Falta de Orientação Disponível para a Descontinuação de Drogas Psiquiátricas

Um novo artigo discute a falta de investigação dedicada à descontinuação de medicamentos psiquiátricos e revê as estratégias existentes.

0
485

O processo de descontinuação de medicamentos psicotrópicos pode ser difícil de conduzir devido à falta de informação clara e de apoio sobre a melhor forma de se proceder a um tratamento de afilamento do medicamento.

Um novo artigo, publicado no Journal of Critical Psychology, Counselling Psychotherapy, destaca estas questões. Os autores foram liderados por Volkmar Aderhold da Clínica Universitária de Psiquiatria e Psicoterapia em Hamburgo-Eppendorf. Discutem as barreiras à descontinuidade da medicação psicotrópica e dão sugestões sobre como deixar de tomar medicação psicotrópica em segurança.

“Ninguém pode fazer previsões detalhadas sobre como um processo de descontinuação de drogas psicotrópicas irá decorrer”, escrevem eles. “Os psiquiatras da corrente principal só estão interessados em tentativas problemáticas de descontinuação, não naquelas que têm êxito, especialmente quando as pessoas deixam de tomar drogas psicotrópicas por si próprias. O número daqueles que interrompem sem problemas é desconhecido; eles não aparecem em nenhuma estatística”.

“Still Life With Lithium” by Blake Carlton

Um fator chave para descontinuar com sucesso a medicação psicotrópica é o acesso a médicos de apoio e competentes que possam ajudar os seus clientes a afinar de forma segura e a minimizar os sintomas de abstinência. Infelizmente, porém, os médicos tradicionalmente não aprendem como levar as pessoas a fazer uma retirada da medicação da forma mais eficaz, concentrando-se, em vez disso, em pôr indivíduos a tomar medicamentos.

Os autores advertem para a nacessária paciência ao afunilar, defendendo um processo gradual. Outros fizeram eco deste sentimento, apelando em uma abordagem ponderada do afunilamento de antipsicóticos e antidepressivos. A transição da dose final para nenhuma medicação deve ser feita com extremo cuidado, visto que os indivíduos relatam ter sofrido sintomas de abstinência após terem interrompido completamente a medicação. Se a ingestão de pequenas doses for difícil devido ao tipo de cápsula ou comprimido que está sendo utilizado, os autores sugerem que se solicite receitas para a preparação de doses individuais, a fim de facilitar o afunilamento.

São feitas sugestões sobre a descontinuidade de medicamentos psicotrópicos que abordem os domínios fisiológico, psicológico, legal, ambiental e outros. Eles recomendam a aprendizagem sobre potenciais sintomas de abstinência e a meia-vida de drogas psicotrópicas, dado que alguns sintomas podem durar meses ou anos. Instam os indivíduos a evitar os médicos que tentam dissuadi-los de parar a sua medicação. Tornar-se consciente e informado sobre os potenciais impactos da interrupção da medicação no acesso a recursos como o bem-estar ou os benefícios da habitação é fundamental.

Ter um sistema seguro de apoio aos indivíduos que estão conscientes do plano de descontinuação, incluindo apoios informais e formais, tais como médicos, também ajudará no processo de afinação. Na mesma linha, é recomendável que se procure outras pessoas que tenham passado pela retirada e possam prestar apoio. O papel que os usuários dos serviços desempenham na assistência aos investigadores no desenvolvimento de abordagens seguras e individualizadas ao afunilamento tem sido explorado em outras partes do mundo.

Os efeitos dos sintomas de abstinência física e psicológica podem tornar-se mais suportáveis se houver um ambiente tranquilo, fazer exercício, praticar uma boa nutrição e dormir o suficiente. Os autores sugerem beber chás de ervas, comer alimentos ricos em clorofila e contendo enxofre, que incluem coisas como plantas verdes, ervas, vegetais, e mais, e usar remédios naturopáticos, bem como tomar ácidos gordos ómega 3, ácido fólico, vitamina C e E. Envolver-se em atividades de autocuidado, passar tempo com os amigos, ouvir música calma, escrever, plantar, brincar com animais, etc., pode também ajudar a aliviar a tensão do processo de abstinência.

