aberto de revisão por pares” quando o carrasco foi deliberadamente disfarçado. Não podemos nem mesmo verificar se essa pessoa tinha conflitos de interesse inaceitáveis. Também não estava correto que houvesse uma falta de clareza sobre os nossos métodos. Mesmo tendo achado muitas das exigências pouco razoáveis, fizemos o nosso melhor para estar à altura delas e, sendo um autor de cerca de 20 revisões Cochrane e inúmeras outras revisões sistemáticas, tendo defendido o que poderia ser a primeira tese de doutorado sobre meta-análises no mundo da saúde, e tendo desenvolvido vários dos métodos que a Cochrane utiliza, acho que sei o que estou fazendo, em contraste com os editores da Cochrane.

O fato de que os pacientes estão se organizando em grupos de sobreviventes e em várias iniciativas relacionadas à retirada em todo o mundo é um sinal claro de que a guilda psiquiátrica os ignora, o que a Cochrane também o faz. Embora seja verdade que “algumas pessoas têm sintomas terríveis de abstinência”, um revisor queria que banalizássemos totalmente este mal escrevendo que “algumas pessoas têm sintomas de abstinência que podem afetar negativamente a qualidade de vida do paciente”. Isto deve estar no topo dos eufemismos britânicos. Nós muda- mos “terrível” para “grave”, o que foi documentado usando exatamente esta palavra.[8]

Também em 2015, a Cochrane protegeu os interesses da guilda psiquiátrica, os interesses comerciais da indústria de drogas e as falsas crenças da especialidade, quando expliquei em um artigo do BMJ por que o uso de drogas psiquiátricas a longo prazo causa mais danos do que benefícios e que, portanto, nós devemos usar essas drogas com muita parcimônia. [19] No mesmo dia, o então editor-chefe da Cochrane, David Tovey, que não é psiquiatra, mas tem formação como médico de família, e os três editores responsáveis pelos três grupos de saúde mental da Cochrane, incluindo Rachel Churchill, atacaram a minha credibilidade científica em uma resposta rápida ao meu artigo. [7] Vários editores de outros grupos da Cochrane me disseram que estavam consternados por esses editores terem tentado denegrir a minha pesquisa apelando à autoridade e não à razão, o que eles achavam que não deveria acontecer na Cochrane.

Publicaremos nossa revisão de retirada das drogas em um periódico cujos editores não sejam moralmente corruptos e que têm como principal prioridade os interesses dos pacientes.

Guia para a retirada de drogas

Os médicos de família são os maiores prescritores de medicamentos psiquiátricos, mas os psiquiatras devem ser supostamente os especialistas em como e quando usá-los, e como sair deles. Eles são, portanto, os responsáveis pelo desastre das drogas que temos.

Os psiquiatras tornaram centenas de milhões de pessoas dependentes de medicamentos psiquiátricos e ainda não fizeram praticamente nada para descobrir como ajudar os pacientes a viver sem eles novamente. Eles realizaram dezenas de milhares de testes de drogas, mas sobre a retira segura apenas alguns poucos estudos. Temos, portanto, muito pouco conhecimento baseado em pesquisas sobre como retirar as pessoas.

Há mais de 150 anos, não só não existe uma base de evidências sobre como se pode eliminar os medicamentos psiquiátricos viciantes – incluindo brometos, ópio e barbitúricos – mas as diretrizes oficiais em todo o mundo têm sido insuficientes, enganosas e perigosas.[3,9,20,21] Em todos esses anos, os médicos ignoraram quando os seus pacientes reclamaram das dificuldades para sair de suas drogas e foram incapazes de ajudá-los.

Como resultado, os pacientes começaram a encontrar soluções por conta própria e a aconselhar outros pacientes em como parar com segurança.[21-27] Este extenso corpo de conhecimento dos usuários, baseado no trabalho daqueles que experimentaram a própria retirada, é muito mais confiável, relevante e útil do que o pouco que existe em termos dos chamados conhecimentos profissionais. Portanto, irei me concentrar nas experiências dos usuários e nos conselhos dos colegas que já fizeram a retirada de muitos pacientes. Vou alternar entre descrever a retirada do ponto de vista do paciente e do ponto de vista do terapeuta.

Muitos psiquiatras continuam a fechar os olhos para o desastre e argumentam que precisamos de mais provas de ensaios clínicos randomizados, mas é pouco provável que tais provas sejam úteis, pois a retirada é um processo altamente individual e variável. Além disso, mais de 150 anos de espera não é suficiente?

Há muitas coisas que você precisa considerar cuidadosamente antes de iniciar um processo de retirada. Se possível, você deve encontrar um profissional que o ajude a passar por isso. Este pode ser o seu médico, mas muitas vezes não pode. É pouco provável que o seu médico saiba como isso deve ser feito. Ainda hoje, muitos médicos aconselham aos seus pacientes a tomar os medicamentos dia sim, dia não,[2] o que causará sintomas horríveis e perigosos de abstinência em muitos pacientes e levará a fracassos completos. A maioria dos médicos, e os psiquiatras não são exceção, expõem os seus pacientes aos sintomas da retira abrupta porque retiram a droga muito rapidamente, e os insucessos que causam fazem com que muitos deles decidam não tentar ajudar os pacientes novamente, enquanto se convencem de que seus pacientes ainda estão doentes e que precisam da droga.

É assustador o que acontece na “vida real”, sobre a qual os psiquiatras adoram falar quando tentam se distanciar de pessoas como eu, que obtêm os seus conhecimentos principalmente da leitura e de suas próprias pesquisas. A realidade é muito diferente do mundo da fantasia que os psiquiatras retratam em seus artigos, livros didáticos e manifestos com o objetivo de influenciar os políticos e preservar o status quo. Aqui está uma história típica que um paciente me enviou: [1]

Após um evento traumático (surpresa, crise e depressão), receitaram-me pílulas da felicidade sem informação adequada sobre possíveis efeitos colaterais. Um ano depois, pedi à psiquiatra que me ajudasse a parar a droga, pois não achei que fosse útil… Quando deixei a psiquiatra, ela me convenceu… que eu estava sendo maltratado e que deveria ter uma dose maior… Ela me advertiu contra interromper a droga, pois isso poderia levar à depressão crônica. Durante o período em que a psiquiatra esteve de licença médica prolongada, eu tive a coragem, apoiada por uma psicóloga, para afilar a droga. Eu vinha tomando a droga por 3,5 anos e havia ficado cada vez mais letárgica e indiferente a tudo. Era como escapar de uma redoma. A afilação não é sem problemas, dá muitos sintomas de abstinência … Quando a psiquiatra voltou após a sua doença, ela sentiu-se “insultada” com a minha decisão de parar a droga. Entretanto, eu estava muito melhor, e em resposta à minha pergunta de que eu não estava mais deprimida, ela disse: “Eu não sei”. Mas se eu não quiser pílulas da felicidade?, perguntei. “Bem, então eu não posso ajudá- la!” foi a resposta … esta psiquiatra tinha uma relação próxima com um fabricante de pílulas da felicidade.

É errado quando a autoestima dos psiquiatras está relacionada a se os seus pacientes gostam das drogas que eles prescrevem, e quando eles não veem alternativas às drogas, mas é comum eles dispensarem os pacientes que não querem drogas. Embora os psiquiatras queiram tanto ser vistos como verdadeiros médicos, eles esqueceram o que isso significa: em primeiro lugar, é não fazer mal. Com as suas drogas, eles viraram tudo de cabeça para baixo: primeiro, fazer mal. E dizer aos pacientes que eles se acostumarão a isso.

É uma batalha difícil, mas se você tiver sorte e tiver um bom médico que esteja disposto a ouvir e a admitir a própria incerteza dele, talvez você queira tentar educá-lo como parte do seu processo de retirada, o que beneficiaria a outros pacientes.

Anos atrás, uma de minhas colegas, a farmacêutica Birgit Toft, decidiu fazer exatamente isso: educar os médicos de família. Ela se concentrou nos benzodiazepínicos e na retirada deles, e os seus resultados foram notáveis. [28] A partir de 2005, Birgit fez um grande esforço junto aos médicos de família de uma região dinamarquesa para reduzir o uso excessivo das pílulas do “sono nervoso”. Como as recomendações e diretrizes não haviam funcionado, os seus esforços foram direcionados à atitude dos médicos e à renovação das prescrições médicas.

