“Tornar a Psiquiatria Saudável”: Análise de um Folheto da Associação Psiquiátrica Dinamarquesa

0
139

A Associação Psiquiátrica Dinamarquesa tem um folheto de 21 páginas de 2020 no seu website intitulado “Make Psychiatry Healthy” (Tornar a psiquiatria saudável). Uma vez que também considero que a psiquiatria esteja doente, estudei o folheto de perto. Descobri que as sugestões da Associação iriam tornar a psiquiatria mais doente do que já está.

“Durante os últimos 10 anos, uma atenção especial aos transtornos mentais não psicóticos, tais como stress, ansiedade e depressão, resultou num aumento acentuado do número de pacientes psiquiátricos. Podem representar doenças graves, mas infelizmente a economia não acompanhou os desenvolvimentos … De 2009 a 2017, o número de pacientes em tratamento psiquiátrico aumentou de 110.000 para 151.000”.

Não há informação sobre o sobrediagnóstico, embora desempenhe um papel importante para o número crescente de pessoas que recebem um diagnóstico psiquiátrico. Os critérios para fazer um diagnóstico são tão amplos que muitas pessoas saudáveis, provavelmente a grande maioria, poderiam obter um diagnóstico se fossem examinadas para alguns dos muitos diagnósticos com os quais a psiquiatria opera. Esta é também a minha experiência quando peço aos participantes de cursos para experimentarem apenas três testes de diagnóstico diferentes sobre si próprios.

“Literalmente falando, a esquizofrenia, a doença bipolar e as psicoses relacionadas com o abuso de substâncias destroem a mente e privam as pessoas da capacidade de estar com os outros e de se desenrascarem sozinhas. No entanto, demasiados doentes mentais graves são deixados para se defenderem num sistema psiquiátrico com poucos recursos para os doentes em excesso. Vivem vidas significativamente mais curtas do que a média … Alguns representam um perigo para outros. Vários estão em risco para si próprios. Isto reflete-se no elevado número de suicídios e no número de pacientes psiquiátricos forenses, ou seja, doentes mentais condenados a tratamento, que triplicou no período de 2001 a 2014”.

O folheto não diz que uma das principais razões pelas quais os pacientes gravemente doentes vivem vidas substancialmente mais curtas do que outras é o tratamento que os psiquiatras lhes proporcionam, muitas vezes contra a sua vontade. Além disso, os psiquiatras privam frequentemente os pacientes da sua esperança de melhorar, por exemplo, quando dizem que o tratamento médico deve ser vitalício. O elevado número de suicídios deve-se em parte ao fato de os comprimidos para a depressão aumentarem o risco de suicídio, tanto em crianças como em adultos.

Num estudo de registo de 2.429 suicídios, os psiquiatras dinamarqueses mostraram que a admissão numa ala psiquiátrica aumenta 44 vezes o risco de suicídio para pacientes psiquiátricos. Naturalmente, seria de esperar que os pacientes admitidos no hospital estivessem em maior risco de suicídio do que os outros, mas os resultados foram robustos, e a maioria dos potenciais enviesamentos no estudo apoiaram efetivamente a hipótese de que o contato hospitalar é prejudicial. Um editorial de acompanhamento observou que há poucas dúvidas de que o suicídio está relacionado tanto com o estigma como com o trauma, e que é inteiramente plausível que o estigma e o trauma inerentes ao tratamento psiquiátrico – especialmente se involuntário – possam causar suicídio. Os autores acreditam que algumas das pessoas que cometem suicídio durante ou após uma admissão no hospital o fazem devido às condições inerentes a essa hospitalização.

A triplicação de pacientes psiquiátricos forenses poderia dever-se ao fato de demasiados receberem uma sentença de tratamento. Isto tem sido fortemente criticado no debate público, mas os psiquiatras também não escrevem nada sobre isso.

Os psiquiatras afirmam que “74% dos pacientes psiquiátricos forenses receberam tratamento psiquiátrico inadequado no período antes de terem cometido o crime. Alguns dos crimes, que afetam pessoas completamente inocentes, poderiam assim ter sido evitados com um melhor tratamento”.

