Estimulantes não melhoram o desempenho acadêmico em crianças com TDAH

"Os esforços para melhorar o aprendizado em crianças com TDAH devem se concentrar na obtenção de orientação acadêmica eficaz em vez de medicamentos estimulantes".

0
180

Um novo estudo descobriu que as drogas estimulantes não ajudavam as crianças com TDAH a ter um melhor desempenho em seus trabalhos escolares. Embora as drogas tenham melhorado o comportamento das crianças nas aulas, elas não tiveram um desempenho acadêmico melhor quando estavam tomando as drogas do que quando não estavam.

“Não houve nenhum efeito detectável da medicação no aprendizado do material ensinado durante as aulas”, escrevem os pesquisadores. “As crianças aprenderam a mesma quantidade de conteúdo do assunto e vocabulário, quer estivessem tomando [Ritalina] ou placebo durante o período de instrução”.

O estudo, publicado no Journal of Consulting and Clinical Psychology, foi conduzido por William E. Pelham, Jr. da Universidade Internacional da Flórida. Também incluiu pesquisadores da Universidade da Califórnia, San Diego; da Universidade da Califórnia, Irvine; da Florida State University; e do Penn State College of Medicine.

Os pesquisadores recrutaram 173 crianças (entre 7 e 12 anos de idade) que preenchiam os critérios do DSM-5 para TDAH e estavam inscritas em um curso de verão. O estudo foi projetado para que um grupo de crianças recebesse o estimulante Ritalina (metilfenidato) por três semanas (enquanto o outro grupo recebia um placebo). Então os grupos trocariam – com o primeiro grupo agora sendo colocado no placebo e o segundo grupo tomando Ritalina por três semanas.

Com este projeto, os pesquisadores podiam comparar como os mesmos estudantes se desempenhavam com o placebo versus o fármaco estimulante. Além disso, a troca dos dois grupos ajudaria a explicar outros efeitos, como os efeitos de retirada e os efeitos do tempo (como por exemplo, se todos os estudantes estavam mais nervosos mais cedo – ou mais tarde).

Este estudo é único porque os estudos sobre os efeitos dos estimulantes não avaliam o desempenho real na escola. (Os pesquisadores escrevem que este é o primeiro estudo desse tipo.) Em vez disso, os estudos geralmente se concentram no comportamento (se as crianças estão melhor sentadas em uma sala de aula, por exemplo) conforme avaliado pelos professores ou pelos pais. No entanto, o desempenho acadêmico é uma das razões críticas pelas quais os pais querem que seus filhos tomem drogas.

Os pesquisadores escrevem:

“Embora se tenha acreditado durante décadas que os efeitos de medicamentos na produtividade do trabalho acadêmico e no comportamento em sala de aula se traduziriam em um melhor aprendizado do material acadêmico novo, não encontramos tal tradução”.

Eles acrescentam: “A medicação não teve impacto detectável sobre o quanto as crianças aprenderam das unidades acadêmicas de ciência, estudos sociais e vocabulário”.

Os pesquisadores descobriram que, ao tomar o medicamento, as crianças eram capazes de completar cerca de um a dois problemas matemáticos a mais por minuto e “cometiam” cerca de duas “violações de regras” em menos de uma hora.

Os pesquisadores observam que os estudantes que tomavam a droga também faziam um pouco melhor em seus testes por 1,7 a 3 pontos em uma escala de 100 pontos. Entretanto, eles acrescentam que esta melhoria é menor do que a melhoria que as crianças conseguem obter se dormirem uma boa noite antes de um teste.Em conclusão, os pesquisadores escrevem que os pais e pediatras acreditam que os estimulantes levarão à melhoria acadêmica e que a realização acadêmica é um objetivo principal para o tratamento da TDAH. Os pesquisadores sugerem que se este é o objetivo, os estimulantes não devem ser prescritos. Ao invés disso, a pedagogia e o apoio acadêmico devem ser melhorados:

“Nosso insucesso em encontrar um efeito de medicação estimulante no aprendizado de unidades curriculares acadêmicas individuais levanta questões sobre como a medicação estimulante levaria a um melhor desempenho acadêmico ao longo do tempo. Isto é importante, dado que muitos pais e pediatras acreditam que a medicação melhorará o desempenho acadêmico; é mais provável que os pais procurem medicação (em comparação com outras opções de tratamento) quando identificam o desempenho acadêmico como um objetivo principal para o tratamento. As descobertas atuais sugerem que esta ênfase pode ser mal orientada: Os esforços para melhorar o aprendizado em crianças com TDAH devem se concentrar na obtenção de orientação e apoio acadêmico efetivo (por exemplo, Planos Educacionais Individualizados) em vez do uso de medicamentos estimulantes”.

O estudo mais bem considerado e altamente citado sobre TDAH na infância, o estudo MTA da NIMH, encontrou resultados iniciais promissores sobre os sintomas e o comportamento do TDAH, que foram amplamente publicados nos meios de comunicação de massa e que levaram à crença de que os estimulantes seriam extremamente eficazes para o tratamento do TDAH. Entretanto, os resultados posteriores do estudo MTA tên sido desanimadores: o acompanhamento de três anos constatou que aqueles que receberam tratamento não estavam em melhor situação do que aqueles que não receberam, enquanto o acompanhamento de seis a oito anos constatou que aqueles que receberam tratamento tiveram pior desempenho do que o grupo de controle em 91% das medidas que testaram.

Outro estudo recente descobriu que a ingestão de estimulantes tornava as crianças 18 vezes mais propensas a experimentar depressão. Entretanto, uma vez que as crianças deixavam de tomar o medicamento, seu risco de depressão caia de volta para a situação de seus colegas saudáveis. Estudos similares apoiam este efeito.

****

Pelham III, W. E., Altszuler, A. R., Merrill, B. M., Raiker, J. S., Macphee, F. L., Ramos, M., . . . & Pelham Jr, W. E. (2022). The effect of stimulant medication on the learning of academic curricula in children with ADHD: A randomized crossover study. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 90(5), 367-380. (Link)