Metade dos doentes do Primeiro Episódio Respondem a Antipsicóticos

Nenhum ensaio controlado por placebo fornece provas de antipsicóticos na psicose do primeiro episódio

0
211

Uma revisão sistemática da literatura e meta-análise publicada na European Neuropsychopharmacology examina a eficácia dos antipsicóticos para indivíduos que experimentam um primeiro episódio de esquizofrenia – first episode of schizophrenia – (FEP) . Apesar de seus esforços para coletar rigorosos ensaios controlados aleatorizados – randomized controlled trials –  (RCTs) sobre antipsicóticos, este estudo não identificou um único ensaio controlado por placebo em indivíduos com FEP. Os investigadores confiaram em estudos que relataram taxas de resposta para pacientes randomizados a diferentes drogas antipsicóticas.

“Como estudos em pacientes crônicos revelaram efeitos placebo substanciais em ensaios recentes, seria útil saber o quanto tais efeitos foram responsáveis pelas altas taxas de resposta em nossos ensaios”, escrevem os autores.

Os pesquisadores conduziram esta meta-análise na esperança de determinar quão bem os pacientes identificados como FEP respondem aos antipsicóticos e que fatores levaram a uma resposta.

Na pesquisa sobre esquizofrenia, a resposta ao tratamento é definida como o cumprimento de uma porcentagem mínima de redução na Escala de Síndrome Positiva e Negativa – Positive and Negative Syndrome Scale – (PANSS) e na Escala de Classificação Psiquiátrica Breve – Brief Psychiatric Rating Scale – (BPRS). Ambas as medidas captam sintomas de psicose experimentados pelo indivíduo que apresenta a doença. Embora tenham sido utilizados cortes variáveis para uma resposta mínima, os autores desta meta-análise caracterizaram uma queda de 50% como “alta resposta” e seu principal corte de interesse.

Os pesquisadores analisaram dados de ensaios controlados aleatórios que compararam drogas antipsicóticas entre si ou com placebo entre pacientes com FEP. Apenas 17 estudos atenderam aos critérios de inclusão e forneceram dados utilizáveis.

Os dezessete estudos incluídos representaram 3156 participantes. Nenhum dos 17 foi controlado com placebo, e apenas 12 foram cegos. As taxas de desistência foram altas (39%). Apenas cinco estudos forneceram explicitamente as taxas de resposta – uma queda de 50% ou 20% na pontuação dos sintomas – os autores estavam procurando avaliar.

Nos cinco estudos que permaneceram, 52% viram uma queda de pelo menos 50% em suas pontuações de sintomas, o que foi considerado “muito melhor”. Outros 19% sofreram uma queda de 20% nos sintomas. Os autores comparam estes resultados com a taxa de resposta muito menor em indivíduos diagnosticados com esquizofrenia crônica (23% relataram uma redução de 50% nos sintomas e 53% viram uma queda de 20%).

Outras análises demonstraram:

  • A diferença nas taxas de resposta entre estudos cegos e estudos com rótulo aberto não foi significativa.
  • Houve uma taxa de resposta significativamente maior em estudos em pacientes não-medicados em relação a estudos em que os participantes tiveram exposição prévia a antipsicóticos
  • Pacientes do sexo feminino podem ter uma taxa de resposta clínica mais alta do que os do sexo masculino
  • Os pacientes graves na linha de base têm uma taxa de resposta maior do que os pacientes leves
  • Os pacientes com menor duração da doença tiveram uma taxa de resposta mais alta do que aqueles com maior duração da doença
  • Os pacientes mais velhos tiveram uma taxa de resposta maior do que os pacientes mais jovens
  • Não foram encontradas taxas de resposta associadas à duração do estudo
  • Não foram encontradas taxas de resposta associadas à dosagem antipsicótica

Neste esforço para avaliar as taxas de resposta aos antipsicóticos em pacientes com primeiro episódio, os investigadores não conseguiram identificar nenhum ensaio útil controlado por placebo na literatura da pesquisa. Isto destaca uma lacuna na base de evidências para o uso a curto prazo destes medicamentos na população do primeiro episódio. Pesquisas futuras devem comparar o uso de antipsicóticos com um grupo de placebo a fim de desenvolver uma compreensão abrangente da eficácia do uso de antipsicóticos entre os pacientes do primeiro episódio.

A alta taxa de desistência nos 17 estudos randomizados que foram analisados deixa um quadro incerto da taxa de resposta entre os pacientes do primeiro episódio. Dos que não desistiram, pouco mais da metade experimentou uma queda de pelo menos 50% nos sintomas e, portanto, foram vistos como “muito melhorados”.

****

Zhu, Y., Li, C., Huhn, M., Rothe, P., Krause, M., Bighelli, I., … & Leucht, S. (2017). How well do patients with a first episode of schizophrenia respond to antipsychotics: A systematic review and meta-analysis. European Neuropsychopharmacology(LINK)