Como as Precauções com o COVID-19 Impactam o Funcionamento da Família

0
304

Os procedimentos generalizados de prevenção e contenção da COVID-19 resultaram em grandes mudanças na dinâmica familiar. As obrigações educativas e profissionais virtuais exigiram a reconfiguração dos lares, novos sistemas de envolvimento com familiares, e, em algumas circunstâncias, novas tensões.

Um estudo recente conduzido por Mark E. Feinberg e colegas, publicado em Family Process, compara várias características do funcionamento familiar antes e durante a pandemia nos Estados Unidos da América, a fim de proporcionar alguma visão sobre como estas famílias foram afetadas.

“Este é o primeiro estudo de que estamos conscientes que examinou a magnitude da mudança na saúde mental dos pais, da criança e da família e o ajustamento de antes e durante o período da pandemia”, escrevem eles. “Ao examinar a mudança intra-individual, a nossa abordagem supera as principais fraquezas metodológicas em outros relatórios. Os nossos resultados fornecem provas de uma grande deterioração da saúde mental e comportamental dos pais e da criança durante os primeiros meses da pandemia.”

Por esta altura, no ano passado, preocupações generalizadas em torno das implicações da pandemia da COVID-19 para a saúde mental começaram a receber uma forte cobertura mediática. Os efeitos das medidas de lockdown e de isolamento variam com base em diversos fatores contextuais (por exemplo, recursos financeiros e sociais). Resultam em consequências particularmente prejudiciais para os jovens e adultos que já se debatiam com a pré-pandemia. Riscos para a saúde, acesso limitado a oportunidades de trabalho, habitação e insegurança alimentar, bem como estresse social, estão entre os desafios relacionados com a pandemia que continuam a ter impacto em muitas famílias à escala global.

No entanto, seria impreciso alegar que as precauções com COVID-19 foram totalmente prejudiciais à saúde mental. Alguns estudos têm captado possibilidades como o acesso aumentado a oportunidades que historicamente são prejudicadas pela proximidade e mobilidade, uma maior flexibilidade para os estudantes trabalharem segundo os seus próprios horários preferidos fora dos limites de um dia escolar normal, e em algumas circunstâncias, um aumento das conexões familiares.

O quadro apresentado pela investigação disponível até à data não é o de um tsunami atingindo a saúde mental, como inicialmente previsto por alguns, mas sim o de uma paisagem de impactos matizados que complicam as generalizações apressadas.

Feinberg e a equipe esforçaram-se por explorar o impacto da pandemia COVID-19 no bem-estar das famílias em uma amostra de famílias que vivem nos Estados Unidos. Segundo os autores, a investigação prévia foi limitada pela falta de instrumentos sensíveis para detectar alterações na saúde mental. Entre as qualidades únicas do estudo atual está o seu enfoque em unidades familiares em vez de áreas de impacto apenas ao nível individual.

“Para quantificar o impacto da pandemia da COVID-19 e das intervenções de saúde pública na saúde mental e nas relações familiares dos pais e das crianças, analisamos a mudança no funcionamento individual e familiar numa amostra de pais inscritos em um ensaio de prevenção; examinamos a mudança antes da pandemia (2017-2019), quando as crianças tinham em média 7 anos até aos primeiros meses após a imposição de intervenções generalizadas de saúde pública nos Estados Unidos”.

208 unidades familiares envolvidas no estudo incluíram díades de mãe e pai coabitantes com apenas um filho cada uma. Todas foram inicialmente recrutadas como parte de uma pesquisa aleatório das Fundações da Família e foram posteriormente contactadas com a oportunidade de participar em questionários relativos ao ajustamento durante a pandemia. De salientar que os pais relataram tanto os resultados deles como os da criança, referidos na análise de Feinberg e dos colegas.

Os itens incluídos no questionário em linha contabilizaram sintomas depressivos parentais, ansiedade parental, qualidade da relação entre os pais, internalização e externalização de preocupações comportamentais, qualidade parental, com relação ao rendimento em educação do filho(a). As tendências pré e pós-pandêmicas foram comparadas utilizando a modelação linear hierárquica (HLM) em três níveis: tempo, dados individuais e dados da unidade familiar.

“Encontramos grandes deteriorações desde antes da pandemia até aos primeiros meses da pandemia na internalização e externalização de problemas infantis e depressão dos pais, e um declínio moderado na qualidade da relação entre os pais”, relatam os investigadores. “Foram encontradas alterações menores para a ansiedade dos pais e a qualidade parental. As mães e as famílias com níveis de rendimento mais baixos estavam de modo particular em risco de deterioração do bem-estar.”

Os resultados indicaram mudanças “impressionantes” nos sintomas depressivos relatados pelos pais e na externalização e internalização das preocupações comportamentais da criança, bem como uma deterioração substancial da ansiedade dos pais e da qualidade geral das relações familiares.

Curiosamente, os pais que relataram menos sintomas depressivos antes da pandemia sofreram aumentos mais substanciais na depressão durante a pandemia. Verificou-se que os rendimentos econômicos das famílias moderaram significativamente a magnitude da deterioração da qualidade parental. O menor rendimento econômico familiar foi associado a declínios mais substanciais na qualidade parental durante a pandemia.

Entre as limitações do estudo de Feinberg e da equipe está na sua amostra ser predominantemente branca de participantes, comprometendo a representatividade dos resultados. Outros estudos indicaram que graves consequências para a saúde e bem-estar foram experimentadas por indivíduos latinos, indígenas americanos e negros nos Estados Unidos, em taxas desproporcionalmente elevadas. A confiança exclusiva nos relatos dos pais e a homogeneidade das famílias representadas no estudo também representam limitações. Os resultados podem também ter sido distorcidos por questões não necessariamente concebidas para destacar áreas de resiliência.

Os autores sugerem que as suas conclusões apontam para a necessidade de intervenções ao nível familiar que promovam a resiliência, a capacidade de lidar com a situação, o gerenciamento do humor e a capacidade de co-participação. Além disso, os moderadores de consequências graves indicam a necessidade de iniciativas de alívio ao nível sistêmico para reduzir os fardos da pandemia desproporcionadamente sofridos por aqueles com recursos econômicos limitados.

“Como os conflitos familiares e os problemas de saúde mental em curso e interligados são difíceis de interrompe-los, um fenômeno ‘’assustador” pode levar a dificuldades psicológicas e familiares enraizadas e a longo prazo. Ajudar as famílias a se recuperarem do período pandêmico pode exigir abordagens multi-componentes e interdisciplinares por parte de escolas, conselheiros, clínicos de saúde mental, pediatras, agências de serviço familiar, igrejas, e organizações recreativas e atléticas de juventude”. 

****

Feinberg, M. E., Mogle, J., Lee, J. K., Tornello, S. L., Hostetler, M. L., Cifelli, J. A., Bai, S., & Hotez, E. (2021). Impact of the COVID‐19 pandemic on parent, child, and family functioning. Family Process. https://doi.org/10.1111/famp.12649 (Link)