O Aumento da Incerteza Social e Existencial Ligada ao Sofrimento Mental

Uma revisão bibliográfica da investigação encontra uma associação entre a incerteza e o sofrimento psíquico, como a depressão e a ansiedade.

0
359

Um artigo recente publicado no Journal of Mental Health explora a relação entre a incerteza e a saúde mental. Especificamente, os autores analisaram dados de ambientes médicos, cenários de desastres e conflitos, e ambientes ocupacionais e universitários. Eles encontraram uma relação positiva entre a incerteza – especialmente em torno de questões médicas – e o agravamento da saúde mental, particularmente depressão, ansiedade, transtorno do estresse pós-traumático (TEPT), estresse e sofrimento psicológico em geral.

“Acredita-se que as mudanças climáticas, o aumento de conflitos armados e perigos naturais, o deslocamento e grandes fluxos de refugiados, e a austeridade, contribuem para desencadear uma incerteza generalizada a nível individual, comunitário e social. Atualmente, a pandemia da COVID-19 exacerbou ainda mais as incertezas pré-existentes e gerou novas incertezas, com os meios de comunicação chegando ao ponto de falar de uma ‘pandemia de incerteza'”, escrevem os autores.

“Nunca a ligação entre incerteza e saúde mental foi tão central nos discursos públicos e acadêmicos”. No entanto, há poucas evidências sistemáticas a respeito da ligação entre a incerteza e a saúde mental”.

Pesquisas mostram que crises em nossos ambientes sociais e ecológicos podem aumentar o sofrimento mental. Da pandemia COVID-19 à mudança climática, os estudos apoiam a noção de que forças caóticas e destrutivas no mundo mais amplo podem impactar a saúde mental dos indivíduos.

De uma perspectiva geral, a incerteza pode estar na raiz de grande parte dessa angústia, pois pandemias e futuros incertos podem aumentar a ansiedade. Pesquisas sugerem, por exemplo, que a incerteza em torno das políticas econômicas pode aumentar o suicídio nos homens. Outro estudo aponta a “insegurança existencial” como um fator significativo para a saúde mental das crianças palestinas que vivem na Faixa de Gaza.

O estudo atual é uma revisão abrangente da literatura de pesquisa examinando a relação entre a incerteza e a saúde mental. Os autores, baseados em Londres e na Palestina, examinaram 101 artigos “abordando a associação entre incerteza e saúde mental”.

O estudo foi uma “revisão de escopo”, que normalmente consiste em: “projetos exploratórios que mapeiam sistematicamente a literatura disponível sobre um tópico, identificando conceitos-chave, teorias, fontes de evidência e lacunas na pesquisa”.

Os autores foram seletivos com os estudos incluídos, examinando, por exemplo, estudos sobre tópicos relacionados como insegurança e risco, estudos que não enfocavam a saúde mental ou a associação entre incerteza e saúde mental, estudos que não foram revisados por pares, e estudos publicados antes do ano 2000.

Foi escolhida uma abordagem de “revisão narrativa” para sintetizar e relatar os resultados do estudo. Isto incluiu estatísticas descritivas para resultados numéricos e a geração de temas narrativos para aspectos qualitativos.

Os autores reconhecem que a incerteza nem sempre é uma coisa ruim: “a incerteza pode ser avaliada não apenas como uma ameaça, mas também como uma oportunidade”, dependendo de fatores contextuais.

A maioria dos estudos (91%) foram trabalhos de pesquisa originais, com artigos de revisão (6%), trabalhos utilizando conjuntos de dados secundários, e trabalhos teóricos/comentários que compõem o restante.

A maior parte da pesquisa foi transversal (67%) e veio de campos como medicina e enfermagem (59%), seguida por psicologia/psiquiatria/neurociência (11%) e outros campos relacionados.

Os Estados Unidos foram o local da maior parte dos estudos, com 61 dos 101 estudos. Entretanto, alguns dos estudos também vieram de países como o Reino Unido e Taiwan, assim como alguns outros.

A incerteza foi examinada em três cenários diferentes:

Ambientes médicos (n=92)

Configurações de desastre e conflito (n=4)

Configurações ocupacionais e universitárias (n=4)

Em ambientes médicos, que constituíram a grande maioria dos estudos, a incerteza foi frequentemente investigada em relação a questões médicas como “câncer, outras doenças não transmissíveis, doenças infecciosas, gravidezes de alto risco, aconselhamento genético, transplantes de órgãos e recebimento de dispositivos implantados”. A incerteza neste contexto se centrava em torno da própria doença e do tratamento e prognóstico.

A incerteza em si foi mais comumente medida usando a Escala de Incerteza de Mishel na Doença (MUIS), com 45%, mas outras como a Escala de Percepção de Incerteza dos Pais e coisas como questionários também apareceram nos estudos.

Em termos de categorias de saúde mental analisadas, as mais comuns foram depressão (23%), ansiedade (19%), angústia psicológica (15%), TEPT (10%) e estresse (10%). Estes dados foram coletados usando uma variedade de instrumentos em todos os estudos.

A maioria dos estudos (79%) encontrou uma associação positiva entre incerteza e problemas de saúde mental. Alguns estudos (15%), entretanto, encontraram resultados mistos, significando que resultados específicos de saúde mental tinham uma associação positiva com a incerteza enquanto outros não tinham. 6% não encontraram nenhuma relação estatística significativa.

Motivar esta pesquisa foi uma preocupação em torno do conflito Israel-Palestina, com os autores afirmando que em território palestino ocupado:

“…a incerteza é uma experiência crônica, generalizada e estrutural, dada a contínua ocupação militar israelense, restrições de movimento, condições de cerco, confisco de terras, construção de assentamentos israelenses em terras palestinas, invasões periódicas, exposição à violência política e escassez de medicamentos”.

Os autores mencionam várias limitações ao estudo e à literatura de pesquisa de forma mais ampla.

Como a maioria dos dados eram transversais, é difícil estabelecer a causa. Além disso, devido a quão diferentes eram os padrões de análise nos estudos (como tipo de estudo e instrumentos utilizados), os autores foram forçados a fazer uma “revisão de escopo” em vez de uma meta-análise convencional. A não inclusão de estudos sobre “insegurança” ou “risco” pode ter deixado de fora importantes insights.

Outra limitação significativa observada pelos autores é que, apesar da pesquisa qualitativa mostrar que indivíduos e comunidades podem mudar a sua relação para a incerteza através de mecanismos de enfrentamento, em vez de serem passivos, pouca pesquisa explorou isto em detalhes estatísticos.

Além disso, eles afirmam que a análise de estudos qualitativos poderia acrescentar mais nuances à relação entre incerteza e saúde mental e oferecer uma visão dos mecanismos eficazes de enfrentamento.

Os autores realizaram uma revisão separada examinando estudos qualitativos, que serão publicados separadamente.

Eles concluem:

“Nos últimos anos, houve uma mudança na abordagem da saúde mental através de um modelo puramente biomédico e para uma compreensão mais holística da saúde mental como um fenômeno bio-psico-social intimamente ligado a fatores sociais, econômicos e políticos. A revisão atual aponta para a importância de investigar como a incerteza em torno dos principais determinantes sociais pode impactar a saúde mental”.

****

Massazza, A., Kienzler, H., Al-Mitwalli, S., Tamimi, N., & Giacaman, R. (2022). The association between uncertainty and mental health: A scoping review of the quantitative literature. Journal of Mental Health, 1–12. (Link)