Nenhuma evidência que Baixa Serotonina Causa Depressão

Após décadas de má percepção pública, uma grande revisão finalmente leva a teoria do desequilíbrio químico da depressão para o repouso eterno.

0
516

A teoria do desequilíbrio químico – a noção de que a baixa serotonina causa depressão – teve origem nos anos 60. A partir dos anos 90, a indústria farmacêutica promoveu fortemente esta explicação da depressão para o público através de publicidade direta ao consumidor. Como resultado, esta teoria é freqüentemente utilizada para justificar a toma de antidepressivos, particularmente ISRSIs, que atuam sobre o sistema de serotonina. O único problema: esta teoria tem sido desmascarada.

Agora, na primeira revisão abrangente de todas as pesquisas relevantes sobre serotonina e depressão, os pesquisadores não encontraram nenhuma ligação entre os níveis de serotonina e depressão. O artigo, publicado Molecular Psychiatry, incluiu pesquisas sobre serotonina no plasma, metabólito de serotonina, fixação do receptor de serotonina, experimentos de empobrecimento da serotonina e estudos sobre o gene da serotonina (SERT). Essas análises não forneceram evidências de uma relação entre a baixa serotonina e a depressão.

Os pesquisadores escrevem:

“Esta revisão sugere que o enorme esforço de pesquisa baseado na hipótese da serotonina não produziu evidências convincentes de uma base bioquímica para a depressão. Isto é consistente com as pesquisas sobre muitos outros marcadores biológicos. Sugerimos que é hora de reconhecer que a teoria da depressão por serotonina não está empiricamente fundamentada”.

Joanna Moncrieff liderou a pesquisa no University College London. Também entre os pesquisadores estiveram  Mark Horowitz e Michael Hengartner, todos eles foram entrevistados por Mad in America sobre o trabalho deles.

Moncrieff e os outros pesquisadores observam que não existe uma revisão abrangente das evidências a favor ou contra a teoria da serotonina/desbalanceamento químico. Portanto, seu estudo teve como objetivo preencher essa lacuna:

“Procuramos estabelecer se a evidência atual apoia um papel para a serotonina na etiologia da depressão, e especificamente se a depressão está associada a indicações de menor concentração ou atividade da serotonina”, escrevem eles.

Suas conclusões específicas foram as seguintes:

  • Níveis de serotonina plasmática (5-HIAA): Os pesquisadores encontraram 27 estudos comparando os níveis de serotonina entre aqueles com depressão e aqueles sem depressão. Três estudos utilizaram os níveis de serotonina do plasma sanguíneo, enquanto os 24 restantes utilizaram o líquido cefalorraquidiano. Suas descobertas: não houve conexão entre os níveis de serotonina e a depressão. Entretanto, havia uma conexão entre o uso de serotonina e antidepressivos – as drogas realmente diminuíram os níveis de serotonina em vez de aumentá-los.
  • Receptores de 5-HT1A: 19 estudos compararam o nível de atividade dos receptores de serotonina entre aqueles com depressão e aqueles sem depressão. A maioria dos estudos não encontrou diferenças. Alguns acharam que os receptores eram menos ativos, o que significava que as pessoas com depressão tinham níveis mais altos de serotonina. Entretanto, esses resultados eram de má qualidade e não conseguiram distinguir entre aqueles que tomavam antidepressivos e aqueles que não tomavam. Havia também evidências de viés de publicação – provavelmente apenas estudos positivos teriam sido publicados.
  • Proteína transportadora SERT: 40 estudos compararam a atividade do transportador SERT (maior atividade significa menos serotonina) entre aqueles com depressão e aqueles sem depressão. Alguns estudos encontraram menor ligação da SERT em pessoas com depressão, indicando novamente níveis mais altos de serotonina. Entretanto, estas descobertas foram inconsistentes, localizadas em diferentes partes do cérebro por diferentes pesquisadores. Mais uma vez, estes resultados foram de má qualidade, falhando em levar em conta os testes múltiplos (p-hacking) e falhando em distinguir entre aqueles que estavam tomando antidepressivos e aqueles que não estavam.
  • Depleção de serotonina (73 estudos): Pensa-se que o esgotamento do triptofano reduz o nível de serotonina. Alguns estudos mais antigos haviam mostrado resultados inconsistentes, o que indicava que o esgotamento da serotonina estava associado a um humor mais baixo, mas apenas naqueles com histórico familiar de depressão. Os voluntários saudáveis que experimentaram o esgotamento da serotonina não tiveram um humor mais baixo. Estes estudos também eram de má qualidade. Todos os estudos mais recentes e metodologicamente mais sólidos não encontraram nenhuma conexão entre o esgotamento da serotonina e o humor, mesmo naqueles com um histórico familiar de depressão.
  • A genética da serotonina (centenas de estudos): Os primeiros estudos do gene SERT (5-HTTLPR) encontraram um efeito inconsistente que implicasse uma associação entre serotonina e depressão, mas apenas para alguns grupos étnicos. Entretanto, quando todos os estudos – inclusive os mais recentes e metodologicamente mais rigorosos – foram incluídos, não houvendo nenhum efeito. Outra hipótese inicial era que as diferenças no gene SERT poderiam interagir com o estresse para causar depressão. Mais uma vez, quando todos os estudos foram incluídos, não houve efeito.