De 2004 a 2008, o consumo caiu 27%. O modelo foi adotado em todo o país em 2008, e após alguns anos, o consumo em todo o país havia caído significativamente.

O que funcionou foi o compromisso e a mudança de atitude dos médicos; eles e suas secretárias adquiriram novos conhecimentos; bem como a colaboração entre os profissionais. Além disso, era essencial que os pacientes se reunissem pessoalmente na clínica se as prescrições fossem renovadas e que os pés dos médicos fossem mantidos ao fogo por consul- tores de qualidade na região.

A maioria das prescrições são renovadas por telefone pela secretária ou pela Internet. A secretária prepara uma renovação da receita, que o médico aprova apertando um botão no computador. Essa fácil renovação das prescrições é uma das razões pelas quais os tratamentos continuam por muito tempo. A atenção do médico não é grande o suficiente quando o paciente não aparece na clínica. Portanto, devemos exigir atendimento pessoal para todos os medicamentos psiquiátricos, e mudanças de atitude devem ser feitas, de modo que a retirada se torne pelo menos tão importante quanto iniciar o tratamento.

Foram realizadas palestras para médicos e secretários, foram escritos panfletos para médicos, secretários e pacientes, e a imprensa semanal local informou aos cidadãos que eles poderiam esperar ver o seu médico na próxima vez que chamassem a clínica para uma prescrição médica.

O ensino concentrou-se nos danos do medicamento, especialmente nos sintomas de abstinência. Os médicos foram instados a começar com os pacientes mais fáceis, experimentando assim que era possível afilar o medicamento.

Muitos médicos estavam céticos. No entanto, eles não haviam tentado a afilação lenta introduzida por Birgit, faziam a redução durante apenas alguns dias ou submetiam os pacientes a uma interrupção abrupta. Apesar da relutância deles, muitos médicos acabaram pedindo desculpas a seus pacientes por tê-los enganchado com a droga. O uso de estatísticas foi inicialmente percebido como uma ameaça, mas quando os médicos revisaram as prescrições de seus pacientes, foi como um abrir de olhos e, por fim, passaram a solicitar as estatísticas de uso para ver se os seus esforços haviam funcionado.

Infelizmente, o sucesso foi de curta duração, pois os médicos passaram a usar as novas pílulas da depressão. O trabalho de Birgit nos diz que é útil envolver-se no trabalho dos profissionais, mas também que o efeito desaparece rapidamente se o processo não for permanente.

Pessoas de apoio

Alguns médicos não vão querer que você se retire das drogas. Ou não querem investir o tempo que será necessário, uma vez que a renda proveniente da receita médica após alguns minutos de consulta é muito maior do que se eles se envolverem em problemas das pessoas com a retirada e fornecerem apoio psicológico enquanto as pessoas estão em processo de retirada. Há tantos obstáculos no sistema, o qual não está orientado de forma alguma para ajudar as pessoas a se retirarem, que parece como se a medicação para toda a vida fosse tacitamente assumida como uma coisa boa.

Se não for um médico, quem pode ser seu ajudante? Tente encontrar uma pessoa que tenha tido sucesso com a retirada, um chamado mentor de recuperação, e envolva essa pessoa em sua retirada, se você puder. Na maioria dos países há organizações de sobreviventes psiquiátricos que estão preparados para ajudar. [22-26] Vá à Internet e encontre-os.

Além dos mentores de recuperação, os melhores ajudantes são pessoas treinadas em psicoterapia, por exemplo, psicólogos. Pode ser uma experiência esmagadora quando as suas emoções, que foram suprimidas por tanto tempo, retornam, e nesta fase pode ser crucial que você obtenha apoio psicológico de alguém que possa lhe ensinar a como lidar com a transição de viver em uma redoma para viver uma vida plena, para que você não desista e se esconda novamente sob uma nuvem de drogas, esquecendo que o sol está esperando por você do outro lado.

Alguns psicólogos se recusam a ajudar os pacientes no processo de retirada, porque foram doutrinados durante os seus estudos universitários por professores que são psiquiatras biológicos incondicionais propagando as muitas mentiras da especialidade. Eles podem, portanto, acreditar que os medicamentos psiquiátricos são a tal ponto bons e necessários que não é necessária a retirada. A maioria dos psicólogos acredita que os psiquiatras sabem o que estão fazendo. Em outros casos, eles pensam que não estão autorizados a interferir com as prescrições e as ordens dos médicos.

Isto não é correto. Os psicólogos podem ajudar os pacientes com os seus problemas e dar os conselhos que se sentem confortáveis em dar, apoiando-os o máximo possível, não importa qual seja a questão, e, portanto, também quando os pacientes decidem que querem sair de suas drogas. Um guia abrangente para psicólogos foi publicado em dezembro de 2019 que pode ajudar àqueles que estão em dúvida sobre o que eles podem fazer e como fazê-lo. [9]

Conheço vários psicólogos que ajudam os pacientes a se retirarem de todos os tipos de drogas, também neurolépticos. Os psiquiatras podem tentar impedir que outros médicos façam isso (acima ver a queixa de Videbech sobre mim), dizendo-lhes que, de acordo com a lei, somente os psiquiatras podem determinar se um paciente deve continuar com um neuroléptico. O que esta lei significa pode ser discutido e interpretado, mas como só se aplica a médicos, os psicólogos e os outros terapeutas são livres para fazer o que acharem apropriado.

Um profissional de saúde ou mentor de recuperação raramente será capaz de apoiá-lo diariamente. Portanto, você precisa de uma ou duas pessoas que estejam dispostas a fazer isso, pois você pode não ser capaz de se avaliar durante a retirada. Você também precisa decidir se aqueles que se preocupam com você e tentam ajudá-lo podem entrar em contato com o seu médico e outros, se eles observarem problemas ou reações sérias que você não possa ver em si mesmo ou que nega a existência. Diga-lhes o que você decidiu.

A pessoa de apoio diário poderá ser um membro da sua família ou um bom amigo, desde que essa pessoa compartilhe a sua opinião de que uma vida sem drogas é melhor do que uma vida com drogas, a qual você deu o controle a psiquiatras ou outros médicos.

A sua pessoa de apoio não deve ser uma pessoa com ideias fofas, pois isso pode distraí-lo em vez de ajudá-lo. Muitas pessoas bem-intencionadas têm publicado recomendações estranhas na Internet e em folhetos sobre a retirada que você deve ignorar, por exemplo, beber muita água, homeopatia, acupuntura, vitaminas, outros tipos de medicina alternativa e várias dietas não o ajudarão.29 O que pode ser útil é concentrar-se em algo positivo, algo que você gosta, por exemplo, tocar piano, fazer esporte ou caminhar na floresta. Evite o máximo possível os pensamentos negativos. Eles tendem a prendê-lo em uma espiral descendente.

Para o terapeuta, uma abordagem estruturada é muito útil. Deve haver tempo suficiente na primeira reunião, e você deve fazer um histórico completo para entender como pode ajudar melhor. Quando é que a questão da saúde mental começou e o que foi? O primeiro sintoma é muitas vezes a ansiedade,30 mas isto tende a ser esquecido, pois a condição se deteriora e outros sintomas aparecem, e especialmente depois de uma longa “carreira” psiquiátrica onde o paciente pode nem se lembrar que houve um tempo em que ele estava bem e como era essa sensação.

Foi dito ao paciente que ele tinha um desequilíbrio químico, que as drogas funcionam como a insulina para o diabetes, que a sua doença está em seus genes e que duraria uma vida inteira, ou que ele poderia ficar demente ou sofrer danos cerebrais de outras formas se ele não tomasse as drogas? Todas estas mentiras são prejudiciais porque convencem os pacientes de que devem tomar drogas que não gostam, porque pensam que a alternativa é pior.

Ele já tentou se retirar antes, teve algum apoio, ou só encontrou resistência? Por que ele falhou?

