Gradual afilamento recomendado para a descontinuação do antidepressivo

0
200

A síndrome de descontinuação de antidepressivos (ADS) é melhor evitada com medicamentos antidepressivos gradualmente afilados. A abordagem gradual, ao contrário de uma descontinuação mais abrupta, é reiterada mais uma vez.

Este novo estudo, publicado na revista European Neuropsychopharmacology, procurou avaliar a literatura mais recente sobre a ADS e a abstinência de antidepressivos. Descobriram que o “down-titrating” ou afilamento é quase sempre justificado no cenário clínico, especialmente para antidepressivos como o citalopram.

“Muitos pacientes interrompem abruptamente seus medicamentos antidepressivos precocemente sem o conhecimento do médico que os prescreve por várias razões”, explicam os autores. “A descontinuação dos antidepressivos pode levar a sintomas sistêmicos e neuropsicológicos de gravidade e duração variáveis, levando em conta a chamada ‘síndrome de descontinuação dos antidepressivos'”.

A interrupção abrupta dos ISRSs (inibidores seletivos de recaptação de serotonina) como Zoloft, Citalopram e Escitalopram pode ser perturbadora e prejudicial ao seu dia-a-dia – às vezes causando sintomas semelhantes aos da gripe, insônia, náusea e ou ansiedade. No entanto, deixar de usar seu antidepressivo de forma abrupta também pode causar confusão entre você e seu médico, pois pode ser difícil distinguir entre uma reincidência de sintomas de depressão e sintomas de abstinência e ADS.

A revisão da literatura primeiramente destaca que a mais nova versão do Manual Estatístico de Diagnóstico de Transtornos Mentais, o DSM-TR, observa que a ADS “pode ocorrer após tratamento com todos os tipos de antidepressivos” e que “a incidência depende da dosagem e da meia-vida do medicamento que está sendo tomado e da taxa em que o medicamento é afilado”. Em particular, os autores descobriram que o mais provável culpado da ADS são os medicamentos com altas ocupações de SERT e os medicamentos com meia-vida curta.

O Citalopram, mais conhecido por sua marca Celexa, tem uma “alta ocupação de SERT”. Pensa-se que os inibidores seletivos de recaptação de serotonina (SSRIs) impedem que a serotonina seja removida das sinapses neuronais. Ao ligar-se ao transportador de serotonina ou “SERT”, os ISRSs bloqueiam o transporte de serotonina e assim aumentam a presença de serotonina no cérebro. Pesquisadores e médicos podem medir a ocupação do SERT (ou seja, como “ocupado” ou “ligado” aos transportadores de serotonina) de um ISRS através de imagens como os scans PET. Os autores explicam:

“Especificamente, a ocupação SERT dos ISRSs variaria através de diferentes doses. Por exemplo, o citalopram administrado constantemente a 60 mg/dia resultaria em 87,8% de ocupação SERT, 40 mg/dia resultaria em 85,9%, 20 mg/dia em 80,5%, 9,1 mg/dia em 70%, 5,4 mg/dia em 60%, 2. 3 mg/dia em 40%, 1,5 mg/dia em 30%, 0,8 mg/dia em 20%, e 0,37 mg/dia em 10%… Isto significa que o afilamento deve ser particularmente gradual, especialmente ao atingir baixas doses de ISRS”.

Da mesma forma, a paroxetina, comumente conhecida por sua marca Paxil, tem uma meia-vida curta. Meia-vida curta aumenta a probabilidade de retração e sintomas de descontinuação em todos os tipos de medicamentos, enquanto que meia-vida longa diminui significativamente os sintomas de retração. A meia-vida de um medicamento é a quantidade de tempo que leva para reduzir a metade de seu valor original ou potência em seu corpo. Quanto mais rápido o medicamento perder potência em seu corpo, pior será a abstinência. Ou, no caso de antidepressivos, quanto mais curta a meia-vida, maior a probabilidade de ADS.

Além disso, os indivíduos que já estão “vulneráveis” aos sintomas de descontinuação dos antidepressivos, tais como pessoas que experimentam ataques de pânico freqüentes, têm maior probabilidade de experimentar a ADS se os antidepressivos não forem afilados corretamente.

Como em todos os estudos, há limitações a esta revisão da literatura. É importante ressaltar que a revisão da literatura foi realizada utilizando um único banco de dados. E, seja porque os estudos revisados não continham dados demográficos ou porque os próprios autores não anotaram dados demográficos, não há menção de raça, etnia, gênero ou status socioeconômico na revisão.

Na medida em que o público fica mais informado sobre a depressão, a eficácia questionável dos antidepressivos e as opções de tratamento não-farmacêutico, os indivíduos que decidem descontinuar seus antidepressivos podem ter dificuldade em fazê-lo. É recomendável discutir a descontinuação com seu médico para evitar a ADS e os sintomas de abstinência.

****

Fornaro, M., Cattaneo, C. I., De Berardis, D., Ressico, F. V., Martinotti, G., & Vieta, E. (2023). Antidepressant discontinuation syndrome: A state-of-the-art clinical review. European Neuropsychopharmacology66, 1-10. (Link)

[trad. e edição Fernando Freitas]

Artigo anteriorCetamina para a Depressão Causa “Significativos Riscos para o Público”
Próximo artigoO capitalismo está destruindo nossa Saúde Mental Coletiva
Samantha Lilly traz a sua formação em filosofia, bioética e justiça social para o seu trabalho como suicidóloga crítica, com a crença de que a suicidologia, no seu melhor, é um trabalho de justiça social. Antes de iniciar um doutoramento em Saúde em Ciências Sociais na Universidade de Edimburgo, Sam recebeu uma bolsa Thomas J. Watson Fellowship. O seu projecto, "Understanding Suicidality Across Cultures", deu-lhe o privilégio de trabalhar ao lado de especialistas em ética, académicos e defensores dos direitos nos países da Benelux, Lituânia, Argentina, Aotearoa, e Indonésia. A investigação actual da Sam dedica-se a trazer metodologias feministas e descoloniais para a prevenção do suicídio.