Como a Medicina Baseada em Evidências se Tornou uma Ilusão

Escrevendo no BMJ, os investigadores argumentam que a medicina baseada em evidências se tornou tão corrompida que se transformou essencialmente numa contradição propriamente dita.

0
544

Em um novo artigo de opinião publicado no British Medical Journal, os pesquisadores Jon Jureidini e Leemon McHenry argumentam que a “medicina baseada em evidências” é mais um artifício corporativo do que uma ciência confiável.

De acordo com os autores, a ganância corporativa, as fracassadas práticas regulatórias e a academia comercializada tornaram a pesquisa muito menos objetiva e confiável. Estes eventos colocam em questão a validade das práticas e prescrições em que a pesquisa está baseada. Para construir uma base de evidências mais confiável e devolver validade e confiabilidade à pesquisa acadêmica, eles sugerem que devemos interromper todo o financiamento de órgãos reguladores pelas empresas farmacêuticas, tributar a indústria farmacêutica para financiar pesquisas genuinamente independentes, e disponibilizar os dados desta pesquisa a terceiros independentes capazes de revisar objetivamente os resultados.

“O advento da medicina baseada em evidências foi uma mudança de paradigma destinada a fornecer uma base científica sólida para a medicina. A validade deste novo paradigma, no entanto, depende de dados confiáveis de ensaios clínicos, a maioria dos quais são conduzidos pela indústria farmacêutica e relatados em nomes de acadêmicos seniores”, escrevem Jureidini e McHenry.

“A divulgação ao público de documentos anteriormente confidenciais da indústria farmacêutica tem dado à comunidade médica uma visão valiosa sobre o grau em que os ensaios clínicos patrocinados pela indústria são deturpados. Até que este problema seja corrigido, a medicina baseada em evidências continuará sendo uma ilusão”.

Muitos pesquisadores têm escrito sobre a influência corruptora do dinheiro da indústria farmacêutica na pesquisa médica. As pesquisas mostraram que mais da metade dos membros do painel encarregados de desenvolver o DSM-IV estavam recebendo pagamentos da indústria farmacêutica. Os painéis sobre ” Transtornos de humor” e “Esquizofrenia e Outros Transtornos Psicóticos” foram compostos inteiramente por indivíduos que aceitavam tais pagamentos. O dinheiro da indústria também resulta em “viés de patrocínio” em ensaios clínicos onde os pesquisadores têm muito mais probabilidade de interpretar os dados positivamente para os seus patrocinadores.

Há também um problema com conflitos de interesse não revelados na pesquisa médica, sendo que os pesquisadores geralmente não relatam a sua aceitação de pagamentos da indústria farmacêutica. Mesmo quando eles são tão pequenos quanto pagar por uma refeição, estes pagamentos influenciam as práticas de prescrição médica. Isto leva a práticas de prescrição mais caras e compromete o atendimento ao paciente.

Além da pesquisa escrita por fantasmas, a indústria farmacêutica tem uma enorme influência corruptora em cada etapa do processo de pesquisa. Através da “gestão fantasma” da pesquisa, a indústria dita que pesquisa é financiada e como essa pesquisa é projetada, organizada, auditada e analisada. Em muitos casos, esta pesquisa fraudulenta e gerenciada por fantasmas tem maior probabilidade de ser aceita para publicação em revistas acadêmicas.

A pesquisa também descobriu que o dinheiro da indústria farmacêutica provavelmente corrompe a educação médica. Por exemplo, um autor descobriu que a educação médica contínua financiada pela indústria farmacêutica incentivava os médicos a aumentar as prescrições de opiáceos sem considerar as conseqüências. Da mesma forma, os pesquisadores descobriram que a educação médica financiada pela indústria em torno dos transtornos alimentares em geral é tendenciosa para promover o uso de medicamentos da indústria.