Um bônus adicional por dedicar tempo suficiente na primeira reunião poderia ser o de reforçar a autoconfiança e a determinação do paciente  para finalmente fazer algo. Pode ser a primeira vez que alguém mostra interesse em levar a sério o histórico completo do paciente, ou em ouvir atentamente o paciente quando ele decide tomar o seu destino em suas próprias mãos. Este é um momento crucial e vulnerável onde você deve dar ao paciente todo o apoio emocional que puder.

Muitas vezes é um trabalho enorme para ajudar um paciente a passar pela retirada, e não termina aí. Junto com o paciente, você deve envolver tudo e resumir o processo de retirada, incluindo os sintomas mais importantes experimentados ao longo do caminho. Você também deve oferecer o seu apoio contínuo.

Como ocorre com a maioria das outras condições, os sintomas de abstinência aumentam e diminuem. Se você ficar estressado, alguns dos sintomas de abstinência podem retornar,21 o que aumenta dramaticamente o risco de você cair novamente na armadilha do medicamento, particularmente porque a maioria dos médicos descartará a possibilidade de que os sintomas de abstinência possam reaparecer muito tempo após uma abstinência bem sucedida e lhe dirá que são sintomas da doença. Os sintomas também podem ressurgir sem razão aparente ou em resposta a outros medicamentos, já que muitos medicamentos não psiquiátricos têm efeitos sobre o cérebro. Lembre-se, pode levar muitos anos até que o seu cérebro tenha se recuperado completamente.

A(o) paciente precisa saber que você estará sempre disponível para ela(ele). Esta sensação de segurança e que alguém se importa pode ter um forte efeito curativo (ver também o Capítulo 3 sobre psicoterapia).

O comitê de ética em pesquisa matou o nosso projeto de retirada

Eu tive sete estudantes de doutorado em psiquiatria que produziram incomparáveis resultados de pesquisa com grande benefício para os pacientes, mas os nossos resultados foram praticamente todos desprezados pelos líderes psiquiátricos e outros médicos igualmente aprisionados na mitologia da psiquiatria.

Houve bloqueios desde o início, quando queríamos percorrer a paisagem psiquiátrica. A minha primeira estudante de doutorado em psiquiatria, Margrethe Nielsen do Conselho Dinamarquês do Consumidor, mostrou em seu doutorado que tínhamos repetido os mesmos erros com as novas pílulas da depressão o que havíamos feito anteriormente com as benzodiazepinas, e antes delas com os barbitúricos. Eu citei os seus estudos em capítulos anteriores. Eles eram sólidos, mas não foram bem aceitos por dois dos seus examinadores, que tinham motivos para se auto-defender. [6] Um, Steffen Thirstrup, trabalhava para a agência dinamarquesa de regulação de medicamentos, o outro, John Sahl Andersen, era clínico geral.

Eles queriam rejeitar a tese dela sem haver uma razão aparente, e o terceiro examinador, o professor psiquiatra David Healy, discordou deles. Esta era uma situação delicada, e um funcionário da universidade chamou-me para discutir o que deveríamos fazer. Concordamos em tratar as rejeições, que foram totalmente pouco convincentes, como se tivessem sido revisões pelos pares. Margrethe respondeu aos comentários e reescreveu um pouco a sua tese, e depois de ter apelado para a Universidade, ela a defendeu com sucesso. Se não houvesse um terceiro examinador, ela poderia não ter obtido o seu doutorado, o que teria sido uma grande injustiça, pois a sua tese é consideravelmente melhor do que muitas que eu vi.

Anders e eu decidimos que ele deveria orientar 30 pacientes consecutivos que se dirigiam a nós para pedir ajuda na retirada, não importando quais drogas tomavam, e escrever sobre isso porque não havia um único artigo desse tipo na literatura. Raciocinamos que seria melhor lidar com esta ideia “herege” – à qual a psiquiatria dominante se oporia veementemente – com o máximo de cuidado e, portanto, escrevemos um protocolo de pesquisa que submetemos ao comitê de ética em pesquisa.

Consideramos fazer uma ensaio randomizado porque isto é o que normalmente se necessita para convencer as pessoas de que elas devem seguir os seus conselhos quando fazem a sua retirada. Mas não podíamos ver o que deveríamos fazer aleatoriamente. Intervalos curtos ou longos entre as reduções da dose? Não é relevante, pois é altamente individual o quão rápido se pode afilar. Reduções da dose de 10% ou 20% de cada vez? Poderíamos haver feito isso e talvez isso tivesse dado resultados interessantes. Mas como não achávamos provável, submetemos um protocolo sem randomização que descrevesse o que planejávamos fazer com todos os pacientes.

Muito fácil e direto pensamos, mas nos deparamos com um formidável bloqueio de estrada. O comitê respondeu que, embora dois psiquiatras experientes estivessem envolvidos com o nosso projeto, o principal investigador, Anders, era um psicólogo e não havia uma descrição clara de quem seria o responsável pela retirada de drogas, o que, por razões de segurança do paciente, precisava ser um psiquiatra.

Uma observação interessante é considerar que um membro do comitê era um psiquiatra trabalhando no hospital psiquiátrico de Copenhague aonde, em um curto intervalo de tempo, matou dois pacientes com neurolépticos porque os psiquiatras eram incompetentes. [31] Ambos caíram mortos de repente no chão. O primeiro morreu bem na frente do segundo, Luise, que contou à sua mãe: “Eu serei a próxima”. Luise sabia que os psiquiatras iriam matá-la. Ela sobreviveu por um tempo, porque tolerou a overdose de neurolépticos vomitando a maioria deles. Finalmente, eles quebraram o seu mecanismo de defesa com uma injeção letal de uma droga de depósito. Isto foi chamado de “morte natural”. Tanto ela quanto a sua mãe haviam avisado à unidade assistencial sobre a dose muito alta, mas os psiquiatras as ignoraram.

No dia em que mataram a sua filha, todos os anos há uma manifestação em frente ao hospital, com faixas organizadas pela organização “Morta pela Psiquiatria”, que a sua mãe Dorrit Cato Christensen iniciou. Às vezes, há cerca de 20 parentes de pacientes psiquiátricos que morreram da mesma maneira.

O livro de Dorrit sobre a sua filha é uma longa história de horror com as malfeitorias feitas pela psiquiatria. Nem mesmo após a morte houve justiça. Dorrit reclamou, mas a arrogância do sistema foi inacreditável, tanto antes quanto depois da sua morte. Foi-lhe dito que o tratamento tinha correspondido ao padrão profissional em psiquiatria, o que infelizmente não está muito longe da verdade, pois o padrão é horrível em todos os lugares. O prefácio, escrito pelo anterior Primeiro Ministro Poul Nyrup Rasmussen, começa com: “Mãe, você não vai dizer ao mundo como somos tratados?”. [31] Este foi o último pedido da filha feito à sua mãe antes de ser morta.

Assim, não podíamos de forma alguma ver porque, por razões de segurança do paciente, um psiquiatra precisava ser responsável pela retirada de drogas em nosso projeto. Além disso, não se trata de uma exigência legal.

A fim de avaliar se a pesquisa era segura para os pacientes, o comitê solicitou que realizássemos uma revisão bibliográfica sobre o risco de tentativas e suicídio entre esses pacientes. Esta foi também uma observação interessante, pois as drogas aumentam o risco de suicídio e que não existem drogas que reduzam o risco.

Foi-nos pedido que explicássemos em detalhes como garantiríamos que somente os sujeitos que tolerassem a retirada de drogas seriam retirados das drogas na pesquisa. Este foi um ardil-22 que matou o nosso projeto, pois ninguém – inclusive psiquiatras – seria capaz de garantir isto. Haveria que usar ensaio e erro.

As outras exigências eram igualmente irracionais. O comitê queria que os critérios de inclusão e exclusão fossem mais específicos e solicitou uma explicação de quais parâmetros usaríamos e se nossos questionários foram validados e possibilitariam tirar conclusões confiáveis. O estágio final da pesquisa era se o paciente havia ficado livre de medicamentos, o que não exige que os questionários validados sejam confiáveis.

