Ajudando as crianças com explosões de raiva

0
112

bfurmanExplosões agressivas de raiva por uma criança – também chamadas de birras, colapsos ou ataques de nervos – referem-se a ataques violentos repentinos de raiva descontrolada, que são tipicamente provocados por uma experiência subjetiva de desapontamento ou frustração. Durante o ajuste, a criança ou jovem (usaremos a palavra “criança” para se referir a crianças e jovens) grita, golpeia, chuta, cospe, amaldiçoa e joga coisas ao redor ou destrói objetos. Uma explosão agressiva de raiva pode durar vários minutos, às vezes até meia hora. Os pais frequentemente relatam que suas tentativas de acalmar a criança durante o surto agressivo de raiva não surtem efeito algum, e às vezes só pioram as coisas. As crianças que têm explosões agressivas de raiva sofrem com o problema e, embora isso nem sempre pareça evidente, querem ajuda para superá-las.

Explosões de raiva são comuns em crianças de 3 a 5 anos. Nesta faixa etária, três quartos das crianças exibem esse tipo de comportamento. Na faixa etária de 6 a 8 anos, um quinto das crianças apresenta explosões agressivas de raiva, mas quando as crianças atingem a idade de 9 a 12 anos, apenas 4% delas apresentam o problema. Os meninos são três vezes mais propensos a sofrer explosões agressivas do que as meninas (Bathia, 1990).

Pais e educadores muitas vezes se sentem desamparados diante das explosões agressivas das crianças. As crianças que têm esse problema são frequentemente encaminhadas para serviços pediátricos ou psiquiátricos para avaliação e tratamento. Nesses serviços, é provável que recebam um diagnóstico psiquiátrico, sendo mais comumente portadores de transtorno de conduta (TC), transtorno desafiador de oposição (TDO) ou transtorno de déficit de atenção (TDAH). Nas últimas décadas, tem se tornado cada vez mais comum, particularmente nos EUA, atribuir o diagnóstico de transtorno bipolar pediátrico (PBD) a crianças que sofrem de explosões agressivas.

Nas escolas, as crianças que têm explosões agressivas causam muita preocupação e desânimo. Os professores sentem-se impotentes face às explosões de crianças e têm poucas ferramentas à sua disposição. Eles podem remover a criança da sala de aula, informar os pais, enviar a criança à sala do diretor ou encaminhar a criança ao aconselhamento. O diretor pode conversar com a criança, organizar uma reunião com os pais ou expulsá-la temporária ou permanentemente da escola. Muitas vezes, os serviços sociais são envolvidos, o que pode levar a criança a ser adotada em um orfanato e ser colocada em uma instituição ou com uma família adotiva.

Nenhuma dessas soluções padrão funciona muito bem. Apesar dos esforços que foram tentados – punindo ou medicando a criança, ou excluindo a criança da escola, ou levando a criança sob custódia – as explosões agressivas podem continuar. Em centros de tratamento residencial e escolas alternativas, as explosões agressivas de uma criança são um enorme desafio para a equipe. Respostas comuns incluem medicação, restrição, reclusão ou punir a criança retroativamente.

A resposta psiquiátrica

Explosões agressivas são uma das principais causas de encaminhamentos psiquiátricos. É também a razão pela qual tantas crianças hoje em dia acabam sendo medicadas. A gravidade do problema é bem reconhecida: crianças que sofrem de explosões agressivas têm um alto risco de se tornarem delinquentes mais tarde.

A medicação tornou-se o tratamento de escolha para crianças que sofrem de explosões agressivas, particularmente nos EUA, mas cada vez mais também na Europa. Drogas comumente usadas incluem psicoestimulantes para crianças com TDAH, como Ritalina ou Concerta, e neurolépticos como Risperdal ou Abilify que podem ser usados para tratar comportamento agressivo, independentemente do diagnóstico.

