Thomas Szasz Versus o Movimento de Saúde Mental nos Estados Unidos

0
81

Faz 10 anos que o psiquiatra Thomas Szasz morreu em 8 de setembro de 2012, aos 92 anos de idade. Durante sua vida ele publicou 35 livros, e mais de 700 artigos, a maioria dos quais foram altamente críticos tanto da teoria quanto da prática da psiquiatria, que há muito tempo tem reivindicado ser uma especialidade médica legítima (Ver Szasz, “Lista de Publicações, 1947-2009“). Dependendo de quem fala, Szasz foi ou o libertador heroico dos chamados “doentes mentais”, ou um crítico malicioso de psiquiatras bem intencionados que só procuram restaurar a “saúde mental” dos “doentes mentais”.

Enquanto outras especialidades médicas não tiveram que defender a sua legitimidade, a psiquiatria passou os últimos duzentos anos tentando convencer tanto a medicina quanto o público de sua boa-fé médica. Nos últimos sessenta anos, isto envolveu ignorar, atacar, interpretar mal, censurar, caluniar, difamar e denegrir Szasz e seus seguidores. Desde o início, a psiquiatria se envolveu em miríades de argumentos ad hominem como um meio de desacreditar suas idéias.

Que a psiquiatria tem sido bem sucedida em suas tentativas de sustentar sua reputação é um crédito ao trabalho de relações públicas e um descrédito para a investigação científica válida. Pois como Szasz observou décadas atrás, os psiquiatras são simplesmente os sumos sacerdotes da ideologia do que ele chamou de “Estado terapêutico”, que é apoiado por um dos movimentos sociais mais violentos que o Estados Unidos já conheceu. A comparação de Szasz do movimento de saúde mental com a Inquisição medieval em seu livro The Manufacture of Madness, a comparative study of the inquisition and the mental health movement (1970) jogou chamas sobre as fogueiras dos psiquiatras que não aceitavam de bom grado ser comparados aos inquisidores. Como políticos que afirmam nunca ter dito algo político, os psiquiatras ignoraram que tinham solicitado esta comparação, culpando as vítimas (as chamadas bruxas) ao rotulá-las retroativamente como “doentes mentais” e assim desculpando os crimes contra a humanidade de seus perseguidores (os Inquisidores).

Uma década após a morte de Szasz, é hora de fazer várias perguntas: (1) Será que o vasto empreendimento de pesquisa da psiquiatria biológica provou que Szasz estava errado? (2) Szasz teve sucesso em mudar a ideologia e/ou a prática da psiquiatria? (3) Se seu ponto de vista era válido, e se ele não teve sucesso, o que ainda poderia ser feito para promover a sua visão de uma prática não médica, verdadeiramente voluntária e confidencial de “aconselhamento” pessoal?

O Mito da Doença Mental

A partir de 1956, Szasz começa a lançar as bases para o seu ataque à psiquiatria com uma série de artigos e um importante, mas muitas vezes negligenciado, livro, Pain and Pleasure. Seu primeiro livro, de fato, tratava do cerne de sua cruzada de vida: o problema mente-corpo.

Szasz resumiu sucintamente os principais temas de seu trabalho em pelo menos três lugares. Seu breve artigo de 1960, “The Myth of Mental Illness”, contém as sementes de muitas de suas idéias que ele desenvolveu ao longo de sua carreira. A versão revisada de 1974 do livro O Mito da Doença Mental (1961) contém um “Resumo” com dez pontos principais (pp. 267-68). E o site Szasz.com de Jeffrey Schaler contém “Thomas Szasz’s Summary Statement and Manifesto” (1998) com seis pontos principais.

Como Szasz resumiu seus pontos de vista de forma tão clara, não vejo necessidade de me debruçar sobre eles aqui. Para aqueles que desejam uma introdução mais detalhada a seu trabalho, favor ver meu artigo, Thomas Szasz’s History and Philosophy of Psychiatry, em minha antologia, “Thomas Szasz: Moral Philosopher of Psychiatry” (Seattle: Review of Existential Psychology & Psychiatry, 1997, pp. 6-69).