Também nos foi solicitado que fizéssemos muitos acréscimos às informações do paciente. Pense sobre isso. Quando um comitê de ética em pesquisa acredita que é tão perigoso ajudar pacientes que querem sair de suas drogas, então por que diabos as drogas foram aprovadas em primeiro linha? Elas não são perigosas demais para serem usadas? Creio que esta deve ser a conclusão lógica, mas com a assistência em saúde não se trata de lógica; trata-se de poder.

Depois que o comitê matou o nosso projeto, chamei uma advogada que trabalhava para o comitê e lhe disse que poderíamos simplesmente retirar os pacientes como o planejado, sem chamar a isso de pesquisa. Ela não teve bons argumentos contra isso, então foi isso o que fizemos.

Estão sendo realizados ensaios clínicos que randomizam os pacientes para a retirada abrupta e para a que é feita gradualmente. Esses estudos são altamente antiéticos, pois metade dos pacientes é prejudicada desnecessariamente. Por diversão acessei clinicaltrials.gov e procurei por depressão [depression] e afilamento [taper]. A primeira experiência que encontrei foi totalmente antiética, para todos os pacientes. A pesquisa compara um afilamento de duas semanas com um afilamento de uma semana (ClinicalTrials.gov Identifier: NCT02661828): “Como a cessação abrupta de medicamentos antidepressivos pode causar sintomas angustiantes (incluindo e não se limitando à piora do humor, irritabilidade/agitação, ansiedade, tonturas, confusão e dor de cabeça), o objetivo deste estudo é comparar a tolerância de dois regimes de afilamento com a hipótese de que a afilação da dose de antidepressivo durante duas semanas produzirá menos sintomas de descontinuação do que um regime de afilação de uma semana”. Esta pesquisa foi patrocinada pela Emory University, famosa por um enorme escândalo de corrupção (ver Capítulo 2). [6] Não preciso dizer mais nada. A psiquiatria é uma loucura, mas não tanto por causa dos pacientes.

Dicas sobre a retirada

Anders reuniu uma coorte consecutiva de 30 pacientes que nos contataram para obter ajuda. Não estabelecemos limitações quanto ao tipo de droga, diagnóstico, duração da ingestão de drogas, gravidade dos sintomas atuais, tentativas anteriores de retirada, ou a avaliação do psiquiatra clínico sobre se a descontinuação poderia ser recomendada.

Cerca da metade dos 30 pacientes tinha tomado drogas por 15 anos ou mais; a maioria deles tinha tentado se retirar várias vezes sem sucesso; e todos os tipos de drogas psiquiátricas estavam envolvidas. Apesar das altas probabilidades, Anders percorreu um longo caminho e retirou a maioria dos pacientes, em seu tempo livre e sem pagamento.

O trabalho de Anders é impressionante, e seus pacientes são imensamente gratos pela sua ajuda altruísta. Eles fazem consultas ad hoc com ele de acordo com as suas necessidades e ele organiza reuniões de grupo quatro vezes por ano, onde compartilham as suas experiências. Eles têm o seu número de celular e podem ligar para ele a qualquer momento. Isto é importante do ponto de vista psicológico e tem colocado um fardo extra sobre ele. Muitos têm usado esta possibilidade, o que ilustra que é muito exigente ajudar as pessoas a se retirarem.

Os pacientes preenchem três questionários:

  1. Uma entrevista qualitativa estruturada antes da primeira redução da dose, o que inclui a sua história e a experiência com a psiquiatria, detalhes sobre as tentativas anteriores de abstinência, as suas próprias opiniões sobre os seus sintomas e a condição, detalhes sobre o que lhes foi dito pelos seus psiquiatras, e medos e esperanças para a tentativa de uma abstinência
  2. Depois de haver se tornado livre das drogas, uma entrevista qualitativa sobre as experiências deles de passar pela retirada e a recuperação da psicopatologia, as orientações sugeridas para outros pacientes, quais foram as barreiras e o que os ajudou
  3. Um questionário sobre qualidade de vida (Q-les-Q) antes da primeira redução da dose e seis meses depois de ter se tornado livre delas.

Uma vez por ano, todos os pacientes e os seus parentes mais próximos são convidados para uma noite de informação onde os princípios básicos da retirada das drogas e da recuperação da psicopatologia são explicados em detalhes e perguntas podem ser feitas. O objetivo é fortalecer a função de apoio dos parentes e evitar ter parentes que se oponham à escolha dos pacientes pela retirada, o que muitas vezes é um problema.

Foi criada uma rede de apoio entre pares aonde os pacientes podem compartilhar informações e apoiar uns aos outros fora das reuniões oficiais.

A terapia envolve ajudar os pacientes a superar as dificuldades que eles experimentam. Isto inclui o tratamento dos sintomas de abstinência – como eles são, como minimizá-los, como lidar com eles psicologicamente e como evitar que se desenvolvam em uma ansiedade destrutiva e em desistência da retirada. Também envolve lidar com a ansiedade e com as emoções na medida em que as pessoas voltam à vida (cessou o embotamento emocional), o retorno à sociedade e às relações sociais, a crise de perceber o quanto a psiquiatria biológica roubou a sua vida e como fazer uso de um tratamento genuíno e não medicamentoso da doença, se ela ainda estiver presente após a retirada bem-sucedida.

Sem uma abordagem sistemática e apoio durante a retirada, é provável que o resultado seja muito menos positivo do que o que Anders obteve.

Dos 250 adultos com doenças mentais graves que queriam parar os medicamentos psiquiátricos, os quais 71% deles haviam tomado por mais de nove anos, apenas 54% atingiram o seu objetivo de descontinuar completamente um ou mais medicamentos. [32,33] Eles usaram várias estratégias para lidar com os sintomas de abstinência, que 54% classificaram como graves. A autoeducação e o contato com amigos e com outras pessoas que haviam parado ou reduzido os medicamentos foram citados com mais frequência como sendo úteis. Apenas 45% classificaram os médicos como úteis durante a retirada; 16% começaram o processo contra o conselho do seu médico, e 27% não disseram ao médico, pararam de consultar o médico ou procuraram um novo médico. Dos entrevistados que tiveram sucesso, 82% estavam satisfeitos com a sua decisão.

Na Holanda, o ex-paciente Peter Groot e o professor psiquiatra Jim van Os tiveram uma iniciativa notável. Uma farmácia holandesa produz tiras afiladas, com doses cada vez menores do medicamento, facilitando a retirada do mesmo. Seus resultados também são notáveis: em um grupo de 895 pacientes em pílulas da depressão, 62% haviam tentado se retirar sem sucesso, e 49% destes haviam experimentado sintomas graves de retirada (7 em uma escala de 1 a 7). [33] Após uma mediana de apenas 56 dias, 71% dos 895 pacientes haviam retirado o seu medicamento. Cada tira cobre 28 dias e os pacientes podem usar uma ou mais tiras para regular a taxa de redução da dose. Há um site dedicado a isto onde informações atualizadas podem ser encontradas: taperingstrip.org.

Venlafaxine pode ser uma droga particularmente difícil, mas Groot e van Os mostraram que 90% dos 810 pacientes que começaram com a dose mais baixa disponível, 37,5 mg, fizeram a afilação em três meses ou menos. [21] Alguns precisaram de mais de meio ano, pois sofriam de sintomas graves de abstinência, e muitos dos que tiveram sucesso em apenas três meses teriam se beneficiado de um período mais longo de retirada, pois os sintomas de abstinência podem ser acentuadamente reduzidos se a afilação levar mais de seis meses. [34]

No entanto, existe um problema de seguro. As seguradoras de saúde holandesas se recusam a reembolsar os medicamentos afilados pelo tempo necessário, porque “não há provas na literatura” de que a retirada tão lenta seja necessária. O Instituto Nacional de Saúde Holandês tem estado do lado das seguradoras de saúde em todos os casos em que os pacientes emitiram uma reclamação oficial, mesmo quando os seus médicos tinham atestado a gravidade dos sintomas da retirada. [21]