Os estudos genéticos mais recentes foram da mais alta qualidade e forneceram a evidência mais segura de não haver conexão entre a serotonina e a depressão. Entre os outros estudos, os estudos mais recentes e metodologicamente rigorosos chegaram todos a uma conclusão negativa. Estudos mais antigos, e os mais propensos a preconceitos (por exemplo, não levando em conta o efeito dos antidepressivos), encontraram resultados mais inconsistentes. Os autores acrescentam:

Enquanto alguns estudos anteriores, menor qualidade, produzindo resultados marginalmente positivos, estes não foram confirmados em estudos mais bem conduzidos, maiores e mais recentes”.

Esta é a primeira revisão abrangente a examinar todas as evidências em uma análise sistemática. Entretanto, durante décadas, os pesquisadores criticaram a teoria desmentida e seu impacto influente sobre a consciência pública:

  • “Não há um único artigo revisado por pares que possa ser citado com precisão para apoiar diretamente as alegações de deficiência de serotonina em qualquer distúrbio mental”. (Society,2008)
  • “A pesquisa neurocientífica contemporânea falhou em confirmar qualquer lesão serotonérgica em qualquer distúrbio mental e, de fato, forneceu uma contraprova significativa para a explicação de uma simples deficiência de neurotransmissor. A neurociência moderna, ao invés disso, mostrou que o cérebro é vastamente complexo e mal compreendido. Embora a neurociência seja um campo que avança rapidamente, propor que os pesquisadores possam identificar objetivamente um “desequilíbrio químico” a nível molecular não é compatível com a ciência existente. Na verdade, não existe um ‘equilíbrio químico’ ideal cientificamente estabelecido de serotonina, muito menos um desequilíbrio patológico identificável”. (PLOS Medicine,2005)
  • “A maioria dos especialistas na área da psiquiatria reconhece que os avanços da neurociência ainda não foram traduzidos na prática clínica. A principal mensagem transmitida aos leigos, no entanto, é que os distúrbios mentais são doenças cerebrais curadas por medicamentos cientificamente projetados. Aqui descrevemos como esta mensagem enganosa é gerada”. (Harvard Review of Psychiatry,2020)
  • “Os diagnósticos e medicamentos psiquiátricos proliferam sob a bandeira da medicina científica, embora não haja uma compreensão biológica abrangente das causas ou dos tratamentos dos transtornos psiquiátricos”. (New England Journal of Medicine, 2019)

De fato, psiquiatras bem conhecidos afirmam agora que foram os antipsiquiatras que promoveram o mito do desequilíbrio químico para fazer a psiquiatria parecer estúpida.

Mas quais são os danos desta crença? Segundo Moncrieff e os outros pesquisadores, a crença no mito do desequilíbrio químico leva a vários problemas. Primeiro, uma mentalidade pessimista sobre a depressão – as pessoas acreditam que não têm controle sobre seus próprios humores e nunca podem mudar porque é apenas como seus cérebros estão “conectados”. Isto desencoraja as pessoas de frequentar psicoterapia ou de outra forma tentar fazer mudanças significativas em suas vidas. Ao invés disso, elas se concentram no uso de drogas antidepressivas.

Infelizmente, para a maioria, os antidepressivos não funcionam (por exemplo, um estudo recente em pacientes da vida real descobriu que menos de 25% das pessoas melhoram, mesmo após tratamento agressivo, incluindo vários antidepressivos). Isto deixa os outros 75% sem esperança, pois acreditavam que somente um tratamento biológico poderia ajudar.

Entretanto, mesmo aqueles para os quais os medicamentos não têm nenhum efeito estão relutantes em descontinuar os antidepressivos, pois acreditam que a depressão será ainda pior sem o impacto dos medicamentos sobre os níveis de serotonina. Isto significa que uma grande proporção daqueles que tomam antidepressivos – pelo menos 75% – estão expostos aos efeitos adversos prejudiciais a longo prazo dos medicamentos – ganho de peso, disfunção sexual e entorpecimento emocional entre os mais comuns – sem experimentar qualquer benefício.

Em uma citação do Medscape Medical News, o autor sênior Mark Horowitz disse:

“Não é uma declaração baseada em evidências dizer que a depressão é causada por baixa serotonina; se fossemos mais honestos e transparentes com os pacientes, deveríamos dizer-lhes que um antidepressivo poderia ter algum uso para entorpecer os seus sintomas, mas é extremamente improvável que seja a solução ou cura para seu problema”.

****

Moncrieff, J., Cooper, R. E., Stockmann, T., Amendola, S., Hengartner, M. P., & Horowitz, M. A. (2022). The serotonin theory of depression: A systematic umbrella review of the evidence. Molecular Psychiatry. Published online on July 20, 2022. https://doi.org/10.1038/s41380-022-01661-0 (Link)

[trad. e editado por Fernando Freitas]