A medicina científica moderna se baseia na idéia de que a doença é algo que afeta o corpo, que se baseia nas leis determinísticas da física e da bioquímica. Contudo, a psiquiatria afirma que o comportamento humano que viola as normas sociais e culturais é causado por algo no corpo ou no cérebro e é tratável pelos meios comuns da medicina, tais como drogas, eletrochoque e cirurgia.

Szasz acreditava que o conceito de “doença mental” fosse uma metáfora que se tornou literalizada devido ao erro categórico de aplicar a doença ao comportamento social, moral e político. As pessoas rotuladas como doentes mentais não têm de fato nada comprovadamente errado com seus corpos ou cérebros, e os padrões dos quais diferem dos outros não são normas biológicas, mas sociais.

A partir da adolescência, Szasz acreditava que os psiquiatras não agem da mesma forma que outros médicos. Ao tratar o comportamento voluntariamente escolhido como se o indivíduo não fosse responsável, os psiquiatras violam os principais princípios da ética médica e provam que são adversários das pessoas que dizem “ajudar”. Pessoas cuja conduta se desvia das normas sociais não são doentes, e os psiquiatras estão servindo ao papel do Estado no funcionamento como executores extralegais dos costumes sociais.

A história da psiquiatria é bastante distinta da história da medicina. Em História da Loucura, Foucault traçou as origens da psiquiatria até o estabelecimento do Hôpital Génèral em Paris em 1656. Estes não eram hospitais em nosso sentido da palavra, mas sim asilos públicos para les misérables. Szasz traça as origens da psiquiatria com o uso generalizado de loucos privados na Inglaterra, para onde parentes enviavam os seus familiares indesejados (ver Parry-Jones’s (The Trade in Lunacy).

Em seu prefácio à primeira edição de The Myth of the Mental Illness (1961), Szasz escreveu que ele tinha um duplo propósito:

Minha primeira tarefa, portanto, é apresentar uma análise essencialmente “desconstrutivista” do conceito de doença mental e de psiquiatria como uma empresa pseudomédica….A minha segunda tarefa é oferecer uma síntese “construtiva” do conhecimento que achei útil para preencher a lacuna deixada pelo mito da doença mental (p. x).

O Modelo Pseudomédico

Tornou-se comum a referência ao “modelo médico” de doença mental característico da psiquiatria. Mas o argumento de Szasz é que a psiquiatria é uma pseudociência que adotou um modelo pseudomédico.

Em resumo, médicos reais não inventam doenças falsas e nem diagnósticos falsos. Médicos de verdade não violam o consentimento informado. Médicos de verdade não violam a confidencialidade do paciente. Médicos de verdade não violam a autonomia de seus pacientes e tratam seus pacientes involuntariamente. Médicos de verdade não prendem seus pacientes. Médicos de verdade não forçam a medicação de seus pacientes. Médicos de verdade não abalam seus pacientes involuntariamente. Médicos de verdade não operam seus pacientes involuntariamente. Médicos de verdade não inventam doenças para desculpar seus pacientes por comportamento criminoso, como assassinato.

Se a psiquiatria tivesse de fato adotado o modelo médico, ela também não faria nada disso. Contudo, os psiquiatras fazem todas estas coisas.

Determinismo Biológico

Desde a sua fundação, os Estados Unidos têm estado sujeitos a dezenas de movimentos sociais. Alguns têm sido considerados, como a abolição da escravidão e o movimento de direitos civis para acabar com a segregação racial.

Mas outros mancharam a nossa história. Craniometria, eugenia e proibição do álcool já foram populares, mas agora foram desacreditadas.