  • ADVERTÊNCIA! As drogas psiquiátricas são viciantes. Nunca as interrompa abruptamente, porque as reações de abstinência podem consistir em sintomas emocionais e físicos graves que podem ser perigosos e levar ao suicídio, violência e homicídio. [6]
  • Nunca tente proceder o afilamento da medicação em um paciente que não tem um desejo genuíno de estar livre de drogas. Isso não vai funcionar.
  • É da maior importância que VOCÊ seja o responsável pela retirada. Não vá mais rápido do que você pode.
  • Encontre alguém que possa acompanhá-lo de perto durante a retirada, pois você mesmo pode não notar se você ficar irritável ou inquieto, que são alguns dos sinais de
  • A retirada pode ser a pior experiência de sua vida. Portanto, você precisa estar preparado para isso. Você não deve começar se estiver trabalhando demais ou estressado, o que poderia piorar os sintomas da retirada.
  • Lembre-se sempre, especialmente se for difícil, que do outro lado existe uma vida sem drogas que é melhor e que você a
  • Não é culpa sua se você se sente miserável. A culpa é do seu médico que lhe prescreveu os medicamentos. Não perca a esperança ou a sua autoconfiança.
  • Não acredite nos médicos que lhe dizem que você se sente miserável porque a sua doença retornou. Este é muito raramente o caso. Se os sintomas vêm rapidamente e você se sente melhor em poucas horas após aumentar novamente a dose, é porque você tem sintomas de abstinência, não porque a sua doença cause isso.

Em 2017, Sørensen, Rüdinger, Toft e eu escrevemos um pequeno guia para a retirada de medicamentos psiquiátricos, com dicas sobre como dividir comprimidos e cápsulas, e fizemos uma tabela de abstinência. Atualizamos as informações em 2020 em meu site, deadlymedicines.dk, onde há também uma lista de pessoas de vários países que estão dispostas a ajudar as pessoas a se retirarem, e links para vídeos de nossas palestras sobre a retirada em 2017. [35]

Vou ampliar essas informações abaixo. Fui inspirado por muitas pessoas, além de numerosos pacientes e dos profissionais já mencionados, particularmente pelos psiquiatras Jens Frydenlund e Peter Breggin cujo livro sobre a retirada de medicamentos psiquiátricos é muito útil. [36]

Há uma enorme sobreposição de sintomas de abstinência entre as diferentes classes de drogas e, embora existam diferenças importantes, é mais fácil seguir a orientação se ela for a mesma para todas as drogas. Como é altamente variável a experiência de pessoas diferentes, mesmo quando elas se retiram da mesma droga, isto também fala para manter os conselhos gerais. Portanto, você pode usar os meus conselhos se estiver tomando neurolépticos, lítio, sedativos, pílulas para dormir, pílulas da depressão, drogas parecidas com a velocidade ou antiepilépticos.

Antes de iniciar um processo de retirada, você deve se preparar com muito cuidado. Familiarize-se com o tipo de sintomas de abstinência, na forma de sintomas físicos e sentimentos e pensamentos inesperados, que você possa experimentar. Leia o folheto informativo do seu medicamento e assegure-se de ter um bom apoio de pessoas próximas a você. Você deve estar determinado a sair de sua droga, pois isso pode não ser fácil.

Os sintomas de abstinência são positivos, pois significam que o seu corpo está prestes a se tornar normal novamente. Eles não significam “eu sem drogas”, mas “eu na minha saída das drogas”. Durante um afilamento lento, os sintomas de abstinência desaparecerão na maioria das pessoas após alguns dias ou 1-2 semanas.

Como já observado, os sintomas de abstinência podem reaparecer repentinamente após um período sem sintomas, por exemplo, se você ficar estressado. [36] Isto é normal e não significa que a sua doença tenha voltado.

É importante que você tenha um começo com sucesso. Portanto, muitas vezes é melhor começar por remover a droga iniciada mais recentemente, [36] pois a retirada se torna mais difícil quanto mais tempo você estiver consumindo uma droga. [33,36] Também é importante retirar os neurolépticos e o lítio logo no início, pois eles causam muitos danos. [36]  A abstinência pode causar problemas de sono, o que é uma boa razão para que os auxiliares de sono sejam removidos por último.

Não é aconselhável retirar mais de uma droga de cada vez, pois isso torna difícil descobrir qual a droga está causandi os sintomas da abstinência.

Raramente é uma boa ideia substituir um medicamento por outro, mesmo que o novo medicamento tenha uma meia-vida mais longa e, portanto, seria mais fácil trabalhar com ele. Alguns médicos fazem isso, mas uma troca pode levar a problemas de abstinência ou, ao contrário, de sobredosagem, pois é difícil saber quais as doses devem ser usadas para as duas drogas durante a fase de transição. Mas pode ser necessário, por exemplo, se o comprimido ou a cápsula não puder ser dividida (ver abaixo).

Geralmente não é aconselhável introduzir um novo medicamento, por exemplo, um comprimido para dormir, se os sintomas de abstinência dificultarem o sono. Se os problemas se tornarem insuportáveis, é melhor aumentar um pouco a dose antes de tentar reduzir novamente, desta vez por uma quantidade menor ou com intervalos mais longos, ou ambos. Você decide, pois é o responsável pela retirada de seu medicamento; todos os outros são seus ajudantes.

Quão lento você deve ir? Como a maioria dos pacientes está consideravelmente sobredosada, talvez seja tentador dar um grande passo na primeira vez e reduzir a dose em 50%. Mas é melhor ir devagar desde o início, não só porque faz você sentir que pode lidar com a retirada, mas também porque pode dar errado com um grande primeiro passo. Isto pode ser porque todas as drogas não são específicas. Elas têm efeitos sobre muitos receptores, [34] e não conhecemos as curvas de ligação para todos estes receptores. Talvez você já esteja na parte íngreme da curva para um dos receptores quando inicia, ou talvez você esteja em regiões particulares do cérebro.

A retirada NÃO é um exercício acadêmico que pode ser derivado da teoria ou de ensaios randomizados, é um processo de ensaio e erro para cada um dos pacientes. O ritmo depende do medicamento, em particular de sua meia-vida, que é o tempo que leva para que a concentração sérica seja reduzida pela metade. A variação de paciente para paciente é enorme e também varia geneticamente, em termos de quão rapidamente cada um metaboliza um fármaco. Anders encontrou cinco ensaios randomizados, mas todos eles são problemáticos. Mais importante ainda, a afilação foi feita de forma muito rápida no grupo experimental, por exemplo, em apenas duas semanas. Estes ensaios levaram à alegação errônea de que não haveria vantagem significativa de uma afilação lenta em comparação com uma descontinuação abrupta! [21]

A redução da dose deve seguir uma curva hiperbólica (ver abaixo). Isto parece complicado, mas não é. Significa apenas que você reduz a dose  toda vez que você faz a afilação, removendo a mesma porcentagem da dose anterior. Assim, se você reduzir a dose em 20% cada vez, e você tiver reduzido para cerca de 50%, então você deve remover 20% novamente da próxima vez, o que significa que você agora desce para 40% da dose inicial. Você pode precisar de uma lixa de unhas para fazer isto e uma balança para que você possa pesar as quantidades. Consulte a farmácia para dividir comprimidos ou abrir cápsulas; ela vende um divisor de comprimidos.

Curva hiperbólica para reduções de dose quinzenais.

As recomendações oficiais não são assim. Elas podem recomendar que você reduza a dose pela metade toda vez, o que significa que, começando com 100%, que é a sua dose habitual, você desce para 50%, 25% e 12,5% de sua dose habitual em apenas três etapas, o que é muito rápido demais. Utilizando o método percentual, que é 20% de cada vez, será assim após três etapas: 100%, 80%, 64% e 51%.

Você pode tentar um intervalo de duas semanas entre as reduções de dose. Se funcionar bem, você pode diminuir este intervalo, por exemplo para dez dias. Você também pode precisar ir mais devagar do que 20%, pois você pode se sentir melhor reduzindo apenas com 10% de cada vez, ou você pode precisar de um intervalo de quatro semanas. [34]

A comunidade leiga de retirada descobriu que o menos perturbador é quando se reduz a dose em apenas 5-10% por mês. [23] Entretanto, se você reduzir em 10% por mês, levará dois anos até que você desça para 8% da dose inicial, portanto, se você estiver tomando quatro medicamentos, pode levar oito anos para se tornar livre de medicamentos. É preferível ir mais rápido que isso, suportando o que vem, e obter uma nova vida mais rápida, também porque quanto mais tempo você tomar uma droga, maior o risco de dano cerebral permanente, e mais difícil é sair da droga.