O empurrão para medicar as crianças que sofrem de explosões agressivas vem de muitas direções. As escolas exigem que algo seja feito, os pais estão desesperados, o tratamento psicológico é escasso ou inacessível para as famílias, e os médicos geralmente não têm tempo ou conhecimento para oferecer aconselhamento às famílias. Como o efeito terapêutico das drogas é muito limitado, é comum hoje em dia que as crianças que sofrem de explosões agressivas estejam em um coquetel de duas ou mais drogas psiquiátricas. Nos EUA, estima-se que 40% das crianças que usam medicação psicotrópica estejam em mais de um medicamento psicotrópico (Farmer, 2011).

No entanto, existem muitas intervenções psicossociais eficazes que podem ser usadas em vez de drogas para ajudar as crianças a superar o problema de explosões agressivas.

Terapia cognitiva para crianças
A terapia comportamental cognitiva, ou CBT, é um método baseado em evidências para ajudar as crianças a superar sua tendência a ter explosões de agressividade (Sukhdolsky 2016). Na TCC, um terapeuta treinado trabalha com crianças – individualmente ou em grupo – ensinando-lhes habilidades emocionais e comportamentais que podem usar em situações desafiadoras para evitar perder a paciência. O objetivo é ajudar as crianças a aprenderem a controlar seus impulsos agressivos, melhorando a resolução de problemas e regulando suas próprias emoções.

Mesmo que a TCC esteja focada na criança, os pais também estão envolvidos no tratamento. Eles podem fornecer informações ao terapeuta sobre seu filho e recompensá-lo com elogios ou com algum outro tipo de gratificação quando a criança consegue usar suas habilidades de TCC recentemente adquiridas em casa.

Existem vários tipos de programas CBT. Um programa de enfrentamento da raiva (ACP) e treinamento de substituição de agressão (ART) são dois programas bem conhecidos. Outra abordagem cada vez mais popular é chamada de “A Criança Explosiva”. Esta é uma abordagem colaborativa de resolução de problemas desenvolvida por Ross Green e seus colegas (Greene & Ablon 2006) com base na ideia de descobrir qual habilidade à criança explosiva está faltando, ajudando a criança a adquirir aquela habilidade que está em falta.

Treinamento de gerenciamento para os pais

Outra abordagem psicossocial baseada em evidências para ajudar as crianças que sofrem de explosões de raiva é o treinamento de gerenciamento para os pais. Com esse método, um terapeuta treinado ajuda os pais a aprenderem técnicas melhores e formas mais construtivas de lidar com o comportamento fora de controle de seus filhos. O treinamento de gerenciamento dos pais é uma série de reuniões, ou workshops, onde os pais aprendem uma variedade de habilidades como por exemplo elogiar a criança pelo bom comportamento, perceber coisas boas sobre a criança, evitar escaladas de ira, ignorar o comportamento indesejado da criança, ser consistente. Incredible Years e Triple-P são exemplos amplamente utilizados e distribuídos internacionalmente de tais programas de treinamento.

Resistência não violenta (NVR), é um tipo diferente de programa de treinamento de como lidar com a violência destinado a pais e baseado em evidências. A abordagem foi desenvolvida por Haim Omer, um professor de psicologia israelense e terapeuta familiar da Universidade de Tel Aviv, e está se tornando cada vez mais popular em muitos países da Europa Central. Um terapeuta treinado treina os pais para acabar com o sigilo em torno do comportamento agressivo da criança; para obter apoio de seus familiares e amigos; e empregar maneiras gentis, respeitosas e não violentas de encorajar a criança a abandonar seus padrões agressivos de comportamento.

Terapia Narrativa

David Epston é um assistente social e terapeuta narrativo da Nova Zelândia que desenvolveu na década de 1990 uma abordagem criativa para ajudar as crianças que sofrem agressões que ele chamou de “temperar domar” ou “temperar as festas domadas”. Ao contrário de muitos outros métodos que visam mudar comportamento da criança ou dos pais, ou ambos, nessa abordagem, o objetivo da terapia é mudar a reputação da criança na comunidade. O terapeuta assume o papel de um “técnico de reputação” que ajuda a criança e seus pais a pensar em maneiras para a criança restaurar sua reputação danificada. O terapeuta pode aconselhar, por exemplo, uma criança a escrever cartas para professores ou amigos pedindo desculpas por seus ataques agressivos e informando-os de sua intenção sincera de aprender a controlar seu temperamento. Em casa, a criança e os pais da criança são aconselhados a usar a dramatização de papéis para ajudar a criança a aprender a se refrescar em situações que costumam levar a explosões.