A frenologia já foi amplamente praticada e quase custou ao mundo a teoria da evolução. Charles Darwin foi quase rejeitado quando se candidatou para a viagem de cinco anos pelo mundo no HMS Beagle. O Capitão FitzRoy era um adepto da frenologia e disse a Darwin que quase tinha decidido recusá-lo devido à forma de seu nariz (Janet Browne, Charles Darwin: Voyaging, Princeton: Princeton University Press, 1995, pp. 160-61).

Em The Mismeasure of Man, Stephen Jay Gould desconstruiu várias pseudociências culpadas de determinismo biológico, incluindo a craniometria, o movimento hereditário de QI, e a sociobiologia. Em sua Introdução, Gould escreve:

O argumento geral pode ser chamado de determinismo biológico. Ele sustenta que as normas comportamentais compartilhadas, e as diferenças sociais e econômicas entre os grupos humanos – principalmente raças, classes e sexos – se originam de distinções herdadas e inatas e que a sociedade, neste sentido, é um reflexo preciso da biologia. Este livro discute, em perspectiva histórica, um tema principal dentro do determinismo biológico: a afirmação de que o valor pode ser atribuído a indivíduos e grupos, medindo a inteligência como uma única qualidade (p. 52).

Em Not in Our Genes Richard Lewontin, Steven Rose e Leon Kamin desembrulharam as ideias reducionistas da psiquiatria biológica e o que Szasz chamaria de seu “símbolo sagrado”: a esquizofrenia. No prefácio da segunda edição (2017) de seu trabalho, estes cientistas escrevem:

No entanto, apesar de toda a intensa pesquisa nas universidades e nas gigantescas empresas farmacêuticas (Big Pharma), e apesar dos enormes avanços na genética, os genes e a bioquímica que se acreditava causar a esquizofrenia e depressão permanecem elusivos (p. xii e xiii).

Em meu artigo “No Proof Mental Illness Rooted in Biology”  (2003), eu disse:

Os psiquiatras ainda têm que provar conclusivamente que uma única doença mental tem uma causa biológica ou física, ou uma origem genética. A psiquiatria ainda tem que desenvolver um único teste físico que possa determinar que um indivíduo realmente tem uma doença mental em particular. De fato, o Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais utiliza o comportamento, não os sintomas físicos, para diagnosticar doenças mentais, e carece tanto de confiabilidade científica quanto de validade.

No “Nenhuma evidência que a serotonia baixa cause a depressão“, Peter Simons relata a recente análise de Joanna Moncrieff e seus associados, e cita os autores:

Esta análise sugere que o enorme esforço de pesquisa baseado na hipótese da serotonina não produziu provas convincentes de uma base bioquímica para a depressão. Isto é consistente com as pesquisas sobre muitos outros marcadores biológicos. Sugerimos que é hora de reconhecer que a teoria da depressão por serotonina não está empiricamente fundamentada.

Em “The Fruitless Search for Genes in Psychiatry and Psychology” (Genetic Explanations: Sense and Nonsense, ed. Sheldon Krimsky & Jeremy Gruber, Cambridge: Harvard University Press, 2013, pp. 94-106), Jay Joseph e Carl Ratner apontam os problemas metodológicos de gêmeos, adoção e estudos familiares na pesquisa de genes em psiquiatria biológica. Embora muitos psiquiatras tenham afirmado encontrar um gene ou genes associados a doenças mentais, nenhum sobreviveu ao escrutínio e foi replicado.

Em “Major Depression: The ‘Chemical Imbalance’ Pillar is Crumbling: Is the Genetics Pillar Next?”, Joseph escreve:

Eu tenho mostrado que estudos genéticos familiares, gêmeos, adoção e moleculares falharam em fornecer evidências cientificamente válidas de que os genes desempenham um papel na causa da depressão. Combinado com as recentes descobertas de Moncrieff e colegas de que a serotonina não está associada à depressão, a idéia de Depressão Maior como uma condição médica está em sérios problemas. O grande desequilíbrio químico da depressão que vem de longa data e as alegações de doenças cerebrais que são usadas para apoiar o modelo médico estão agora desmoronando. A antiga e relacionada reivindicação da “depressão como um transtorno hereditário” aguarda a sua vez para ser respondida.