Continue na sua própria velocidade – de acordo com o que você sente. Não reduza novamente antes de se sentir estabilizado em relação à dose anterior. Você pode até mesmo querer fazer uma pausa em uma determinada dose se você se sentir estressado. Tente ficar confortável com o que você faz. Se os sintomas de abstinência forem ruins, tente suportá- los um pouco mais, sabendo que eles geralmente se tornarão menos intensivos e mais rápidos. Se você suportar os sintomas, isso pode lhe dar uma força interior e acreditar que você pode fazer isso até o final e não cairá de volta na armadilha da droga. Mas se se tornar muito difícil, volte para a dose anterior e reduza o ritmo de retirada.

Certifique-se sempre de ter um ou dois amigos ou familiares com os quais você possa discutir a sua saída e que possam observá-lo. Você pode não notar se você se tornou irritável ou inquieto, o que pode ser sintomas de perigo.

Não é raro que as pessoas não percebam o progresso que estão fazendo, e podem tender a se concentrar nos desagradáveis sintomas de abstinência. Seja paciente e aguente. Faça algo de bom para si mesmo. Um dia, você pode perceber que as aves estão cantando, pela primeira vez em anos. Então, você sabe que está no caminho certo para a cura.

O último pequeno passo pode ser o pior, não só por questões físicas, mas também por razões psicológicas. Você pode se perguntar: “Eu tomei esta pílula por tanto tempo; atrevo-me a dar o último pequeno passo? Quem sou eu quando não tomo a pílula?” Não ajuda se seu médico rir de você e lhe disser que é impossível que você possa ter quaisquer sintomas de abstinência quando a dose é tão baixa.37 Se seu médico estiver envolvido em sua abstinência e se comportar como um cara “sabichão”, então deixe o seu médico. Tendo chegado tão longe, é provável que você saiba muito mais sobre a abstinência do que o seu médico.

É prudente descer a uma dose muito baixa antes de parar. O Citalopram, por exemplo, é recomendado para ser usado em dosagens de 20 ou 40 mg diariamente, e surpreenderá qualquer médico saber que mesmo em uma dose tão baixa quanto 0,4 mg, 10% dos receptores de serotonina ainda estão sendo ocupados, [34] o que significa que você ainda pode experimentar sintomas de abstinência quando passar daquela pequena dose para nada. O psiquiatra Mark Horowitz admitiu que se os pacientes tivessem vindo até ele antes dele ter experimentado os sintomas de abstinência, ele provavelmente não teria acreditado neles quando disseram que tinham problemas reais ao tomar um comprimido da depressão. [37]

Se falhar não tome isso como uma derrota; apenas tente novamente em outra ocasião. Diga a si mesmo que você merece ter uma boa vida e estar determinado a consegui-la.

Lista de sintomas de abstinência que você pode experimentar

 Esta lista não está completa, e não pode ser completa, pois há tantos sintomas de abstinência diferentes, mas nós reunimos os mais típicos. Algumas pessoas sentem muito claramente os sintomas de abstinência, outras mal os percebem. Eles podem ser piores do que qualquer coisa que você já tenha experimentado antes; podem ser sintomas completamente novos; podem ser semelhantes à condição para a qual você foi tratado, o que fará com que a maioria dos médicos conclua que você ainda está doente e que precisa da droga, mesmo que este seja raramente o caso; podem ser sintomas que farão com que os psiquiatras lhe deem diagnósticos adicionais; e podem ser os mesmos para drogas muito diferentes, por exemplo, mania.

No processo de retirada, você e seus familiares podem ficar surpresos de que os pensamentos, sentimentos e ações possam mudar. Isto é normal, mas pode ser desagradável. Você pode não perceber se você se tornou emocionalmente instável; na verdade, é bastante comum que os pacientes não percebam isso.

Abaixo estão os sintomas mais importantes que você pode experimentar. Alguns deles podem ser perigosos, veja as advertências na bula do medicamento que você está afunilando. Se você não a guardou, você pode encontrá-la na Internet, por exemplo, duloxetina fda ou de duloxetina package insert.

Sintomas semelhantes aos da gripe

Dores nas articulações e músculos, febre, suores frios, nariz escorrendo, olhos doloridos.

Dor de cabeça

Dores de cabeça, enxaquecas, sensações de choque elétrico/zaps de cabeça.

Balanço

Tonturas, desequilíbrio, caminhar instável, “ressaca” ou uma sensação de enjoo de movimento.

Articulações e músculos

Rigidez, entorpecimento ou sensação de ardor, cãibras, espasmos, tremores, movimentos bucais incontroláveis.

Sentidos

Formigamento na pele, dor, baixo limiar de dor, pernas inquietas, dificuldade para se sentar quieto, visão vermelha embaçada, hipersensibilidade à luz e som, tensão ao redor dos olhos, zunido nos ouvidos, zumbido, fala arrastada, mudanças de paladar e cheiro, salivação.

Estômago, estômago e apetite

Náusea, vômitos, diarreia, dor abdominal, inchaço, aumento ou diminuição do apetite.

Humor

Mudanças de humor, depressão, choro, sensação de inadequação, falta de autoconfiança, euforia ou mania.

Ansiedade

Ataques de ansiedade, pânico, agitação, dor no peito, respiração rasa, sudorese, palpitações.

Percepção da realidade

Sentimento de alienação e irrealidade, estar dentro de uma redoma, alucinações visuais e auditivas, delírios, psicose.

Irritabilidade e agressão

Irritabilidade, agressão, explosões de raiva, impulsividade, pensamentos suicidas, automutilação, pensamentos sobre prejudicar os outros.

Memória e confusão

Confusão, má concentração, perda de memória.

Dormir

Dificuldade para adormecer, insônia, acordar cedo, sonhos intensos, pesadelos às vezes violentos.

Energia

Baixa energia, inquietude, hiperatividade.

Na página seguinte, há um gráfico de abstinência onde você pode registrar os sintomas de abstinência que você experimenta e a sua gravidade.

A função principal dele não é tanto rastrear os sintomas diários, mas lembrá-lo de quais são os sintomas de abstinência que provavelmente você terá, dizendo-lhe assim que o que você está experimentando é totalmente normal. Portanto, você não deve se preocupar, ruminar ideias ou entrar em pânico com esses sintomas, mas aceitá-los, a menos que sejam perigosos e aumentem o risco de suicídio e violência, caso em que um aumento temporário da dose pode ser necessário. Não recomendamos que você faça isso todos os dias, pois isso implicaria em um foco interno exagerado e um controle constante de si mesmo. Você deve tentar se concentrar no mundo exterior, dizendo a si mesmo que é aqui que você quer estar, em vez de ser drogado longe dele.

Existem outros problemas com os registros diários. Você não tem nenhum ponto de referência quando inicia o processo. Alguns pacientes classificarão os sintomas de abstinência das primeiras reduções da dose como de máxima gravidade, pois é a primeira vez que experimentam algo tão horrível. Mais tarde, se os sintomas piorarem ainda mais, não há categoria de gravidade para isso.

Ajuda algumas pessoas escrever em um diário sobre os seus pensamentos, considerações e sentimentos. O que importa é que você se sinta seguro com o que faz. Portanto, você deve evitar pessoas e situações que possam lhe estressar e evitar assumir tarefas que não sejam estritamente necessárias.

Após a retirada, pode lhe faltar energia por um tempo e pode não se sentir como você mesmo. Isto é normal. Faça algo que você gosta de fazer, seja bom para si mesmo e tenha orgulho do que você realizou. Você pode precisar de psicoterapia para ajudá-lo a chegar à raiz do que é ou ao que foi que o aprisionou às drogas psiquiátricas.

Fique de olho em seu estado de espírito. Pode levar muito tempo até que você esteja totalmente estabilizado em sua nova vida sem drogas. Se você se sentir tenso, talvez você precise aprender técnicas de relaxamento.

