Revisitando Szasz: Metáfora e Equívoco

0
43

“As idéias de Szasz sobre psiquiatria e doença mental podem ser resumidas da seguinte maneira. Em primeiro lugar, a doença mental é uma metáfora para os problemas humanos na vida expressos como ‘sintomas’ através de uma protolinguagem somática. Não há testes biológicos para doenças mentais; assim, a doença mental não é doença no sentido literal. Em segundo lugar, segue-se que se a doença mental não é uma doença literal, então as pessoas não devem ser privadas de liberdade e responsabilidade em nome da doença mental. Szasz se opôs a todas as formas de tratamento involuntário e à defesa da insanidade. Sociologicamente, ele via a psiquiatria como um mecanismo sancionado pelo Estado de controle social e uma ameaça onipotente à liberdade civil. Ele chamou essa associação entre governo e psiquiatria ‘O Estado Terapêutico’ (…)

(…) É importante notar que as opiniões de Szasz sobre a psiquiatria foram influenciadas por sua ideologia política libertária, formado enquanto uma criança que cresceu na era nazista de Budapeste. Durante sua residência em psiquiatria e depois durante seu treinamento psicanalítico, Szasz evitou todo contato com pacientes psiquiátricos involuntários. Ele nunca internou um paciente involuntariamente no hospital e nunca receitou uma droga psiquiátrica. Moralmente oposto à coerção na psiquiatria, Szasz manteve uma prática privada de psicanálise, onde ele praticava o que ele chamou de ‘psicoterapia autônoma’, delineada em seu livro de 1965, The Ethics of Psychoanalysis.”

Artigo →

Szasz

Deixe uma resposta