Estas conclusões baseiam-se em premissas falsas, e não são válidas. Na psiquiatria contemporânea, um tratamento inadequado significa um tratamento médico inadequado. Mas não existem drogas psicotrópicas que possam prevenir o crime, a menos que se torne os pacientes totalmente passivos com doses excessivas de comprimidos de psicose, que eles chamam de se tornar um zumbi. Está bem documentado que as drogas psicotrópicas aumentam o risco de violência. Aquilo que aos olhos dos psiquiatras é “melhor tratamento” irá, portanto, provavelmente aumentar a criminalidade.

“[Nós] médicos somos obrigados a dar alta a pacientes gravemente doentes que não tenham sido tratados adequadamente mais de 25.000 vezes por ano, porque novos pacientes chegam às clínicas. Entre outras coisas, isto é expresso nas elevadas taxas de readmissão quando os ‘pacientes de porta giratória’ voltam a chegar repetidamente, na esperança de um tratamento adequado.”

Há duas razões principais pelas quais os pacientes voltam, mas os psiquiatras não os mencionam. Uma é que os comprimidos para depressão e os comprimidos para psicose têm um efeito tão pequeno que é menos do que o efeito clinicamente relevante mínimo, que os próprios psiquiatras demonstraram. O outro é que os pacientes frequentemente não gostam das drogas devido aos seus danos, e se pararem abruptamente ou fazerem o afunilamento demasiado depressa, podem ter sintomas de abstinência, também chamados sintomas de retirada, o que os torna ainda piores. Estes sintomas assemelham-se frequentemente a transtornos psiquiátricos, e então não é de todo estranho que os pacientes voltem a aparecer. Conduziria a resultados muito melhores a longo prazo e menos pacientes de porta giratória se se optasse pela psicoterapia e outras intervenções psicossociais em vez de medicação.

“O diagnóstico é claro: a psiquiatria está doente. Muito doente. Infelizmente, um tratamento deficiente dos sintomas é o único tratamento que a psiquiatria tem recebido nos últimos anos. Isto não pode continuar. A psiquiatria precisa de um plano de tratamento político a longo prazo. Um plano de tratamento que reforce a psiquiatria e os esforços para as pessoas e famílias afetadas por doenças mentais. Um plano de tratamento que assegure um tratamento adequado e digno para todos os que dele necessitam. Um plano de tratamento que torne a psiquiatria saudável”.

Claro, a psiquiatria está muito doente, mas a culpa é dos próprios psiquiatras, e a solução não é mais do mesmo, o que só iria piorar a situação. Em todos os países onde esta relação foi estudada, existe uma correlação clara entre o quanto a população é tratada com medicamentos psicotrópicos e a atribuição de pensões por invalidez devido a transtornos psiquiátricos. A medicina torna difícil o funcionamento das pessoas. Quão difícil pode ser? O tratamento deficiente dos sintomas de que os psiquiatras falam não se aplica à psiquiatria, mas é precisamente o tipo de tratamento que os psiquiatras dão aos pacientes!

“O número de camas psiquiátricas deve ser acentuadamente aumentado. Os doentes mentais sérios devem poder ser admitidos e permanecer hospitalizados quando a sua doença o exigir, e a taxa de readmissão nas seções mais tensas deve ser reduzida. Como vários projetos-piloto demonstraram, mais camas e mais pessoal podem reduzir o uso de coerção e podem reduzir o uso de drogas psicotrópicas para o indivíduo. Isto causará menos efeitos secundários e, portanto, um tratamento mais eficaz a longo prazo”.

Mais camas podem bem reduzir o uso de coerção e medicação, mas é especialmente importante que haja camas suficientes que os pacientes possam administrar eles próprios. Podem necessitar de um pouco de descanso e alívio durante um período de stress agudo, o que pode impedir que a condição evolua para uma psicose. Um psiquiatra sueco escreveu a este respeito: “Ser tratado humanamente é difícil na psiquiatria de hoje. Se entrar em pânico e procurar uma sala de emergência psiquiátrica, ser-lhe-á provavelmente dito que precisa de medicação, e se a rejeitar e disser que apenas precisa de descanso para se recolher, poderá ser-lhe dito que o serviço não é um hotel”.