Abordando o domínio jurídico, os autores sugerem que os indivíduos obtenham orientação legal, se possível, para se protegerem contra a potencial administração obrigatória de drogas psicotrópicas e tratamento forçado. Advertem que a recusa de tomar neurolépticos como a clozapina tem sido utilizada para justificar a terapia electroconvulsiva forçada.

Além disso, os autores enfatizam o papel que a auto-responsabilidade desempenha no processo. Os indivíduos que deixam de tomar medicamentos afirmam a responsabilidade pela sua própria pessoa e começam a compreender as questões mais profundas subjacentes aos seus sintomas de saúde mental. A compreensão das questões subjacentes e a realização das mudanças de vida necessárias é crucial para manter uma vida livre de drogas psicotrópicas.

“Reduz-se tão rapidamente o perigo de se prescrever novamente medicamentos psiquiátricos ao se aprender a levar a sério os próprios sentimentos, seguir a própria intuição, lidar com o significado da depressão e da psicose, reconhecer a própria contribuição ativa para a psiquiatria e olhar para o espelho com autocrítica, avaliar a própria vulnerabilidade, reconhecer sinais de alerta de crises emergentes e  reagir em conformidade.”

Há vários recursos disponíveis com conselhos adicionais sobre o uso seguro de drogas psicotrópicas, incluindo:

  • “Ajuda competente ao descontinuar os antidepressivos e neurolépticos” de Jann E. Schlimme (2017) oferece orientações para acabar com o uso de medicamentos psicotrópicos.
  • Outros recursos incluem absetzen.info, o livro Coming off psychiatric drugs: Successful withdrawal from neuroleptics, antidepressants, mood stabilizers, Ritalin and tranquilizers (Lehmann, 2004, 2020), que oferece relatos de descontinuação e retirada transculturais em primeira mão, para além de destacar as perspectivas de familiares, médicos, terapeutas e outros profissionais que ajudaram no processo de afinação.
  • Associações profissionais, tais como a Sociedade Alemã de Psiquiatria Social e o British Council for Evidence-based Psychiatry, também fornecem informações sobre como reduzir o risco ao parar um medicamento.

Finalmente, os autores criticam os médicos que não oferecem uma educação adequada sobre os fatores de risco associados à medicação psicotrópica, porque contribuem para as tentativas falhadas de descontinuação e perpetuam a administração continuada e não solicitada de drogas psicotrópicas.

Destacam o trabalho que um grupo de psiquiatras alemães tem feito para dar um consentimento claro e informado a potenciais pacientes sobre os riscos associados à medicação e alternativas à medicação. Eles oferecem também assistência no processo de  interrupção do tratamento desde o início, o que deveria tornar-se a norma nos cuidados psiquiátricos em vez de ser o contrário.

****

Aderhold, V., Lehmann, P., & Rufer, M. (2021). Discontinuing psychotropic drugs? And if so, how? Journal of Critical Psychology, Counselling, and Psychotherapy, 20(4), 66-75. (Link)

 

Artigo anteriorNó na garganta!
Próximo artigo‘Não há boas evidências’ para o uso de antidepressivos em longo prazo
Ashley Bobak, MS Ashley Bobak é uma estudante de Doutorado em Psicologia Clínica Comunitária na Point Park University e possui um mestrado em Psicologia de Aconselhamento. Ela está interessada nas interseções de filosofia, história e psicologia e está usando essa interseção como uma lente para examinar a dependência química. Ela espera desenvolver e promover abordagens alternativas para conceituar e tratar a psicopatologia que mantenham e dignifiquem a dignidade humana.