Em um de seus fascinantes artigos, Epston conta a história de um menino de nove anos que, em repetidas ocasiões, atacou violentamente seus colegas de classe. O garoto explicou que não queria bater em ninguém, mas que não conseguia parar quando seus colegas o chamavam de nomes ofensivos, como ‘babaca’, ‘maníaco’ ou ‘maluco’. Epston instruiu o menino a escrever uma carta para todos os colegas de classe que o intimidavam, contando-lhes sobre sua determinação em ficar longe de problemas e aprender a manter a calma, não importando os nomes que eles o chamavam. Ele também deu à família uma lição de casa para ajudar o menino a desenvolver a habilidade de permanecer calmo, independentemente de quaisquer nomes que seus colegas de classe o chamavam na escola. Todos os dias, no jantar, um cartão deveria ser colocado na frente do prato de cada membro da família com um dos nomes ofensivos de seus colegas escritos nele. A instrução de Epston era: “Quando você fala um com o outro durante o jantar, você se dirige à outra pessoa usando o nome que está escrito no cartão. Você diz, por exemplo, ” ’Maluco’, suas costas ainda estão doloridas depois de trabalhar no jardim no fim de semana?” Ou “ ‘Maníaco’, por favor, passe a manteiga” ou “‘Babaca’, você se molhou a caminho de casa na chuva?” Desta forma, toda a família participou ajudando o menino a ficar insensível a palavras ofensivas que anteriormente haviam provocado sua ira violenta.

Uma terapia focada na solução

A terapia focada na solução (SFT) é um método de terapia breve desenvolvido nos EUA na década de 80 que desde então se tornou uma modalidade de terapia estabelecida em muitos países ao redor do mundo e é considerado uma abordagem baseada em evidências. O método se presta bem ao trabalho com crianças e adolescentes, e muitos livros estão atualmente disponíveis descrevendo como isso pode ser feito (por exemplo, Selekman 2010, Berg e Steiner 2003, Furman 2016, Ratner & Yusuf 2015, Milner & Bateman 2011).

Inspirados por vários programas de treinamento para os pais e pela TCC, igualmente pela abordagem de terapia narrativa de Epston e, acima de tudo, pelos princípios orientadores da terapia focalizada em soluções, desenvolvemos nos anos 90, em colaboração com dois professores de educação especial, um método amigável chamado Kids’ Skills para ajudar as crianças a superar problemas emocionais e comportamentais. Kids ‘Skills é um protocolo passo a passo simples que oferece aos terapeutas e educadores, mas também aos pais, diretivas diretas sobre como falar com as crianças de uma maneira que estimule sua colaboração e inspire as crianças a criar suas próprias ideias, como superar seus problemas com a ajuda de familiares e amigos. Desde a sua criação, o Kids ‘Skills tornou-se conhecido em muitos países. Livros sobre o método apareceram em mais de 20 idiomas e centenas de profissionais foram treinados no uso do método.

As três etapas principais na aplicação do método de habilidades infantis são:

Passo 1. Peça à criança que pense em algum método simples para se acalmar em situações em que percebe que está ficando tão irritada que pode perder a paciência. Por exemplo, a criança pode ter a ideia de se afastar da situação, contar até cinco ou enfiar as mãos nos bolsos. Não importa qual método a criança invente – o que importa é que a criança sinta que ela mesmo escolheu o método que irá usar.

Passo 2. Ajude a criança a elaborar um programa de treinamento feito sob medida que a ajudará a praticar seu método de acalmar-se e a tornar-se tão hábil que ela possa utilizá-lo não apenas em dramatizações simuladas, mas também em situações reais desafiadoras e situações provocadoras de raiva.

Passo 3. Convencer a criança que, para que o programa de treinamento exclusivo funcione, a criança precisará pensar em alguma forma ela com as pessoas importantes em sua vida (por exemplo, pais, avós, irmãos, professores e amigos) para ajudá-las a aprender a usar seu método de acalmar-se. Essa etapa de envolvimento dos apoiadores da rede social da criança garante que não apenas o comportamento da criança seja alterado, mas também o de todos em torno da criança.