O conceito de doença mental é uma marca do determinismo biológico. É a tentativa de explicar as diferenças no comportamento humano livremente escolhido como deterministicamente causado por uma doença no indivíduo que torna a pessoa não responsável por sua conduta. Como eles são considerados não responsáveis, os psiquiatras afirmam que se justifica tratar a pessoa contra a sua vontade.

Como Szasz declarou durante muitas décadas, “doença mental” é a ideologia usada para justificar uma miríade de crimes contra a humanidade nos quais as pessoas que não tiveram o devido processo e não foram condenadas em um tribunal por um delito específico e presas por anos, torturadas contra sua vontade e liberadas somente se concordarem em continuar a tomar “camisas de força químicas” uma vez que estejam fora.

Szasz acreditava que “doença mental” não era possível, que “mentes” não podem ser doentes, apenas corpos podem. Se a medicina descobrisse que alguma constelação de sintomas fosse causada por uma doença corporal, isto seria acrescentado ao nosso conhecido compêndio; não mais seria tratado por psiquiatras, mas por médicos regulares. O principal exemplo disso é a neurosífilis.

Não deve ser surpreendente, portanto, que a psiquiatria não tenha sido capaz de produzir nenhuma evidência credível, replicável e válida de que qualquer “doença mental” tenha uma causa biológica ou genética.

A Psiquiatria Biológica Contra-ataca

Durante os anos 60 e 70, Szasz teve um tremendo impacto na psiquiatria, na política, no direito e na opinião pública. Um artigo seminal do New York Times de 1982, de Bryce Nelson, foi intitulado “Psychiatry’s Anxious Years: Decline in Allure; As a Career Leads to Self-Examination.”

Nelson apontou para uma “desilusão por parte dos estudantes de medicina sobre a validade científica e eficácia prática da disciplina”, com o número de estudantes de medicina que se aplicam à psiquiatria caindo pela metade. Nelson disse:

Quanto ao declínio geral da psiquiatria, alguns culpam as críticas minuciosas que o campo tem recebido nos últimos anos. Um dos críticos mais falados é o Dr. Thomas S. Szasz, professor de psiquiatria da Universidade Estadual de Nova York em Syracuse. O Dr. Szasz argumenta há anos que “estas coisas chamadas doenças mentais não são doenças, mas parte das vicissitudes da vida”, descartando a psiquiatria como uma especialidade sem causa médica. Nas salas cheias de fumaça”, diz o Dr. Szasz, “uma e outra vez ouvi a opinião de que Szasz matou a psiquiatria. Espero que sim”.

O psiquiatra Stuart Yudofsky disse a Nelson que “havia demasiada ênfase na teoria social em vez de nos triunfos biológicos e farmacológicos da psiquiatria”.

O Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais (DSM)

Em grande parte em resposta ao declínio de sua reputação na década de 1960, a psiquiatria já estava trabalhando, fazendo-se parecer mais com a medicina regular. Isto envolveu a substituição de muitos freudianos acadêmicos por psiquiatras biológicos.

Em 1952, a Associação Psiquiátrica Americana (APA) desenvolveu seu próprio manual chamado Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais. A primeira edição foi desenvolvida principalmente com psiquiatras que trabalhavam em hospitais psiquiátricos e foi projetada em grande parte para lidar com muitos dos problemas apresentados pelos veteranos da Segunda Guerra Mundial.

Assim como a primeira edição, a segunda (publicada em 1968) era encadernada em espiral e tinha apenas cerca de 130 páginas de extensão. Foi projetada para espelhar a Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde (CID-8, 1966). Ela acrescentou uma seção sobre ” Transtornos de Comportamento da Infância e Adolescência” que incluía “Reação Hipercinética da Infância (ou adolescência)”, que “geralmente diminui na adolescência”. Nos próximos dez anos, quase 350.000 exemplares desta edição seriam impressos pela APA, indicando que eles tinham uma fábrica de dinheiro em suas mãos.

