Nova revisão de antipsicóticos para esquizofrenia questiona evidências para uso a longo prazo

0
105

bernalyn ruizPesquisadores do Instituto Norueguês de Saúde Pública foram solicitados por uma agência de saúde na Noruega a conduzir uma revisão dos riscos e benefícios do uso a longo prazo de antipsicóticos em pessoas diagnosticadas com esquizofrenia. Os autores relatam pouca confiança na literatura de pesquisa existente sobre este tópico e concluem que não é possível estabelecer relações causais entre o uso de antipsicóticos (AP) e a mortalidade ou o uso de PA e o funcionamento do trabalho. Geralmente, no entanto, a revisão mostra que as pessoas diagnosticadas com esquizofrenia que não tomaram PAs por mais de dois anos apresentaram maior probabilidade de estar trabalhando e tiveram melhor desempenho no trabalho e menos sintomas positivos e negativos do que aqueles que tomaram AP a longo prazo.

“A questão sobre os efeitos e efeitos adversos do tratamento de longo prazo (mais de dois anos) com os antipsicóticos é difícil de responder, mesmo com os melhores métodos de pesquisa”, escrevem os pesquisadores. “Nós, portanto, temos muito pouca confiança na documentação.”

question-marksEmbora a pesquisa existente sobre os efeitos nos APs sugira que, em até dois anos, os pacientes observem uma diminuição nos sintomas positivos, redução no risco de recaída, aumento da qualidade de vida e resultados em menos reinternações, outras pesquisas também delinearam os inúmeros efeitos adversos. efeitos sobre o uso a curto e longo prazo de antipsicóticos. Pesquisadores do Instituto Norueguês de Saúde Pública foram incumbidos de examinar o impacto do uso de antipsicóticos a longo prazo (mais de dois anos) para a esquizofrenia, na esperança de fornecer maior clareza nessa área.

Uma revisão sistemática de estudos que avaliaram o efeito do tratamento com AP por mais de dois anos para transtornos psicóticos foi conduzida. Além de coletar informações sobre os resultados avaliados (efeitos positivos e efeitos colaterais adversos, por exemplo, funcionamento do trabalho e mortalidade), os pesquisadores também “classificaram” os estudos para classificar sua qualidade e, assim, a confiança dos pesquisadores nos resultados. Poucos estudos analisaram o tratamento que durou mais de dois anos, de modo que apenas oito estudos de apenas três amostras distintas de pacientes (Finlândia, Suécia, Estados Unidos) foram incluídos nesta revisão.

Os achados desta revisão revelaram que, nos estudos finlandês e sueco, os pacientes que usaram AP tiveram menor mortalidade. No estudo dos pacientes dos EUA que não usaram PAs, foi encontrado um melhor funcionamento do trabalho. Os autores também destacam um achado de que pacientes que não estavam em AP tiveram menos sintomas positivos e negativos em longo prazo. O risco de re-hospitalização foi misto, deixando os pesquisadores incertos do efeito.

Os autores desta revisão sistemática afirmam que nenhum ECR avaliou os efeitos dos APs no tratamento por mais de dois anos. Eles concluem que os resultados desta revisão indicam um suporte fraco para o estabelecimento de uma relação causal entre PAs e mortalidade, bem como seus efeitos sobre o funcionamento do trabalho. Atualmente, não se conhece informação suficiente para falar com confiança sobre a relação causal entre o uso a longo prazo dos APs e os resultados.

****

Smedslund G, Siqveland J, Kirkehei I, Steiro AK. Long-term antipsychotic treatment of persons with schizophrenia spectrum disorders: a systematic review, Norwegian Institute of Public Health. Research overview 2018. Available at www.fhi.no/en (Link)

1 COMENTÁRIO

  1. Tenho esquizofrenia e concordo com essa pesquisa quando se refere na questão de alguns sintomas positivos e negativos. No meu caso simplesmente não conseguia fazer o básico de um ser humano, que é ter uma higiene adequada, me alimentar e resolver meus problemas. Antipsicóticos são um mau necessário, em alguns casos e por um tempo somente, não para toda a vida como acontece no Brasil.

Deixe uma resposta