Tabela de abstinência de medicamentos psiquiátricos (Anders Sørensen e Peter C. Gøtzsche, 4 de janeiro de 2019)

Todas as drogas psiquiátricas são viciantes e podem causar sintomas de abstinência quando uma dose habitual é reduzida. Use o quadro todas as noites para lembrar a si mesmo e a seus familiares que o estado de abstinência é temporário; é “eu na saída das drogas”, não é “eu sem as drogas”, que é algo completamente diferente e melhor do que estar na saída das drogas. Você pode escrever a gravidade dos sintomas que você tem a cada dia (1 a 5, onde 5 é o pior), mas não se verifique muito; os sintomas desaparecem mais rapidamente se for permitido a eles “cuidar de si mesmos”. “Observe a nova dose  abaixo do dia em que você a reduz. Você pode acrescentar sintomas adicionais nas linhas em branco.

Alguns dos sintomas podem ser perigosos; veja o folheto informativo.

Mês:                        Ano : _ (Escreva o dia do mês na primeira linha)

Data do mês
Dose
Ansiedade/ pânico
Depressão/ tristeza
Chorando
Mudanças de humor
Sentimento de estar dentro de uma redoma
Irritabilidade/agressão/ explosões de raiva
Sintomas semelhantes aos da gripe

 

Problemas de estômago, náusea, falta de apetite
Falta de energia/ exaustão
Insônia, dificuldade em adormecer
Sonhos vívidos/ pesadelos
Agitação e inquietação/ não poder ficar parado
Tontura
Confusão/ dificuldade de concentração
Eu não sou eu mesmo(a)
Pensamentos suicidas
Sensações de choque elétrico/zaps na cabeça
Dor de cabeça
Zumbidos
Movimentos involuntários/ pernas inquietas
Tremor/ estremecimento
Rigidez muscular ou dores musculares
Problemas de equilíbrio
Suor
Palpitações
Sentimento de picada ou formigamento
Coceira ou ruborização
Sensação de pegajoso/queimadura
O cheiro ou a degustação mudaram
Hipersensibilidade à luz ou ao som
Problemas de memória
Distúrbios sexuais
Visão embaçada
Mania ou hipomania/ euforia
Psicose/ilusões

 

Dividindo comprimidos e cápsulas

Infelizmente, nossos reguladores de medicamentos permitiram que as empresas farmacêuticas colocassem medicamentos no mercado, sem ter que investigar se podem ocorrer problemas quando os pacientes deixam de usá-los e sem desenvolver soluções se esse for o caso.[21] A psiquiatria acadêmica também está em falta. Ela tem dedicado muita atenção à eficácia a curto prazo de novos medicamentos e para iniciar o tratamento, mas praticamente nenhuma para parar o tratamento. Não foi a psiquiatria, mas os pacientes que chamaram a atenção para o número muito limitado das dosagens dos medicamentos. A prática clínica foi adaptada ao que as empresas farmacêuticas vendiam e não ao que os pacientes precisavam.

Os pacientes tinham razão em criticar por que as empresas não forneceram as dosagens de que tanto precisavam e por que as associações médicas e os comitês de orientação não pediram às empresas  farmacêuticas que o fizessem. Nós não usamos todos o mesmo tamanho de sapato ou grau em nossos óculos, e os cães são dosados de acordo com o seu peso, em contraste com os humanos.

Neste vácuo, precisamos ser criativos. Os farmacêuticos Rüdinger e Toft prepararam algumas dicas sobre como tomar menos do que a dosagem mínima fornecida pelos fabricantes. [35]

Advertência: A caixa e a bula sempre descreverão o seu tipo de medicamento. Se forem comprimidos ou cápsulas com revestimento entérico, eles são fabricados de tal forma que a substância ativa não entre em contato com o ácido gástrico. Portanto, eles não devem, em nenhuma circunstância, ser partidos ou divididos porque o ácido gástrico destruirá o princípio ativo.

Você pode sempre consultar a sua farmácia sobre se seu medicamento pode ser dividido em unidades menores. Aqui estão algumas regras principais:

Tabletes

A maioria dos comprimidos são regulares, e o ingrediente ativo é distribuído uniformemente por todo o comprimido. Se uma ranhura passar pela superfície da pastilha, é fácil dividi-la. Isto permitirá que você obtenha metade das pastilhas. Os comprimidos também podem ser divididos em quatro e oito partes, o que muitas vezes é necessário no final do período de retirada.

Os comprimidos podem ser cortados com uma faca afiada, mas você também pode comprar um divisor de comprimidos ou uma guilhotina de comprimidos na farmácia.

Se por acaso você dividir as pastilhas em tamanhos irregulares, você pode ordená-las de acordo com o tamanho, começando com os maiores e terminando com os menores pedaços.

Pastilhas de liberação sustentada

Alguns comprimidos são projetados para permanecer no corpo por um longo tempo, e muitas vezes são fabricados de forma a permitir que o ingrediente ativo seja distribuído gradualmente por todo o corpo. Estes comprimidos têm um acréscimo ao seu nome, por exemplo, depósito, liberação prolongada e retardada. Basicamente, eles não podem ser divididos.

Se a pastilha de liberação prolongada tiver uma ranhura, você pode quebrar a pastilha ao longo dela, mas não a divida mais.

Muitos medicamentos estão disponíveis tanto como comprimidos de liberação prolongada quanto como comprimidos de liberação não-prolon- gada, e se você precisar dividir um comprimido de liberação prolongada, consulte o seu médico para mudar para comprimidos normais.

Cápsulas

As cápsulas são feitas de gelatina com a finalidade de manter o pó reunido. Elas podem ser abertas, e o pó pode ser dissolvido em água. A água não estará clara, no entanto pronta para beber. É possível preparar a solução de água em uma seringa de plástico com divisões de ml, e desta solução pode- se retirar a quantidade correta de acordo com a dose necessária.

Use uma seringa de 10 ml, adicione o pó à seringa e aspire a água até a linha de 10 ml. Vire a seringa de cabeça para baixo ou sacuda-a algumas vezes para dissolver o pó. Um ml corresponde a 10%, dois ml a 20%, etc. Despeje o conteúdo necessário em um copo e beba-o.

Cápsulas de liberação prolongada

As cápsulas de liberação prolongada contêm partículas grandes ou grânulos destinados a serem liberados lentamente no corpo durante um longo período de tempo. Na maioria dos casos, essas cápsulas podem ser quebradas e os grânulos podem ser contados. Parte do conteúdo pode ser polvilhada em iogurte ou dissolvida em água com uma seringa, como mencionado acima.

Substituição do medicamento para permitir a retirada

Em alguns casos, a retirada não é possível com o medicamento prescrito porque o comprimido não pode ser dividido, ou o conteúdo da cápsula não pode ser reduzido. Portanto, você pode precisar substituir o seu medica- mento por um outro com efeito semelhante, disponível em dosagens menores. Você precisará consultar o seu médico.

Alguns medicamentos também vem na forma líquica, o que facilita muito a titulação da dose correta.

Capítulo 4. Retirada de medicamentos psiquiátricos

1. Gøtzsche PC. Medicamentos mortais e crime organizado. Porto Alegre: Bookman; 2016.

2. “My anti-depressant withdrawal was worse than depression.” 2020 Mar 12. https://www.bbc.co.uk/programmes/p086fjk7.

3. Gøtzsche PC. Sundhedsstyrelsens råd om depressionspiller er farlige. Politikens Kronik 2010 Feb

4. Horowitz MA, Taylor D. Tapering of SSRI treatment to mitigate withdrawal symptoms. Lancet Psychiatry 2019;6:538-46.

5. Gøtzsche PC. Prescription pills are Britain’s third biggest killer: Side-effects of drugs taken for insomnia and anxiety kill thousands. Why do doctors hand them out like Smarties? Daily Mail 2015; Sept 15. http://www.dailymail.co.uk/health/ article-3234334/Prescription-pills-Britain-s-biggest-killer-effects-drugs-taken- insomnia-anxiety-kill-thousands-doctors-hand-like-Smarties.html.