O exemplo a seguir é um relatório de caso abreviado que recebemos de um participante de um de nossos cursos internacionais de treinamento em habilidades para crianças. Ele ilustra como as três etapas funcionam na prática. (Ethan não é o nome real do menino.)

Exemplo 1:

O problema de Ethan, de nove anos, era que, se as coisas não corressem do jeito que ele queria, ou se alguém se opusesse à sua sugestão, ele poderia se tornar malvado e explodir de maneira cruel. Ele gritava com seu professor, batia em seus colegas, jogava coisas ao redor ou rasgava um caderno ou um livro em pedaços. Sua professora tomou a iniciativa de conversar com ele e perguntar o que ele gostaria de melhorar na escola. Ethan disse que precisava aprender a se comportar melhor com seus colegas de escola.

Professora: O que você precisa aprender para se dar melhor com seus colegas de escola?

Ethan: Eu preciso aprender a ficar calmo.

Professora: O que você poderia fazer para ficar calmo quando estiver com raiva de alguma coisa?

Ethan: Eu preciso aprender a ir embora e ficar sozinho por algum tempo e depois voltar, ou pedir a você ou a algum outro professor para me ajudar.

Professora: Suponha que você aprenda a fazer isso; que bem isso irá trazer a você?

Quando essa questão foi discutida, o professor se convenceu de que Ethan estava plenamente ciente dos muitos benefícios de aprender a se acalmar em situações que o deixavam louco.

Professora: Você quer dar um nome à sua habilidade?

Ethan: Pode ser chamado de “neve”.

Professora: Eu tenho certeza que você entendeu, Ethan, que se você aprender a habilidade da neve, vai precisar praticar muito. Você precisará praticar todos os dias e precisará pedir a ajuda de outras pessoas.

Ethan balançou a cabeça concordando.

Professora: Que pessoas você vai pedir para ajudá-lo?

Ethan: Eu vou pedir à minha mãe, ao meu pai e à minha irmã para me ajudarem.

Professora: Como você estava pensando que eles poderiam ajudá-lo? Eles não estão na escola com você, não é assim?

Ethan: Eles podem me perguntar todos os dias quando eu chego da escola como está habilidade neve.

Professora: É uma ótima ideia, mas você não acha que precisa ter alguém na escola que possa ajudá-lo a aprender sua habilidade?

Ethan pensou sobre a questão por um momento e depois disse que pretendia perguntar a Ben e Ron, dois de seus colegas de classe, o professor e dois outros professores, para ajudá-lo.

Professora: Como eles podem ajudá-lo quando perceberem que você está ficando tão bravo que pode perder o controle e explodir?

Ethan: Eu não quero que ninguém me critique. Isso só me deixa mais furioso. Mas eles podem me dizer “neve”. Isso é tudo.

Professora: E o que você fará se eles disserem “neve”?

Ethan: Eu vou dizer para mim mesmo “pare” e depois direi a eles “desculpe”.

A professora ficou surpresa ao ouvir essas palavras saindo da boca de Ethan. Parecia quase bom demais para ser verdade.

Professora: Se você quiser, pode ter um torcedor imaginário também. Você tem um super-herói que você gosta particularmente?

Ethan queria que um super-herói de seu videogame favorito fosse seu defensor imaginário. Ele mostrou ao professor uma foto do personagem em seu smartphone e mais tarde no mesmo dia imprimiu várias fotos em preto e branco que ele coloriu com giz de cera e colou em vários lugares para lembrá-lo da habilidade que ele estava determinado a aprender.

Professora: Como você gostaria de comemorar quando você dominar sua habilidade? Você pode querer fazer algo legal com todos os seus apoiadores depois de se tornar um “mestre da neve”.

Ethan: Posso ir comer um hambúrguer com Steffi e Val e depois ver um filme com eles?

Professora: Isso soa como sendo uma ideia adorável. Teremos que perguntar o que seus pais pensam disso, mas se eles disserem sim, você pode fazer exatamente isso.