A terceira edição, publicada em 1980, marcou uma virada dramática, como documentado por Stuart Kirk e Herb Kutchins,  The Selling of DSM. Este livro chegou a quase 500 páginas. A seção de duas páginas sobre diagnóstico infantil na segunda edição foi agora ampliada para 64 páginas e o número de transtornos de 7 para quase 50. A terceira edição vendeu 350.000 exemplares em apenas três anos. Em 2016, a STAT  alegou que “Cada edição do DSM vendeu mais de 1 milhão de exemplares….”.

A maior meta científica do DSM III era que ele tinha alcançado um grande grau de confiabilidade entre os médicos, ou seja, a probabilidade de diferentes psiquiatras diagnosticarem o mesmo indivíduo com o mesmo transtorno. Mas, como Kirk e Kutchins apontaram, havia dois problemas com esta afirmação.

O primeiro era que eles tinham que se enganar para produzir seu resultado. Por exemplo, existem vários tipos diferentes de ” Transtornos de Ansiedade”. Mas se diferentes psiquiatras diagnosticaram qualquer um dos vários transtornos de ansiedade, a confiabilidade foi classificada como concordância completa. Em outras palavras, eles ampliaram o alvo a partir do pequeno olho-de-boi até a face inteira do alvo!

O segundo problema era que a reivindicação de alta confiabilidade era falsa, apesar de muitos artifícios estatísticos. Em “O Mito da Confiabilidade do DSM” (“Challenging the Therapeutic State”, Parte Dois, ed., “O Mito da Confiabilidade do DSM”), David Cohen, Journal of Mind and Behavior, Vol. 15, nos. 1 & 2, 1994), Kirk e Kutchins escrevem:

Nenhum estudo sobre a confiabilidade do DSM como um todo quando usado em ambientes clínicos naturais… demonstrou uniformemente alta confiabilidade…. Se, como insistiram os desenvolvedores do DSM III, um sistema de diagnóstico não confiável não poderia ser confiável, há razões suficientes para concluir que as últimas versões do DSM como ferramenta clínica não são confiáveis e, portanto, de validade questionável enquanto um sistema de classificação.

Na verdade, confiabilidade e validade não têm nada a ver um com o outro. Você pode ter 100% de confiabilidade e 0% de validade. E nenhuma versão do DSM foi ou pode ser testada quanto à validade.

Para testar a validade, se precisaria ter um teste de comparação e não há nenhum. Uma vez que a psiquiatria nunca demonstrou qualquer doença mental como tendo uma causa biológica, não há nenhum teste físico para determinar se alguém realmente tem uma doença desse tipo. Todo diagnóstico é feito somente a partir de sintomas que são compostos por grupos de psiquiatras. Nem o DSM nem a própria psiquiatria têm qualquer validade.

Seguro de Saúde Mental

Antes do DSM III em 1980, era provável que uma pessoa pudesse consultar um psiquiatra ou entrar em psicoterapia voluntária sem receber um diagnóstico. Mas o DSM III foi projetado em grande parte para atender às necessidades das empresas de seguro, que haviam expandido sua cobertura de saúde mental como resultado da demanda dos funcionários. Era mais barato para as empresas conceder cobertura de saúde expandida do que aumentar, por isso muitos acordos de negociação coletiva terminaram com uma cobertura de saúde expandida.

O DSM III tinha dado a cada ” transtorno mental” um número discreto para que o seguro pudesse ser faturado e o reembolso obtido. Logo se tornou comum para os provedores de saúde mental de todos os tipos dar diagnósticos psiquiátricos e procurar cobrar dinheiro das empresas de seguro.

E os provedores de saúde mental, suas associações profissionais e grupos leigos como a National Alliance on Mental Illness (NAMI) começaram a pressionar por leis estaduais e federais de “paridade de seguro de saúde mental”. Os principais argumentos usados para convencer os legisladores a expandir o seguro para serviços de saúde mental foram: (1) a doença mental é como qualquer outra doença; (2) não custará nada para ninguém fornecer cobertura de saúde mental; e (3) os tratamentos de saúde mental pouparão o dinheiro da economia a longo prazo, aumentando a produtividade do trabalhador.