“A capacidade de tratamento ambulatorial deve ser significativamente aumentada”.

O resultado disto depende inteiramente do fato de se tornar mais do mesmo, ou uma psiquiatria completamente diferente, onde a ênfase é colocada na psicoterapia e outras intervenções psicossociais. Isso dificilmente será o caso porque as clínicas ambulatórias são geridas por psiquiatras.

“O tempo de espera para ofertas de alojamento deve ser significativamente reduzido, e a qualidade deve ser aumentada. O tempo de espera pode exceder 12 meses para uma oferta de alojamento onde os doentes mentais graves que necessitam de apoio e ajuda diária são deixados para se defenderem. Ninguém com uma doença mental grave deve ser despejado na rua”.

Só se pode concordar com isso. Mas os esforços nas instalações de alojamento devem mudar radicalmente. Muitos residentes são incapazes de funcionar porque estão a tomar demasiados medicamentos.

“Os cursos de tratamento para doentes mentais devem ser baseados nas dificuldades e recursos individuais do doente. Diferenças individuais significativas nos cursos e necessidades da doença tornam os pacotes de tratamento e as garantias de tratamento ineficazes. ”

Sim, em grande medida. As garantias de tratamento podem ser úteis se tiver partido uma perna ou tido um coágulo de sangue e precisar de ser tratado e reabilitado sem demora injustificada. Mas os transtornos mentais são tão individuais que não são de todo adequados para pacotes de tratamento.

Em 15 de Novembro de 2016, fui convidado para uma reunião no Parlamento, “Audição sobre crianças sem comprimidos”, que foi apresentada da seguinte forma: “Cada vez mais crianças acabam em psiquiatria”. Isto é correto para algumas crianças, mas muitas poderiam ter sido ajudadas muito melhor mais cedo e com outros esforços. Vamos desenvolver em conjunto recomendações nesse sentido”. Os psiquiatras de crianças e adolescentes concordaram que os pacotes de tratamento são completamente inapropriados. É incrivelmente importante evitar que uma doença mental incipiente se transforme em algo muito pior, e algumas crianças precisam de um esforço muito maior do que outras. Poderia poupar muito dinheiro, também para a aposentadoria antecipada mais tarde, se fossem disponibilizados recursos para dar a estas crianças o apoio de que necessitam, que não são drogas, mas intervenções psicossociais.

“As diretrizes nacionais para o tratamento de doenças psicóticas graves e depressão precisam de ser atualizadas … As diretrizes nacionais reforçarão tanto os direitos dos doentes, como a segurança dos doentes e a qualidade do tratamento em psiquiatria”.

As questões mais importantes em relação aos direitos dos doentes, à segurança dos doentes e à qualidade do tratamento não são mencionadas. A Dinamarca ratificou a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, que estipula que os doentes mentais não devem ser discriminados: “Os Estados Partes devem abolir políticas e disposições legislativas que permitam ou perpetuem o tratamento forçado, uma vez que se trata de uma violação contínua encontrada nas leis de saúde mental em todo o mundo, apesar das provas empíricas que indicam a sua falta de eficácia e das opiniões das pessoas que utilizam sistemas de saúde mental que sofreram dores e traumas profundos em resultado do tratamento forçado”.

Também não é mencionado que os benzodiazepínicos (comprimidos para dormir ou sedativos) em ensaios aleatórios mostraram melhor efeito do que os comprimidos de psicose em psicose aguda. Em 14 ensaios que os compararam, a sedação desejada ocorreu significativamente mais frequentemente com benzodiazepinas, e quase todos os pacientes relatam que preferem obter uma benzodiazepina se se tornarem novamente psicóticos agudos. No entanto, os psiquiatras não respeitam os desejos dos pacientes. Através da Lei da Liberdade de Acesso, tivemos acesso a documentos em 30 casos consecutivos em que os pacientes se queixaram da medicação forçada à Câmara Nacional de Recurso. Nós mostramos que a lei tinha sido violada em cada um dos casos.