A Food and Drug Administration (FDA) nos Estados Unidos adotou um processo acelerado de aprovação a pedido da indústria farmacêutica. Este processo acelerado de aprovação permite que a indústria venda medicamentos ineficazes a consumidores desprevenidos. Além deste processo acelerado de aprovação, a FDA trabalha com empresas farmacêuticas para encontrar maneiras de tornar os medicamentos fracassados comercializáveis, apesar de sua falta de eficácia e dos possíveis perigos de seu uso.

O trabalho atual começa com a explicação do racionalismo crítico, defendido por Karl Popper. O racionalismo crítico nos desafia a não nos apegarmos a “hipóteses acarinhadas”, mas sim a avaliar e reavaliar criticamente o que pensamos saber sobre o mundo com base nos resultados de experimentos científicos rigorosamente controlados.

Para os autores, a ciência deve adotar uma postura de racionalismo crítico se quiser ter integridade. Mas infelizmente, o envolvimento corporativo na pesquisa está fazendo com que os interesses financeiros eclipsem a integridade científica. Por exemplo, a propriedade dos dados pela indústria farmacêutica permite a supressão de ensaios clínicos negativos, ocultando eventos adversos e recusando-se a permitir que pesquisadores independentes avaliem os dados brutos.

Os autores apontam três questões significativas que atualmente destroem a integridade da medicina baseada em evidências: interesses corporativos, regulamentação fracassada e o comercialismo da academia. A indústria farmacêutica é responsável em primeiro lugar e principalmente perante os seus acionistas, o que significa que a integridade científica é muito baixa em sua lista de preocupações. As universidades subfinanciadas geralmente procuram financiamento para a indústria farmacêutica. Ao aceitar subsídios, dotações, etc., de corporações, as universidades começam a priorizar menos a integridade científica, tornando-se pouco mais do que “instrumentos para a indústria”.

Os autores também discordam com quem é promovido a cargos de liderança na universidade corporativa. Ao invés de promover aqueles que fazem contribuições diferenciadas em sua área, as universidades promovem aqueles que são melhores na captação de recursos. O resultado é que as universidades são lideradas por pessoas leais à entidade corporativa de maior remuneração, com pouca experiência em pesquisa ou preocupação com a integridade científica. A indústria, então, visa esses gerentes como ” líderes chave de opinião ” (LCO), subornando-os e bajulando-os para apresentar propaganda corporativa como pesquisa acadêmica legítima.

As universidades permitem que estes LCOs apresentem deturpações fraudulentas de dados sem conseqüência sob o pretexto de liberdade acadêmica. Os LCOs comumente atacam, repreendem e destroem as carreiras de seus colegas mais éticos por criticarem a indústria. Os pesquisadores que não são comprados pela indústria encontram inúmeros bloqueios na obtenção de financiamento e publicação de suas pesquisas.

As empresas farmacêuticas normalmente financiam agências reguladoras (por exemplo, a FDA nos Estados Unidos). O resultado é a compra de agências reguladoras que supervisionam a pesquisa financiada pela indústria, escrita por agentes da indústria e publicada de forma fraudulenta sob os nomes de acadêmicos influentes. Além disso, essas agências reguladoras comumente aprovam medicamentos produzidos por seus financiadores sem examinar quaisquer dados brutos.

Os autores apontam três políticas que eles acreditam que poderiam começar a devolver a integridade à pesquisa médica. Em primeiro lugar, as agências reguladoras não devem ser financiadas pela indústria. Segundo, um imposto deve ser imposto à indústria farmacêutica e usado para financiar ensaios clínicos verdadeiramente independentes dos produtos da indústria. Por último, os dados brutos dos ensaios clínicos devem ser colocados à disposição de pesquisadores independentes.

****

Jureidini, J., & McHenry, L. B. (2022). The illusion of evidence based medicine. BMJ, o702. https://doi.org/10.1136/bmj.o702 (Link)

[trad. e edição Fernando Freitas]