Basta dizer em resumo que todas essas três coisas são falsas, como David Cohen e eu escrevemos em Mental Health Insurance Parity Is An Empty Notion” (A Paridade do Seguro de Saúde Mental é uma Noção Vazia):

O mantra do movimento de saúde mental – cujos principais ramos leigos e profissionais, como a National Alliance for the Mentally Ill and the American Psychiatric Association, têm profundas raízes financeiras nas empresas farmacêuticas – tem sido que as doenças mentais são exatamente como as doenças físicas e, portanto, devem ser cobertas pelo seguro. Mas as doenças mentais não são exatamente como as doenças físicas de pelo menos duas formas fundamentais: Seu diagnóstico não se assemelha ao diagnóstico em nenhum outro ramo da medicina, e os pacientes mentais são tratados rotineiramente contra sua vontade.

Não há dúvida de que os custos dos seguros de saúde continuaram a aumentar, mas ninguém se preocupou em perguntar quanto disso se deve à nova cobertura dos tratamentos de saúde mental.

Psicólogos

Em ” A Maioria dos Psicólogos Insatisfeitos com o DSM Desconhecendo as Alternativas“, Ashley Bobak cita pesquisas recentes que mostram que as atitudes dos psicólogos em relação ao DSM não mudaram nas últimas quatro décadas. Como Kirk e Kutchins apontaram, a Associação Americana de Psicologia ameaçou desenvolver seu próprio manual de diagnóstico se a Associação Americana de Psiquiatria não retirasse sua afirmação de que todos os transtornos mentais eram de natureza biológica. Os psiquiatras aderiram, e os psicólogos concordaram com o DSM. Mas Bobak escreve,

Apesar da visão geral negativa do DSM, com preocupações expressas em relação às categorias de diagnóstico incluídas e sua medicalização de questões psicossociais, pelo menos 88% dos psicólogos pesquisados usam o DSM pelo menos uma vez por mês, principalmente por razões práticas, de faturamento.

Por mais que muitos psicólogos e outros provedores de saúde mental se preocupem com o DSM, eles ainda estão felizes em usá-lo, em receber dinheiro do seguro e em ser considerados parte de uma empresa médica.

O Aconselhamento Voluntário e Confidencial Ainda é Possível?

Faz mais de sessenta anos que Thomas Szasz estabeleceu seus objetivos simultâneos de destruição da ideologia da psiquiatria e do movimento de saúde mental e a construção da idéia de um empreendimento de “aconselhamento” não-médico voluntário.

Em seu ensaio, “Psiquiatria para onde?” Szasz viu dois futuros possíveis para o campo:

um é a abordagem neurológico-médica da doença mental, que, combinada com a custódia, tornou-se nossa psiquiatria comunitária contemporânea; o outro é a psicanálise, que, juntamente com o trabalho de muitos psicoterapeutas e estudantes do homem, tornou-se nossa busca por uma ciência do homem moral, ou por uma ciência moral (Szasz, Ideology and Insanity, Syracuse: Syracuse University Press, 2ª edição, 1991, pp. 227-28).

É evidente que a psiquiatria optou por continuar pelo caminho da força e da fraude.

Mas Szasz viu na psicanálise, apesar das muitas deficiências de Freud e seus seguidores, o valor de buscar a orientação de outra pessoa para lidar com o que ele chamou de “problemas na vida”. Ele expôs suas idéias positivas em muitos livros e artigos, principalmente The Myth of Psychotherapy (Syracuse: Syracuse University Press, 2ª edição, 1988).