“Especificamente, a Associação Psiquiátrica Dinamarquesa recomenda que a psiquiatria deve ser avaliada com base em:

Expectativa de vida dos pacientes correspondente ao resto da população.
Permanência na educação ou no mercado de trabalho.
Diminuição do número de suicídios.
Diminuição do recurso à coerção.
Diminuição do número de pacientes psiquiátricos forenses.
Diminuição do número de sem-abrigo doentes mentais.
Diminuição do uso de recursos policiais para doentes psiquiátricos.
Reforço das bases de dados clínicos”.

Estas são medidas de efeito muito bom. Se utilizadas na psiquiatria contemporânea, terão de concluir que não funcionam mas que pioram a situação para os pacientes, devido ao uso excessivo de medicação e coerção.

“A psiquiatria deve tornar-se uma parte mais proeminente da educação médica básica. O número de semanas de ensino em psiquiatria deve ser substancialmente aumentado … Uma melhor compreensão entre os médicos em geral das doenças psiquiátricas também contribuirá para aumentar a esperança de vida dos pacientes psiquiátricos”.

Sob o atual paradigma psiquiátrico, isto não é correto. Conduzirá a ainda mais diagnósticos psiquiátricos para pessoas que têm dificuldade em dormir, problemas familiares, problemas amorosos, stress, crianças que são irritantes (também chamadas de TDAH), ou que apenas têm uma baixa temporária na vida; e levará a ainda mais uso de medicação que resultará em ainda mais anos de vida perdidos e anos de boa vida perdidos para pacientes psiquiátricos. Estimei, com base na investigação mais fiável que pude encontrar, que foram ensaios aleatórios e bons estudos de coorte com um grupo de controle que não recebeu medicamentos psiquiátricos, que os medicamentos psiquiátricos são a terceira causa de morte mais comum, depois das doenças cardíacas e do câncer. Pode não ser tão mau, mas não há dúvida de que os medicamentos psiquiátricos são uma causa de morte muito comum.

A educação médica básica deve, portanto, ser radicalmente alterada, com muito maior ênfase nas intervenções psicossociais em psiquiatria. Os medicamentos psiquiátricos só devem ser utilizados em situações agudas, apenas com a aceitação do paciente, e apenas com um plano para a sua posterior eliminação lenta.

“Mais investigação pública em psiquiatria”.

Esta é uma boa ideia. Está bem documentado que não podemos confiar em todos os ensaios patrocinados pela indústria de medicamentos psiquiátricos. São deliberadamente defeituosos por concepção, o que dá uma falsa ideia do que os medicamentos podem realizar e quais são os efeitos nocivos. Além disso, mais de metade das mortes e metade dos suicídios nos ensaios de medicamentos psiquiátricos foram omitidos dos artigos publicados. Os psiquiatras não sabem, portanto, o quão perigosos e ineficazes os medicamentos psiquiátricos são na realidade. Mas a população sabe disso. Um inquérito com 2.031 australianos mostrou que as pessoas pensavam que os comprimidos para a depressão, os comprimidos para a psicose, o eletrochoque e a admissão numa ala psiquiátrica eram mais frequentemente prejudiciais do que benéficos. Os psiquiatras sociais que tinham feito o inquérito ficaram insatisfeitos com as respostas e argumentaram que as pessoas deveriam ser treinadas para chegar à “opinião certa”.

Uma vez que as percepções da população concordam com o que a parte mais fiável da literatura da pesquisa mostra, é tempo de os psiquiatras serem educados por professores que sabem do que estão a falar para que possam ser curados pelos seus muitos conceitos errados, que são tão prejudiciais para os seus pacientes. O folheto da Associação Psiquiátrica Dinamarquesa pode ser resumido com estas palavras: ” Enviem mais dinheiro”. Mas não é uma boa ideia conseguir mais do mesmo.

A psiquiatria deve ser radicalmente alterada. E os psiquiatras precisam de ouvir os pacientes e o resto da população e levar a sério o que eles dizem. Isto não só beneficiaria os pacientes como também proporcionaria uma maior satisfação profissional aos psiquiatras.

***

Mad in Brasil recebe blogs de um grupo diversificado de escritores. Estes posts são concebidos para servir de fórum público para uma discussão a respeito da psiquiatria e seus tratamentos. As opiniões expressas são as próprias dos escritores.