O plano que o professor de Ethan o ajudou a desenhar funcionou surpreendentemente bem, provavelmente porque seus dois colegas de classe, Ben e Ron, estavam ansiosos para ajudá-lo. Algumas semanas depois, ficou evidente para todos que Ethan havia mudado. Ele tinha ganhado controle sobre sua impulsividade agressiva a tal ponto que seus amigos e sua professora concordaram que era hora de permitir que ele convidasse seus amigos para um hambúrguer e a ver um filme.

Neste exemplo, a professora não precisou sugerir à criança que ele precisaria aprender a habilidade de se acalmar quando cruzasse com algo desagradável para ele, pois a ideia foi criada pela própria criança. O professor então reforçou a motivação do menino discutindo com ele os benefícios de aprender a habilidade. Quando ambos concordaram que aprender a habilidade era importante, o professor pediu que ele nomeasse as pessoas que ele pediria para ajudá-lo a aprender a habilidade.

Os apoiadores da criança desempenham um papel importante na terapia infantil focada na solução; a parte deles é ajudar as crianças a aprenderem suas habilidades elogiando as crianças pelo progresso e lembrando-as sempre que necessário sobre o método de de acalmar. O plano também incluiu uma discussão sobre o nome do método de relaxamento do menino e sobre como ele queria celebrar o aprendizado da habilidade. Esses detalhes aumentam a motivação da criança para trabalhar duro para aprender a usar seu método de relaxamento quando há o risco de uma explosão agressiva.

O exemplo a seguir, que é também um relato de caso fornecido por um dos nossos estagiários de Habilidades Infantis (um diretor de uma pequena escola particular alternativa), ilustra como a mesma abordagem pode ser usada com uma criança que foi diagnosticada com transtorno de conduta e transtorno de déficit de atenção.

Exemplo 2:

Sam (nome fictício do menino) era um menino de 12 anos com muitas dificuldades de aprendizado que havia sido expulso de sua escola regular e que agora frequentava uma pequena escola especial para crianças que sofriam das chamadas deficiências do neurodesenvolvimento. Sam costumava ter surtos violentos de raiva durante os quais ele gritava, xingava e jogava coisas ao redor. Depois de se acalmar, ele geralmente chorava, sentindo vergonha do que tinha feito. Um dia ele teve uma explosão de raiva, mas dessa vez sua raiva piorou mais do que nunca. Ele correu para a cozinha, pegou uma faca de pão e agitou-a no ar durante sua fúria. Felizmente, ele não se machucou nem a ninguém, mas todos, incluindo os outros alunos da escola, ficaram chocados. A situação era tão séria que, em nome da segurança do pessoal e dos alunos, o diretor teve que considerar seriamente excluir Sam da escola. Antes de fazer isso, no entanto, ele decidiu ter uma conversa sincera de coração para coração com Sam para descobrir se havia algo que poderia ser feito para garantir a segurança de todos. Sam agora estava sentado no escritório do diretor com lágrimas escorrendo pelo rosto.

Diretor: Você sabe muito bem Sam que isso nunca pode acontecer novamente. Não podemos ter você aqui em nossa escola se você não aprender a controlar seu temperamento. Você terá que inventar algo que possa fazer quando ficar zangado e impedir que você exploda. O que você pode fazer quando percebe que está ficando tão louco que pode perder a calma?

Sam: Eu posso correr para a sala de videogame e bater nos grandes travesseiros que estão lá.

(A escola era pequena, tinha apenas cinco salas de aula pequenas e no centro do andar havia uma sala com uma parede envidraçada onde os alunos às vezes descansavam em grandes almofadas, assistiam à TV ou jogavam videogames.)

Diretor: Isso pode funcionar. Mostre-me como você faria isso. Vamos fingir que você está furioso com alguma coisa e está prestes a explodir. Mostre-me o que você faria nessa situação.

Sam se levantou rapidamente e correu para a sala de TV, onde começou a bater nas almofadas febrilmente. O diretor seguiu Sam e observou toda a demonstração. Quando Sam terminou de bater nas almofadas, o diretor explicou a Sam que o método poderia funcionar com a condição de que Sam o ensaiasse diligentemente, e todos, tanto os funcionários quanto os alunos da escola, deveriam estar cientes de seu método e que poderiam ajudá-lo. lembrando-o quando ele ficasse com raiva e esquecesse de usar o método dele.