Alguns anos antes de sua morte, Szasz foi convidado a contribuir com um artigo para uma antologia chamada Existential Therapy: Legacy, Vibrancy, and Dialogue (Londres e Nova Iorque: Routledge, 2012), editado por duas analistas existenciais britânicas Laura Barnett e Greg Madison. Uma vez que ele havia reduzido sua escrita, ele se negou e sugeriu que eu escrevesse o artigo resumindo suas opiniões sobre existencialismo e psicoterapia, o que fiz em minha contribuição, “A ‘Terapia’ Existencial de Thomas Szasz: Existencial, Sim; Terapia Não” (pp. 127-40). O próprio Szasz comentou sobre vários rascunhos do meu artigo e escolheu ele mesmo o título.

Em minha conclusão, eu escrevi (pp. 136-37):

Sua própria “cura de almas” dialógica só pode ser metaforicamente – e não literalmente – semelhante à “terapia”, e apenas com qualificadores. Mas se entendemos “terapia” em seus termos como a prática ética de um diálogo filosófico, então acho justo dizer que Szasz desenvolveu um exemplo de “terapia” existencial que permanece fiel aos princípios da filosofia existencial. Ele, no entanto, rompeu deliberadamente com todos os vestígios do modelo pseudomédico. Ele não quer ter nada a ver com a idéia de que a psicoterapia de qualquer tipo pertence às profissões da saúde: “o psiquiatra qua profissional da saúde é uma fraude” (Szasz, Antipsychiatry: Quackery Squared, p. ix).

Em seu recente artigo, o jornalista Robert Whitaker argumentou que a psiquiatria, como instituição, cometeu fraude com sua promoção da teoria do desequilíbrio químico dos transtornos mentais, e pediu um processo de ação coletiva baseado em grande parte na negação rotineira do consentimento informado (“Psiquiatria, Fraude, e o Caso de Ação Coletiva“):

A história do desequilíbrio químico da depressão violou essa obrigação de honestidade, e de forma flagrante. Em vez das informações necessárias para que um paciente deprimido dê consentimento livre e esclarecido, tem sido contada aos pacientes – e ao público – uma história falsa que beneficiou os interesses da corporação e os interesses financeiros das empresas farmacêuticas. Em essência, uma história de marketing substituiria um processo de ação de classe científica….Uma ação de classe teria sido bem útil à sociedade. Isso colocaria ênfase na obrigação legal de os médicos fornecerem “consentimento informado” e de uma disciplina médica fornecer à sociedade informações que atendessem a esse padrão também.

Uma ação coletiva iria longe (1) para recuperar danos àqueles que foram prejudicados pelas mentiras da psiquiatria, e (2) para pôr um fim a mais mentiras e mais danos.

A França enfrentou um problema semelhante com um médico fraudulento no final dos anos 1700. O Rei nomeou uma Comissão Real que incluía Benjamin Franklin e o químico Antoine Lavoisier para dar um parecer científico sobre a loucura de Paris da época: O mesmerismo. Após um exame minucioso, a comissão concluiu que não existia tal coisa como “magnetismo animal” e que as “curas” de Mesmer podiam ser atribuídas ao poder da sugestão, ou o que hoje chamaríamos o efeito placebo. Mesmer deixou Paris em desgraça.

Idealmente, a Associação Médica Americana (AMA) deveria convocar tal painel, já que sua reputação também está sendo prejudicada pelas afirmações fraudulentas de que a psiquiatria é uma de suas especialidades legítimas. A psiquiatria é a minhoca na maçã da medicina.

Mas a AMA adotou de fato a psiquiatria, com seus médicos em geral prescrevendo rotineiramente antidepressivos e outros medicamentos com base na ideologia e pesquisa defeituosa da psiquiatria.

Portanto, terá que ser outro grupo a reunir os especialistas apropriados e imparciais para examinar as alegações e pesquisas da psiquiatria e emitir seu parecer sobre se a psiquiatria não só tem uma base médica válida, mas se esta base justifica a violação generalizada da ética médica e o uso rotineiro da prisão e da tortura.

 

[trad. e edição Fernando Freitas]