6. Gøtzsche PC. Deadly psychiatry and organised denial. Copenhagen: People’s Press; 2015.

7. Gøtzsche PC. Death of a whistleblower and Cochrane’s moral collapse. Copen- hagen: People’s Press;Public Health England. Dependence and withdrawal associated with some prescribed medications: an evidence Review. 2019; Sept. https://assets. service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/ file/829777/PHE_PMR_report.pdf.

8. Guy A, Davies J, Rizq R (eds.) Guidance for psychological therapists: Enabling conversations with clients taking or withdrawing from prescribed psychiatric drugs. London: APPG for Prescribed Drug Dependence; 2019

9. Ho BC, Andreasen NC, Ziebell S, et al. Long-term antipsychotic treatment and brain volumes: a longitudinal study of first-episode schizophrenia. Arch Gen Psychiatry 2011;68:128-37.

10. Zipursky RB, Reilly TJ, Murray RM. The myth of schizophrenia as a progressive brain disease. Schizophr Bull 2013;39:1363-72.

11. Timimi S. Death of a whistleblower and Cochrane’s moral collapse. Psychosis 2019; Oct 30. https://doi.org/10.1080/17522439.2019.1685584.

12. Gøtzsche PC, Sørensen A. The review on antidepressant withdrawal that Cochrane won’t publish. Mad in America 2020; Feb 11. https://www.madinamerica.com/ 2020/02/review-cochrane-wont-publish/.

13. Cipriani A, Zhou X, Del Giovane C, Hetrick SE, Qin B, Whittington C, et Comparative efficacy and acceptability of 21 antidepressant drugs for the acute treatment of adults with major depressive disorder: a systematic review and network meta-analysis. Lancet 2018;391:1357-66.

14. Higgins JPT, Green S (eds.). Cochrane Handbook for Systematic Reviews of Interventions Version 5.1.0 [updated March 2011]. The Cochrane Collaboration, 2011. cochrane-handbook.org.

15. Gøtzsche PC. Rewarding the companies that cheated the most in antidepressant trials. Mad in America 2018; March 7. https://www.madinamerica.com/2018/ 03/rewarding-companies-cheated-most-antidepressant-trials/.

16. Munkholm K, Paludan-Müller AS, Boesen K. Considering the methodological limitations in the evidence base of antidepressants for depression: a reanalysis of a network meta-analysis. BMJ Open 2019;9:e024886.

17. Gøtzsche PC. Why we need a broad perspective on meta-analysis: It may be crucially important for patients. BMJ 2000;321:585-6.

18. Gøtzsche PC. Does long term use of psychiatric drugs cause more harm than good? BMJ 2015;350:h2435.

19. Davies J, Read J. A systematic review into the incidence, severity and duration of antidepressant withdrawal effects: Are guidelines evidence-based? Addict Behav 2019;97:111-21.

20. Groot P, van Os J. How user knowledge of psychotropic drug withdrawal resulted in the development of person-specific tapering medication. Ther Adv Psychopharmacol 2020 (paper under review). https://iipdw.org/user-knowledge- psychotropic-drug-withdrawal/.

21. survivingantidepressants.org. Surviving Antidepressants is a site for peer support, documentation, and education about withdrawal symptoms caused by depression pills, with more than 6,000 reports of patient experiences.

22. Inner Compass Initiative: The Withdrawal Project. https://withdrawal. theinnercompass.org. Resources for withdrawal from psychiatric

23. Hall W. Harm reduction guide to coming off psychiatric drugs. The Icarus Project and Freedom Center; 2012. theicarusproject.net/resources/publications/ harm-reduction-guide-to-comingoff-psychiatric-drugs-and-withdrawal/.

24. Benzo buddies. Mutual-support environment for those who wish to withdraw from benzodiazepines. benzobuddies.org.

25. Recovery Road. Antidepressant & Benzodiazepine Withdrawal www.recovery-road.org.

26. Ashton CH. Benzodiazepines: how they work and how to withdraw. Newcastle: University of Newcastle; 2011. benzo.org.uk/manual/.

27. Toft B, Gøtzsche PC. Psykofarmakaepidemien kan bekæmpes. Information 2017; Apr 3. https://www.information.dk/debat/2017/04/psykofarmakaepidemien-kan- bekaempes.

28. Gøtzsche PC. Survival in an overmedicated world: look up the evidence Copenhagen: People’s Press; 2019.

29. McLaren N. Anxiety, the inside story. How biological psychiatry got itAnn Arbor: Future Psychiatry Press; 2018.

30. Christensen DC. Dear Luise: a story of power and powerlessness in Denmark’s psychiatric care system. Portland: Jorvik Press;

31. Ostrow L, Jessell L, Hurd M, Darrow SM, Cohen D. Discontinuing psychiatric medications: a survey of long-term users. Psychiatr Serv 2017;68:1232-8.

32. Groot P, van Os J. Antidepressant tapering strips to help people come off medication more safely. Psychosis 2018;10:142-5.

33. Horowitz MA, Taylor D. Tapering of SSRI treatment to mitigate withdrawal symptoms. Lancet Psychiatry 2019;6:538-46.

34. Sørensen A, Rüdinger B, Gøtzsche PC, Toft BS. A practical guide to slow psychiatric drug withdrawal. Copenhagen 2020; Jan 4. https://www.deadly- dk/wp-content/uploads/A-practical-guide-to-drug-withdrawal.pdf.

35. Breggin P. Psychiatric drug withdrawal: A guide for prescribers, therapists, patients and their families. New York: Springer;

36. Simons P. Peer-support groups were right, guidelines were wrong: Dr. Mark Horowitz on tapering off antidepressants. Mad in America 2019; Mar 20. https://www.madinamerica.com/2019/03/peer-support-groups-right-official- guidelines-wrong-dr-mark-horowitz-tapering-off-antidepressants/.

37. Zinkler M, von Peter S. End coercion in mental health services—toward a system based on support only. Laws 2019;8:19.

38. Fiorillo A, De Rosa C, Del Vecchio V, Jurjanz L, Schnall K, Onchev G, et How to improve clinical practice on involuntary hospital admissions of psychi- atric patients: suggestions from the EUNOMIA study. European Psychiatry 2011;26:201-7.

39. Scanlan JN. Interventions to reduce the use of seclusion and restraint in inpatient psychiatric settings: what we know so far, a review of the literature. Int J Soc Psychiat 2010;56:412–23.

40. Gøtzsche PC, Vinther S, Sørensen A. Forced medication in psychiatry: Patients’ rights and the law not respected by Appeals Board in Denmark. Clin Neuro- psychiatry 2019;16:229-33.

41. Gøtzsche PC, Sørensen A. Systematic violations of patients’ rights and lack of safety: cohort of 30 patients forced to receive antipsychotics. Ind J Med Ethics 2020. Published online Aug 12. Free

42. Dold M, Li C, Tardy M, et al. Benzodiazepines for schizophrenia. Cochrane Database Syst Rev 2012;11:CD006391.

43. Frandsen P. Et anker af flamingo: Det, vi glemmer, gemmer vi i hjertet. Odense: Mellemgaard; 2019.

44. Breggin P. Brain-disabling treatments in psychiatry: drugs, electroshock and the psychopharmaceutical complex. New York: Springer;

45. What does akathisia and tardive dyskinesia look like? Videos of children and adults who have been permanently brain damaged by neuroleptics. Undated. https://www.deadlymedicines.dk/lectures/.

46. Moncrieff J. Antipsychotic maintenance treatment: time to rethink? PLoS Med 2015;12: e1001861.

47. Karon BP. All I know about Peter Breggin. In: The International Center for the Study of Psychiatry and Psychology. The Conscience of Psychiatry. The reform work of Peter R. Breggin, MD. New York: Lake Edge Press;

48. Gøtzsche PC. Forced drugging with antipsychotics is against the law: decision in Norway. Mad in America 2019; May 4. https://www.madinamerica.com/ 2019/05/forced-drugging-antipsychotics-against-law/.

49. Gottstein J. The Zyprexa papers. Anchorage: Jim Gottstein; 2020.

—-

Original: Mental Health survival kit and withdrawal from psychiatric drugs (Kindle Edition). Clique aqui →

….

[trad. e edição Fernando Freitas]