Diretor: Como você quer que seu professor e todos os outros aqui na escola o lembrem de ir à sala de TV se eles virem que você está tão chateado que precisa se acalmar?

Sam pensou por um momento e depois disse que eles poderiam mostrar a ele um gesto de bater as almofadas com os punhos no ar. Isso sinalizaria para ele que ele precisava ir para a sala de videogame esfriar a cabeça.

O diretor pediu a Sam para mostrar, primeiro ao seu professor e depois a outros membros da equipe, e finalmente aos outros alunos da escola, o que ele faria a partir de agora se ficasse tão irritado que corresse o risco de explodir. Toda vez que Sam mostrava às pessoas o que ele faria no caso de ficar louco, ele já estava, na verdade, ensaiando sua nova resposta. Sam também explicou a todos como ele queria que eles o lembrassem de sua solução se houvesse algum sinal de que ele estivesse começando a perder o controle. Quando os pais de Sam vieram buscá-lo mais tarde naquele dia, Sam contou-lhes sobre o plano e teve mais uma oportunidade de ensaiar sua solução mostrando a eles.

O método de Sam funcionou. Ele nunca teve outra explosão de raiva na escola. Em vez disso, ele frequentemente usava seu método de esfriar a cabeça, seja por iniciativa própria ou respondendo a uma sugestão de seu professor ou de outra pessoa. Sam tinha muitos outros problemas de aprendizado, mas suas birras não eram mais um problema.

Uma característica essencial das habilidades infantis é a participação ativa e responsável da criança no processo. As crianças decidem o método de relaxamento que desejam usar, recrutam seus apoiadores e praticam o método para aprendê-lo. O exemplo a seguir, também um relato de caso de um de nossos alunos, demonstra como os pais motivados podem ser treinados para usar a abordagem em casa para ajudar seu filho a aprender a se acalmar quando correr o risco de perder o temperamento.

Exemplo 3

Julia, de cinco anos de idade (não o nome verdadeiro da garota), era uma criança amada, mas suas birras se tornaram cada vez mais cruéis ao longo dos anos. Durante uma de suas explosões recentes, ela quebrou uma janela jogando um banquinho contra ela. Os pais de Julia desesperados contataram Jason, um conselheiro treinado em habilidades para crianças, com a esperança de obter conselhos sobre o que fazer com sua filha.

Jason disse aos pais que ambos deveriam sentar-se junto com Julia e explicar-lhe em voz calma que ela agora atingira uma idade em que precisava aprender a se acalmar quando ficava furiosa com alguma coisa. Ele lhes disse para explicar a ela que, aprendendo a manter a calma, ela seria mais capaz de expressar o por quê ela estar decepcionada, e como seus pais poderiam ajudá-la e apoiá-la.

Os pais foram orientados a pedir a Julia que pensasse em algo que ela pudesse fazer para se acalmar quando estivesse zangada. Se Julia não tivesse nenhuma sugestão, Jason instruiu os pais a sugerirem que ela escolhesse um lugar específico em sua casa que seria chamado de “quadrado mágico de calmaria”. Este seria um lugar onde Julia poderia ir e passar o tempo quando ela precisava se acalmar. O quadrado mágico podia ser marcado no chão com fita de pintor e Julia podia decidir por si mesma que brinquedos, livros ou outras coisas ela manteria no quadrado mágico que a ajudariam a se acalmar.

Jason explicou a seus pais que era importante que ir ao quadrado mágico não fosse experimentado por Julia como um castigo, mas um meio que ela inventara para ajudar a acalmar-se quando estivesse com muita raiva. É por isso que foi importante para Julia decidir onde o quadrado mágico seria localizado e o que ela pretendia fazer dentro da sua praça para se acalmar. Da mesma forma, também era importante que Julia contasse a seus pais como eles a lembrariam do plano mágico, quando a vissem ficando tão irritada que eles ficavam com medo de que ela fizesse uma birra.

Quando os pais chegaram em casa, sentaram-se e conversaram calmamente com Julia. Eles explicaram a ela que eles queriam que ela aprendesse a se acalmar quando ela ficava tão brava que ela achava que poderia explodir. Eles contaram a ela sobre a praça mágica e ficaram encantados ao descobrir que Julia gostou da ideia. Ela participou em pensar sobre qual era o melhor lugar para a praça e tinha muitas idéias criativas sobre quais brinquedos e livros ela queria ter em sua praça que a ajudariam a se acalmar. Quando seus pais lhe perguntaram como ela queria que eles a lembrassem do quadrado mágico, ela sugeriu que fosse com um gesto, um movimento suave da mão, que seus pais poderiam usar para lembrá-la de seu quadrado mágico.

Durante as semanas seguintes, Jason conversou com os pais algumas vezes ao telefone em uma teleconferência, apoiando-os e incentivando-os a manter o plano que haviam traçado junto com a filha. Uma vez que o arranjo estava em uso há várias semanas, os pais informaram a Jason que eles acreditavam que sua filha tinha crescido fora de seu mau hábito de responder à decepção com as birras.

Conclusão

A abordagem descrita acima tem muito em comum com as outras intervenções psicossociais mencionadas neste artigo. Compartilha com eles, entre outras coisas, a ideia de que as crianças estão dispostas a obter ajuda para superar suas explosões agressivas; que para superar as birras, as crianças precisam praticar habilidades; e que os pais precisam de orientação e aconselhamento para poderem lidar melhor com o filho.

A abordagem das habilidades infantis (Kids´s Skills) tem algumas vantagens notáveis que merecem ser mencionadas:

  1. Devido à sua simplicidade, a abordagem pode ser usada não apenas por profissionais treinados, mas também por outras pessoas que cuidam de crianças, incluindo professores, pais e avós.
  2. Apelos para as crianças. A abordagem utiliza o desejo instintivo das crianças de aprender habilidades, crescer e ser vista por outras pessoas como uma pessoa mais madura.
  3. Apelos aos pais. A abordagem é fácil para os pais aceitarem, pois não implica que eles sejam os culpados dos problemas de seus filhos, mas, ao contrário, eles são apoiadores valiosos para a criança que está se tornando melhor em lidar com suas fortes emoções.
  4. Economicamente viável. Quando a abordagem funciona, ela dá resultados rapidamente com uma quantidade limitada de envolvimento profissional.
  5. Isso influencia a rede social. A abordagem envolve a rede social da criança no processo, ajudando assim a família, os professores e até mesmo os amigos da criança a unir forças para apoiar a criança de maneira construtiva.

Nossa impressão sobre a eficácia da abordagem Kids ‘Skills para ajudar as crianças que sofrem de explosões agressivas é baseada em nossa própria experiência clínica, bem como em um número substancial de estudos de casos submetidos por trainees que participaram de nossos programas de treinamento em nosso próprio país bem como no exterior. Esperamos que este artigo chame a atenção de pesquisadores interessados em conduzir estudos estatísticos para determinar a eficácia e a eficiência dessa abordagem.

Recursos adicionais

Se, ao ler este artigo, você se inspirar em experimentar a abordagem de Habilidades das Crianças com uma criança que sofre de explosões agressivas – seja seu próprio filho ou uma criança com quem você trabalha – você pode ler um blog descrevendo um diálogo entre um conselheiro, uma menina de sete anos e sua mãe que foi escrita para fins de ensino. Você também pode se familiarizar com uma história ilustrada disponível gratuitamente em inglês no site internacional Kids ‘Skills, contando a história de uma garota chamada Linda que consegue superar suas birras usando uma abordagem sugerida por seu avô.

Sobre os autores
Ben Furman, psiquiatra, e Tapani Ahola, psicólogo social, são psicoterapeutas certificados pelo estado e treinadores seniores de terapia e coaching focados em soluções. Eles também são os fundadores do Helsinki Brief Therapy Institute. A sua colaboração abrange mais de três décadas, durante as quais desenvolveram várias aplicações clínicas e não clínicas de psicologia focada em soluções, e são co-autores de vários livros sobre o tema.

Deixe uma resposta